quarta-feira, 21 de maio de 2014

Comentário do Livro do Apocalipse

Primeira parte - INTRODUÇÃO AO LIVRO DO APOCALIPSE


Eu acho que o meu comentário sobre o Apocalipse é um dos bons comentários que existem na língua portuguesa sobre este livro. Se conseguir dar uma olhadela rápida ao comentário é capaz de concordar comigo.

Mas devo dizer desde já que a razão principal que me levou a ter todo este trabalho, é porque eu acredito que a mensagem do Apocalipse não é para ser pregada quando o Apocalipse começar, é para ser pregada agora!

Durante os meus dois anos básicos em Teologia que foram feitos na Escola Bíblica de Genebra, em Cologny, eu tive o privilégio de estudar a fundo o livro do Apocalipse que vinha incluído na disciplina de Escatologia.

Estando já a trabalhar como pastor, a minha curiosidade e estudos sobre este tema continuou durante os dois anos que fiz no Instituto Biblico do Tojal em Loures como aluno externo e mais um ano que fiz mais tarde como aluno ouvinte no Morlands College na Inglaterra. Tenho portanto mostrado muito interesse pelo estudo do livro do Apocalipse e posso dizer que durante os meus 33 anos de vida pastoral tenho procurado sempre enriquecer os meus conhecimentos sobre este livro e sobre Escatologia.

Escatologia é uma parte da teologia e filosofia que trata dos últimos eventos na história do mundo ou do destino final do gênero humano, comumente denominado como fim do mundo. Os meus estudos mais recentes sobre o livro do Apocalipse foram feitos com a ajuda do livro de John Mac Arthur “Because the time is near”.

Pode consultar o site em baixo se quiser saber um pouco mais sobre JohnMacArthur e Grace to You.


... o tempo está próximo...
O esquema principal deste comentário foi feito com a ajuda do esquema do livro “Because the time is near”, donde também retirei algumas ideias e comentários.

Mas o conteúdo geral do livro é o resultado de muitos anos de estudo e investigação sobre Escatologia e o livro do Apocalipse.

A minha intenção é proporcionar um esquema geral do livro, dividido em três grandes divisões que, por sua vez, estão divididas em secções com os seus respectivos pontos e sub-pontos.

A partir deste esquema, pastores e professores da Bíblia que se identifiquem em linhas gerais com esta interpretação do Apocalipse, poderão preparar muitas mensagens e estudos, acrescentando a matéria e as aplicações que acharem bem às suas pregações e estudos.

John MacArthur - Grace to You
É claro que neste trabalho eu procuro dar acima de tudo a interpretação do livro do Apocalipse que eu acho mais correcta. 

Além disso, procuro apresentar um esboço geral da mensagem do livro devidamente sistematizado, mas o pregador deverá fazer consultas na Net para encontrar matéria para "colar" neste esboço e assim enriquecer as suas pregações e estudos bíblicos sobre a mensagem do livro do Apocalipse.     
                                                              
Eu penso que há neste comentário matéria suficiente para dar um estudo biblico ou uma série de pregações nas Igrejas durante seis meses.

O leitor ao ler e estudar um pouco mais a fundo este livro, irá aos poucos ver que o livro do Apocalipse é como o final da sinfonia bíblica, juntando todos os temas da Bílbia numa conclusão entusiasmante.

Nota importante:

Que interpretação podemos dar a um livro que descreve "um animal com sete cabeças, dez chifres e que tem o corpo de um leopardo e os pés de um urso" Apoc 13:1-2?

Como podemos interpretar a imagem "como a do sangue a correr que chega ao freio de um cavalo" Apocalipse 14:20?

O Apocalipse tem tantas imagens e é tão simbólico que 12 pessoas a lerem, podem chegar a 12 interpretações diferentes.

É por esta razão que muitos cristãos pensam que o livro do Apocalipse é um livro muito simbólico e, desta forma, podem achar que não vale a pena perder muito tempo a estudar o livro, pois afinal o Apocalipse é simplesmente uma revelação simbólica do final dos tempos, sujeita a muitas interpretações.

Mas, o livro Apocalipse além de ter o propósito de revelar muito simbolicamente as coisas que vão acontecer no futuro, 1:1b "mostrar aos seus servos as coisas que brevemente devem acontecer, pretende em primeiro lugar revelar de uma forma normal e directa a pessoa de Jesus Cristo.

Cristo é revelado de forma mais literal, diferente do tema sobre o fim do mundo que é revelado de forma mais simbólica. E podemos afirmar que Apocalipse é a mais completa e magnificente revelação de Cristo que encontramos em toda a Bíblia e, é por isso, que o livro começa com 1:1a "Revelação de Jesus Cristo".

Não há nenhum livro da Bíblia que revela tão claramente a Natureza, o Carácter e a obra Redentora de Cristo, como o livro do Apocalipse.

Além disso, não há também nenhum livro da Bíblia que revela como o Apocalipse, os problemas pelos quais a Igreja vai passar e os ataques diabólicos do diabo e seus comparsas aos crentes antes do arrebatamento e depois do arrebatamento da Igreja.

Vemos ainda neste livro neste livro do Apocalipse a partir do capítulo quatro: 

A revelação do combate do diabo para travar o estabelecimento do Reino Milenar de Cristo.

A revelação dos últimos acontecimentos ligados ao regresso de Cristo e ao estabelecimento do Seu Reino Milenar.

A revelação do julgamento final diante do grande Trono Branco.

A revelação dos novos céus e da nova terra e o futuro glorioso dos crentes.

E depois destas revelações o Apocalipse termina com algumas promessas, exortações e avisos muito importantes.

Será que não vale a pena tirar tempo para estudar o livro que revela acontecimentos e factos ligados a esta Magnificente Revelação de Jesus Cristo?

Vamos ver agora as quatro escolas de interpretação do livro do Apocalipse:

A. As quatro escolas de interpretação do livro do Apocalipse

1. Preterista: Acredita que os acontecimentos do livro do Apocalipse foram cumpridos no ano 70 A.D com a destruição de Jerusalém pelos Romanos.

2. Historicista: Vêm o livro do Apocalipse como uma análise da história da Igreja, descrevendo diversos tempos históricos da perseguição e tribulação da Igreja.

3. Idealista: Interpreta Apocalipse de uma forma simbólica, como sendo uma não literal exposição da batalha entre Deus e as forças do mal.

4. Futurista: Entende que Apocalipse 4 a 22 profetiza acontecimentos futuros, focados especialmente no final da história humana. Esta forma de interpretar, é o resultado natural de uma leitura directa e literal do livro do Apocalipse.

Eu irei seguir a escola de interpretação Futurista, pois penso que é a escola que dá a interpretação mais literal e provavelmente mais correcta do livro, isto com todo o respeito pelas outras escolas de interpretação.

Escreve as coisas que tens visto, e as que depois... 
O livro do Apocalipse é o livro da Bíblia que apresenta o esboço mais detalhado sobre os acontecimentos finais dos últimos tempos. Vemos revelados no Apocalipse acontecimentos muito pormenorizados daquilo que irá acontecer no final da história humana.

Jesus aparece a João na ilha de Patmos e através de visões revela-lhe o que ele tem que escrever às sete Igrejas, que eram sete Igrejas da Ásia existentes naquela época, mas, ao mesmo tempo, muitos teólogos pensam que estas Igrejas representam diferentes etapas da história da Igreja de Cristo até ao arrebatamento da Igreja.

A Igreja será arrebatada antes dos julgamentos de Deus começarem a cair sobre a terra. No livro do Apocalipse os julgamentos começam a partir do capítulo 4 e vão até ao capítulo 22.

Nós vemos que depois de Jesus se dirigir às Igrejas João é arrebatado ao céu Apocalipse 4:1-2 onde, a seguir, ele teve algumas visões sobre os julgamentos de Deus sobre a terra.

Muitos teólogos acham que este arrebatamento de João, ligado a outros textos bíblicos que falam de arrebatamento, é uma anologia ao arrebatamento da Igreja, que irá acontecer antes dos julgamentos de Deus começarem a cair sobre a terra.

Estes julgamentos iniciam com a abertura dos sete selos, seguido das sete trombetas que começam a tocar quando o sétimo selo se abre e os julgamentos terminam com as sete taças da ira de Deus que começam a ser lançadas na terra quando a sétima trombeta começa a tocar.

Segundo muitos comentadores os textos em baixo muito conhecidos fazem referência ao arrebatamento que livrará a Igreja de passar por este tempo de julgamento, que começa com a abertura dos sete selos.

I Tessalonicenses 1:10 “E esperar dos céus a seu Filho, a quem ressuscitou dos mortos, a saber, Jesus, que nos livra ira futura”. A Igreja está à espera de Jesus, como vemos também neste texto em baixo, que virá dos céus com trombeta de Deus para arrebatar os crentes, tanto os mortos como os vivos, e depois então virá o tempo da Tribulação em que Deus lançará os seus castigos sobre os homens ímpios e impenitentes e sobre o Diabo, a Besta e o Falso profeta.

... e assim estaremos sempre com o Senhor.
I Tessalonicenses 4:13-17 “13 Não quero, porém, irmãos, que sejais ignorantes acerca dos que já dormem, para que não vos entristeçais, como os demais, que não têm esperança.14 Porque, se cremos que Jesus morreu e ressuscitou, assim também aos que em Jesus dormem, Deus os tornará a trazer com ele. 15 Dizemo-vos, pois, isto, pela palavra do Senhor: que nós, os que ficarmos vivos para a vinda do Senhor, não precederemos os que dormem. 16 Porque o mesmo Senhor descerá do céu com alarido, e com voz de arcanjo, e com a trombeta de Deus; e os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro. 17 Depois nós, os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, a encontrar o Senhor nos ares, e assim estaremos sempre com o Senhor. 18 Portanto, consolai-vos uns aos outros com estas palavras.

I Corintios 15:51-54  “51 Eis aqui vos digo um mistério: Na verdade, nem todos dormiremos, mas todos seremos transformados; 52 Num momento, num abrir e fechar de olhos, ante a última trombeta; porque a trombeta soará, e os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos transformados. 53 Porque convém que isto que é corruptível se revista da incorruptibilidade, e que isto que é mortal se revista da imortalidade.”

No texto em baixo vemos mencionado a destruição da Besta que vai aparecer segundo a eficácia de Satanás e vemos mencionado também o julgamento de todos aqueles que não amaram a verdade, mas antes se deixaram enganar pela mentira e tiveram prazer na iniquidade.

Tudo isto acontecerá precisamente durante a tribulação depois do arrebatamento da Igreja.

I I Tessalonicenses 2:1-12 “1 Ora, irmãos, rogamo-vos, pela vinda de nosso Senhor Jesus Cristo, e pela nossa reunião com ele, 2 Que não vos movais facilmente do vosso entendimento, nem vos perturbeis, quer por espírito, quer por palavra, quer por epístola, como de nós, como se o dia de Cristo estivesse já perto. 3 Ninguém de maneira alguma vos engane; porque não será assim sem que antes venha a apostasia, e se manifeste o homem do pecado, o filho da perdição, 4 O qual se opõe, e se levanta contra tudo o que se chama Deus, ou se adora; de sorte que se assentará, como Deus, no templo de Deus, querendo parecer Deus. 5 Não vos lembrais de que estas coisas vos dizia quando ainda estava convosco? 6 E agora vós sabeis o que o detém, para que a seu próprio tempo seja manifestado. 7 Porque já o mistério da injustiça opera; somente há um que agora resiste até que do meio seja tirado; 8 E então será revelado o iníquo, a quem o Senhor desfará pelo assopro da sua boca, e aniquilará pelo esplendor da sua vinda; 9 A esse cuja vinda é segundo a eficácia de Satanás, com todo o poder, e sinais e prodígios de mentira, 10 E com todo o engano da injustiça para os que perecem, porque não receberam o amor da verdade para se salvarem. 11 E por isso Deus lhes enviará a operação do erro, para que creiam a mentira; 12 Para que sejam julgados todos os que não creram a verdade, antes tiveram prazer na iniqüidade”

Justos e verdadeiros são os teus julgamentos...
No céu, João, viu o trono de Deus e milhares de anjos e santos à sua volta e vê o Leão de Judá, o único que é digno de abrir o Livro dos sete selos.

Ao abrirem-se os selos, João vê os julgamentos de Deus sobre a terra iniciarem e na abertura dosétimo selo ele viu sete anjos peparados para tocarem as sete trombetas e quando a sétima trombeta tocou ele viu os sete anjos com as sete taças da ira de Deus contendo os últimos julgamentos de Deus para serem lançados na terra.

Ao derramar a sétima taça João viu os acontecimentos ligados com a Grande Tribulação, quando satanás é vencido no céu e lançado por terra e juntamente com a Besta e o Falso Profeta vai fazer guerra aos santos e a Jesus Cristo.

Depois João viu o Senhor Jesus descendo dos céus acompanhado dos seus regimentos celestiais para vencer a Besta e o Falso Profeta, prender satanás durante 1000 anos e estabelecer o seu reino milenar na terra.

A seguir ao milênio, ele viu o juízo final do grande Trono Branco em que aqueles cujos os nomes não foram achados escritos no livro da vida, foram lançados no lago de fogo e finalmento ele viu os novos céus, a nova terra e a nova Jerusalém e ouviu as últimas palavras de conforto e aviso que estão escritas no final do livro do Apocalipse.

Sobre o Milênio, há três grandes escolas de interpretação:

B. As três grandes escolas de interpretação sobre o Milênio:

1. Pós-milenismo: Através da influência do Cristianismo a sociedade continuará a desenvolver-se até atingir um estado de completa paz e justiça na terra. Então são os crentes que trarão o milênio à terra. Cristo voltará depois de um período de paz e prosperidade tiver sido estabelecido na terra.

2. Pré-milenismo: O Milênio faz referência ao futuro reino físico que Cristo estabelecerá na terra quando do seu regresso, depois do Arrebatamento da Igreja e da Tribulação. O Reino que terá como capital Jerusalém durará mil anos, após qual este mundo será destruído e substituído pelos novos céus e a nova terra. Esta interpretação é a forma mais natural e literal de compreender Apocalipse 20 a 22.

Todos os pré-milenistas acreditam que a Tribulação durará 7 anos e acreditam também que a partir da segunda metade, ou depois de três anos e meio, a Tribulação atinge o máximo e dá lugar à chamada Grande Tribulação ou Grande Aflição.

Mateus 24:21 “Porque haverá então grande aflição, como nunca houve, desde o principio do mundo até agora, nem tão pouco haverá”.

Mas uns acham que a Igreja será arrebatada antes da Tribulação, ou seja antes dos sete anos.

Outros acreditam que a Igreja estará na terra na primeira parte da Tribulação, e só será arrebatada antes da segunda parte a chamada Grande Tribulação.

3. Amilenismo: O Milênio não é um reino físico de mil anos estabelecido na terra. É antes um reino espiritual, fazendo referência ao reino de Cristo na vida e nos corações dos crentes durante o tempo da Igreja. Alguns amilenistas acreditam que este reino faz referência a um reino no céu, aonde os santos estão a reinar com Ele.

Mas todos rejeitam a noção de um reino físico milenar na terra.

Segunda parte - AS TRÊS GRANDES DIVISÕES DO APOCALIPSE 

Irei a partir de agora fazer uma análise ao livro do Apocalipse, baseada na interpretação dada pela escola futurista, mas sem querer de maneira nenhuma rebaixar os outros cristãos que preferem seguir uma outra escola de interpretação.

O livro do Apocalipse pode ser dividido em três grandes divisões como iremos ver em baixo, salientadas por Jesus quando inicia o seu encontro com João.

Jesus destaca as três grandes divisões da revelação, dizendo a João“Escreve as coisas que tens visto, e as que são, e as que depois destas hão-de acontecer”. V 19

E nesta ordem de Jesus a João temos as três divisões principais do livro do Apocalipse:

I.  AS COISAS QUE TENS VISTO 1:1-20

I I.  E AS COISAS QUE SÃO 1 - 3:22

I I I.  E AS QUE DEPOIS DESTAS HÃO-DE ACONTECER 4:1 - 22:21

Vamos então fazer o estudo do livro de Apocalipse utilizando como base estas três divisões do livro baseadas nas visões de João e que ele devia escrever segundo o que lhe foi dito por Jesus: “Escreve as coisas que tens visto, e as que são, e as que depois destas hão-de acontecer”.

I. AS COISAS QUE TENS VISTO Apocalipse 1:1-20

A. Introdução ao assunto

Apocalipse 1:1-3 “1 Revelação de Jesus Cristo, a qual Deus lhe deu, para mostrar aos seus servos as coisas que brevemente devem acontecer; e pelo seu anjo as enviou, e as notificou a João seu servo; 2 O qual testificou da palavra de Deus, e do testemunho de Jesus Cristo, e de tudo o que tem visto. 3 Bem-aventurado aquele que lê, e os que ouvem as palavras desta profecia, e guardam as coisas que nela estão escritas; porque o tempo está próximo.”

Nesta introdução, entramos em contacto com o assunto do livro seguindo os seguintes pontos:

1. Apocalipse é a revelação de Jesus Cristo

Apocalipse 1:1-6, 13-20 “1 Revelação de Jesus Cristo”.

No capítulo 1 João diz que o livro de Apocalipse é a “Revelação de Jesus Cristo” e, depois, João começa a descrever o primeiro encontro que teve com Jesus, em que Jesus começa por apresentar a Sua Divindade dizendo v 8 “Eu sou o Alfa e o Ômega, o princípio e o fim” e no v 17 “Eu sou o primeiro e o último”.

Em Apocalipse 22:13 Cristo se apresenta da mesma forma “13 Eu sou o Alfa e o Omega, o princípio e o fim, o primeiro e o derradeiro.”

Estes termos são utilizados unicamente para descrever Deus em Isaías 44:6 e 48:12.

A seguir, no v 18 Jesus diz: “E o que vivo e fui morto mas eis aqui estou vivo para todo o sempre. E tenho as chaves da morte e do inferno”.

Desta forma, Jesus inicia a Sua Revelação apresentando as Suas credenciais divinas a João, revelando-se como o Alfa e o Ômega, o princípio e o fim, o primeiro e o último, termos que na Bíblia se aplicam somente a Deus. Jesus Cristo é Deus.

O livro é além disso, uma revelação sobre verdades muito significativas para a Igreja, avisando sobre o perigo de tolerar o pecado e exortando a Igreja a viver em santidade. Revela também o poder que Cristo e os crentes têm para vencer satanás.

Vemos que revela também os julgamentos de Deus durante o período da Grande Tribulação e o regresso glorioso de Cristo à terra para estabelecer o seu reino milenar.

Depois disto revela a vitória final de Cristo sobre toda a oposição humana e diabólica. O Apocalipse faz referência ao final da nossa história humana: revelando o sistema político que o mundo vai ter nos últimos tempos, o governo do Anti-Cristo e a batalha final do Armagedom e finalmente revela o grande trono branco no juizo final e os novos céus e a nova terra.

Mas, no meio desta revelação sobre verdades muito significativas que a Igreja deve conhecer e das coisas que irão acontecer no futuro, vemos a grande revelação ligada à Majestade e  à Glória do nosso Senhor Jesus Cristo: a revelação da sua natureza e do seu carácter divino, a revelação da sua obra Redentora e da adoração contínua a volta do trono de Deus e a revelação do seu glorioso regresso quando como um relâmpago resplandecerá do céu e será visto tanto no ocidente como no oriente.

Mateus 24:27 “27 Porque, assim como o relâmpago sai do oriente e se mostra até ao ocidente, assim será também a vinda do Filho do homem”.

2. Apocalipse é a revelação do futuro comunicado a João por visões através de anjos 

Apocalipse 1:1b-2 “1b a qual Deus lhe deu, para mostrar aos seus servos as coisas que brevemente devem acontecer; e pelo seu anjo as enviou, e as notificou a João seu servo; 2 O qual testificou da palavra de Deus, e do testemunho de Jesus Cristo, e de tudo o que tem visto”.

Jesus revela que enviou os seus anjos para revelar a João as coisas que irão acontecer no futuro, e nisto o livro do Apocalipse é único. A revelação do livro do Apocalipse envolve anjos tal como a revelação da lei dada a Moisés no monte Sinai (Atos 7:53, Gálatas 3:19, Hebreus 2:2).

Os anjos não só são enviados para revelar o futuro a João, mas tem um papel importante pois aparecem nas diversas cenas que o livro apresenta conforme a revelação do futuro se vai desenrolando.

A palavra “anjo” e “anjos” aparecem 71 vezes no livro do Apocalipse, servindo de base para um estudo sobre o ministério dos anjos que segundo a Bíblia são ministros de Deus enviados a servir a favor daqueles que se vão salvar. Hebreus 1:8-14, Salmos 91:11-12, Salmos 34:7, II Reis 6:15-18.

3. Bem-aventurança para os que "ouvem e guardam" as palavras desta profecia 

Apocalipse 1:3 “3 Bem-aventurado aquele que lê, e os que ouvem as palavras desta profecia, e guardam as coisas que nela estão escritas; porque o tempo está próximo.

Jesus deixa bem salientado que somente os que "ouvem" e "guardam" as palavras desta profecia serão Bem-aventurados.

Em Mateus 7:24-27 Jesus comparou o homem que ouve a Palavra mas não pratica (não guarda) ao homem louco que edificou a sua casa sobre a areia, e quando veio a chuva e as torrentes e os ventos e deram com ímpeto contra aquela casa, foi grande a sua queda.

Mas o homem que ouve a Palavra e pratica (e guarda) é comparado ao homem sábio que edificou a sua casa sobre a rocha e quando veio a chuva e as torrentes e os ventos e deram com ímpeto contra aquela casa, ela não caiu.

Notem bem o aviso "Bem-aventurado aquele que lê, e os que ouvem as palavras desta profecia, e guardam as coisas que nela estão escritas; porque o tempo está próximo.”

É uma exortação a "ouvir" e a "guardar" os avisos desta profecia do Apocalipse. As chuvas, torrentes e ventos referidas em Mateus 7, podem aplicar-se, neste caso, às chuvas, torrentes, ventos, catástrofes e julgamentos anunciados "nesta profecia" do Apocalipse que terão o início com a abertura do primeiro selo e findarão com o derramamento da sétima taça da ira de Deus.

Notem ainda como termina a exortação "porque o tempo está próximo.”

Estamos a chegar ao tempo dos julgamentos do Apocalipse. Daí a importância de não só "ouvirmos" mas "guardarmos" estes avisos e ensinarmos e pregarmos mais do que nunca sobre avisos solenes e exortar os homens a serem sábios e não somente "ouvir", mas a "guardar" também.

Eu disse no inicio que razão principal que me levou a ter todo este trabalho é porque eu acredito que a mensagem do Apocalipse não é para ser pregada quando o Apocalipse começar, é para ser pregada agora, fazendo um grande apelo para que os que "ouvem" estes avisos também os "guardem"!

"Fazer ouvidos de mercador" é uma atitude que até pode estar certa em certas situações para evitar confusões, contudo, em relação à Palavra de Deus não podemos tomar esta atitude.

Infelizmente muitos "farão ouvidos de mercador" e, por isso, não serão arrebatados. Mas, quem sabe, se alguns deles, judeus ou gentios, familiares ou amigos, quando compreenderem que estão a viver nos tempos da Grande Tribulação porque sendo loucos fizeram "ouvidos de mercador" e não foram salvos e arrebatados, lembrar-se-ão nessa altura dos nossos avisos e voltar-se-ão para Cristo e para Deus!?

A nossa pregação sobre os avisos do Apocalipse durante os dias da Igreja, antes do Arrebatamento da Igreja e da Grande Tribulação, nunca será em vão.

Não devia ser esta a nossa esperança para muitos familiares e amigos a quem estamos a testemunhar e para quem estamos a orar, não esqueçamos isto "porque o tempo está próximo" e o arrebatamento e a Grande Tribulação estão às portas!

Vamos ver as sete Bem-aventuranças do Apocalipse:
Apocalipse 1:3 “3 Bem-aventurado aquele que lê, e os que ouvem as palavras desta profecia, e guardam as coisas que nela estão escritas; porque o tempo está próximo".

"porque o tempo está próximo", este termo "tempo" não se refere ao tempo do nosso relógio ou do nosso calendário, mas a estações ou eras.

A próxima "era" na história da redenção virá com a vinda do nosso Senhor Jesus Cristo. O regresso de Cristo tem sido sempre a grande esperança da Igreja.

O Senhor Jesus disse aos seus seguidores para esperarem com expectação pelo seu regresso, como vemos em Lucas 12:35-40. Os apóstolos Paulo, Pedro, Tiago e João todos eles disseram que o "tempo" do seu regresso está perto, Romanos 13:12, I Pedro 4:7, Tiago 5:7-9, I João 2:18.

Portanto, Bem-aventurados aqueles que lêm e guardam estas profecias acerca dos finais dos tempos e do seu regresso, porque o "tempo" do seu regresso está próximo.

Há sete Bem-aventuranças no Livro do Apocalipse como podemos ver em baixo:

Bem-aventurado aquele:

Apocalipse 1:3 "Bem-aventurado aquele que lê, e os que ouvem as palavras desta profecia, e guardam as coisas que nela estão escritas"

Bem-aventurado os mortos:

Apocalipse 14:13 "Bem-aventurado os mortos que, desde agora, morrem no Senhor".

Bem-aventurado os que vigiam, pois venho como ladrão:

Apocalipse 16:15 "Eis que venho como ladrão. Bem-aventurado aquele que vigia, e guarda os seus vestidos, para que não ande nu, e não se vejam as suas vergonhas".

Bem-aventurados aqueles :

Apocalipse 19:9 "Bem-aventurados aqueles que são chamados à ceia das bodas do Cordeiro".

Bem-aventurado aquele:

Apocalipse 20:6 "Bem -aventurado e santo aquele que tem parte na primeira ressureição".

Bem-aventurado aquele:

Apocalipse 22:7 "Bem-aventurado aquele que guarda as palavras da profecia deste livro".

Bem-aventurado aqueles:

Apocalipse 22:14 "Bem-aventurados aqueles que lavam as suas vestiduras no sangue do Cordeiro, para que tenham direito à árvore da vida, e possam entrar na cidade pelas portas".

B. Apocalipse é a revelação do regresso de Cristo

Apocalipse 1:4-8 “João, às sete igrejas da província da Ásia: A vocês, graça e paz da parte daquele que é, que era e que há de vir, dos sete espíritos que estão diante do seu trono 5 e da parte de Jesus Cristo, que é a testemunha fiel, o primogênito dentre os mortos e o soberano dos reis da terra. Ele nos ama e nos libertou dos nossos pecados por meio do seu sangue 6 E nos fez reis e sacerdotes para Deus e seu Pai; a ele glória e poder para todo o sempre. Amém. 7 Eis que vem com as nuvens, e todo o olho o verá, até os mesmos que o traspassaram; e todas as tribos da terra se lamentarão sobre ele. Sim. Amém. 8 Eu sou o Alfa e o Omega, o princípio e o fim, diz o Senhor, que é, e que era, e que há de vir, o Todo-Poderoso”.

Nesta secção, vemos uma nova revelação, desta vez a falar mais precisamente do regresso de Cristo, seguido de bençãos e de uma dedicação desta mensagem às Igrejas da Ásia.

1. Dedicação às Igrejas da Ásia 

V 4ª “João, às sete igrejas da província da Ásia.”

Quando chegarmos à segunda divisão do livro iremos ver Jesus a dirigir-se a estas Igrejas.

2. A benção trinitariana

V4b “A vocês, graça e paz da parte daquele que é, que era e que há de vir, dos sete espíritos que estão diante do seu trono 5 e da parte de Jesus Cristo, que é a testemunha fiel, o primogênito dentre os mortos e o soberano dos reis da terra. Ele nos ama e nos libertou dos nossos pecados por meio do seu sangue”.

Nesta revelação vemos a trindade em acção:

“daquele que é, que era e que há de vir” fala do Pai,

“e dos sete espíritos” fala do Espírito Santo,

“da parte de Jesus Cristo” fala do filho.

3. Previsão da segunda vinda de Cristo

V 4 “daquele que é, que era e que há de vir”

V 8 “que é, e que era, e que há de vir”

Nós vemos nestas duas expressões contidas nesta secção, uma previsão da segunda vinda de Cristo, o que é um dos objectivos principais da profecia.

4. Doxologia de exaltação a Jesus Cristo

A Ele sejam glória e poder para Todo o Sempre...
Apocalipse 1:5-6 “5 e de Jesus Cristo, que é a testemunha fiel, o primogênito dentre os mortos e o soberano dos reis da terra. Ele nos ama e nos lavou ou dos nossos pecados por meio do seu sangue 6 e nos constituiu reino e sacerdotes para servir a seu Deus e Pai. A ele sejam glória e poder para todo o sempre! Amém”.

Nesta doxologia vemos exaltada completamente a Soberania e a obra redentora de Cristo e por isso a Ele devem ser dado glória e poder para todo o sempre.

a) Em primeiro lugar é exaltado pela Sua Soberania, por ser:

V 5 “a Testemunha fiel”

V 5 “o primogênito dentre os mortos”

V5 “o soberano dos reis da terra”

b) Em segundo lugar é exaltado pela Sua Obra Redentora: 

V5 “Ele nos ama” V5 “e nos lavou dos nossos pecados por meio do seu sangue”

V6 “e nos constituiu reino e sacerdotes para servir a seu Deus e Pai”

c) Em terceiro lugar é exaltado porque lhe pertencem a glória e o poder:

V6 “A ele sejam glória e poder para todo o sempre”

C. Apocalipse é a revelação das coisas que irão acontecer no futuro

Apocalipse 1:1, 8, 17, 18, 19 "1 Revelação de Jesus Cristo, a qual Deus lhe deu, para mostrar aos seus servos as coisas que brevemente devem acontecer; e pelo seu anjo as enviou, e as notificou a João seu servo 8 sou o Alfa e o Ômega, o princípio e o fim, diz o Senhor, que é, e que era, e que há de vir, o Todo-Poderoso, 17 E eu, quando vi, caí a seus pés como morto; e ele pôs sobre mim a sua destra, dizendo-me: Não temas; Eu sou o primeiro e o último; 18 E o que vivo e fui morto, mas eis aqui estou vivo para todo o sempre. Amém. E tenho as chaves da morte e do inferno, 19 Escreve as coisas que tens visto, e as que são, e as que depois destas hão de acontecer”.

Jesus começou por revelar a João que as razões principais da profecia são a Revelação da sua divindade e da sua obra redentora e é a Revelação da sua segunda vinda e agora salienta que esta revelação da sua Pessoa, da sua obra e do seu regresso tem como objectivo revelar as coisas que brevemente devem acontecer, ou seja revelar as coisas que irão acontecer no futuro.

Quando entramos na terceira divisão que ocupa quase todo o livro, pois vai do capítulo 4 ao capítulo 22, Jesus continua a fazer menção da sua Pessoa, da sua Obra, da sua Glória, do seu Poder, da Adoração que lhe é devida e do seu Regresso e Reino Milenar, mas o propósito desta terceira divisão é revelar o futuro, "as coisas que em breve irão acontecer" que é o assunto principal da terceira divisão "e as que depois destas hão-de acontecer" Apocalipse 4:1 - 22:21

Nesta secção, Jesus apresenta mais algumas credenciais da sua divindade, apresentando-se como o Alfa e o Ômega, o primeiro e o último, e também como aquele que viveu e morreu pelos pecados, mas que ressuscitou e vive para todo o sempre.

Depois pede a João para escrever estas coisas e enviar às sete Igrejas da Ásia sobre as coisas que em breve irão acontecer.

1. A revelação de Jesus é para mostrar as coisas que irão acontecer no futuro.

"1 Revelação de Jesus Cristo, a qual Deus lhe deu, para mostrar aos seus servos as coisas que brevemente devem acontecer."

Cristo ao revelar-se desta forma magnífica, como sendo Deus e Redentor e revelando o seu regresso, tem por obejctivo revelar as coisas que irão acontecer no futuro até aos final dos tempos.

2. Cristo faz declarações a Seu respeito que só a Deus pertencem 

Eu sou o Alfa e o Ômega...
Apocalipse 1:8 “8 Eu sou o Alfa e o Ômega, o princípio e o fim, diz o Senhor, que é, e que era, e que há de vir, o Todo-Poderoso”

Apocalipse 1:17-18 “17 E eu, quando vi, caí a seus pés como morto; e ele pôs sobre mim a sua destra, dizendo-me: Não temas; Eu sou o primeiro e o último; 18 E o que vivo e fui morto, mas eis aqui estou vivo para todo o sempre. Amém. E tenho as chaves da morte e do inferno”

Nós vemos estas declarações sobre a Sua Divindade nestes versículos. Os termos nestes versículos são utilizados unicamente para descrever Deus como vemos em Isaías 44:6 e 48:12.

 Depois no v 18 Jesus diz: “E o que vivo e fui morto mas eis aqui estou vivo para todo o sempre. E tenho as chaves da morte e do inferno”. E esta é mais uma declaração que somente Deus pode fazer.

3. A revelação das coisas que vão acontecer no futuro 

Apocalipse 1:1,19 “1 Revelação de Jesus Cristo, a qual Deus lhe deu, para mostrar aos seus servos as coisas que brevemente devem acontecer; e pelo seu anjo as enviou, e as notificou a João seu servo 19 Escreve as coisas que tens visto, e as que são, e as que depois destas hão de acontecer”

Juntamente com a revelação da Pessoa Divina de Cristo, a razão desta profecia é para revelar as coisas que irão acontecer no futuro, que segundo a escola de interpretação futurista que estamos a seguir diz respeito aos tempos que se seguem ao arrebatamento da Igreja, nomeadamente na altura da Tribulação, cuja segunda parte dá lugar à “grande aflição” referida em Mateus 24:21

O livro de Mateus 24:1-8 refere-se aos tempos antes do Arrebatamento, que a Bíblia chama de “príncipio das dores” que é um tempo de guerra entre as nações, cataclismos e sedução, que culmina com o arrebatamento da igreja, seguindo-se a Tribulação, que por sua vez dá lugar à “grande aflição” que é quando as últimas trombetas tocam e as taças da ira de Deus são lançadas sobre a terra.

Possivelmente Mateus 24:9-14 fala dos tempos que se seguem ao arrebatamento.

Mateus 24:15 “quando, pois virdes que a abominação da desolação que falou o profeta Daniel, está no lugar santo, quem lê atenda”. Parece que este v 15 de Mateus 24 dá início à “grande aflição” que é a segunda parte da Tribulação, três anos e meio, que vai começar precisamente “quando, pois virdes que a abominação da desolação que falou o profeta Daniel, está no lugar santo, quem lê atenda”.

4. Apresentação de Jesus na primeira visão

Apocalipse 1:13-20 “13 E no meio dos sete castiçais um semelhante ao Filho do homem, vestido até aos pés de uma roupa comprida, e cingido pelos peitos com um cinto de ouro. 14 E a sua cabeça e cabelos eram brancos como lã branca, como a neve, e os seus olhos como chama de fogo; 15 E os seus pés, semelhantes a latão reluzente, como se tivessem sido refinados numa fornalha, e a sua voz como a voz de muitas águas. 16 E ele tinha na sua destra sete estrelas; e da sua boca saía uma aguda espada de dois fios; e o seu rosto era como o sol, quando na sua força resplandece. 17 E eu, quando vi, caí a seus pés como morto; e ele pôs sobre mim a sua destra, dizendo-me: Não temas; Eu sou o primeiro e o último; 18 E o que vivo e fui morto, mas eis aqui estou vivo para todo o sempre. Amém. E tenho as chaves da morte e do inferno. 19 Escreve as coisas que tens visto, e as que são, e as que depois destas hão de acontecer; 20 O mistério das sete estrelas, que viste na minha destra, e dos sete castiçais de ouro. As sete estrelas são os anjos das sete igrejas, e os sete castiçais, que viste, são as sete igreja”.

Neste texto vemos que Jesus Cristo é a personagem central deste livro.

Não temas; Eu sou o primeiro e o último
Nós podemos ver a forma gloriosa, mas ao mesmo tempo aterrorizadora como Jesus se apresenta a João, de tal forma que João cai aos seus pés, como morto: “E eu, quando vi, caí a seus pés como morto; e ele pôs sobre mim a sua destra, dizendo-me: Não temas; Eu sou o primeiro e o último”.

Vamos ver então que Jesus se apresenta a João, como sendo o nosso Deus – o Deus Filho, Santíssimo e Todo Poderoso, que um dia veio ao mundo, fazendo-se homem para nos salvar, mas voltará um dia com glória e poder para julgar o mundo?

v13 “E no meio dos sete castiçais um semelhante ao Filho do homem”

v13 “vestido até aos pés de uma roupa comprida, e cingido pelos peitos com um cinto de ouro”

v14 “E a sua cabeça e cabelos eram brancos como lã branca, como a neve, e os seus olhos como chama de fogo”

v15 “E os seus pés, semelhantes a latão reluzente, como se tivessem sido refinados numa fornalha, e a sua voz como a voz de muitas águas”

v16 “E ele tinha na sua destra sete estrelas; e da sua boca saía uma aguda espada de dois fios; e o seu rosto era como o sol, quando na sua força resplandece”

v17 “E eu, quando vi, caí a seus pés como morto; e ele pôs sobre mim a sua destra, dizendo-me: Não temas;

v18 “Eu sou o primeiro e o último; E o que vivo e fui morto, mas eis aqui estou vivo para todo o sempre. Amém”

v18 “E tenho as chaves da morte e do inferno”.

Depois desta apresentação Jesus diz a João para escrever v19 “as coisas que tens visto, e as que são, e as que depois destas hão de acontecer” .

Finalmente, Jesus revela que v20 “o mistério das sete estrelas, que viste na minha destra, e dos sete castiçais de ouro. As sete estrelas são os anjos das sete igrejas, e os sete castiçais, que viste, são as sete igreja”.

Jesus nesta sua apresentação continua a revelar a sua Divindade que já tinha começado a ser revelada quando Ele disse a João no v 8: “Eu sou o Alfa e o Ômega, o princípio e o fim”. Agora no v 17 vemos mais um complemento: “Eu sou o primeiro e o último”.

Como podemos ler também em Apocalipse 22:13: “13 Eu sou o Alfa e o Omega, o princípio e o fim, o primeiro e o derradeiro.”

Jesus Cristo revela-se no livro do Apocalipse como sendo o Deus todo Poderoso que foi enviado ao mundo pelo Pai para dar a sua vida pelos nossos pecados e nos oferecer a Vida Eterna, mas voltará a segunda vez, cheio de poder e glória para julgar todos aqueles que o rejeitaram.

Apocalipse 1:5b-6 “5 e de Jesus Cristo, que é a testemunha fiel, o primogênito dentre os mortos e o soberano dos reis da terra. Ele nos ama e nos libertou dos nossos pecados por meio do seu sangue e nos constituiu reino e sacerdotes para servir a seu Deus e Pai. A ele sejam glória e poder para todo o sempre! Amém.

5. As profecias de Mateus 24 e 25 são importantes 

Estas profecias em Mateus são importantes para a compreensão do livro do Apocalipse em geral.

Aliás as profecias do Evangelho de Mateus capítulos 24 e 25, ajudam-nos a compreender melhor o livro do Apocalipse, pois as profecias em Mateus e Apocalipse estão completamente ligadas, e juntamente com as profecias em Daniel e em I e I I Tessalonicenses sobre os finais dos tempos e a segunda vinda de Cristo, dão-nos uma compreensão geral de como estas profecias irão-se cumprir.

Mateus 24:15-51 “15 Quando, pois, virdes que a abominação da desolação, de que falou o profeta Daniel, está no lugar santo; quem lê, atenda; 16 Então, os que estiverem na Judéia, fujam para os montes; 17 E quem estiver sobre o telhado não desça a tirar alguma coisa de sua casa; 18 E quem estiver no campo não volte atrás a buscar as suas vestes. 19 Mas ai das grávidas e das que amamentarem naqueles dias! 20 E orai para que a vossa fuga não aconteça no inverno nem no sábado; 21 Porque haverá então grande aflição, como nunca houve desde o princípio do mundo até agora, nem tampouco há de haver. 22 E, se aqueles dias não fossem abreviados, nenhuma carne se salvaria; mas por causa dos escolhidos serão abreviados aqueles dias. 23 Então, se alguém vos disser: Eis que o Cristo está aqui, ou ali, não lhe deis crédito; 24 Porque surgirão falsos cristos e falsos profetas, e farão tão grandes sinais e prodígios que, se possível fora, enganariam até os escolhidos. 25 Eis que eu vo-lo tenho predito. 26 Portanto, se vos disserem: Eis que ele está no deserto, não saiais. Eis que ele está no interior da casa; não acrediteis. 27 Porque, assim como o relâmpago sai do oriente e se mostra até ao ocidente, assim será também a vinda do Filho do homem. 28 Pois onde estiver o cadáver, aí se ajuntarão as águias. 29 E, logo depois da aflição daqueles dias, o sol escurecerá, e a lua não dará a sua luz, e as estrelas cairão do céu, e as potências dos céus serão abaladas. 30 Então aparecerá no céu o sinal do Filho do homem; e todas as tribos da terra se lamentarão, e verão o Filho do homem, vindo sobre as nuvens do céu, com poder e grande glória. 31 E ele enviará os seus anjos com rijo clamor de trombeta, os quais ajuntarão os seus escolhidos desde os quatro ventos, de uma à outra extremidade dos céus. 32 Aprendei, pois, esta parábola da figueira: Quando já os seus ramos se tornam tenros e brotam folhas, sabeis que está próximo o verão. 33 Igualmente, quando virdes todas estas coisas, sabei que ele está próximo, às portas. 34 Em verdade vos digo que não passará esta geração sem que todas estas coisas aconteçam. 35 O céu e a terra passarão, mas as minhas palavras não hão de passar. 36 Mas daquele dia e hora ninguém sabe, nem os anjos do céu, mas unicamente meu Pai. 37 E, como foi nos dias de Noé, assim será também a vinda do Filho do homem. 38 Porquanto, assim como, nos dias anteriores ao dilúvio, comiam, bebiam, casavam e davam-se em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca, 39 E não o perceberam, até que veio o dilúvio, e os levou a todos, assim será também a vinda do Filho do homem. 40 Então, estando dois no campo, será levado um, e deixado o outro; 41 Estando duas moendo no moinho, será levada uma, e deixada outra. 42 Vigiai, pois, porque não sabeis a que hora há de vir o vosso Senhor. 43 Mas considerai isto: se o pai de família soubesse a que vigília da noite havia de vir o ladrão, vigiaria e não deixaria minar a sua casa. 44 Por isso, estai vós apercebidos também; porque o Filho do homem há de vir à hora em que não penseis. 45 Quem é, pois, o servo fiel e prudente, que o seu senhor constituiu sobre a sua casa, para dar o sustento a seu tempo? 46 Bem-aventurado aquele servo que o seu senhor, quando vier, achar servindo assim. 47 Em verdade vos digo que o porá sobre todos os seus bens. 48 Mas se aquele mau servo disser no seu coração: O meu senhor tarde virá; 49 E começar a espancar os seus conservos, e a comer e a beber com os ébrios, 50 Virá o senhor daquele servo num dia em que o não espera, e à hora em que ele não sabe, 51 E separá-lo-á, e destinará a sua parte com os hipócritas; ali haverá pranto e ranger de dentes”.

Seria bom ler com atenção Mateus 24 e 25, antes de entrar na terceira divisão do livro. Mas, vejamos agora a segunda divisão do livro.


I I. E AS COISAS QUE SÃO Apocalipse 2:1-3:22

As sete Igrejas da Àsia
Muitos eruditos bíblicos estão de acordo que nesta segunda divisão Jesus está a pedir a João para escrever as visões que estão ligadas a sete Igrejas na Àsia. Eram Igrejas que existiam na Àsia naquela época, mas, ao mesmo tempo, eles pensam que estas sete Igrejas representam sete tipos de Igrejas que irão existir através de toda a história da Igreja, alguns pensam mesmo que representam as sete etapas da Igreja durante a sua história terrena.

Se estiver certa esta opinião que as sete Igrejas representam "sete etapas" na história da Igreja na terra, então a Igreja de Éfeso – a Igreja com discernimento, mas fria e apática que perdeu o primeiro amor – fala da Igreja primitiva e da Igreja dos patriarcas, aquela que se seguiu logo à Igreja primitiva. E a Igreja de Laodiceia – a Igreja morna - fala da Igreja na sua etapa final antes do arrebatamento.

Desta forma, podemos estar a viver nos tempos da Igreja de Filadelfia (a Igreja antes da Igreja de Laodiciea), que tendo pouca força diante do mundo dominado pela alta tecnologia que formatou as sociedades modernas e o estilo e as doutrinas das Igrejas actuais que, por isso, se afastaram muito do estilo e das doutrinas da Biblia.

Mas, apesar disso, Jesus disse a esta Igreja:

3:8 “8 Conheço as tuas obras; eis que diante de ti pus uma porta aberta, e ninguém a pode fechar; tendo pouca força, guardaste a minha palavra, e não negaste o meu nome”.

Se a Igreja for fraca diante deste mundo, mas guardar a Palavra de Deus e continuar fiel a Cristo, seja qual for os tempos em que estamos a viver, Deus vai manter uma porta aberta diante da Igreja, como prometeu manter diante daquela Igreja.

As sete Igrejas da Ásia
É possível que esta opinião possa estar certa, pois não podemos esquecer que a Igreja primitiva, a Igreja cheia do Espírito Santo, e cheia do primeiro amor, perdeu este primeiro amor mal os apóstolos morreram, como a Igreja de Éfeso.

E alguns textos bíblicos parecem apoiar a ideia de que a Igreja dos últimos tempos será uma Igreja – morna, como a Igreja de Laodiceia.

E, talvez, estejamos a viver nos tempos da Igreja de Filadélfia, pois somos fracos diante deste mundo muito influente por causa da alta tecnologia, utilizada na sua grande parte para propagar o mal.

Mas, é claro que embora eu esteja de acordo com esta opinião, eu sei que não passa de uma opinião.

O que podemos dizer ao certo é que Cristo está a dirigir-se àquelas sete Igrejas da Ásia e que nós podemos aprender alguma coisa  salientado por Cristo, sobre a Sua Pessoa e sobre os pontos fortes e as fraquezas destas Igrejas.

Nós vemos que as sete Igrejas da Àsia foram alertadas para o perigo de perderem o "primeiro amor" e de tolerarem também no meio delas as "doutrinas dos nicoilatas", as "doutrinas de Labão", as "doutrinas dos da sinagoga de Satanás" e as "doutrinas de "Jezabel" e foram alertadas também para outros erros e perigos que teriam que confrontar.

Iremos ver o significado de tudo para aquelas sete Igrejas da Àsia e para as Igrejas dos nossos dias. As Igrejas dos nossos dias também estão sendo confrontadas por muitos erros e perigos e por estas doutrinas que estão hoje disfarçadas noutras formas e procuram infiltrar-se nas Igrejas de Cristo e perveterem os ensinamentos bíblicos.

Iremos ver também que Cristo salienta alguns aspectos fortes dessas Igrejas, e muito especialmente das Igrejas de Smirna e de Filadélfia que não receberam nenhuma repreensão, e iremos aprender com isto.

É tudo isto que iremos ver a seguir, como Cristo se revelou e o que disse a cada uma destas Igrejas.

A. Cristo dirigi-se às sete Igrejas de forma sistemática.

1. Em primeiro lugar, Cristo apresenta a Sua Divindade 

Ao lermos o livro do Apocalipse nunca podemos perder de vista que este livro é a REVELAÇÃO de Jesus Cristo, da sua Pessoa, revelação da sua Obra e do seu Regresso. Jesus Cristo apresenta-se como o Filho de Deus, como sendo Ele mesmo Deus.

No que diz respeito à sua Pessoa, desde o início da revelação em Apocalipse 1:1 até ao final da revelação, Jesus Cristo vai desfolhando gradualmente as suas credenciais divinas.

Ele começa a revelação na primeira aparição a João e a partir de agora Ele vai apresentar mais algumas das suas credenciais divinas às sete Igrejas.

2. Em segundo lugar, Cristo revela o conhecimento que tem da Igreja

Ele diz que conhece cada Igreja, salientando aquilo que Ele conhece de cada Igreja, e iremos ver que todas as Igrejas são diferentes.

3. Em terceiro lugar, Cristo repreende a Igreja 

Ele repreende cada Igreja, por aquilo que é negativo que Ele conhece de cada Igreja. Mas há duas Igrejas que não recebem a repreensão do Senhor, a Igreja de Smirna e a Igreja de Filadélfia. As outras cinco Igrejas são severamente repreendidas

4. Em quarto lugar, Cristo faz um apelo ao arrependimento

As Igrejas de Smirna e Filadélfia que não recebem nenhuma repreensão, também não recebem nenhum apelo ao arrependimento. Mas as restantes cinco Igrejas todas recebem um apelo para arrependerem-se dos seus pecados.

5. Em quinto lugar, Cristo dirige uma Palavra de encorajamento

Todas as Igrejas são encorajadas a arrependerem-se e Cristo tomará isto em consideração, mas as Igreja de Smirna e Filadélfia recebem um encorajamento diferente, pois são encorajadas simplesmente a manter a sua fidelidade e perseverança.

6. Em sexto lugar, Cristo promete uma recompensa 

Todas as Igrejas recebem a promessa de que apesar dos seus pecados, ou pelo menos aqueles que dentro da Igreja ouvirem a voz de Cristo e abandonarem os seus pecados, serão recompensados, recompensa esta que é diferente para cada Igreja.

A recompensa prometida ás igrejas de Smirna e Filadélfia são apresentadas de forma completamente diferentes, pois não está sugerido que serão recompensados se abandonarem os pecados, mas à Igreja de Smirna, a Igreja Fiel, Jesus promete “Sê Fiel até à morte e dar-te-ei a coroa da vida” e à Igreja de Filadélfia, Jesus promete “guarda o que tens, para que ninguém tome a tua coroa”.

Desta forma, Cristo dirigindo-se a cada uma das sete Igrejas, continuando a apresentar as suas credenciais divinas, revela-se a cada Igreja de acordo com a situação de cada Igreja, como iremos ver em baixo.

B. As cartas às sete Igrejas 

1. Primeira carta à Igreja de Éfeso 

Apocalipse 2:1-7 “1 Escreve ao anjo da igreja que está em Éfeso: Isto diz aquele que tem na sua destra as sete estrelas, que anda no meio dos sete castiçais de ouro: 2 Conheço as tuas obras, e o teu trabalho, e a tua paciência, e que não podes sofrer os maus; e puseste à prova os que dizem ser apóstolos, e o não são, e tu os achaste mentirosos. 3 E sofreste, e tens paciência; e trabalhaste pelo meu nome, e não te cansaste. 4 Tenho, porém, contra ti que deixaste o teu primeiro amor. 5 Lembra-te, pois, de onde caíste, e arrepende-te, e pratica as primeiras obras; quando não, brevemente a ti virei, e tirarei do seu lugar o teu castiçal, se não te arrependeres. 6 Tens, porém, isto: que odeias as obras dos nicolaítas, as quais eu também odeio. 7 Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas: Ao que vencer, dar-lhe-ei a comer da árvore da vida, que está no meio do paraíso de Deus”.

Tema: A Igreja de Éfeso - Igreja com discernimento, mas fria e apática.

a) Cristo apresenta da Sua Divindade

“1 Isto diz aquele que tem na sua dextra as sete estrelas, que anda no meio dos setes castiçais”.

Aquele que anda no meio dos castiais
Cristo apresenta-se como o Senhor da Igreja.

Cristo descreve-se a Ele próprio como aquele que anda no meio dos sete castiçais, que representam estas sete Igrejas, que afinal são também um símbolo de todas as Igrejas, de todas as épocas que existirão até ao arrebatamento e ao regresso de Cristo. Cristo apresenta-se aqui como o Senhor Soberano da Igreja, o único que tem autoridade para examinar e dirigir-se à Igreja de Éfeso e a qualquer Igreja sempre que quiser.

As estrelas representam os líderes de cada Igreja, ou congregação local.

Cristo identifica-se às primeiras cinco Igrejas segundo a visão que João teve durante a sua primeira aparição, descrita em Apocalipse 1:9-20

À Igreja de Éfeso Cristo revela-se segundo a visão descrita em Apocalipse 1:12-13 “12 E virei-me para ver quem falava comigo. E, virando-me, vi sete castiçais de ouro; 13 E no meio dos sete castiçais um semelhante ao Filho do homem, vestido até aos pés de uma roupa comprida, e cingido pelos peitos com um cinto de ouro”.

b) Cristo revela o conhecimento que tem da Igreja 

“2 Conheço as tuas obras, e o teu trabalho, e a tua paciência, e que não podes sofrer os maus; e puseste à prova os que dizem ser apóstolos, e o não são, e tu os achaste mentirosos. 3 E sofreste, e tens paciência; e trabalhaste pelo meu nome, e não te cansaste 6 Tens, porém, isto: que odeias as obras dos nicolaitas, as quais eu também odeio.”

Depois da sua apresentação e antes de repreender a Igreja, Cristo salienta alguns aspectos positivos da Igreja de Éfeso:

Em primeiro lugar, era uma Igreja com obras, trabalhadora e paciente.

Em segundo lugar era uma Igreja que destestava os maus, que eram os pagãos que viviam nas trevas e que se opunham à Igreja.

Em terceiro lugar, era uma Igreja que também tinha a coragem para denunciar os falsos apóstolos que procuravam influenciar os crentes com as suas mentiras.

Em quarto lugar, além de ser uma Igreja trabalhadora e incansável, era uma Igreja que se opunha também às obras dos Nicolaitas.

Mas, quem eram os Nicolaitas, que o texto diz que os crentes de Éfeso odiavam as suas obras e Cristo disse "as quais eu também odeio?".

Os Nicolaitas, foram chamados assim, porque criaram uma heresia que se formou já no fim da era apostólica, com os falsos mestres deturpando a Pureza da Doutrina de Cristo e seus Apóstolos.

A doutrina nicolaita concebeu a ideia de uma casta especial e superior na Igreja, ou seja, o chamado Clero.

Indo além, formou-se a ideia de uma hierarquia eclesiástica dentro deste mesmo clero. Há uma grande probabilidade de que estes nicolaitas, dos quais muito pouco se sabe, sejam os formadores do pensamento Católico Romano e, portanto, seus antecessores.

Portanto, não é bíblica a ideia de um clero dentro da Igreja, ainda por cima constituído por uma hierarquia em que os sacerdotes que estão no topo da hierarquia governam tudo, tanto o clero, como a Igreja.

A Bíblia fala no "sacerdócio de todos os crentes". Um sacerdote é aquele que tem o privilégio de entrar na presença de Deus. Pela morte e o derramamento do sangue de Cristo, os crentes foram feitos "sacerdotes para Deus", "pedras vivas", tendo por isso o privilégio de entrar na presença de Deus para apresentar louvores e petições a Deus.

Todos os crentes todos são também chamados a servir tanto nos cultos e actividades a Igreja, assim como na evangelização e missões, exercendo cada um a sua função no Corpo de Cristo.

Apocalipse 1:6 "E nos fez reis e sacerdotes para Deus e seu Pai; a ele glória e pode para todo o sempre"

Apocalipse 5:10 "E para o nosso Deus os fizeste reis e sacerdotes; e eles reinarão sobre a terra."

1 Pedro 2:5 "Vós também, como pedras vivas, sois edificados casa espiritual e sacerdócio santo, para oferecer sacrifícios espirituais agradáveis a Deus por Jesus Cristo".

A epístola aos Hebreus exorta aos cristãos como um todo a se aproximarem de Deus dentro do véu, no lugar santíssimo (Hebreus 10:19-22; 13:15-16). Como sacerdotes temos o direito de entrar no lugar santíssimo, lugar em que nenhum filho de Arão ou sacerdote podia entrar, excepto o Sumo Sacerdote de Israel, mas só de vez em quando.

Os nicolaitas foram aqueles que começaram a trazer para dentro da Igreja esta debilidade e confusão que fez o "sacerdócio dos crentes" ser usurpado por uma classe priviligiada de pessoas, algumas das quais nem sequer são salvas!

É verdade que a Igreja de Éfeso teve discernimeno e se opôs a estas ideias dos Nicolaitas, mas, infelizmente, a história mostra que estas ideias tomaram conta das Igrejas professantes, começando pela Igreja Católica que caiu no exagero de estabelecer o Papado, assim como as Igrejas protestantes que são governadas por uma hierarquia muito rígida e há muitas Igrejas Evangélicas que são governadas também a partir do topo por um grupo privilegiado de pessoas que manda e decide tudo.

c) Cristo repreende a Igreja 

“4 Tenho, porém, contra ti que deixaste o teu primeiro amor”.

Apesar do seu labor e do seu discernimento, Cristo repreende a Igreja pois esta tornou-se fria e apática pois perdeu o primeiro amor.

A Igreja de Éfeso era do ponto vista doutrinário uma Igreja sólida, senão não teria repudiado os maus, denunciado os falsos apóstolos e se oposto à doutrina dos nicolaitas. Poderíamos dizer também que os líderes deviam ser homens experimentados e conhecedores da doutrina.

Não podemos esquecer que esta Igreja foi fundada e pastoreada por Paulo Atos 18:19 que os ensinou-os e admoestou-os durante três anos Atos 2:31 e lhes comunicou todo o conselho de Deus Atos 20:27. Recebeu uma epístola escrita por Paulo, era de facto uma Igreja doutorada na Palavra de Deus.

Foi também pastoreada por Timóteo e Tiquíco Efésios 6:21 e recebeu visitas de Apolo, Priscila e Àquilas. Atos 18:27.

Portanto, quanto à doutrina era uma Igreja ortodoxa e implacácel, mas Jesus lhes diz “lembra-te donde caíste”, ou seja, lembra-te daqueles tempos em que eras pastoreada e visitada por obreiros de grande craveira e conheceste momentos altos e áureos.

E Jesus acrescenta que eles cairam dessa posição, porque perderam o primeiro amor. Isto quer dizer que embora eles ainda mantivessem uma doutrina certa e eram intolerantes em relação à heresia, eles tornaram-se na prática uma Igreja fria e seca.

A Igreja de Éfeso nos ensina que a doutrina ensinada e praticada sem amor, esfria e mata a verdadeira espiritualidade. Não se pode, a “pretexto” de zelar pela verdade, desconsiderar o cultivo de uma espiritualidade banhada pelo amor de Deus.

A mensagem do Evangelho não só tem que mudar as “mentes” dos crentes, mas também os “corações”. Uma Ortodoxia bíblica correcta esclarece a "mentes" dos crentes, mas para poder também transformar a fundo o "coração" dos crentes, precisa de estar banhada pelo amor de Deus .

d) Cristo faz um apelo ao arrependimento, deixando um aviso

“5 Lembra-te, pois, de onde caíste, e arrepende-te, e pratica as primeiras obras; quando não, brevemente a ti virei, e tirarei do seu lugar o teu castiçal, se não te arrependeres.”

Tomando o assunto muito a sério, Cristo diz a Igreja para dar os passos necessários a recobrar o primeiro amor.


Em primeiro lugar, Cristo diz à Igreja para lembrar-se onde esteve, quando ainda estava cheia do primeiro amor, donde gradualmente caíu.

Em segundo lugar, diz que a Igreja tem que arrepender-se deste pecado de ter deixado o seu primeiro amor, tendo posto afinal Deus em segundo ou terceiro lugar.

Em terceiro lugar, Cristo desafia a Igreja a voltar ao primeiro amor, praticando as suas primeiras obras quando precisamente estava cheia deste amor. Finalmente Cristo deixa um aviso.

Finalmente Cristo deixa um aviso:

v 5b "quando não, brevemente a ti virei, e tirarei do seu lugar o teu castiçal, se não te arrependeres.”

e) Cristo dirige uma Palavra de encorajamento

“6 Tens, porém, isto: que odeias as obras dos nicolaítas, as quais eu também odeio.”

Como já vimos em cima os Nicolaitas, foram chamados assim, porque criaram uma heresia que se formou já no fim da era apostólica, com os falsos mestres deturpando a Pureza da Doutrina de Cristo e seus Apóstolos.

Eles estavam, no final do séc. I, infiltrados nas igrejas de Cristo como podemos ver neste texto.

Evidentemente, este desejo de EXERCER PODER SOBRE O POVO, disseminou entre muitos homens de liderança nas igrejas, movidos pelo instinto carnal de DOMÍNIO, pela soberba e pela torpe ganância de posição e riquezas.

Especialmente entre os pastores das grandes igrejas, nos grandes centros, com congregações numerosas, tornava-se uma tentação estabelecer uma ostentação de poder sobre o rebanho e outros pastores de rebanhos menores. Eis o porquê de mais tarde estabelecer-se Roma como o "centro da Igreja" e o "trono do Papa", como o maioral e chefe máximo do Catolicismo em Roma.

Sendo Roma a capital e o maior centro urbano de sua época, permitia a que seus pastores nutrissem uma imagem mais poderosa e importante que os demais. É claro que, com o apoio de Constantino (no começo do séc. IV) definitivamente o Bispo de Roma conquistou esta supremacia.

É possível que talvez não fora o Nicolaísmo, não existiria o erro de uma IGREJA UNIVERSAL, com sede em algum lugar. Nem mesmo a primeira Igreja, formada por Jesus pessoalmente, em Jerusalém, tinha autoridade sobre as demais.

Podemos ver em Atos 15, a postura da Igreja de Jerusalém com relação a Antioquia, como mãe que exorta a seu filho INDEPENDENTE num momento de necessidade, mas não considera justo lhe impor nada.

Observe-se, ainda, o próprio falar dos Apóstolos Pedro e Tiago (que estavam em Jerusalém e não em Roma), como não exercem eles domínio sobre a Igreja, mas servem como conselheiros junto a Ela e com o Espírito Santo (Atos 15:23,25 e 28).

a) Cristo promete uma recompensa

 “7 Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas: Ao que vencer, dar-lhe-ei a comer da árvore da vida, que está no meio do paraíso de Deus”.

Cristo depois do apelo ao arrependimento, promete que os vencedores comerão da árvore da vida 2:5,7

A árvore da vida referida aqui, que estava no meio do jardim do Éden e que Adão e Eva não puderam comer Gênesis 3:23-24 é sem dúvidas uma imagem de Cristo. O que Cristo está a dizer aqui à Igreja de Éfeso é que aqueles que ouvirem o seu apelo e arrependerem-se serão vencedores e receberão a Vida Eterna.

b) Segunda carta à Igreja de Smirna 

Nada temas das coisas que hás de padecer
Apocalipse 2:8-11 “8 E ao anjo da igreja que está em Esmirna, escreve: Isto diz o primeiro e o último, que foi morto, e reviveu: 9 Conheço as tuas obras, e tribulação, e pobreza (mas tu és rico), e a blasfêmia dos que se dizem judeus, e não o são, mas são a sinagoga de Satanás. 10 Nada temas das coisas que hás de padecer. Eis que o diabo lançará alguns de vós na prisão, para que sejais tentados; e tereis uma tribulação de dez dias. Sê fiel até à morte, e dar-te-ei a coroa da vida.11 Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas: O que vencer não receberá o dano da segunda morte

Tema: A Igreja de Smirna - Igreja perseguida e sofredora.

a) Cristo apresenta a Sua Divindade 

“Isto diz o primeiro e o último, que foi morto e reviveu”. 2:8

Cristo apresenta-se como o Deus infinito e imortal. 

O primeiro e o último é um título dado a Deus. Isaías 44:6, 48:12.

Desta forma Cristo está a declarar-se igual a Deus, e está apresenta-se como o Senhor que tendo tomado a forma humana, morreu, mas triunfou sobre a morte. Desta forma ele está a encorajar a Igreja sofredora de Smirna. Se eles morressem nas mãos dos seus perseguidores, diante deles está aquele que venceu a morte.

b) Cristo revela o conhecimento que tem da Igreja

“9 Conheço as tuas obras, e tribulação, e pobreza (mas tu és rico), e a blasfêmia dos que se dizem judeus, e não o são, mas são a sinagoga de Satanás. 10 Nada temas das coisas que hás de padecer. Eis que o diabo lançará alguns de vós na prisão, para que sejais tentados; e tereis uma tribulação de dez dias.”

Depois da sua apresentação, antes de salientar a fidelidade da Igreja, Cristo diz que conhece as obras e a tribulação e a pobreza pela qual a Igreja estava a passar e também por estarem a ser blasfemados por uns que se dizem judeus, mas que afinal são da “sinagoga de satanás”.

Afinal o que é a "sinagoga de satanás"?

Era certamente o grande problema daqueles dias, pois eram judeus que infilrados dentro da Igreja cristã queriam impôr as leis e os rituais antigos do Antigo Testamento que estavam estrictamente ligados ao culto e sacrificios baseado no sangue dos animais e na observação de festas e de certos dias. Deviam estar a ensinar também uma salvação pela observação da lei.

Mas a Bíblia diz que:

Romanos 10:4 "Porque o fim da lei é Cristo, para justiça de todo aquele que crê."

Efésios 2:15 "aboliu, na sua carne, a lei dos mandamentos na forma de ordenanças..."

Gálatas 5:4 "de Cristo vos desligastes, vós que procurai-vos justificar pela lei, da graça decaíste".

A Bíblia diz que o verdadeiro judeu, não é aquele que fez a circuncisão da carne, mas a circuncisão do coração. Aqueles judeus, não conheciam a circuncisão do coração, por isso Cristo lhes diz "se dizem judeus, e não o são, mas são a sinagoga de Satanás".

Entretanto, Romanos 2:17-29, mostra que o erro destes "judeus" que fazem parte da "sinagoga de satanás", não era só impôr erradamente a lei aos outros como o meio para a salvação, o que é uma grande heresia, mas era impôr algo que eles próprios não observavam. Eles ensinavam a não roubar, mas roubavam, a não adulterar, mas adulteravam e assim sucessivamente.

Em suma os da "sinagoga de satanás", além de procurarem seduzir os outros, não praticavam o que pregavam.

Será que nós estamos a pregar uma Teologia da Salvação correcta baseada na graça de Deus, ou estamos influenciados por doutrinas como estas da "sinagoga de satanás" e ensinar uma doutrina da salvação baseada em nossos méritos e obras?

Mas, supondo que a nossa Teologia da Salvação está correcta, ao contrário daqueles judeus que ensinavam a salvação pela lei, será que estamos a praticar aquilo que pregamos, ou nesse aspecto estamos a fazer a mesma coisa que eles, que não praticavam o que pregavam, pois diziam para não roubar, mas roubavam, para não adulterar, mas adulteravam?

Vemos que esta Igreja de Smirna era pressionada por todos os lados.

De um lado, era pressionada por dentro pelos da "sinagoga de satanás" e, de outro lado, nós vemos pelo conhecimento da história, que esta Igreja era também perseguida pelo Estado Romano e rejeitada pela população envolvida no culto pagão e Cristo fala de uma perseguição de 10 dias a que serão submetidos.

c) Cristo repreende a Igreja 

Não vemos nenhuma repreensão feita à Igreja de  Smirna

d) Cristo não faz apelo ao arrependimento

Como Cristo não fez nenhuma repreensão à Igreja de Smirna, não era necessário fazer nenhuma apelo ao arrependimento.

e) Cristo dirige uma Palavra de encorajamento 

“10 Nada temas das coisas que hás de padecer. Eis que o diabo lançará alguns de vós na prisão, para que sejais tentados; e tereis uma tribulação de dez dias.”

Smirna era uma Igreja perseguida e que iria conhecer um momento de tribulação muito intenso, mas breve pois seria somente de dez dias, mas Cristo diz-lhes para eles não temerem aquela tribulação. Muitos pensam que 10 dias refere-se simbolicamente a dez periodos de tribulação debaixo do império Romano, outros pensam que fala de 10 anos, mas se quissermos ficar numa interpretação mais literal podemos dizer que João está mesmo a falar de uma perseguição de 10 dias. Seria uma perseguição intensa, mas breve.

f) Cristo promete uma recompensa

“10b Sê fiel até à morte, e dar-te-ei a coroa da vida.11 Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas: O que vencer não receberá o dano da segunda morte”

Não vemos nenhuma repreensão feita à Igreja, antes pelo contrário, Cristo promete estar com eles durante a tribulação de 10 dias, aonde muitos serão lançados na prisão, e exorta-os a serem fiéis até à morte e receberão a coroa da vida. Além disso diz que os vencedores não conhecerão a segunda morte que é o lago de fogo”

Durante a história quanto mais uma Igreja foi perseguida e sofredora, quanto mais pura e forte se tornou. As Escrituras Sagradas ligam sempre perseguição com fortalecimento espiritual. Aliás a vida cristã está sempre ligada à tribulação e sofrimento.

3. Terceira carta à Igreja de Pérgamo 

Balaão ensinava Balaque a enganar os filhos de Israel 
Apocalipse 2:12-17 “12 E ao anjo da igreja que está em Pérgamo escreve: Isto diz aquele que tem a espada aguda de dois fios: 13 Conheço as tuas obras, e onde habitas, que é onde está o trono de Satanás; e reténs o meu nome, e não negaste a minha fé, ainda nos dias de Antipas, minha fiel testemunha, o qual foi morto entre vós, onde Satanás habita. 14 Mas algumas poucas coisas tenho contra ti, porque tens lá os que seguem a doutrina de Balaão, o qual ensinava Balaque a lançar tropeços diante dos filhos de Israel, para que comessem dos sacrifícios da idolatria, e se prostituíssem. 15 Assim tens também os que seguem a doutrina dos nicolaítas, o que eu odeio. 16 Arrepende-te, pois, quando não em breve virei a ti, e contra eles batalharei com a espada da minha boca. 17 Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas: Ao que vencer darei a comer do maná escondido, e dar-lhe-ei uma pedra branca, e na pedra um novo nome escrito, o qual ninguém conhece senão aquele que o recebe.”

Tema: A Igreja de Pérgamo - Igreja confrontada pela oposição e sedução.

a) Cristo apresenta a Sua Divindade

“Isto diz aquele que tem a espada de dois filhos”. 2:12

Cristo apresenta-se como o Senhor da Palavra.

Alguns dizem que a Igreja de Pérgamo estava casada com o mundo. E de facto estava, pois deixou-se derrotar pela oposição e pela sedução.

Só há uma maneira para a Igreja combater satanás e o mundo, é manter a Deus no trono e através da espada do Espírito que é a Palavra de Deus. Por essa razão Cristo apresenta-se como o Senhor da Palavras.

Em Hebreus 4:12 a espada de dois gumes é a Palavra de Deus e em Efésios 6:17 Paulo utiliza também a metáfora da espada para descrever a Palavra de Deus. Esta apresentação de Cristo é a primeira apresentação negativa de Cristo, pois a Igreja de Pérgamo está debaixo do julgamento.

Igreja que não edifica os seus membros na Palavra de Deus, depressa será derrotada pela oposição e a sedução e tornar-se-á uma Igreja do mundo. E Cristo a confrontará com a espada que sai da sua boca, como fez à Igreja de Pérgamo.

b) Cristo revela o conhecimento que tem da Igreja  

onde Satanás habita
2:12 “13 Conheço as tuas obras, e onde habitas, que é onde está o trono de Satanás; e reténs o meu nome, e não negaste a minha fé, ainda nos dias de Antipas, minha fiel testemunha, o qual foi morto entre vós, onde Satanás habita”.

Depois da sua apresentação, Cristo dirige-se a uma Igreja que está confrontada pela oposição que vem do exterior e pela sedução que vem tanto do exterior como do interior da Igreja.

Apesar de Pérgamo ser um grande centro de cultura e aprendizagem, era também um centro de adoração de pelo menos quatro dos mais importantes deuses do império grego-romano, tendo muitos templos dedicados aos seus deuses. Além disso Pérgamo mantinha o culto de adoração ao imperador.

O que quer dizer "habitas, onde está o trono de Satanás"?

Alguns acham que o “trono de Satanás” faz referência a um altar dedicado a Zeus que tinha 40 metros por 35 metros e 6 metros de altura. Era de facto uma estrutura impressionante que poderia bem ser chamado de “trono de Satanás”.

Mas há outros que ligam o trono de Satanás à adoração a outros deuses feita dentro desta cidade. Há outros ainda que pensam que o “trono de Satanás” refere-se ao culto ao Imperador.

Claro que não era fácil para a Igreja de Pérgamo, que se encontravam numa situação de grande perigo. Em algumas cidades os cristãos tinham que oferecer sacrifícios ao Imperador uma vez por ano, mas em Pérgamo a situação era pior, e os cristãos se encontravam em perigo todos os dias.

c) Cristo repreende a Igreja

2:14-15 “14 Mas algumas poucas coisas tenho contra ti, porque tens lá os que seguem a doutrina de Balaão, o qual ensinava Balaque a lançar tropeços diante dos filhos de Israel, para que comessem dos sacrifícios da idolatria, e se prostituíssem. 15 Assim tens também os que seguem a doutrina dos nicolaitas, o que eu odeio”.

Cristo tem algumas coisas contra a Igreja. Porque há pessoas que seguem a doutrina de Balaão e outros seguem a doutrina dos nicolaitas.

Acerca da doutrina dos nicolaitas eu já disse bastante sobre os nicolaitas ao descrever a Igreja de Éfeso.

A diferença que vemos, é que à Igreja de Éfeso que embora tivesse perdido o primeiro amor, era uma Igreja que tinha discernimento e Cristo diz "tens, porém, isto: que odeias as obras dos nicolaitas, as quais eu também odeio.” Apocalipse 2:6,

Mas à Igreja de Pérgamo que não tinha discernimento nenhum, vivendo debaixo da sedução, Cristo diz "Assim tens também os que seguem a doutrina dos nicoilatas, o que eu odeio".

Mas o que era a "doutrina de Balaão"?

Se quisermos entender o que é a doutrina de Balaão no Novo Testamento, e neste caso na Igreja de Pérgamo, teremos que entender o que era no Antigo Testamento e aplicar aos tempos da Igreja de Pérgamo e depois aplicar aos nossos tempos.

A história de Balaão se encontra nos capítulos 22 a 25 de Números e é referida também em Numeros 31:13-16.

A nação de Israel, que era o Povo de Deus, que tinha saído do Egipto, chegou às fronteiras da terra de Moabe e enviou uma mensagem ao Rei Balaque dos moabitas, pedindo para os deixarem passar pela terra deles. Não devemos esquecer que Moabe era uma nação amaldiçoada por Deus, pois Moabe e Amon eram os filhos que as filhas de Ló tiveram com ele, depois de embebedarem o próprio pai.

Moabe e Amon eram filhos do incesto entre Ló e as suas duas filhas.

Mas o rei Balaque, que era um pagão amaldiçoado, que nada queria com Deuss, sabia das vitórias e das maravilhas que Deus tinha feito para tirar o povo do Egipto e conduzi-lo pelo deserto, não aceitou o pedido com medo que esta nação os subjugasse e mandou chamar o profeta Balaão para amaldiçoar a Israel.

Nós vemos em toda a história que Balaão é um profeta mercenário, ou seja, que se deixa vender a troco de presentes e de dinheiro. No entanto ele sabia que tinha que pedir permissão a Deus para amaldiçoar a Israel, o que Deus, é claro, não concedeu e ele disse a Balaque que não podia amaldiçoar a nação de Israel, pois abençoada por Deus.

Deus atou a língua de Balaão e ele não pode amaldiçoar Israel, mas teve que os abençoar, perdendo desta forma a possibilidade de receber um prémio de Balaque.

Mas finalmente vemos que embora proibido por Deus de ir encontrar-se com Balaque, ele acaba por ir, por causa do prémio, é claro, e é quando lemos sobre a história do burro que teve que se desviar três vezes do anjo que queria matar Balaão, e Balaão maltratou o burro sempre que este se desviava, até ao ponto que o burro finalmente falou e repreendeu a Balaão.

Entretanto nós sabemos que o que aconteceu em Números 25 quando os israelitas começam a pecar com a mulher dos moabitas, isto foi ensinado por Balaão a Balaque, segundo o que lemos também no Novo Testamento:

Judas 11 "Ai deles! ... porque foram levados pelo engano do prémio de Balaão"

E à Igreja de Pérgamo, Cristo disse claramente que foi Balaão quem ensinou a Balaque, a troco de um prémio, a induzir Israel à idolatria e à  prostituição referida em Números 25 "porque tens lá os que seguem a doutrina de Balaão, o qual ensinava Balaque a lançar tropeços diante dos filhos de Israel, para que comessem dos sacrifícios da idolatria, e se prostituíssem."

Números 31:16 Moisés, falando das mulheres prostitutas, diz aos oficiais dos exércitos "Eis que estas foram as que, por conselho de Balaão, deram ocasião aos filhos de Israel de prevaricar contra o Senhor, no negócio de Peor (em Números 25); pelo que houve aquela praga entre a congregação do Senhor".

Foi Finéias que entrando na tenda atravessou pela barriga o Israelita e aquela mulher que pecavam e Deus, por causa disso, acabou com a praga. Números 25:7-18

Balaão não pode amaldiçoar o povo, a pedido de Balaque, mas por causa do prémio ensinou Balaque a derrotar o povo de Israel induzindo-os à idolatria e à prostituição, convidando certamente o povo a tomar parte das suas festas pagãs aonde sacrificavam aos ídolos (e aos demónios) e depois disso acabavam estas cerimónias e festas envolvendo-se na prostuição com as mulheres moabitas.

Isto era um grande pecado, pois os moabitas além de serem pagãos eram amaldiçoados por Deus, pois eram filhos do incesto entre Ló e uma das suas filhas.

Sobre a aplicação da doutrina de Balaão tolerada na Igreja de Pérgamo, isto fala de doutrinas do erro e de corrupção, introduzidas por líderes que seguindo o mesmo caminho de Balaão, o profeta mercenário que só corria atrás do prémio, utilizavam o nome de Deus para enganar o povo, por amor ao lucro, à posição e do cargo.

Em nossos dias poderia fazer referência à ganância de alguns pastores que só querem comer a gordura das ovelhas, como já dizia o profeta Ezequiel sobre os pastores infiéis (Ezequiel 34) e tenho que falar também da Teologia da Prosperidade e outras doutrinas idênticas, em que muitos pregadores fazendo tudo por amor ao dinheiro, possuem fortunas fabulosas que adquirem manipulando o povo em nome de Deus e da Bíblia, levando-os dar-lhes aquilo que têm e aquilo que não têm, em troco de promessas falsas feitas a partir de versículos da Bíblia que torcem.

d) Cristo dirige uma Palavra de encorajamento 

2:13 “13 e reténs o meu nome, e não negaste a minha fé, ainda nos dias de Antipas, minha fiel testemunha, o qual foi morto entre vós”

Mas apesar da Igreja estar situada onde está o trono de satanás, e ter no meio dela pessoas que seguem a doutrina de Balaão e outros que seguem a doutrina dos nicolaitas, a Igreja reteve o nome de Jesus e não negou a fé. Cristo lembra Antipas um dos discípulos da Igreja, uma testemunha fiel que foi morto por causa do seu nome. Por isso Cristo faz um apelo ao arrependimento prometendo uma recompensa que podemos ver no final da sua mensagem.

e) Cristo faz um apelo ao arrependimento, seguido de uma advertência. 

2:16 “16 Arrepende-te, pois, quando não em breve virei a ti, e contra eles batalharei com a espada da minha boca.”

Cristo faz um apelo ao arrependimento, seguido de uma advertência que se eles não se arrependessem Ele iria batalhar contra eles com a espada da sua boca.

f) Cristo promete uma recompensa

2:17 “17 Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas: Ao que vencer darei a comer do maná escondido, e dar-lhe-ei uma pedra branca, e na pedra um novo nome escrito, o qual ninguém conhece senão aquele que o recebe”.

Se depois do pecado da Igreja identificado, da palavra de encorajamento por não terem deixado o nome de Cristo e negado a fé e do apelo ao arrependimento, aqueles que ouvissem a voz de Cristo e se arrependenssem, Cristo promete que os vencedores comerão do maná escondido e receberão uma pedra com um novo nome escrito, que somente eles conhecerão.

Como em todas as sete cartas às Igrejas, Cristo chama-os a darem atenção à sua Palavra e promete que aqueles que perseverarem receberão uma recompensa.

Ao que vencer, diz Cristo à Igreja de Pérgamo, Ele dará a comer do maná, e dar-lhe-á uma pedra branca, e na pedra um novo nome escrito, o qual ninguém conhece senão aquele que o recebe.

Primeiro, dará a comer do maná escondido. O maná dado ao povo de Deus no deserto para se alimentar faz alusão à Palavra de Deus e a Cristo.

O próprio Cristo em João 6:48-50 disse "Eu sou o Pão da Vida. Os vossos pais comeram o maná no deserto e morreram. Este pão que desce do céu, para o que dele comer não morra!

Cristo está a prometer alimentar aqueles que se não se deixarem vencer pela a oposição e a sedução que está a combater contra a Igreja. A fé deles será alimentada e serão vencedores.

Sobre o que significa "escondido" (maná escondido) eu deixo isto com o leitor que poderá fazer alguma investigação na Net, pois não tenho tempo de investigar sobre todos os pormenores.

Segundo, dará uma pedra branca com um novo nome que só conhece aquele que o receber.

A pedra branca pode ter vários significados, conforme os costumes da época e um pouco complexo tentar dar uma explicação sobre o que Cristo está a dizer.  Pedra branca pode significar inocência, justiça, santidade, absolvição da culpa.

Alguns estudiosos dizem que naqueles tempos, em Pérgamo, quando alguém era absolvido, os Juízes lançavam na mesa uma pedrinha branca a significar que ele estava inocente e tinha sido absolvido. Portanto a pedra branca pode significar o perdão que os crentes recebem de Deus.

O novo nome gravado na pedra, pode significar que depois da pessoa ser perdoada, recebe uma nova vida, e que essa salvação é individual, não é colectiva, só a pessoa de facto é que sabe e pode testemunhar pessoalmente desta salvação recebida.

4. Quarta carta à Igreja de Tiatira 

.... que toleras a Jezabel...
Apocalipse 3:18-29 “18 E ao anjo da igreja de Tiatira escreve: Isto diz o Filho de Deus, que tem seus olhos como chama de fogo, e os pés semelhantes ao latão reluzente: 19 Eu conheço as tuas obras, e o teu amor, e o teu serviço, e a tua fé, e a tua paciência, e que as tuas últimas obras são mais do que as primeiras. 20 Mas tenho contra ti que toleras Jezabel, mulher que se diz profetisa, ensinar e enganar os meus servos, para que se prostituam e comam dos sacrifícios da idolatria. 21 E dei-lhe tempo para que se arrependesse da sua prostituição; e não se arrependeu. 22 Eis que a porei numa cama, e sobre os que adulteram com ela virá grande tribulação, se não se arrependerem das suas obras. 23 E ferirei de morte a seus filhos, e todas as igrejas saberão que eu sou aquele que sonda os rins e os corações. E darei a cada um de vós segundo as vossas obras. 24 Mas eu vos digo a vós, e aos restantes que estão em Tiatira, a todos quantos não têm esta doutrina, e não conheceram, como dizem, as profundezas de Satanás, que outra carga vos não porei. 25 Mas o que tendes, retende-o até que eu venha. 26 E ao que vencer, e guardar até ao fim as minhas obras, eu lhe darei poder sobre as nações, 27 E com vara de ferro as regerá; e serão quebradas como vasos de oleiro; como também recebi de meu Pai. 28 E dar-lhe-ei a estrela da manhã. 29 Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas.” Tema: A Igreja de Tiatira - Igreja que tolera pecado.

Tema: A Igeja de Tiatira - Igreja que tolerava o pecado

a) Cristo apresenta a Sua Divindade 

“Isto diz o Filho de Deus que tem os seus olhos como chamas de fogo, e os pés semelhantes a latão reluzente” 2:18

Cristo apresenta-se como sendo Deus e o Soberano Juiz. 

Cristo, revela-se como sendo o Filho de Deus, que compartilha a mesma natureza com o Pai, "isto diz o Filho de Deus".

João 14:10-11 “Eu estou no Pai, e o Pai está em mim”;

João 10:30 “Eu e o Pai somos um”; e em 10:38 “o Pai está em mim e Eu Nele”.

A descrição de Cristo com olhos como chamas de fogo, os pés reluzentes, revela que sendo Deus, Ele é também o Soberano Juiz que vai julgar o pecado dentro da Igreja que não for confessado e abandonado.

b) Cristo revela o conhecimento que tem da Igreja

Apocalipse 2:18-29 “18 E ao anjo da igreja de Tiatira escreve: Isto diz o Filho de Deus, que tem seus olhos como chama de fogo, e os pés semelhantes ao latão reluzente: 19 Eu conheço as tuas obras, e o teu amor, e o teu serviço, e a tua fé, e a tua paciência, e que as tuas últimas obras são mais do que as primeiras.

Depois da sua apresentação, Cristo começa por salientar as boas obras da Igreja, o seu amor, serviço e sua fé e paciência. E que as últimas obras da Igreja são mais do que as primeiras.

Cristo assegura não se esqueceu das suas obras que podemos dividir em quatro categorias:

Primeiro, o seu amor, a Igreja revela amor por Deus e uns pelos outros.

Segundo, a sua fé, e fidelidade.

Terceiro, o seu serviço

Quarto, a sua paciência.

Quinto as suas últimas obras eram mais do que as primeiras.

Os crentes em Tiatira em consistentes e fiéis. O seu amor e a sua fé, deu resultado a um serviço para Deus, paciente e perseverante pois eram muitas as dificuldades que a Igreja e

c) Cristo repreende a Igreja 

Apocalipse 2:20-21 “20 Mas tenho contra ti que toleras Jezabel, mulher que se diz profetisa, ensinar e enganar os meus servos, para que se prostituam e comam dos sacrifícios da idolatria. 21 E dei-lhe tempo para que se arrependesse da sua prostituição; e não se arrependeu. 22 Eis que a porei numa cama, e sobre os que adulteram com ela virá grande tribulação, se não se arrependerem das suas obras. 23 E ferirei de morte a seus filhos, e todas as igrejas saberão que eu sou aquele que sonda os rins e os corações. E darei a cada um de vós segundo as vossas obras.”

chamada Jezabel
Depois de salientar salientar as boas obras da Igreja, o seu amor, serviço e sua fé e paciência. E que as últimas obras da Igreja são mais do que as primeiras, Cristo repreende a Igreja, pois tolera uma mulher chamada Jezabel que se diz profetiza e por final está a enganar muitas pessoas induzindo-os à prostituição e à idolatria.

Nesta repreensão, Cristo chama a Igreja para ser santa e lidar com o pecado que surga no meio dela.

Mateus 18:1-17 Jesus ensina como lidar com pecado na Igreja. A disciplina na Igreja tem um duplo propósito: apelar ao arrependimentos os crentes que estão a viver em pecado, e remover da Igreja os crentes que estão a viver em pecado e teimosamente não querem arrepender-se e deixar o pecado.

Apocalipse 2:20-23 “20 Mas tenho contra ti que toleras Jezabel, mulher que se diz profetisa, ensinar e enganar os meus servos, para que se prostituam e comam dos sacrifícios da idolatria. 21 E dei-lhe tempo para que se arrependesse da sua prostituição; e não se arrependeu.

Cristo faz referência a Jezabel, a mulher profetiza que enganou muitos com as suas profecias e ensinamentos, fazendo-os cairem na prostituição e na idolatria.

Portanto o problema da Igreja agora não é perseguição externa, mas sedução e engano interno, vindo de dentro da Igreja através de uma mulher Jezabel que se diz ser profetiza.

“Mas tenho contra ti” é um aviso contra os lideres da Igreja “que toleram Jezabel”, mulher que se diz profetiza e desta forma permitem que membros da Igreja sejam induzidos por ela a pecar. Os lideres em vez de protegerem os membros, expõem-nos à sedução ao tolerarem na Igreja essa mulher e seus enganos.

Mas qual era o ensinamento desta mulher Jezabel na Igreja de Tiatira.

Teremos que ler o que se passou nos tempos da rainha Jezabel, e depois fazer uma aplicação aos tempos da Igreja de Tiatira e compreender o que significava ter aquela mulher a induzir os crentes ao pecado e depois então fazer uma aplicação para os nossos tempos.

Jezabel, não deve ser o nome real da mulher. Cristo está a utilizar uma imagem do Antigo Testamento de Jezabel que induziu o povo de Deus a adorar Baal.

Ela é chamada Jezabel, porque fez dentro daquela Igreja, a mesma coisa que a Rainha Jezabel fez ao povo de Deus. Sendo uma rainha pagã, ela casou com o rei Acabe de Israel, que desobedeceu a uma lei de Deus, pois os filhos de Israel não se podiam misturar com as outras nações pelo casamento.

Jezabel, que era perversa, enganou Acabe e juntos levaram a Nação de Israel e cair na idolatria e na prostituição. Vamos fazer um resumo do que aconteceu naquele tempo.

Nós lemos o seguinte sobre Jezabel e Acabe:

Casamento entre Jezabel com Acabe I Reis 16:29-31

Acabe se torna o pior rei de Israel por causa de Jezabel I Reis 16:30-34

Jezabel manda destruir os profetas do Senhor I Reis 18:1-4

Obadias escondeu alguns proferas do Senhor numa cova I Reis 18:4-6

Elias manda Obadias dizer a Acabe que quer falar com ele I Reis 18:7-16

Elias confronta Acabe e os profetas de Baal I Reis 18:16-39

Elias manda matar os profetas de Baal I Reis 18:40-46

Jezabel ameaça Elias, que fugiu para o monte Horeb I Reis 19:1-7

Deus manda Elias ungir Hazael, rei da Síria, Jeú, rei de Israel, I Reis 19:8-16

Deus manda Elias também ungir a Eliseu que devia tomar o seu lugar I Reis 19:16-21

Acabe em guerra com a Siria, poupa o rei, é repreendido por um profeta I Reis 20

Nabote é morto por recusar vender a vinha a Acabe I Reis 21

Aliança ilícita entre Jeosafat e Acabe e a morte deles I Reis 22

Profecia da morte de Jezabel e de Acabe I Reis 21:23-24

Cumprimento da profecia sobre a morte de Acabe I Reis 22:37-40

Cumprimento da profecia sobre a morte de Jezabel I I Reis 9:30-37

A suma de toda esta triste história de Jezabel e Acabe, é que Deus proibiu o casamento misto, entre o seu povo e os outros povos, mas Acabe desobedecendo a esta lei importante, acabou por ser dominado por Jezabel que o levou a cometer pecados graves contra a nação de Israel..

Acabe era uma marioneta de Jezabel...
Acabe acabou por se tornar uma "marioneta" nas mãos de Jezabel que o utilizou para levar o povo de Israel aos casamentos mistos e a outros pecados sexuais a que o povo dela estava acostumado, e a estabelecer a religião de Baal em Israel, matando mesmo os profetas de Deus e estabelecendo os profetas de Baal, no lugar deles.

Jezabel também levou Acabe a cometer um crime de sangue matando Nabote para lhe ficar com a vinha. I Reis 21

O espírito de Jezabel que continua a fazer sempre esta obra maléfica e perversa, estava presente na Igreja de Tiatira na pessoa de uma mulher que é chamada de Jezabel porque precisamente possui o espírito que animava Jezabel a fazer este mal ao povo de Deus.

Os lideres da Igreja de Tiatira erraram porque em primeiro lugar deixaram esta mulher ter um lugar de grande proeminência dentro da Igreja, pois tudo parece indicar que ela controlava o ensinamento dentro da Igreja, quando deviam ser os lideres a fazer isto. Em segundo lugar, eles toleram os seus erros que induzem os crentes à prostituição e à idolatria.

Vemos a influência que uma pessoa, neste caso, uma mulher pode ter quando está possuída por um espírito maléfico. E, os líderes daquela congregação em vez de se oporem a este espírito, a esta mulher, são acusados por Cristo de a tolerar e aos seus ensinamentos:

2:20-23 “20 Mas tenho contra ti que toleras Jezabel, mulher que se diz profetisa, ensinar e enganar os meus servos, para que se prostituam e comam dos sacrifícios da idolatria. 21 E dei-lhe tempo para que se arrependesse da sua prostituição; e não se arrependeu."

Notem bem que ao deixaram-na ter uma posição proeminente e por isso é chamada de "profetisa", ela utilizou esta posição para "enganar". Ela era certamente uma mulher com vontade forte, de grande aparência religiosa e de grande talento. O seu alvo era o de ganhar e perverter a liderança da Igreja, o que conseguiu, para espalhar o seu ensinamento perverso, ensinando o povo a prostituir-se e a cair na idolatria.

O pecado sexual, a ganância e a idolatria estão sempre ligados às seduções e às heresias dentro da Igreja.

E hoje é exactamente a mesma coisa. A Igreja, em nossos dias, corre o perigo de tolerar o espírito de "Jezabel", de"Labão", dos "nicolaitas" e dos que seguem a "sinagoga de satanás" que estão hoje presentes noutras formas e procuram infiltrar-se dentro da Igrejas de Cristo dos nossos dias para perverter os ensinamentos bíblicos.

Tenho porém contra ti "que toleras". A nossa única defesa é "não tolerar", pois, se "toleramos", seremos também seduzidos e enganados como foram aquelas Igrejas e seremos também repreendidos pelo Senhor.

Os leitores poderão investigar e ver quais são as práticas e doutrinas que estes espíritos inventam e criam em nossos dias para enganar as Igrejas, afim de prevenir as suas Igrejas a "não tolerarem" estas práticas e doutrinas, mas antes a "denunciá-las".

d) Cristo faz apelo ao arrependimento acompanhado de severa advertência 

2:22-23 “22 Eis que a porei numa cama, e sobre os que adulteram com ela virá grande tribulação, se não se arrependerem das suas obras. 23 E ferirei de morte a seus filhos, e todas as igrejas saberão que eu sou aquele que sonda os rins e os corações. E darei a cada um de vós segundo as vossas obras”.

Cristo adverte que aqueles que cairam no engano de Jezabel e não se arrependerem das suas obras, como Jezabel não se quis arrepender, v 21 serão posto numa cama com ela e conhecerão uma grande tribulação, que envolverá a morte de muitos dentro da Igreja.

Portanto, Deus enviará tribulações sobre Jezabel e sobre todos aqueles que se deixaram enganar por ela.

"e ferirei de morte a seus filhos" pode estar a referir-se que Deus limpará a Igreja desses falsos profetas, e "todas as Igrejas saberão que eu sou aquele que sonda os rins e dos corações. E darei a cada um de vós segundo as suas obras". v 23

Cristo é aquele que anda no meio dos castiçais,  cujo os olhos são como "chama de fogo" e os pés são "reluzentes como se tivessem sido refinados numa fornalha e a sua voz como a voz de muitas águas" e é Ele que conhece cada uma das Igrejas e as examina, para dar a cada um segundo as suas obras". Apocalipse 1:12-20 e 2:18

O mesmo Cristo que João viu andar no meio dos sete castiçais, é Aquele que ainda hoje anda no meio das Igrejas e sonda os rins e os corações, para dar a cada um segundo as suas obras.

Isto serve de alerta para as Igrejas que em nossos dias toleram "falsos ensinamentos" no meio delas, como algumas destas Igrejas da Ásia, pois também serão repreendidas por Cristo que lhes enviará tribulações e ferirá de morte se não se arrependerem e abandonarem esses "falsos ensinamenos".

No entanto, as Igrejas actuais como a Igreja de Éfeso, que sendo sólidas  na doutrina denunciam "falsos ensinamentos", tornarem-se frias e secas por terem perdido o "primeiro amor", serão também repreendidas por Cristo e se não se arrependerem e praticarem as primeiras obras, Cristo tirará do lugar o seu castiçal. Apocalipse 2:5

v22 "se não se arrependerem das suas obras", só há um caminho a percorrer para  não sermos atribulados e feridos ou para o nosso castiçal não ser tirado do seu lugar - é o caminho do arrependimento.

Faço notar como já disse no início, que Apocalipse 1:12-20 é o texto que revela a forma como Cristo se apresenta e anda no meio das Igrejas, não só no meio daquelas sete Igrejas da Ásia, mas certamente no meio das Igrejas de todos os tempos, para dar a cada uma segundo as suas obras.

e) Cristo dirige uma Palavra de encorajamento

2:24-25 “24 Mas eu vos digo a vós, e aos restantes que estão em Tiatira, a todos quantos não têm esta doutrina, e não conheceram, como dizem, as profundezas de Satanás, que outra carga vos não porei. 25 Mas o que tendes, retende-o até que eu venha. 25 Mas o que tendes, retende-o até que eu venha. 26 E ao que vencer, e guardar até ao fim as minhas obras, eu lhe darei poder sobre as nações, 27 E com vara de ferro as regerá; e serão quebradas como vasos de oleiro; como também recebi de meu Pai”.

Já vimos que Cristo assegurou no início da sua mensagem à Igreja de Tiatira que não se esqueceu das suas obras que dividimos em quatro categorias:

Primeiro, o seu amor, a Igreja revela amor por Deus e uns pelos outros.

Segundo, a sua fé, e fidelidade.

Terceiro, o seu serviço

Quarto, a sua paciência.

Quinto, as suas últimas obras eram mais do que as primeiras

Os crentes em Tiatira eram consistentes e fiéis. O seu amor e a sua fé, deu resultado a um serviço para Deus, paciente e perseverante pois eram muitas as dificuldades que a Igreja enfrentava e ter no seu meio aqueles que seguiam as "doutrinas de Jezabel".

Mas, Cristo refere que apesar da sedução de Jezabel e do castigo que caiu sobre muitos, havia também alguns na Igreja que eram fiéis seguiram a doutrina de Jezabel e que não caíram nas "profundezas de satanás" v24.

Por essa razão, ele não porá nenhuma carga a estes que não se deixaram seduzir por Jezabel, mas pede para eles manterem-se assim, firmes, “retendo o que têm, até que Jesus volte” v25. Os crentes tem que ser vigilantes até ao fim "Assim, se alguém julga estar firme, cuidado para que não caia" I Coríntios 10:12

E depois desta palavra de encorajamento, Cristo faz uma promessa.

f) Cristo promete uma recompensa aos vencedores 

2:25-28 “25 Mas o que tendes, retende-o até que eu venha. 26 E ao que vencer, e guardar até ao fim as minhas obras, eu lhe darei poder sobre as nações, 27 E com vara de ferro as regerá; e serão quebradas como vasos de oleiro; como também recebi de meu Pai. 28 E dar-lhe-ei a estrela da manhã. 29 Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas.”

Mateus 16:13-19 "Eu edificarei a minha Igreja as portas do inferno não prevalecerão contra ela".

Romanos 8:35-39 "Em Cristo somos mais do que vencedores".

Esta promessa serve para os crentes antes do arrebatamento, mas também após o arrebatamento, quando a perseguição aos crentes se tornará mais intensa do que nunca.

v25 "Mas o que tendes, retende-o até que eu venha", se nos mantivermos firmes até ao fim não importam as dificuldades desta vida e as lutas que virão, pois sabemos que em Cristo seremos vencedores e Ele é quem edifica a sua Igreja e que estabelecerá o seu Reino na terra após o arrebatamento da Igreja.

v26 "E ao que vencer, e guardar até ao fim", Cristo exorta os crentes fiéis a serem firmes até ao fim.

v26 "eu lhe darei poder sobre as nações", o Evangelho veio para vencer, não para ser travado pelos homens ou pelas suas culturas e Nações. Os santos que forem fiéis até ao fim, serão vitoriosos, tanto nos tempos das sete Igrejas da Àsia, como através da história humana e serão mesmo vitoriosos nos tempos da Trindade Satânica quando o Dargão, a Besta e Falso profeta batalharão contra Cristo para tentar impedir que Ele estabeleça o Seu Reino Milenar na Terra.

v27 "Como vasos de oleiro serão quebradas", Cristo regerá as nações com vara de ferro e aquelas que resistirem serão quebradas como vasos do oleiro. Esta é uma promessa cujo o cumprimento completo terá lugar quando da segunda vinda de Cristo.

v28 "E dar-te-ei a estrela da manhã"  Jesus é a nossa "Estrela da manhã", o que vem referido também em Apocalipse 22:16 "Eu sou ..... a resplandecente estrela da manhã".

Isto quer dizer que os vencedores resplandecerão a luz que vem de Cristo. Por isso muitos ligam esta expressão com Daniel 12:3 e Mateus 13:43

Nota importante: Há alguns que dizem que Lucífer é a Estrela da Manhã, baseando-se em Isaias 14:12, mas isto não é verdade, porque Cristo é a Estrela da Manhã. Esta expressão ligada a satanás neste texto, significa outra coisa. Consulte comentários sérios na Net, para compreender bem Isaías 14:12

v29 "quem tem ouvidos, ouça"  os crentes de todas as épocas tem que se manter atentos à Palavra de Deus e aos seus avisos apocalípticos, se quiserem ser vitoriosos e receber esta recompensa.

Esta carta a Tiatira (e em parte às outras Igrejas) salienta três verdades, que devem servir de aviso para todas as Igrejas.

Primeiro, revela a seriedade das Igrejas tolerarem o pecado e a sedução, pois Deus vai julgar o pecado e a sedução dentro da Igreja.

Segundo, revela que a obediência a Deus e à sua Palavra é a verdadeira marca dos crentes.

Terceiro, revela que aqueles que rejeitarem o pecado e as seduções referidas nestas sete cartas experimentarão a plenitude que há em Cristo e um dia reinarão com Ele.

5. Quinta carta à Igreja de Sardo

que tens nome de que vives, e estás morto...
Apocalipse 3:1-6 “1 E ao anjo da igreja que está em Sardes escreve: Isto diz o que tem os sete espíritos de Deus, e as sete estrelas: Conheço as tuas obras, que tens nome de que vives, e estás morto. 2 Sê vigilante, e confirma os restantes, que estavam para morrer; porque não achei as tuas obras perfeitas diante de Deus. 3 Lembra-te, pois, do que tens recebido e ouvido, e guarda-o, e arrepende-te. E, se não vigiares, virei sobre ti como um ladrão, e não saberás a que hora sobre ti virei. 4 Mas também tens em Sardes algumas pessoas que não contaminaram suas vestes, e comigo andarão de branco; porquanto são dignas disso. 5 O que vencer será vestido de vestes brancas, e de maneira nenhuma riscarei o seu nome do livro da vida; e confessarei o seu nome diante de meu Pai e diante dos seus anjos. 6 Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas.”

Tema: A Igreja de Sardo - Igreja com reputação mas que está morta. 

a) Cristo apresenta a Sua Divindade 

“isto diz o que tem os setes Espíritos de Deus, a as sete estrelas”. 3:1ª

Cristo apresenta-se representado na Igreja pelo Espírito Santo. 

Em Isaías 11:2 está dito que repousará sobre Ele (o Messias) o Espírito do Senhor, o Espírito de sabedoria e de inteligência, o Espírito de conselho e de fortaleza, o Espírito de conhecimento e de temor do Senhor.

Jesus Cristo é representado na sua Igreja pelo Espírito Santo. A Igreja de Sardo está morta, pois vive sem o Espírito Santo.

b) Cristo revela o conhecimento que tem da Igreja

3:1-2 “1 Conheço as tuas obras, que tens nome de que vives, e estás morto”.

Depois da sua apresentação, Cristo vai salientar que a Igreja de Sardo está morta.

A Igreja de Tiatira vivia em pecado, mas a Igreja de Sardo está morta. Por isso, Cristo começa por dizer à Igreja de Sardo que embora a Igreja tenha reputação que está viva, Ele conhece as suas obras e pronuncia que a Igreja de Sardo está morta.

Os rituais, as cerimónias, as obras praticadas pela a Igreja, eram uma fachada para esconder o estado espiritual em que a Igreja vivia, sem a vida de Cristo, do Espírito Santo.

Nunca nos devemos deixar levar pelas aparências, pois as aparências iludem.

Samuel deixou-se levar pelas aparências, quando foi escolher o Rei, e viu Eliabe I Samuel 16:6-7 e disse "certamente que está perante o Senhor o seu ungido".

Deus lhe disse "Não atentes para a sua aparência ... porque o Senhor não vê como vê o homem, pois o homem vê o que está diante dos olhos, porém o Senhor olha para o coração".

Jesus anda no meio dos sete castiçais (que representam não só as setes Igrejas da Àsia, mas todas as Igrejas), com os seus "olhos como chama de fogo e os seus pés reluzentes, como se tivessem sido refinados numa fornalha, e a sua voz como a voz de muitas águas .." Apocalipse 1:15-16 e 2:18.

Porque se apresenta ele assim? Porque "eu sou aquele que sonda os rins e os corações; para dar a cada um segundo as suas obras" Apocalipse 2:23

Ele é Aquele que examina a Igreja, com os seu olhar penetrante e a julga com os seus pés reluzentes e a sua voz, sondando, em primeiro lugar, os rins e os corações.

Ele não olha, em primeiro lugar, por muito importante que seja, para o número dos crentes, ou para os rituais e cerimónias, ou para a boa organização e muitas actividades, mas para o estado interior e espiritual da Igreja, a ver se esta está cheia do Espírito Santo ou vazia do Espírito - morta.

Quando Jesus olhava para os fariseus, não olhava para as suas vestes e rituais, mas para o seu interior, por isso lhes disse: "Ai de vós escribas e fariseus hipócritas! Pois que sois semelhantes aos sepulcros caiados, que por fora realmente parecem formosos, mas , interiormente estão cheios de ossos dos mortos e de toda a imundícia." Mateus 23:23-29

A Igreja de Sardo por fora parecia que estava viva, pois tinha uma grande aparência e até tinha reputação que estava viva, mas foi pronunciada morta, porque não tinha interiormente a verdadeira vida de Deus.

Mateus 25:1-13 Nesta parábola, Jesus diz que quando o noivo voltar, estarão à sua espera 10 virgens, mas 5 não terão azeite, só têm aparência, mas interiormente estão vazias de Deus e serão excluídas do banquete.

A Igreja de Sardo e muitos outros textos bíblicos avisam-nos do perigo da Igreja cair num formalismo aonde já não existe a vida de Deus. Quantos Igrejas que exteriormente parecem vivas, mas para Cristo já as pronunciou como mortos, mortas.

As Igrejas e os crentes deviam examinar-se diariamente e fazer a seguinte oração:

Salmos 139.23-24 "23 Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração, prova-me e conhece os meus pensamentos. 24 E vê se há em mim algum caminho mau, e guia-me pelo caminho eterno".

Se a Igreja de Sardo e os seus crentes tivessem feito este exame diário não teriam morrido! E estas verdades podem ser aplicadas para as Igrejas e os crentes de todos os tempos.

c) Cristo repreende a Igreja 

3:2 “2 Sê vigilante, e confirma os restantes, que estavam para morrer; porque não achei as tuas obras perfeitas diante de Deus.”

v2 "Sê vigilante, e confirma os restantes que estavam para morrer".

Há Igrejas que de facto se tornaram grandes e de grande reputação.Templos majestosos, excelentes estruturas fundaram universidades, escolas, hospitais, lares, abrigos e creches. Para isto tiveram que atingir uma boa condição financeira.

Chegaram a ter mesmo no campo político respresentantes no legislativo e no executivo. Juízes, promotores, advogados médicos, engenheiros, administradores e educadores encontrados entre pastores e membros da Igreja. No campo missionário, enviaram missionários para todo o mundo, onde fundaram grandes Igrejas e grandes obras sociais e de caridade.

E não me estou a referir somente a Igrejas Católicas ou Protestantes vindas da Reforma, mas a denominações evangélicas que cresceram muito e de grande peso no mundo cristão, como algumas Assembleias de Deus, denominações Batistas, Assembleias dos Irmãos, Igrejas dos Nazarenos que se espalharam por todo o mundo, implementando grande obras, agências missionárias e Igrejas.

Mas quantas destas Igrejas e obras chamadas cristãs, excelentemente instituicionalizadas, com grande aparência e de grande reputação não estão hoje "mortas" espiriualmente falando?

Cristo disse à Igreja de Sardo "Sê vigilante".

É preciso estar atento e aprender com a história, ser vigilante, e não fazer como a Igreja de Sardo e muitas das Igrejas em cima referidas. Enquanto denominação evangélica, temos que vigiar, não pensando que somos melhores do que os outros, porque senão também morreremos.

Depois de Cristo ter pronunciado a Igreja de Sardo morta, ele confirma esta morte salientando que as suas obras não eram perfeitas diante de Deus. É de notar que era uma Igreja com obras, que pretendia estar a fazer alguma coisa para Deus, que tinha aparência e reputação que estava viva, mas, afinal, quando Cristo a sondou e pesou o que eles estavam de facto a fazer, declarou-os mortos.

Deus sonda os nossos corações e pesa as nossas obras. Isto faz lembrar o rei que foi pesado na balança do Juiz justo e recto Daniel 5:27 “pesado foste na balança e foste achado em falta”.

d) Cristo dirige uma Palavra de encorajamento

3:4 “4 Mas também tens em Sardes algumas pessoas que não contaminaram suas vestes, e comigo andarão de branco; porquanto são dignas disso.”

Mas acrescenta que há alguns na Igreja que se eram fiéis, que não contaminaram os seus vestidos com o pecado existente dentro da Igreja.”

e) Cristo faz um apelo ao arrependimento, seguido de uma advertência.

3:3 “3 Lembra-te, pois, do que tens recebido e ouvido, e guarda-o, e arrepende-te. E, se não vigiares, virei sobre ti como um ladrão, e não saberás a que hora sobre ti virei.”

Cristo sabe que as obras da Igreja não são perfeitas, mas a Igreja, especialmente os desviados, deviam lembrar-se daquilo que aprenderam e ouviram e a arrependerem-se, senão ele viria a ela como um ladrão, para tirar a Igreja (o castiçal) do seu lugar.

f) Cristo promete uma recompensa 

3:5-6 “5 O que vencer será vestido de vestes brancas, e de maneira nenhuma riscarei o seu nome do livro da vida; e confessarei o seu nome diante de meu Pai e diante dos seus anjos. 6 Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas.”

Mas aqueles que na Igreja continuarem fiéis, não contaminando os seus vestidos, ou aqueles que se arrependerem serão recompensados. Estes andarão de branco, porque são dignas disto. 3:4 E finalmente diz que os que vencerem serão vestidos de vestes bfancas e os seus nomes não serão riscados do livro da vida, mas antes serão confessados diante dos seus anjos.

6. Sexta carta à Igreja de Filadélfia 

da igreja que está em Filadélfia
Apocalipse 3:7-13 “7 E ao anjo da igreja que está em Filadélfia escreve: Isto diz o que é santo, o que é verdadeiro, o que tem a chave de Davi; o que abre, e ninguém fecha; e fecha, e ninguém abre: 8 Conheço as tuas obras; eis que diante de ti pus uma porta aberta, e ninguém a pode fechar; tendo pouca força, guardaste a minha palavra, e não negaste o meu nome. 9 Eis que eu farei aos da sinagoga de Satanás, aos que se dizem judeus, e não são, mas mentem: eis que eu farei que venham, e adorem prostrados a teus pés, e saibam que eu te amo. 10 Como guardaste a palavra da minha paciência, também eu te guardarei da hora da tentação que há de vir sobre todo o mundo, para tentar os que habitam na terra. 11 Eis que venho sem demora; guarda o que tens, para que ninguém tome a tua coroa. 12 A quem vencer, eu o farei coluna no templo do meu Deus, e dele nunca sairá; e escreverei sobre ele o nome do meu Deus, e o nome da cidade do meu Deus, a nova Jerusalém, que desce do céu, do meu Deus, e também o meu novo nome. 13 Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas.”

Tema: A Igreja de Filadélfia - Igreja fiel 

a) Cristo apresenta a Sua Divindade 

3:7ª “7a isto diz o que santo, o que é verdadeiro, o que tem a chave de David; o que abre e ninguém fecha; e fecha e ninguém abre”.

Cristo apresenta-se como o Deus Santo e Verdadeiro. 

Cristo ao dirigir-se às Igrejas, apresenta aspectos do seu carácter e títulos que testificam da Sua Divindade. Desta vez Ele apresenta-se como aquele que é Santo. Cristo é Deus, pois somente Deus pode dizer que é Santo II Reis 19:22, Jó 6:10, Salmos 71:2. 78:41.

Ele se apresenta também como verdadeiro, de novo um atributo divino 3:7. Em João 14:6 Cristo diz “Eu sou a verdade ...”. E em Apocalipse 6:10, 15:13, 16:7, 19:2,11 a verdade aparece combinada com santidade.

Desta forma Ele é aquele que que abre e ninguém fecha e que fecha e ninguém abre 3:7 e que colocou uma porta aberta diante da Igreja de Filadélfia que ninguém pode fechar. 3:8

b) Cristo revela o conhecimento que tem da Igreja 

3:8 “8 Conheço as tuas obras; eis que diante de ti pus uma porta aberta, e ninguém a pode fechar; tendo pouca força, guardaste a minha palavra, e não negaste o meu nome”.

A Igreja da Filadélfia, juntamente com a Igreja de Smirna, são as únicas duas Igrejas que não recebem repreensão e nós vemos pelo conhecimento que Cristo tem desta Igreja.

Cristo afirma três coisas sobre a Igreja:

Primeiro, é uma Igreja que tem pouca força. Provavelmente era uma Igreja com poucos membros e a maior parte deles devia ser da classe baixa, mas teve um impacto na cidade de Filadélfia.

Segundo, guardou a Sua Palavra. Era uma Igreja obediente à Palavra de Deus. Em João 14:23-24 Cristo diz que se o amarmos guardaremos a Sua Palavra e em João 15:13-14 diz que seremos Seus amigos se fizermos o que Ele nos manda na Sua Palavra. Ao guardar a Palavra de Deus, apesar de toda a oposição à sua volta, a Igreja de Filadélfia está a porvar que ama a Deus e a Cristo.

Terceiro, não negou o Seu nome. Não deve ter sido fácil para a Igreja ter-se mantido firme e não ter negado o nome de Cristo. Eles viviam em tempos de opressão e perseguição. Por exemplo, Apocalipse 14:12 fala dos santos que negaram receber a marca da besta nas suas testas e que, por isso, foram perseguidos e mortos. A Igreja da Filadélfia vivia em tempos iguais, que não negando o nome de Cristo poderiam ser perseguidos e mortos.

Depois de salientar estas três coisas sobre a Igreja, Cristo diz que colocou uma porta aberta diante da Igreja que ninguém pode fechar. A Igreja irá continuar a existir e a crescer apesar de toda a oposição que se possa levantar contra ela, pois Cristo é quem manterá a porta do testemnho e da Igreja aberta e nada, nem ninguém, a poderá fechar.

Esta verdade aplica-se a todos os tempos e a todas as Igrejas. As igrejas que embora sem força, guardarem a Palavra de Deus e não negarem o nome de Cristo, serão protegidas e Cristo irá manter a porta da Igreja aberta e ninguém a poderá fechar.

Mas como já disse , há teólogos que pensam que estas sete Igrejas representam também os sete tipos de Igrejas que irão existir através de toda a história da Igreja, alguns pensam mesmo que representam as sete etapas da Igreja durante a sua história terrena.

Eu concordo pessoalmente com este ponto de vista, especialmente com a primeira parte, que estas Igrejas representam sete tipos de Igrejas que podemos aplicar a todas as Igrejas que irão existir durante a história humana até ao arrebatamente.

Eu penso que podemos fazer uma aplicação da vida destas Igrejas à vida de todas as Igrejas, pois estas Igrejas ou servem de advertência ou servem de encorajamento para nós. Desta forma, poderermos dizer que de certo modo as Igrejas de hoje podem ser do mesmo tipo que a Igreja de Éfeso, muito ortodoxas, mas tendo perdido o primeiro amor, ou serem do tipo da Igreja de Smirna, que sendo perseguida, manteve-se fiel, ou do tipo da Igreja de Filadélfia, que tendo pouca força, manteve-se fiel à Palavra de Deus, ou do tipo das Igrejas de Pérgamo, Tiatira, Sardo e Laodiceia, e tolerarem certos pecados e certos falsos ensinamentos, como aconteceu com aquelas Igrejas.

Repito que estamos a falar do tipo de Igreja, mas, é claro que as situações embora podendo ser do mesmo tipo, sejam diferentes, pois vivemos numa época diferente.

No que diz respeito à segunda parte da ideia que estas Igrejas representam as sete etapas da Igreja durante a sua história terrena, é possivel que seja verdade, ou que haja uma certa verdade neste ponto de vista, mas seria mais difícil suportar este ponto de vista na base dos textos bíbicos.

Deste ponto de vista, a primeira Igreja, a de Éfeso representaria a Igreja primitiva e dos patriarcas que foi muito ortodoxa, mas acabou por perder o primeiro amor, e a última Igreja, a de Laodiceia represenaria a Igreja dos finais dos tempos que será uma Igreja morna, ou seja uma Igreja apagada e mundana, que acabará por ser vomitada da boca de Cristo.

E também, se assim for, a Igreja da Filadélfia representaria a Igreja que precederia a Igreja dos últimos tempos (que será morna como a Igreja de Laodiceia). Isto quer dizer que a Igreja antes de entrar nos seus últimos tempos, é uma Igreja fiel, que guardou a Palavra de Deus e a espalhou por toda a terra através da grande expansão missionária dos anos 1770 a 1980.

Parece que foi nessa altura que a Igreja atingiu o seu apogeu tanto no que diz respeito à fidelidade doutrinal, como à fidelidade em espalhar a Palavra de Deus por todo o mundo.

Depois dai, parece que a Igreja sofreu uma queda devido às influências doutrinais dos tempos do pós-modernismo em que o liberalismo, o misticismo espiritual e o Evangelho da prosperidade trouxeram para dentro das Igrejas.

Visto as coisas deste prisma a Igreja de Filadélfia, a Igreja fiel, precede a Igreja dos últimos tempos, a Igreja de Laodiceia - a Igreja morna.

É verdade que há uma certa verdade neste ponto de vista, mas penso que terá que ser sempre guardado como sendo um ponto de vista, ao menos que consigamos arranjar textos bíblicos para o apoiar.

c) Cristo repreende os judeus mentirosos que querem perturbar a Igreja

3:9 “9 Eis que eu farei aos da sinagoga de Satanás, aos que se dizem judeus, e não são, mas mentem: eis que eu farei que venham, e adorem prostrados a teus pés, e saibam que eu te amo”.

eles não são a "sinagoga de Deus"...
Depois de ter salientado a fidelidade da Igreja, Cristo assegura que protegerá a Igreja daqueles mentirosos que se dizem judeus, mas não são, e eles render-se-ão à verdade e saberão que Cristo ama a Igreja de Filadélfia.

Estes judeus eram judeus fisicamente, mas não espiritualmente, pois o alvo deles era destruir a obra do Filho de Deus. Por causa da sua rejeição de Jesus como o Messias, eles não eram uma "sinagoga de Deus", mas sim uma "sinagoga de satanás".

O Antigo Testamento faz referência que virá um dia em que os gentios se prostarão aos pés do remanescente dos judeus, que fala dos judeus que iriam crer quando Cristo viesse ao mundo, como vemos em Isaías 45:14, 49:23, 60:14. Mas, nesta passagem do Apocalipse, Cristo está a dizer que da mesma forma Ele iria fazer com que aqueles judeus mentirosos fossem derrotados, ou iria humilhá-los e vencê-los ou iria fazer com que eles se prostassem diante dos crentes, em grande parte gentios, submetendo-se aos pés da Igreja.

Lembro que a Igreja de Filadélfia e a Igreja de Smirna foram as duas Igrejas que não receberam repreensão de Jesus, pois eram fiéis, mas as duas tiveram problemas com os judeus que faziam parte da "sinagoga de satanás" e queriam mover os crentes da fé em Cristo e da Graça de Deus, para a fé nas obras e a observância da lei para a sua salvação.

Coloco em baixo o que Jesus diz à Igreja de Smirna, para vermos que as duas Igrejas estavam a sofrer do mesmo problema, mas não toleraram estes judeus falsos.

Apocalipse 2:9-10 “9 Conheço as tuas obras, e tribulação, e pobreza (mas tu és rico), e a blasfêmia dos que se dizem judeus, e não o são, mas são a sinagoga de Satanás. 10 Nada temas das coisas que hás de padecer. Eis que o diabo lançará alguns de vós na prisão, para que sejais tentados; e tereis uma tribulação de dez dias".

Cristo diz à Igreja de Smirna que conhece as obras e a tribulação e a pobreza pela qual a Igreja estava a passar e também por estarem a ser blasfemados por uns que se dizem judeus, mas que afinal são da “sinagoga de satanás”.

Afinal o que é a "sinagoga de satanás"?

Era certamente o grande problema daqueles dias, pois eram judeus que infiltrados dentro da Igreja cristã queriam impôr as leis e os rituais antigos do Antigo Testamento que estavam estrictamente ligados ao culto e sacrificios baseado no sangue dos animais e na observação de festas e de certos dias. Deviam estar a ensinar também uma salvação pela observação da lei.

Este assunto é tratado por Paulo na carta à Igreja de Gálatas, que estava a ser infiltrada pelos ensinamentos destes douotores judeus da "sinagoga de satanás", e Paulo lhe diz:

Gálatas 2:21 "Não aniquilo a Graça de Deus; porque, se a justiça provém da Lei, segue-se que Cristo morreu debalde.

Gálatas 3:1-3 "Ó insensatos gálatas! Quem vos fascinou para não obedecerdes à verdade ... 3 Sois vós tão insensatos, que tendo começado pelo Espírito, acabeis agora pela carne".

A Igrejas de Smirna e Filadélfia não se deixaram seduzir pelos doutores judeus da "sinagoga de satanás", como foi o caso da Igreja de Gálatas e muitas das nossas Igreja actuais, mas, antes se mantiveram fiéis à Palavra de Deus.

d) Cristo dirige uma Palavra de encorajamento 

3:10 “10 Como guardaste a palavra da minha paciência, também eu te guardarei da hora da tentação que há de vir sobre todo o mundo, para tentar os que habitam na terra. 11 Eis que venho sem demora; guarda o que tens, para que ninguém tome a tua coroa.

A Igreja de Filadélfia é a Igreja fiel e, por isso, como já vimos Cristo não repreende a Igreja, nem dirige nenhum apelo ao arrependimento. Antes dirige-lhes uma palavra de encorajamento, depois de ter afirmado as boas obras da Igreja.

Cristo afirma que vai proteger a Igreja da hora da tentação que vai descer sobre todo o mundo para tentar os que habitam na terra. Isto revela que a Igreja da Filadélfia é uma imagem da Igreja histórica que passaram por momentos de tribulação muito grande de uma maneira especial da Igreja que vai existir e antes do arrebatamento, a Igreja que vai ser arrebatada aos céus antes da Tribulação.

Alguns dizem que a palavra “guardarei da hora da tentação” quer dizer que a Igreja será guardada durante os julgamentos que virão com a Tribulação que durará sete anos. Mas a verdade é que o significado quer dizer que a Igreja vai ser “guardada da hora da tentação” ou seja, não vai passar pela Grande Tribulação e a Grande Aflição que será a partir da segunda metade da Tribulação.

Não podemos esquecer também que a Tribulação é o momento em que Deus fará cair os seus julgamentos sobre o mundo descrente e sobre o império da Besta que operará em conjunto com o diabo que foi lançado por terra e o falso profeta.

A Igreja está à espera de Jesus que a irá livrar da ira futura, quando os sete selos se abrirem, e quando o diabo for lançado por terra e a Besta e o Falso Profeta aperecerem segundo a sua eficácia, para desencadearem o seu último ataque a Cristo e aos seus santos.                                                                                                                                                                                                              
I Tessalonicenses 1:10 “E esperar dos céus a seu Filho, a quem ressuscitou dos mortos, a saber, Jesus, que nos livra ira futura”.

ain dos que habitam na terra ...
Apocalipse 12:7-12 “7 E houve batalha no céu; Miguel e os seus anjos batalhavam contra o dragão, e batalhavam o dragão e os seus anjos; 8 Mas não prevaleceram, nem mais o seu lugar se achou nos céus. 9 E foi precipitado o grande dragão, a antiga serpente, chamada o Diabo, e Satanás, que engana todo o mundo; ele foi precipitado na terra, e os seus anjos foram lançados com ele. 10 E ouvi uma grande voz no céu, que dizia: Agora é chegada a salvação, e a força, e o reino do nosso Deus, e o poder do seu Cristo; porque já o acusador de nossos irmãos é derrubado, o qual diante do nosso Deus os acusava de dia e de noite. 11 E eles o venceram pelo sangue do Cordeiro e pela palavra do seu testemunho; e não amaram as suas vidas até à morte. 12 Por isso alegrai-vos, ó céus, e vós que neles habitais. Ai dos que habitam na terra e no mar; porque o diabo desceu a vós, e tem grande ira, sabendo que já tem pouco tempo”.

I I Tessalonicenses 2:1-12 “1 Ora, irmãos, rogamo-vos, pela vinda de nosso Senhor Jesus Cristo, e pela nossa reunião com ele, 2 Que não vos movais facilmente do vosso entendimento, nem vos perturbeis, quer por espírito, quer por palavra, quer por epístola, como de nós, como se o dia de Cristo estivesse já perto. 3 Ninguém de maneira alguma vos engane; porque não será assim sem que antes venha a apostasia, e se manifeste o homem do pecado, o filho da perdição, 4 O qual se opõe, e se levanta contra tudo o que se chama Deus, ou se adora; de sorte que se assentará, como Deus, no templo de Deus, querendo parecer Deus. 5 Não vos lembrais de que estas coisas vos dizia quando ainda estava convosco? 6 E agora vós sabeis o que o detém, para que a seu próprio tempo seja manifestado. 7 Porque já o mistério da injustiça opera; somente há um que agora resiste até que do meio seja tirado; 8 E então será revelado o iníquo, a quem o Senhor desfará pelo assopro da sua boca, e aniquilará pelo esplendor da sua vinda; 9 A esse cuja vinda é segundo a eficácia de Satanás, com todo o poder, e sinais e prodígios de mentira, 10 E com todo o engano da injustiça para os que perecem, porque não receberam o amor da verdade para se salvarem. 11 E por isso Deus lhes enviará a operação do erro, para que creiam a mentira; 12 Para que sejam julgados todos os que não creram a verdade, antes tiveram prazer na iniqüidade

O Arrebatamento da Igreja é falado em alguns textos da Bíblia, como vemos em baixo:

João 14:1-4 “1 Não se turbe o vosso coração; credes em Deus, crede também em mim. 2 Na casa de meu Pai há muitas moradas; se não fosse assim, eu vo-lo teria dito. Vou preparar-vos lugar. 3 E quando eu for, e vos preparar lugar, virei outra vez, e vos levarei para mim mesmo, para que onde eu estiver estejais vós também. 4 Mesmo vós sabeis para onde vou, e conheceis o caminho”.

seremos arrebatados nas nuvens ...
I Corintios 15:51-54 “51 Eis aqui vos digo um mistério: Na verdade, nem todos dormiremos, mas todos seremos transformados; 52 Num momento, num abrir e fechar de olhos, ante a última trombeta; porque a trombeta soará, e os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos transformados. 53 Porque convém que isto que é corruptível se revista da incorruptibilidade, e que isto que é mortal se revista da imortalidade. 54 E, quando isto que é corruptível se revestir da incorruptibilidade, e isto que é mortal se revestir da imortalidade, então cumprir-se-á a palavra que está escrita: Tragada foi a morte na vitória”. I

Tessalonicenses 4:13-17 “13 Não quero, porém, irmãos, que sejais ignorantes acerca dos que já dormem, para que não vos entristeçais, como os demais, que não têm esperança. 14 Porque, se cremos que Jesus morreu e ressuscitou, assim também aos que em Jesus dormem, Deus os tornará a trazer com ele. 15 Dizemo-vos, pois, isto, pela palavra do Senhor: que nós, os que ficarmos vivos para a vinda do Senhor, não precederemos os que dormem. 16 Porque o mesmo Senhor descerá do céu com alarido, e com voz de arcanjo, e com a trombeta de Deus; e os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro. 17 Depois nós, os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, a encontrar o Senhor nos ares, e assim estaremos sempre com o Senhor”.

A Igreja é exortada a continuar fiel, para ninguém roubar a sua coroa. E Jesus declara que aqueles que vencerem farão parte do Templo de Deus e sobre eles será escrito o nome de Deus, e também o Seu novo nome.

Não permitamos que o diabo nos roube os bens que o Senhor nos preparou desde a eternidade e a nossa "coroa". O Apóstolo Paulo disse que correu para ganhar a "coroa da vida" e nos exorta a fazer o mesmo.

I Coríntios 9:24 "Não sabeis que os que correm, no estádio, todos, na verdade, correm, mas um só é que recebe o prémio. Correi de tal forma que o alcanceis".

I I Timóteo 4:8 "Combati o bom combate da fé, acabei a carreira, guardei a fé, desde agora a coroa da vida, me está guardada, a qual o Senhor, justo Juíz, me dará naquele dia".

O simbolismo da "coroa", incluida a "coroa da vida" está em várias passagens bíblicas que poderá consultar, se quiser fazer um estudo ou deixar um apelo à sua audiência, quando estiver a pregar sobre o Apocalipse:

Coroa - Apocalipse 3:11

Coroa da ouro - Salmos 21:3, Apocalipse 14:14

Coroa da glória - Provérbios 4:9, Isaías 28:5, I Pedro 5:4

Coroa de honra - Provérbios 16:31

Coroa de espinhos - Mateus 27:29

Coroa da Justiça -  I I Timóteo 4:7-8

Coroa da Vida -  Tiago 1:12

e) Cristo promete uma recompensa 

3:12-13 “12 A quem vencer, eu o farei coluna no templo do meu Deus, e dele nunca sairá; e escreverei sobre ele o nome do meu Deus, e o nome da cidade do meu Deus, a nova Jerusalém, que desce do céu, do meu Deus, e também o meu novo nome. 13 Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas.”

A Igreja de Filadélfia e a de Smirna foram as únicas duas Igrejas que não foram repreendidas ou condenadas por Jesus. Apesar das suas lutas, os crentes de Filadélfia foram fiéis e obedientes ao Senhor.

A Igreja de Filadélfia já tinha sido declarada fiel pelo Senhor, mas deveria vigiar até ao fim para ser vencedora, e se vencesse a promessa é que iria receber o nome eterno do Senhor entre outras bençãos.

O nome eterno do Senhor está descrito em Isaías 55:6 "também lhes darei na minha casa e dentro dos meus muros um lugar e um nome, melhor do que o de filhos e filhas; um nome eterno darei a cada um deles que nunca se apagará".

7. Sétima carta à Igreja de Laodiceia 

e que unjas os teus olhos com colírio
Apocalipse 3:14-22 “14 E ao anjo da igreja que está em Laodicéia escreve: Isto diz o Amém, a testemunha fiel e verdadeira, o princípio da criação de Deus: 15 Conheço as tuas obras, que nem és frio nem quente; quem dera foras frio ou quente! 16 Assim, porque és morno, e não és frio nem quente, vomitar-te-ei da minha boca. 17 Como dizes: Rico sou, e estou enriquecido, e de nada tenho falta; e não sabes que és um desgraçado, e miserável, e pobre, e cego, e nu; 18 Aconselho-te que de mim compres ouro provado no fogo, para que te enriqueças; e roupas brancas, para que te vistas, e não apareça a vergonha da tua nudez; e que unjas os teus olhos com colírio, para que vejas. 19 Eu repreendo e castigo a todos quantos amo; sê pois zeloso, e arrepende-te. 20 Eis que estou à porta, e bato; se alguém ouvir a minha voz, e abrir a porta, entrarei em sua casa, e com ele cearei, e ele comigo. 21 Ao que vencer lhe concederei que se assente comigo no meu trono; assim como eu venci, e me assentei com meu Pai no seu trono. 22 Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas.”

Tema: A Igreja de Laodiceia - Igreja morna 

a) Cristo apresenta a Sua Divindade

3:14 “14 Isto diz o Amém, a testemunha fiel e verdadeira, o princípio da criação de Deus”.

Com estes três títulos divinos, Cristo apresenta-se como o Senhor da Criação.

Cristo apresenta-se como o 'Amém' que em Isaías 65:16 é utilizado para Deus chamado o “Deus da verdade”. Amém vem da palavra Hebraica que signifca “verdade”, “afirmação” e “certeza”. O Cristo é certamente o “Amém” pois é o Deus da verdade encarnado 3:14. Ele é o “Amém” porque Nele e na Sua Obra se cumprem todas as promessas de Deus.

Cristo apresenta-se como a 'Testemunha fiel e verdadeira'. Ele não é somente o “Amém” que veio cumprir a Obra redentora de Deus, tomando a forma humana, mas Ele é também fiel e tudo o que Ele diz na Sua Palavra é verdade.

Cristo apresenta-se como o 'Princípio da criação de Deus'. Não há qualquer ambiguidade no texto grego sobre “o princípio da criação de Deus” que significa que Cristo é a fonte de toda a criação.

Este texto é como uma repetição do Evangelho S.João 1:1-3, onde João apresenta Cristo ao mundo, como sendo o verbo de Deus, Deus mesmo, criador de todas as coisas e em João 1:14 ele diz que o verbo, que é o Deus da verdade, se tornou carne, quer dizer encarnou-se e habitou entre nós e vimos a sua glória, como a glória unigénito do Pai, cheio de graça e de verdade.

b) Cristo revela o conhecimento que tem da Igreja 

3:15 “15 Conheço as tuas obras, que nem és frio nem quente; quem dera foras frio ou quente!”

Depois da sua apresentação à Igreja, apresentando-se mais uma vez com títulos divinos que pertencem somente a Deus, Ele começa a revelar o estado da Igreja, a Igreja de Laodiceia era uma Igreja conhecida pela sua mornidão. E, Cristo diz que uma Igreja que não é fria, nem quente, mas morna e que melhor seria se fosse fria ou quente, mas como é morna Ele terá que a vomitar da sua boca.

A Igreja de Sardo tinha nome que estava vivo, mas Cristo declarou-a morta, a Igreja de Laodiceia pensava que era rica, mas Cristo chamou-a de desgraçada, miserável, pobre, cego e nua. 3:17

c) Cristo repreende a Igreja 

3:16- 17 “16 Assim, porque és morno, e não és frio nem quente, vomitar-te-ei da minha boca. 17 Como dizes: Rico sou, e estou enriquecido, e de nada tenho falta; e não sabes que és um desgraçado, e miserável, e pobre, e cego, e nu; 19 Eu repreendo e castigo a todos quantos amo; sê pois zeloso, e arrepende-te.

Não havia nada de positivo na Igreja, pois as obras da Igreja revelavam o seu estado, uma Igreja morna, que não era fria, nem quente.

Esta imagem sobre uma Igreja morna é tirada de um aqueduto que fornecia água para a cidade.

Como a água tinha que percorrer muitos quilómetros no aqueduto antes de chegar à cidade, chegava lá suja e morna e não era boa nem para beber, nem para ao menos refrescar. Esta água era repulsiva para as pessoas da cidade.

Da mesma forma a Igreja de Laodiceia que era morna, era repulsiva para Cristo e, por essa razão depois desta repreensão Cristo afirma que como a Igreja era morna iria vomitá-la da sua boca.

Como disse há pouco, há teólogos que pensam que estas sete Igrejas representam também os sete tipos de Igrejas que irão existir através de toda a história da Igreja, alguns pensam mesmo que representam as sete etapas da Igreja durante a sua história terrena.

Se assim for, a Igreja de Laodiceia representa a Igreja dos últimos tempos. Neste caso, uma Igreja morna, que não é fria, nem quente. Se assim for, a Igreja da Filadélfia representa a Igreja que precede a Igreja dos últimos tempos, a Igreja de Laodiceia que é uma Igreja morna. Isto quer dizer que a Igreja antes de entrar nos seus últimos tempos, é uma Igreja fiel, que guardou a Palavra de Deus e a espalhou por toda a terra através da grande expansão missionária dos anos 1770 a 1980.

Parece que foi nessa altura que a Igreja atingiu o seu apogeu tanto no que diz respeito à fidelidade doutrinal, como à fidelidade em espalhar a Palavra de Deus por todo o mundo.

Depois dai, parece que a Igreja sofreu uma queda devido às influências doutrinais dos tempos do pós-modernismo, apoiado e propagado pelas altas tecnologias, em que o liberalismo, o misticismo espiritual e o Evangelho da prosperidade trouxeram para dentro das Igrejas.

Visto as coisas deste prisma a Igreja de Filadélfia, a Igreja fiel, precede a Igreja dos últimos tempos, a Igreja de Laodiceia, a Igreja morna.

d) Cristo dirige uma Palavra de encorajamento

3:19-20 “19 Eu repreendo e castigo a todos quantos amo; sê pois zeloso, e arrepende-te. 20 Eis que estou à porta, e bato; se alguém ouvir a minha voz, e abrir a porta, entrarei em sua casa, e com ele cearei, e ele comigo”.

Cristo revela que ainda não desistiu da Igreja, embora a sua mornidão e que está a bater à sua porta e todos aqueles que ouvirem a sua voz e abrirem a porta restabelecerão a comunhão com Ele. Nisto vemos o amor de Cristo pela Sua Igreja. Por isso Cristo deixa um apelo ao arrependimento. Nunca é tarde demais para nos arrependermos.

e) Cristo faz um apelo ao arrependimento 

3:18-19 “18 Aconselho-te que de mim compres ouro provado no fogo, para que te enriqueças; e roupas brancas, para que te vistas, e não apareça a vergonha da tua nudez; e que unjas os teus olhos com colírio, para que vejas. 19 Eu repreendo e castigo a todos quantos amo; sê pois zeloso, e arrepende-te. 20 Eis qu estou a porta: e bato: se alguém ouvir a minha voz, e abrir a porta, entrarei em sua casa, e com ele cearei, e ele comigo".”

Nós vemos em toda a Bíblia, que sempre que o povo de Deus se afastou do caminho, Deus enviou os seus servos para fazerem um apelo ao arrependimento, antes de fazer cair os seus castisgos sobre o povo. Vemos isto de uma forma muito evidente no livro de Joel.

E Deus procede da mesma forma com os descrentes. Vemos isto no livro de Jonas.

E vemos em toda a Bíblia que depois dos seus castigos começarem a cair, se o povo se arrepender, Deus arrepender-se-á e retirará a sua mão e terminará com os seus castigos e restaurará e restituirá todos os estragos causados pelo castigo.

Joel 2: 10-14, 24-26 “10 Diante dele tremerá a terra, abalar-se-ão os céus; o sol e a lua se enegrecerão, e as estrelas retirarão o seu resplendor. 11 E o SENHOR levantará a sua voz diante do seu exército; porque muitíssimo grande é o seu arraial; porque poderoso é, executando a sua palavra; porque o dia do SENHOR é grande e mui terrível, e quem o poderá suportar? 12 Ainda assim, agora mesmo diz o SENHOR: Convertei-vos a mim de todo o vosso coração; e isso com jejuns, e com choro, e com pranto. 13 E rasgai o vosso coração, e não as vossas vestes, e convertei-vos ao SENHOR vosso Deus; porque ele é misericordioso, e compassivo, e tardio em irar-se, e grande em benignidade, e se arrepende do mal. 14 Quem sabe se não se voltará e se arrependerá, e deixará após si uma bênção, em oferta de alimentos e libação para o SENHOR vosso Deus. 24 E as eiras se encherão de trigo, e os lagares transbordarão de mosto e de azeite. 25 E restituir-vos-ei os anos que comeu o gafanhoto, a locusta, e o pulgão e a lagarta, o meu grande exército que enviei contra vós. 26 E comereis abundantemente e vos fartareis, e louvareis o nome do SENHOR vosso Deus, que procedeu para convosco maravilhosamente; e o meu povo nunca mais será envergonhado”.

Mesmo em todo o livro do Apocalipse, durante a Tribulação e a segunda metade quando inicia a Grande Tribulação, Deus dá uma oportunidade para os descrentes se arrependerem, mas infelizmente está dito:

Apocalipse 16:11 “11 E por causa das suas dores, e por causa das suas chagas, blasfemaram do Deus do céu; e não se arrependeram das suas obras.”

f) Cristo promete uma recompensa 

3:21-22 “21 Ao que vencer lhe concederei que se assente comigo no meu trono; assim como eu venci, e me assentei com meu Pai no seu trono. 22 Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas.”

Depois de encorajar a Igreja, dizendo que apesar de tudo ela ia a tempo de arrepender-se a tornar-se numa Igreja zelosa, Cristo exortou-a a comprar ouro a Deus, para se enriquecer, a colocar vestidos brancos, para cobrir a nudez e ungir os olhos com colírio para que veja. 3:18

Depois do apelo muito forte ao arrependimento a esta Igreja hipócrita que tinha fachada e fama de ser rica, mas era uma desgraçada do ponto vista espiritual 3:19-20 vem a promessa do que aquele que vencer se assentará com ele, no seu trono. 3:21

I I I. “E AS QUE DEPOIS DESTAS HÃO-DE ACONTECER” Apocalipse 4-22

A terceira divisão que vai do capítulo 4 ao capítulo 22, inicia com o arrebatamento de João ao céu.

Agora em vez de serem somente visões, ele vai ser arrebatado ao céu, para assistir a acontecimentos que vão acontecer no futuro.

É por essa razão que Cristo diz a João para ele escrever as coisas “que depois destas hão-de acontecer”.

Esta divisão pode ser dividida nas seguintes secções:

A. A visão de João no céu 4:1-2:14

B. A abertura dos sete selos 6:1-7:17

C. Parêntises entre o sexto selo e o sétimo selo

D. As sete trombetas 8:1-11:19

E.  Interlúdio antes de tocar a sétima trombeta

F.  A guerra nos céus e na terra 12:1-17

G. Previsão do derramamento das Taças da ira de Deus

H. As sete Taças da ira de Deus 15:1-16:21

I.  A Religião da Grande Babilónia 17:1-20:10

J.  O Negócio da Grande Babilónia

K. A Vinda de Cristo

L.  O  Reino Milenar de Cristo

M. O Grande Trono Branco 20:11-15

N.  Os Novos Céus e da Nova Terra 21:1-22:5

O. O Reino de Deus "agora" mas "não ainda"

P.  Palavras de conforto e advertência 22:6-21

Vamos então analisar cada uma destas secções:

A. A visão de João no céu Apocalipse 4:1-5:14

1. A visão do trono de Deus 

Estavam vinte e quatro tronos..............
Apocalipse 4:1-11 “1 Depois dessas coisas olhei, e diante de mim estava uma porta aberta no céu. A voz que eu tinha ouvido no princípio, falando comigo como trombeta, disse: “Suba para cá, e lhe mostrarei o que deve acontecer depois dessas coisas”. 2 Imediatamente me vi tomado pelo Espírito, e diante de mim estava um trono no céu e nele estava assentado alguém. 3 Aquele que estava assentado era de aspecto semelhante a jaspe e sardônio. Um arco-íris, parecendo uma esmeralda, circundava o trono, 4 ao redor do qual estavam outros vinte e quatro tronos, e assentados neles havia vinte e quatro anciãos. Eles estavam vestidos de branco e na cabeça tinham coroas de ouro. 5 Do trono saíam relâmpagos, vozes e trovões. Diante dele estavam acesas sete lâmpadas de fogo, que são os sete espíritos de Deus 6 E diante do trono havia algo parecido com um mar de vidro, claro como cristal. No centro, ao redor do trono, havia quatro seres viventes cobertos de olhos, tanto na frente como atrás. 7 O primeiro ser parecia um leão, o segundo parecia um boi, o terceiro tinha rosto como de homem, o quarto parecia umaáguia em vôo. 8 Cada um deles tinha seis asas e era cheio de olhos, tanto ao redor como por baixo das asas. Dia e noite repetem semcessar: “Santo, santo, santoé o Senhor, o Deus todo-poderoso, que era, que é e que há de vir”. 9 Toda vez que os seres viventes dão glória, honra e graças àquele que está assentado no trono e que vive para todo o sempre, 10 os vinte e quatro anciãos se prostram diante daquele que está assentado no trono e adoram aquele que vive para todo o sempre. Eles lançam as suas coroas diante do trono, e dizem: 11 “Tu, Senhor e Deus nosso, és digno de recebera glória, a honra e o poder, porque criaste todas as coisas, e por tua vontade elas existem e foram criadas”.

Depois da visão das Igrejas, João é chamado a subir ao céu, para que lhe fosse revelado as coisas que devem acontecer depois daquelas coisas que ele já viu.

Muitos comentadores estão convencidos que quando terminou a visão anterior, a visão das Igrejas, e João é chamado para subir ao céu, isto revela que a era da Igreja terminou e foi levada (arrebatada) para o céu.

Portanto, João, além de uma multidão de anjos vê os 24 anciãos assentados em 24 tronos que representam a Igreja de todos os tempos, que tendo sido arrebatada está agora à volta do trono de Deus à espera dos novos acontecimentos que irão acontecer.

Os seres viventes que João vê à volta do trono de Deus, fazem certamente referência aos seres angelicais que habitam nos céus.

Vemos que “9 toda vez que os seres viventes dão glória, honra e graças àquele que está assentado no trono e que vive para todo o sempre, 10 os vinte e quatro anciãos se prostram diante daquele que está assentado no trono e adoram aquele que vive para todo o sempre. Eles lançam as suas coroas diante do trono, e dizem: 11 “Tu, Senhor e Deus nosso, és digno de receber a glória, a honra e o poder, porque criaste todas as coisas, e por tua vontade elas existem e foram criadas”.

Como disse em cima, estes seres viventes são certamente seres angelicais que vivem mesmo no centro do Trono de Deus, se calhar uma ordem muita alta de anjos celestais.

No livro do Apocalipse João tem a visão de Deus e de Cristo no seu trono, rodeado pelos anjos, pelos quatro seres viventes e pelos vinte quatro anciãos, em Apocalipse 4 e 7.

Os anjos falam dos exércitos celestiais criados por Deus para o seu trabalho e louvor.

Os quatro seres viventes representam uma categoria de anjos que tem uma função muito especial à volta do trono de Deus e que terão um papel muito importante no livro do Apocalipse, durante os acontecimentos do final do mundo anunciados no Apocalipse.

Os vinte e quatro anciãos representam os crentes do Antigo Testamento e os crentes da era da Igreja.

Mas, podemos ver mais à frente em Apocalipse 7, que João vê à volta do trono uma multidão vestida de vestidos brancos, que são os santos que virão da Grande Tribulação. 

Todos estes estão à volta do trono de Deus e do Cordeiro.

2. A visão do único digno de abrir o livro 


Apocalipse 5:1-14 “1 Então vi na mão direita daquele que está assentado no trono um livro em forma de rolo, escrito de ambos os lados e selado com sete selos. 2 Vi um anjo poderoso, proclamando em alta voz: “Quem é digno de romper os selos e de abrir o livro?” 3 Mas não havia ninguém, nem no céu nem na terra nem debaixo da terra, que pudesse abrir o livro, ou sequer olhar para ele 4 Eu chorava muito, porque não se encontrou ninguém que fosse digno de abrir o livro e de olhar para ele. 5 Então um dos anciãos me disse: “Não chore! Eis que o Leão da tribo de Judá, a Raiz de Davi, venceu para abrir o livro e os seus sete selos” 6 Depois vi um Cordeiro, que parecia ter estado morto, em pé, no centro do trono, cercado pelos quatro seres viventes e pelos anciãos. Ele tinha sete chifres e sete olhos, que são os sete espíritos de Deus enviados a toda a terra. 7 Ele se aproximou e recebeu o livro da mão direita daquele que estava assentado no trono. 8 Ao recebê-lo, os quatro seres viventes e os vinte e quatro anciãos prostraram-se diante do Cordeiro. Cada um deles tinha uma harpa e taças de ouro cheias de incenso, que são as orações dos santos; 9 e eles cantavam um cântico novo: Tu és digno de receber o livro e de abrir os seus selos, pois foste morto, e com teusangue compraste para Deus gente de toda tribo, língua, povo e nação. 10 Tu os constituíste reino e sacerdotes para o nosso Deus, e eles reinarão sobre a terra. 11 Então olhei e ouvi a voz de muitos anjos, milhares de milhares e milhões de milhões. Eles rodeavam o trono, bem como os seres viventes e os anciãos, 12 e cantavam em alta voz: “Digno é o Cordeiro que foi morto de receber poder, riqueza, sabedoria, força, honra, glória e louvor!” 13 Depois ouvi todas as criaturas existentes no céu, na terra, debaixo da terra e no mar, e tudo o que neles há, que diziam: “Àquele que está assentado no trono e ao Cordeiro sejam o louvor, a honra, a glória e o poder, para todo o sempre!” 14 Os quatro seres viventes disseram: “Amém”, e os anciãos prostraram-se e o adoraram.

B. A abertura dos sete selos  Apocalipse 6:1-7:17

Nós não podemos perder de vista que quando se dá a abertura dos sete selos a Igreja já foi arrebatada, portanto, a Igreja já não está na terra.

Os 24 anciãos que João viu assentados em 24 tronos, representam a Igreja de todos os tempos, que tendo sido arrebatada está agora à volta do trono de Deus à espera dos novos acontecimentos que irão acontecer, como já vimos nos textos em cima.

Vemos em Apocalipse 5:7que  o cordeiro tomou o livro da dextra de Deus. E, conforme ele vai abrindo os sete selos, o que está escrito no livro, não é lido, mas actuado, pois João tem uma visão das coisas como se já tivessem acontecido.

Os primeiros 4 selos envolvem cavalos e cavaleiros. Normalmente os cavalos na Bíblia estão associados com triunfo, poder, majestade e conquista. Apocalipse 19:11, Job 39:19-25, Provérbios 21:31

Mas, antes de vermos a abertura dos sete selos, vejamos alguns textos que muito comentadores pensam que falam do arrebatamento da Igreja.

Os textos em baixo falam do arrebatamento da Igreja:

seremos arrebatados ...
I I Tessalonicenses 4:16-18 Porque o mesmo Senhor descerá do céu, com alarido, e com voz de arcanjo, e com a trombeta de Deus; e os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro. Depois nós os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamene com eles, nas nuvens, a encontrar o Senhor nos ares, e assim estaremos sempre com o Senhor.

I Coríntios 15:51 “Eis aqui vos digo um mistério: Na verdade, nem todos dormiremos, mas todos seremos transformados; Num momento, num abrir e fechar de olhos, ante a última trombeta; porque a trombeta soará, e os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos transforamdos”. A Igreja não vai passar por este tempo que a Bíblia chama de “ira futura”, pois está á espera de Jesus que virá do céu para a arrebatar e livrar da “ira futura”.

I Tessalonicenses 1:10 “E esperar dos céus o seu Filho, a quem ressuscitou dos mortos, a saber, Jesus que nos livra da ira futura."

Os julgamento de Deus sobre a terra iniciam com a abertura dos sete selos. Estes julgamentos não são simplemente o que o homem está a ceifar por viver uma vida errada e ter utilizado a natureza de uma forma errada, estando por isso a sofrer as consequências dos seus erros.

Estes julgamentos vêm directamente da mão de Deus contra os homens que não se quiseram submeter ao seu governo e em vez disto destruiram a terra. Os homens serão a julgados pelo seu pecado e rebelião contra Deus.

Os selos incluem todo o tempo da Grande Tribulação até ao regresso de Cristo à terra, que dura sete anos.

Os primeiros quatro selos tomam lugar até metade da Tribulação - os primeiros três anos e meio.

Os últimos três selos falam da segunda parte da Tribulação - os restantes três anos e meio.

Nós lemos sobre este tempo de sete anos de tribulação não somente no livro de Apocalipse, mas também no livro de Daniel e II Tessalonicenses 2:

Daniel 7:21-28 “21 Eu olhava, e eis que este chifre fazia guerra contra os santos, e prevaleceu contra eles. 22 Até que veio o ancião de dias, e fez justiça aos santos do Altíssimo; e chegou o tempo em que os santos possuíram o reino. 23 Disse assim: O quarto animal será o quarto reino na terra, o qual será diferente de todos os reinos; e devorará toda a terra, e a pisará aos pés, e a fará em pedaços. 24 E, quanto aos dez chifres, daquele mesmo reino se levantarão dez reis; e depois deles se levantará outro, o qual será diferente dos primeiros, e abaterá a três reis. 25 E proferirá palavras contra o Altíssimo, e destruirá os santos do Altíssimo, e cuidará em mudar os tempos e a lei; e eles serão entregues na sua mão, por um tempo, e tempos, e a metade de um tempo. 26 Mas o juízo será estabelecido, e eles tirarão o seu domínio, para o destruir e para o desfazer até ao fim. 27 E o reino, e o domínio, e a majestade dos reinos debaixo de todo o céu serão dados ao povo dos santos do Altíssimo; o seu reino será um reino eterno, e todos os domínios o servirão, e lhe obedecerão. 28 Aqui terminou o assunto. Quanto a mim, Daniel, os meus pensamentos muito me perturbaram, e mudou-se em mim o meu semblante; mas guardei o assunto no meu coração”. Daniel 8:9-19 “9 E de um deles saiu um chifre muito pequeno, o qual cresceu muito para o sul, e para o oriente, e para a terra formosa. 10 E se engrandeceu até contra o exército do céu; e a alguns do exército, e das estrelas, lançou por terra, e os pisou. 11 E se engrandeceu até contra o príncipe do exército; e por ele foi tirado o sacrifício contínuo, e o lugar do seu santuário foi lançado por terra. 12 E um exército foi dado contra o sacrifício contínuo, por causa da transgressão; e lançou a verdade por terra, e o fez, e prosperou. 13 Depois ouvi um santo que falava; e disse outro santo àquele que falava: Até quando durará a visão do sacrifício contínuo, e da transgressão assoladora, para que sejam entregues o santuário e o exército, a fim de serem pisados? 14 E ele me disse: Até duas mil e trezentas tardes e manhãs; e o santuário será purificado. 15 E aconteceu que, havendo eu, Daniel, tido a visão, procurei o significado, e eis que se apresentou diante de mim como que uma semelhança de homem. 19 E disse: Eis que te farei saber o que há de acontecer no último tempo da ira; pois isso pertence ao tempo determinado do fim. 20 Aquele carneiro que viste com dois chifres são os reis da Média e da Pérsia, 21 Mas o bode peludo é o rei da Grécia; e o grande chifre que tinha entre os olhos é o primeiro rei; 22 O ter sido quebrado, levantando-se quatro em lugar dele, significa que quatro reinos se levantarão da mesma nação, mas não com a força dele. 23 Mas, no fim do seu reinado, quando acabarem os prevaricadores, se levantará um rei, feroz de semblante, e será entendido em adivinhações. 24 E se fortalecerá o seu poder, mas não pela sua própria força; e destruirá maravilhosamente, e prosperará, e fará o que lhe aprouver; e destruirá os poderosos e o povo santo. 25 E pelo seu entendimento também fará prosperar o engano na sua mão; e no seu coração se engrandecerá, e destruirá a muitos que vivem em segurança; e se levantará contra o Príncipe dos príncipes, mas sem mão será quebrado. 26 E a visão da tarde e da manhã que foi falada, é verdadeira. Tu, porém, cerra a visão, porque se refere a dias muito distantes.

Daniel 9:21-27 “21 Estando eu, digo, ainda falando na oração, o homem Gabriel, que eu tinha visto na minha visão ao princípio, veio, voando rapidamente, e tocou-me, à hora do sacrifício da tarde. 22 Ele me instruiu, e falou comigo, dizendo: Daniel, agora saí para fazer-te entender o sentido. 23 No princípio das tuas súplicas, saiu a ordem, e eu vim, para to declarar, porque és mui amado; considera, pois, a palavra, e entende a visão. 24 Setenta semanas estão determinadas sobre o teu povo, e sobre a tua santa cidade, para cessar a transgressão, e para dar fim aos pecados, e para expiar a iniqüidade, e trazer a justiça eterna, e selar a visão e a profecia, e para ungir o Santíssimo. 25 Sabe e entende: desde a saída da ordem para restaurar, e para edificar a Jerusalém, até ao Messias, o Príncipe, haverá sete semanas, e sessenta e duas semanas; as ruas e o muro se reedificarão, mas em tempos angustiosos. 26 E depois das sessenta e duas semanas será cortado o Messias, mas não para si mesmo; e o povo do príncipe, que há de vir, destruirá a cidade e o santuário, e o seu fim será com uma inundação; e até ao fim haverá guerra; estão determinadas as assolações. 27 E ele firmará aliança com muitos por uma semana; e na metade da semana fará cessar o sacrifício e a oblação; e sobre a asa das abominações virá o assolador, e isso até à consumação; e o que está determinado será derramado sobre o assolador.”

Conforme os selos se abrem, os julgamentos vão se tornando maiores e piores. O Sétimo selo contém as sete trombetas. Ao soar de cada trombeta, maiores serão os julgamentos e finalmente a sétima trombeta contém as sete taças da ira de Deus, altura em que os julgamentos de Deus sobre a terra se tornam terríveis.

Desta forma os sete selos contém todos os julgamentos de Deus sobre a terra até ao regresso de Cristo, visto o sétimo selo conter as sete trombetas e a sétima trombeta conter as sete taças da ira de Deus. Portanto, todos os julgamentos que gradualmente se vão tornando piores, estão contidos nos sete selos.

É interessante ver que os julgamentos destes sete selos são referidos por Cristo em Mateus 24:1-35, e iremos gradualmente ver isto com a abertura dos selos. Vejamos então a abertura dos sete selos:

1. Abertura do primeiro selo

Apocalipse 6:1-2 “1 Observei quando o Cordeiro abriu o primeiro dos sete selos. Então ouvi um dos seres viventes dizer com voz de trovão: “Venha!” 2 Olhei, e diante de mim estava um cavalo branco. Seu cavaleiro empunhava um arco, e foi-lhe dada uma coroa; ele cavalgava como vencedor determinado a vencer”

O Cavalo branco - a sedução e a paz falsa. 
.... a sedução e a paz falsa ...

Mateus 24:4-5 “Acautelai-vos que ninguém vos engane, porque muitos virão em meu nome, dizendo: Eu sou o Cristo, e enganarão a muitos”.

Aquele que está montado no cavalo branco, que tem um arco e recebe uma coroa para conquistar e vencer, não vai conquistar utilizando a força militar, mas vai utilizar a sedução espiritual e acordos falsos de paz, como podemos ler também em I I Tessalonincenses 2:9-11 3 e Daniel 9:24-27.

O cavaleiro que aparece neste primeiro selo, montado num cavalo branco, não é Cristo que vemos em Apocalipse 19:11-21.

Cristo desce dos céus sentado num cavalo branco, nesta passagem, mas não é o cavaleiro neste selo.

Vamos ver algumas razões que mostram a diferença entre estes dois cavaleiros.

Primeiro Cristo é aquele que abre os selos e não nenhum dos cavaleiros dos selos.

Segundo, Cristo regressa no final da Tribulação como vemos em Apocalipse 19:11, e não no princípio da tribulação como é o caso do cavaleiro deste cavalo branco neste primeiro selo.

Terceiro, Cristo não aparece sozinho como este cavaleiro, mas é seguido dos exércitos dos céus que também vêm montado em cavalos brancos.

Quarto, Cristo tem uma espada com ele e várias coroas na cabeça em Apocalipse 19, este cavaleiro tem um arco e simplesmente uma coroa.

Quinto, em Apocalipse 19 Cristo desce para fazer guerra à Besta e ao Falso Porfeta e aos reis da terra e vencê-los e lançar a Besta e o Falso no Profeta no lago de fogo, para finalmente estabelecer o Seu Reino na terra.

Não é dito nada disto do cavaleiro deste primeiro selo. Aliás, é somente a partir da abertura dos selos que Satanás vai ser lançado na terra e vai levantar a Besta e o Falso Profeta e as nações contra os seguidores de Cristo, e vão todos opôr-se em vão ao estabelecimento do Reino de Cristo na terra.

Tudo parece indicar que este cavaleiro é o anti-cristo – a Besta, que no início do seu reinado utilizará não a guerra, mas antes a sedução (simbolizada pelo cavalo branco) para enganar e vencer.

O anti-cristo prometerá uma idade de ouro de paz e de prosperidade. Como prova de gratidão o mundo o honrará e o elevará a uma posição de líder supremo, mas isto durará pouco tempo, pois ele será denunciado pelas duas testemunhas Apocalipse 11:3-8 que irão mostrar ao mundo o seu engano e sedução.

Quando o anti-cristo for desafiado desta forma, ele reagirá e porá uma marca em cada pessoa e começará a perseguir e a matar todos aqueles que não receberem a sua marca. Apocalipse 13:11-18

Como podemos ver nos textos em baixo:

Apocalipse 11:3-7 “3 E darei poder às minhas duas testemunhas, e profetizarão por mil duzentos e sessenta dias, vestidas de saco. 4 Estas são as duas oliveiras e os dois castiçais que estão diante do Deus da terra. 5 E, se alguém lhes quiser fazer mal, fogo sairá da sua boca, e devorará os seus inimigos; e, se alguém lhes quiser fazer mal, importa que assim seja morto. 6 Estes têm poder para fechar o céu, para que não chova, nos dias da sua profecia; e têm poder sobre as águas para convertê-las em sangue, e para ferir a terra com toda a sorte de pragas, todas quantas vezes quiserem. 7 E, quando acabarem o seu testemunho, a besta que sobe do abismo lhes fará guerra, e os vencerá, e os matará”.

Apocalipse 13:11-18 “11 E vi subir da terra outra besta, e tinha dois chifres semelhantes aos de um cordeiro; e falava como o dragão. 12 E exerce todo o poder da primeira besta na sua presença, e faz que a terra e os que nela habitam adorem a primeira besta, cuja chaga mortal fora curada. 13 E faz grandes sinais, de maneira que até fogo faz descer do céu à terra, à vista dos homens. 14 E engana os que habitam na terra com sinais que lhe foi permitido que fizesse em presença da besta, dizendo aos que habitam na terra que fizessem uma imagem à besta que recebera a ferida da espada e vivia. 15 E foi-lhe concedido que desse espírito à imagem da besta, para que também a imagem da besta falasse, e fizesse que fossem mortos todos os que não adorassem a imagem da besta. 16 E faz que a todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e servos, lhes seja posto um sinal na sua mão direita, ou nas suas testas, 17 Para que ninguém possa comprar ou vender, senão aquele que tiver o sinal, ou o nome da besta, ou o número do seu nome. 18 Aqui há sabedoria. Aquele que tem entendimento, calcule o número da besta; porque é o número de um homem, e o seu número é seiscentos e sessenta e seis”.

Daniel 9:24-27 “24 Setenta semanas estão determinadas sobre o teu povo, e sobre a tua santa cidade, para cessar a transgressão, e para dar fim aos pecados, e para expiar a iniqüidade, e trazer a justiça eterna, e selar a visão e a profecia, e para ungir o Santíssimo. 25 Sabe e entende: desde a saída da ordem para restaurar, e para edificar a Jerusalém, até ao Messias, o Príncipe, haverá sete semanas, e sessenta e duas semanas; as ruas e o muro se reedificarão, mas em tempos angustiosos. 26 E depois das sessenta e duas semanas será cortado o Messias, mas não para si mesmo; e o povo do príncipe, que há de vir, destruirá a cidade e o santuário, e o seu fim será com uma inundação; e até ao fim haverá guerra; estão determinadas as assolações. 27 E ele firmará aliança com muitos por uma semana; e na metade da semana fará cessar o sacrifício e a oblação; e sobre a asa das abominações virá o assolador, e isso até à consumação; e o que está determinado será derramado sobre o assolador.”

2 Tessalonicenses 2:9-11 “9 A esse cuja vinda é segundo a eficácia de Satanás, com todo o poder, e sinais e prodígios de mentira, 10 E com todo o engano da injustiça para os que perecem, porque não receberam o amor da verdade para se salvarem. 11 E por isso Deus lhes enviará a operação do erro, para que creiam a mentira” .

2. Abertura do segundo selo

Apocalipse 6:3-4 “3 Quando o Cordeiro abriu o segundo selo, ouvi o segundo ser vivente dizer: “Venha!” 4  Então saiu outro cavalo; e este era vermelho. Seu cavaleiro recebeu poder para tirar a paz da terra e fazer que os homens se matassem uns aos outros. E lhe foi dada uma grande espada.

O Cavalo vermelho – a guerra 

seu cavaleiro recebeu poder para tirar a paz da terra ...
Mateus 24:6-7a “E ouvireis de guerras e de rumores de guerras; olhai não vos assusteis, porque é mister que tudo isto aconteça, mas ainda não é o fim. Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra reino”.

v 4 “seu cavaleiro recebeu poder para tirar a paz da terra”.

Quando o tempo de paz prometido pelo anti-cristo acabar, a guerra representada pelo cavalo vermelho e o seu cavaleiro começará.

O anti-cristo, que é a Besta, estará envolvido a partir daí em todas as guerra na terra, afim de poder manter o seu poder que foi posto em causa pelas duas testemunhas e por todas as testemunhas de Cristo que se levantarão naquele tempo, denunciando-o como sendo o anti-cristo profetizado pelas escrituras, que viria em lugar de Cristo para seduzir e enganar.

Muitos eruditos acreditam que o anti-cristo será a cabeça de uma confederação dos países do west e irá inicialmente prometer paz à situação no médio oriente. Ele fará um tratado com Israel prometendo defender Israel na base deste tratado, isto durante a primeira parte da Grande Tribulação - três anos e meio.

Estando no topo desta confederação dos paises do West, o anti-cristo apresenta-se como o campeão da paz e como sendo o protector de Israel. No entanto, muitos rebeldes levantar-se-ão contra o seu governo e a tentativa do anti-cristo esamagar esta rebelião durará toda a segunda parte da Grande Tribulação - os restantes três anos e meio.

Entretanto, depois de tudo isto, ele quebrará este tratado de paz e profanará o lugar santo como Jesus disse e vemos também em Daniel:

Mateus 24:15 “15 Quando, pois, virdes que a abominação da desolação, de que falou o profeta Daniel, está no lugar santo; quem lê, atenda;”

Daniel 7:25 “25 E proferirá palavras contra o Altíssimo, e destruirá os santos do Altíssimo, e cuidará em mudar os tempos e a lei; e eles serão entregues na sua mão, por um tempo, e tempos, e a metade de um tempo”.

Daniel 8:13-14 “13 Depois ouvi um santo que falava; e disse outro santo àquele que falava: Até quando durará a visão do sacrifício contínuo, e da transgressão assoladora, para que sejam entregues o santuário e o exército, a fim de serem pisados? 14 E ele me disse: Até duas mil e trezentas tardes e manhãs; e o santuário será purificado”.

3. Abertura do terceiro selo 

Apocalipse 6:5-6 “5 Quando o Cordeiro abriu o terceiro selo, ouvi o terceiro ser vivente dizer: “Venha!” Olhei, e diante de mim estava um cavalo preto. Seu cavaleiro tinha na mão uma balança. 6 Então ouvi o que parecia uma voz entre os quatro seres viventes, dizendo: “Um quilo de trigo por um denário, e três quilos de cevada por um denário, e não danifique o azeite e o vinho!”

O Cavalo preto - a fome

e haverá fomes, em vários lugares
Mateus 24:7b “e haverá fomes, em vários lugares”

Nós vemos em Mateus que Jesus já tinha prometido fome mundial – em vários lugares. A fome vem também como consequência da guerra que se instalou em todo o mundo.

Não devemos esquecer que estamos no período em que todos estes acontecimentos fazem parte dos julgamentos de Deus que irão cair sobre a terra. Portanto, um julgamento leva a outro.

Depois da sedução, representada pelo cavalo branco, vem a guerra representada pelo cavalo vermelho e a seguir segue-se a fome, representada pelo cavalo preto. Desta forma a situação mundial vai-se deteriorando, aos estragos deixados pelo julgamento anterior serão amontoados os estragos vindos do próximo julgamento.

Esta fome do final dos tempos vai espalhar-se pelo mundo todo. Vemos pela visao como sera a situacao economica nos dias do terceiro selo

v 5 "Olhei, e diante de mim estava um cavalo preto. Seu cavaleiro tinha na mao uma balanca"

O cavaleiro que Joao viu montado no cavalo preto tinha uma balanca na mao o que indica um tempo de escassez, no qual os alimentos serao vendidos a precos exorbitantes."

v 6a "Um quilo de trigo por um denario, e tres quilos de cevada por um denario."

Isto indica precos dez vezes superiores ao normal."

v 6b "e nao danifiqueis o azeite e o vinho."

A escassez e tanta, que o azeite e o vinho, produtos importantes e utilizados para preparar a comida, deviam ser conservados a todo o custo.

4. Abertura do quarto selo

Apocalipse 6:7-8 Quando o Cordeiro abriu o quarto selo, ouvi a voz do quarto ser vivente dizer: “Venha!” 8 Olhei, e diante de mim estava um cavalo amarelo. Seu cavaleiro chamava-se Morte, e o Hades o seguia de perto. Foi-lhes dado poder para matar a quarta parte da terra para matar pela espada, pela fome, por pragas e por meio dos animais selvagens da terra

O Cavalo amarelo (ou pálido) – a morte 

e haverá ... pestes, e terramotos, em vários lugares
Mateus 24:7 “e haverá ... pestes, e terramotos, em vários lugares"

O cavalo amarelo (ou pálido) está associado à morte, por essa razão o cavaleiro que está montado sobre ele tem por nome “morte”.

É claro que a guerra e a fome massiva que já atingiu uma escala mundial trazem a morte.

Mas é interessante notar que João também vê o inferno ou “hades” seguindo este cavaleiro - a “morte”. Desta forma foi dada autoridade para a “morte” e o “inferno” destruirem uma quarta parte da terra pela espada, pela fome, por outras pragas e por meio dos animais selvagens.

Vemos quatro elementos utilizados para a destruição. Os primeiros dois elementos apareceram já na abertura segundo selo – a guerra, e do terceiro selo – a fome.

Mas a caracterísitca do quarto cavaleiro é assustadora, ele possui uma cor verde-pálido (amarelado).

Esta é a cor da desgraça. Em grego essa é a ideia expressa no original (hippos klorós). Isso nos leva a crer que é chegado o tempo da desgraça sobre o mundo que rejeita Deus. Este quarto cavaleiro ceifará a vida daqueles que desconhecem a Palavra de Deus e o Senhor Jesus Cristo.

Vemos então que a abertura do quarto selo trouxe os outros dois elementos, ou seja outras pragas que estão nomeadas em Mateus 24:7, pestes, terramotos e certamente erupções vulcânicas e inundações, como também animais selvagens, que pode muito bem estar a falar de uma praga de ratos ou outros animais que num mundo invadido pela guerra, fome e catástrofes de todo o tipo, se tornam também um invasor, trazendo uma praga talvez mais mortal que a própria guerra, forme e terramotos, quem sabe.

Neste caso o quarto cavaleiro possui algumas características únicas, uma delas vemos no versículo em baixo:

v 8b "por outras pragas e por meio dos animais selvagens".

Ouvimos falar recentemente de estranhas mortandades provocadas por animais em várias partes do mundo. O número de doenças e enfermidades tem crescido assustadoramente e o mais agravante tem sido a potencialização de novos vírus que tem feito crescer a mortandade em todo o mundo.

Mas temos que ler todo o versículo para ver como a morte vai ceifar o nosso mundo nesses últimos dias da nossa história:

v8 "Olhei, e diante de mim estava um cavalo amarelo. Seu cavaleiro chamava-se Morte, e o Hades o seguia de perto. Foi-lhes dado poder para mater a quarta parte da terra para matar pela espada, pela fome, por pragas e por meio dos animais selvagens da terra

Além da morte produzida por animais e pragas devido à potencialização dos novos vírus,  nós estamos a ver em nossos tempos muitos civis morrendo em manifestações, além das desgraças naturais como enchentes, terramotos, deslizamentos de terra, furacões etc que estão matando aos milhões. Vemos ainda que o genocídio de massas tem crescido sobre a terra através de guerras que começam a afectar globalmente o nosso planeta.

Tudo isto são sinais pré-apocalípticos, mas não se poderão comparar com a morte nos tempos apocalípticos, pois vemos que o mais surpreendente sobre o quarto cavaleiro, cuja a missão é espalhar a morte por todo o mundo, é que a morte e o inferno possuiem a autoridade sobre um quarto da população mundial,  ou seja um bilhão e meio de pessoas, que morrerão separados do conhecimento de Deus.

Os 4 cavaleiros do Apocalipse 
Estes quatro cavaleiros são sistemas de domínio de massa comandados por Satanás e seus demónios e comparsas humanos, quanto à destruição e autorizados por Deus para juízo do mundo todo.

Estes sistemas diabólicos e ao mesmo tempo humanos, ditam regras e leis, ajustando culturas e estabelecem domínios territoriais, levando a história para a proximidade do fim.

5. Abertura do quinto selo 

Apocalipse 6:9-11 "Quando ele abriu o quinto selo, vi debaixo do altar as almas daqueles que haviam sido mortos por causa da palavra de Deus e do testemunho que deram. Eles clamavam em alta voz: "Até quando, ó Soberano, santo e verdadeiro, esperarás para julgar os habitantes da terra e vingar o nosso sangue? Então cada um deles recebeu uma veste branca, e foi-lhes dito que esperassem um pouco mais, até que se completasse o número dos seus conservos e irmãos, que deveriam ser mortos como ele".

O julgamento divino sobre a terra.

mortos por causa da Palavra de Deus 
Mateus 24:9 “Então vos hão-de entregar para serdes atormentados, e matar-vos-ão; e sereis odiados de todas as gentes, por causa do meu nome”

É de notar que antes de Mateus 24:9 vemos em Mateus 24:8 “Mas todas estas coisas são o princípio das dores”.

Desta forma, termina aqui o quarto selo e Cristo chama ao tempo dos julgamentos dos primeiros quatro selos ou o julgamento dos 4 cavaleiros de “princípio das dores”.

Mateus 24:9 em que Cristo diz: “Então vos hão-de entregar para serdes atormentados, e matar-vos-ão, e sereis odiados de todas as gentes, por causa do meu nome”, fala do início da abertura do quinto selo, quando terá início a segunda parte da Tribulação, onde haverá a Grande Aflição – os três anos e meio restam da Grande Tribulação que já vimos terá a duração de sete anos.

Vemos que Cristo compara a Grande Tribulação ao parto de uma mulher.

A primeira parte do parto, em que a mulher sofre as primeiras dores, simboliza a primeira parte da Grande Tribulação, Cristo chama de "princípios das dores" e durará três anos e meio. Esta primeira parte é relatada em Mateus 24:1-9, e é depois relatada com muitos mais pormenores em Apocalipse.

A segunda parte do parto, em que as dores finais da mulher são muito maiores, dores que podem ser mesmo excruciantes, simboliza a segunda parte da Grande Tribulação, que Cristo chama de "Grande Aflição", que durará também três anos e meio. Esta segunda parte é relatada em Mateus 24:10-35, e é depois relatada com muitos mais pormenores em Apocalipse.

Chegamos “então” à segunda metade da Tribulação, no final do quarto selo e vamos entrar na segunda parte da Tribulação referida por Jesus em Mateus, Daniel e também em Apocalipse, estamos na parte final do "parto" aonde as dores da mulher são excruciantes, simbolizando estas dores, as dores do mundo quando estiver debaixo dos últimos e terríveis julgamentos de Deus quando do derramamento das sete taças da ira de Deus.

Mateus 24:15 e 21 “15 Quando, pois, virdes que a abominação da desolação, de que falou o profeta Daniel, está no lugar santo, quem lê, atenda 21 “Porque haverá então grande aflição, como nunca houve, desde o principio do mundo até agora, nem tão pouco haverá”. 

Daniel 9:27 “27 E ele firmará aliança com muitos por uma semana; e na metade da semana fará cessar o sacrifício e a oblação; e sobre a asa das abominações virá o assolador, e isso até à consumação; e o que está determinado será derramado sobre o assolador.”

Apocalipse 12:14 Foram dadas à mulher as duas asas da grande águia, para que ela pudesse voar para o lugar que lhe havia sido preparado no deserto, onde seria sustentada durante um tempo, tempos e meio tempo, fora do alcance da serpente.

A abertura do quinto selo dará então início à segunda metade da Tribulação, que Cristo chama de Grande aflição como já vimos em Mateus 24:21 “Porque haverá então grande aflição, como nunca houve, desde o principio do mundo até agora, nem tão pouco haverá”.

Começará então uma verdadeira perseguição aos crentes liderada pelo diabo, pelos seus demónios e finalmente pelo Anti-Cristo e o Falso Profeta. Esta revolta contra Deus e contra o seu povo, desencadearão novos julgamentos divinos com consequências nunca vista até aqueles dias, como Cristo disse “como nunca houve, desde o principio do mundo até agora, nem tão pouco haverá”.

6. Abertura do sexto selo 

Apocalipse 6:12-17 “12 Observei quando ele abriu o sexto selo. Houve um grande terremoto. O sol ficou escuro como tecido de crina negra, toda a lua tornou-se vermelha como sangue 13 e as estrelas do céu caíram sobre a terra como figos verdes caem da figueira quando sacudidos por um vento forte 14 O céu se recolheu como se enrola um pergaminho, e todas as montanhas e ilhas foram removidas de seus lugares 15 Então os reis da terra, os príncipes, os generais, os ricos, os poderosos — todos, escravos e livres, esconderam-se em cavernas e entre as rochas das montanhas. 16 Eles gritavam às montanhas e às rochas: Caiam sobre nós e escondam-nos da face daquele que está assentado no trono e da ira do Cordeiro! 17 Pois chegou o grande dia da ira deles; e quem poderá suportar?

Destruição física sobre a terra. 

o sol escureceu e as estrelas cairam dos céus
Mateus 24:29 “E logo depois da aflição daqueles dias, o sol escurecerá, e a lua não dará a sua luz, e as estrelas cairão do céu, e as potências dos céus serão abaladas”.

Vimos que a terra já estava muito destruída pelos julgamentos divinos que tinham caído sobre a terra, com a abertura dos primeiros cinco selos.

Mas, julgamentos ainda maiores estão para vir, com a abertura do sexto e sétimo selo.

Não devemos esquecer que ao abrir o sétimo selo, as sete trombetas começarão a tocar e julgamentos maiores cairão sobre a terra e com o toque da sétima trombeta, teremos o início das sete taças da ira de Deus que lançarão sobre a terra os últimos julgamentos de Deus, os mais terríveis de todos.

Quando o sexto selo se abre, a terra já entrou na segunda metade de Tribulação, a chamada Grande Aflição que durará três anos e meio. Mas a Grande Aflição de facto só atingirá o seu máximo com a abertura do sétimo selo.

v 15- 17 "15 Então os reis da terra, os príncipes, os generais, os ricos, os poderosos — todos, escravos e livres, esconderam-se em cavernas e entre as rochas das montanhas. 16 Eles gritavam às montanhas e às rochas: Caiam sobre nós e escondam-nos da face daquele que está assentado no trono e da ira do Cordeiro! 17 Pois chegou o grande dia da ira deles; e quem poderá suportar?"

Nós vemos que estes versículos especificam que neste momento os reis da terra, os príncipes, os generais, os ricos, os poderosos — todos, escravos e livres, estavam cheios de medo por causa dos julgamentos que ainda estavam para vir e esconderam-se em cavernas e entre as rochas das montanhas e gritavam:

v 16 "escondam-se da face daquele que está assentado no trono e da ira do Cordeiro 17 Pois chegou o grande dia da ira deles; e quem poderá suportar"

Vemos que eles gritavam às montanhas e às rochas: Caiam sobre nós e escondam-nos da face daquele que está assentado no trono e da ira do Cordeiro! Pois chegou o grande dia da ira deles; e quem poderá suportar?

Portanto, o mundo sabe que o grande dia da ira do Senhor ainda não veio com a abertura do sexto selo, mas está perto e estão aterrorizados pois sabem que ninguém poderá suportar este dia, por isso diziam “e quem poderá suportar?”

Com a abertura do sexto selo, há guerra, fome, pragas, terramotos, inundações, erupções vulcânicas, o mundo é capaz de ser abalado por cataclismos a nível do firmamento e dos astros celestes, por isso os homens procuram esconder-se dentro das montanhas.

C. Parêntis entre o sexto selo e o sétimo selo.

quatro anjos que estavam sobre os quatro cantos
Apocalipse 7:1-17 “1 E depois destas coisas vi quatro anjos que estavam sobre os quatro cantos da terra, retendo os quatro ventos da terra, para que nenhum vento soprasse sobre a terra, nem sobre o mar, nem contra árvore alguma. 2 E vi outro anjo subir do lado do sol nascente, e que tinha o selo do Deus vivo; e clamou com grande voz aos quatro anjos, a quem fora dado o poder de danificar a terra e o mar, 3 Dizendo: Não danifiqueis a terra, nem o mar, nem as árvores, até que hajamos assinalado nas suas testas os servos do nosso Deus. 4 E ouvi o número dos assinalados, e eram cento e quarenta e quatro mil assinalados, de todas as tribos dos filhos de Israel. 5 Da tribo de Judá, havia doze mil assinalados; da tribo de Rúben, doze mil assinalados; da tribo de Gade, doze mil assinalados; 6 Da tribo de Aser, doze mil assinalados; da tribo de Naftali, doze mil assinalados; da tribo de Manassés, doze mil assinalados; 7 Da tribo de Simeão, doze mil assinalados; da tribo de Levi, doze mil assinalados; da tribo de Issacar, doze mil assinalados; 8 Da tribo de Zebulom, doze mil assinalados; da tribo de José, doze mil assinalados; da tribo de Benjamim, doze mil assinalados. 9 Depois destas coisas olhei, e eis aqui uma multidão, a qual ninguém podia contar, de todas as nações, e tribos, e povos, e línguas, que estavam diante do trono, e perante o Cordeiro, trajando vestes brancas e com palmas nas suas mãos; 10 E clamavam com grande voz, dizendo: Salvação ao nosso Deus, que está assentado no trono, e ao Cordeiro. 11 E todos os anjos estavam ao redor do trono, e dos anciãos, e dos quatro animais; e prostraram-se diante do trono sobre seus rostos, e adoraram a Deus, 12 Dizendo: Amém. Louvor, e glória, e sabedoria, e ação de graças, e honra, e poder, e força ao nosso Deus, para todo o sempre. Amém. 13 E um dos anciãos me falou, dizendo: Estes que estão vestidos de vestes brancas, quem são, e de onde vieram? 14 E eu disse-lhe: Senhor, tu sabes. E ele disse-me: Estes são os que vieram da grande tribulação, e lavaram as suas vestes e as branquearam no sangue do Cordeiro. 15 Por isso estão diante do trono de Deus, e o servem de dia e de noite no seu templo; e aquele que está assentado sobre o trono os cobrirá com a sua sombra. 16 Nunca mais terão fome, nunca mais terão sede; nem sol nem calma alguma cairá sobre eles. 17 Porque o Cordeiro que está no meio do trono os apascentará, e lhes servirá de guia para as fontes das águas da vida; e Deus limpará de seus olhos toda a lágrima.”

Nós vemos no capítulo 6 uma pergunta importante:

Apocalipse 6:17 “Porque é vindo grande dia da sua ira; e quem poderá subsistir?”

Na altura desta pergunta o mundo está e entrar na segunda metade da Tribulação, chamada de grande tribulação ou grande aflição que se aproxima do final, do Grande Dia (ou tempo) da ira de Deus que está a aproximar-se rapidamente.

Com a abertura do sétimo selo, as sete trombetas tocarão e com o toque da sétima trombeta, as sete taças da ira de Deus serão lançadas na terra e nelas se consumirá o Grande Dia da ira de Deus sobre os homens que destroem a terra.

Apocalipse 11:18 “chegou o tempo de destruires os que destroem a terra”

Neste parêntis, nós vemos a resposta à pergunta feita em Apocalipse 6:17 “Porque é vindo grande dia da sua ira; e quem poderá subsistir?”, que revela que há dois grupos que irão subsistir a este julgamento.

O primeiro grupo descritos em Apocalipse 7:1-8 são os 144.000.

7:1-8 "3 Dizendo: Não danifiqueis a terra, nem o mar, nem as árvores, até que hajamos assinalado nas suas testas os servos do nosso Deus. 4 E ouvi o número dos assinalados, e eram cento e quarenta e quatro mil assinalados, de todas as tribos dos filhos de Israel."

Como vemos a Bíblia faz claramente alusão de que estes 144.000 são judeus. Eles serão perservados na terra até à entrada do milênio, porque serão selados por Deus."

O segundo grupo descrito em Apocalipse 7:9-17 são todos aqueles que serão martirizados durante a Grande Tribulação.

7:9-14 "9 Depois destas coisas olhei, e eis aqui uma multidão, a qual ninguém podia contar, de todas as nações, e tribos, e povos, e línguas, que estavam diante do trono, e perante o Cordeiro, trajando vestes brancas e com palmas nas suas mãos; 10 E clamavam com grande voz, dizendo: Salvação ao nosso Deus, que está assentado no trono, e ao Cordeiro. 11 E todos os anjos estavam ao redor do trono, e dos anciãos, e dos quatro animais; e prostraram-se diante do trono sobre seus rostos, e adoraram a Deus, 12 Dizendo: Amém. Louvor, e glória, e sabedoria, e ação de graças, e honra, e poder, e força ao nosso Deus, para todo o sempre. Amém. 13 E um dos anciãos me falou, dizendo: Estes que estão vestidos de vestes brancas, quem são, e de onde vieram? 14 E eu disse-lhe: Senhor, tu sabes. E ele disse-me: Estes são os que vieram da grande tribulação, e lavaram as suas vestes e as branquearam no sangue do Cordeiro."

Este grupo é constituido por crentes de todas as nações.

7. Abertura do sétimo selo 

 sétimo selo contém as sete trombetas.
Apocalipse 8:1-6 “1 E, havendo aberto o sétimo selo, fez-se silêncio no céu, quase por meia hora. 2 E vi os sete anjos que estavam diante de Deus, e foram-lhe dados sete trombetas 3 Outro anjo, que trazia um incensário de ouro, aproximou-se e se colocou em pé junto ao altar. A ele foi dado muito incensopara oferecer com as orações de todos os santos sobre o altar de ouro diante do trono 4 E da mão do anjo subiu diante de Deus a fumaça do incenso com as orações dos santos. 5 Então o anjo pegou o incensário, encheu-o com fogo do altar e lançou-o sobre a terra; e houve trovões, vozes, relâmpagos e um terremoto. 6 Então os sete anjos, que tinham as sete trombetas, prepararam-se para tocá-las.

Não podemos esquecer que o sétimo selo contém as sete trombetas. Desta forma com a abertura do sétimo selo, João vê os sete anjos a quem Deus entregou as sete trombetas, preparando-se para tocá-las.

Os julgamentos do dia do Senhor irão intensificar-se e expandir-se a partir de agora tomando uma amplitude universal, e irão afectar todo o planeta terra.

A terra está passando agora pela segunda metade da Tribulação, os últimos três anos e meio, pois o princípio das dores já passou e entrou-se nos tempos que Jesus chamou de “grande aflição” que teve o seu início com a abertura do quinto selo.

Mateus 24:37-42 “Como foi nos dias de Noé, assim também será na vinda do Filho do homem. Pois nos dias anteriores ao Dilúvio, o povo vivia comendo e bebendo, casando-se e dando-se em casamento, até o dia em que Noé entrou na arca e eles nada perceberam, até que veio o Dilúvio e os levou a todos. Assim acontecerá na vinda do Filho do homem. Dois homens estarão no campo: um será levado e o outro deixado Duas mulheres estarão trabalhando num moinho: uma será levada e a outra deixada. Portanto, vigiem, porque vocês não sabem em que dia virá o seu Senhor”.

Apocalipse 8:1-2 “E, havendo aberto o sétimo selo, deu-se silêncio no céu, quase por meia hora."

Cristo que é o único que pode abrir os selos Apocalipse 5:5 “Eis aqui o Leão da tribo de Judá, a raíz de David que venceu, para abrir os sete selos”. Cristo ao abrir o sétimo selo “fez-se silêncio no céu, quase por meia hora”.

Este silêncio é um sinal que a seguir Deus fará cair os últimos julgamentos sobre a terra, os mais aterrorizadores de destrutivos.

fez-se silêncio no céu, quase por meia hora
Depois de um grande clamor dos anjos e de todos aqueles que se encontravam diante do grande trono, houve silêncio absoluto no céu, pois chegou o grande momento em que Deus irá fazer cair sobre a terra julgamentos que farão a terra passar pelo momento mais terrível da Grande Tribulação que começou com a abertura do quinto selo, quando a terra entrou na segunda metade da Tribulação e começou a conhecer um momento de aflição nunca visto desde o princípio do mundo como Jesus disse em Mateus 24:21

O Senhor Jesus comparou este momento de aflição ao dilúvio que quando veio levou a todos, excepto aqueles qu estavam na arca, protegidos do terrível julgamento.

Mateus 24:36-39 “36 Mas daquele dia e hora ninguém sabe, nem os anjos do céu, mas unicamente meu Pai 37 E, como foi nos dias de Noé, assim será também a vinda do Filho do homem. 38 Porquanto, assim como, nos dias anteriores ao dilúvio, comiam, bebiam, casavam e davam-se em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca, 39 E não o perceberam, até que veio o dilúvio, e os levou a todos, assim será também a vinda do Filho do homem”.

Depois da meia hora de silêncio, os sete anjos começam a tocar as suas trombetas:

D. As sete trombetas 

As primeiras seis trombetas

Apocalipse 8:7-11:19 “7 O primeiro anjo tocou a sua trombeta, e granizo e fogo misturado com sangue foram lançados sobre a terra. Foi queimado um terço da terra, um terço das árvores e toda a relva verde. 8 O segundo anjo tocou a sua trombeta, e algo como um grande monte em chamas foi lançado ao mar 9 Um terço do mar transformou-se em sangue,morreu um terço das criaturas do mar e foi destruído um terço das embarcações 10 O terceiro anjo tocou a sua trombeta, e caiu do céu uma grande estrela, queimando como tocha, sobre um terço dos rios e das fontes de águas 11 E o nome da estrela é Absinto. Tornou-se amargo um terço das águas, e muitos morreram pela ação das águas que se tornaram amargas 12 O quarto anjo tocou a sua trombeta, e foi ferido um terço do sol, um terço da lua e um terço das estrelas, de forma que um terço deles escureceu. Um terço do dia ficou sem luz, e também um terço da noite. 13 Enquanto eu olhava, ouvi uma águia (ou anjo, segundo algumas versões) que voava pelo meio do céu e dizia em alta voz: Ai, ai, ai dos que habitam na terra, por causa do toque das trombetas que está prestes a ser dado pelos três outros anjos!”

Apocalipse 9:1-12 “1 O quinto anjo tocou a trombeta, e vi uma estrela caída do céu na terra. E foi-lhe dada a chave do poço do abismo 2 Ela abriu o poço do abismo, e subiu fumaça do poço como fumaça de grande fornalha, e, com a fumaceira saída do poço, escureceu-se o sol e o ar 3 Também da fumaça saíram gafanhotos para a terra; e foi-lhes dado poder como o que têm os escorpiões da terra, 4 e foi-lhes dito que não causassem dano à erva da terra, nem a qualquer coisa verde, nem a árvore alguma e tão-somente aos homens que não têm o selo de Deus sobre a fronte. 5 Foi-lhes também dado, não que os matassem, e sim que os atormentassem durante cinco meses. E o seu tormento era como tormento de escorpião quando fere alguém 6 Naqueles dias, os homens buscarão a morte e não a acharão; também terão ardente desejo de morrer, mas a morte fugirá deles 7 O aspecto dos gafanhotos era semelhante a cavalos preparados para a peleja; na sua cabeça havia como que coroas parecendo de ouro; e o seu rosto era como rosto de homem; 8 tinham também cabelos, como cabelos de mulher; os seus dentes, como dentes de leão; 9 tinham couraças, como couraças de ferro; o barulho que as suas asas faziam era como o barulho de carros de muitos cavalos, quando correm à peleja; 10 tinham ainda cauda, como escorpiões, e ferrão; na cauda tinham poder para causar dano aos homens, por cinco meses; 11 e tinham sobre eles, como seu rei, o anjo do abismo, cujo nome em hebraico é Abadom, e em grego, Apoliom 12 Passado é já um ai; eis que, depois disso, vêm ainda dois ais 13 O sexto anjo tocou a trombeta, e ouvi uma voz procedente dos quatro ângulos do altar de ouro que se encontra na presença de Deus, 14 dizendo ao sexto anjo, o mesmo que tem a trombeta: Solta os quatro anjos que se encontram atados junto ao grande rio Eufrates. 15 Foram, então, soltos os quatro anjos que se achavam preparados para a hora, o dia, o mês e o ano, para que matassem a terça parte dos homens 16 O número dos exércitos da cavalaria era de vinte mil vezes dez milhares; eu ouvi o seu número. 17 Assim, nesta visão, contemplei que os cavalos e os seus cavaleiros tinham couraças cor de fogo, de jacinto e de enxofre. A cabeça dos cavalos era como cabeça de leão, e de sua boca saía fogo, fumaça e enxofre. 18 Por meio destes três flagelos, a saber, pelo fogo, pela fumaça e pelo enxofre que saíam da sua boca, foi morta a terça parte dos homens; 19 pois a força dos cavalos estava na sua boca e na sua cauda, porquanto a sua cauda se parecia com serpentes, e tinha cabeças, e com ela causavam dano. 20 Os outros homens, aqueles que não foram mortos por esses flagelos, não se arrependeram das obras das suas mãos, deixando de adorar os demônios e os ídolos de ouro, de prata, de cobre, de pedra e de pau, que nem podem ver, nem ouvir, nem andar; 21 nem ainda se arrependeram dos seus assassínios, nem das suas feitiçarias, nem da sua prostituição, nem dos seus furtos”.

Vamos ver então as primeiras seis trombetas tocarem, depois há um interlúdio e a seguir ao interlúdio tocará a sétima trombeta.

E vi sete anjos e foram-lhe dados sete trombetas
Não podemos perder de vista que com abertura dos sete selos a Igreja já não está na terra, pois já foi arrebatada.

Portanto, os 24 anciãos que João viu assentados em 24 tronos, representam a Igreja de todos os tempos, que tendo sido arrebatada está agora à volta do trono de Deus à espera dos novos acontecimentos que irão acontecer, como já vimos nos textos em baixo.

I I Tessalonicenses 4:16-18 Porque o mesmo Senhor descerá do céu, com alarido, e com voz de arcanjo, e com a trombeta de Deus; e os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro. Depois nós os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamene com eles, nas nuvens, a encontrar o Senhor nos ares, e assim estaremos sempre com o Senhor.

I Coríntios 15:51 “Eis aqui vos digo um mistério: Na verdade, nem todos dormiremos, mas todos seremos transformados; Num momento, num abrir e fechar de olhos, ante a última trombeta; porque a trombeta soará, e os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos transforamdos”.

No momento que João houve as trombetas a tocarem, dando início a novos julgamentos, ele já viu a Igreja com todos os santos no céu representada pelos 24 anciãos que João viu assentados em 24 tronos, a volta do trono de Deus.

Portanto a Igreja não vai passar por este tempo que a Bíblia chama de “ira futura”.

I Tessalonicenses 1:10 “E esperar dos céus o seu Filho, a quem ressuscitou dos mortos, a saber, Jesus que nos livra da ira futura.

Com o toque das sete trombetas a ira de Deus vai intensificar-se, e os seus julgamentos serão maiores e piores.

1. A primeira trombeta 

Apocalipse 8:7 “O primeiro anjo tocou a sua trombeta, e granizo e fogo misturado com sangue foram lançados sobre a terra. Foi queimado um terço da terra, um terço das árvores e toda a relva verde”.

A primeira trombeta fala do julgamento que cai sobre a terra. 

Foi queimado um terço das árvores...
A saraiva de granizo é associada a julgamento em alguns textos da Bíblia. Lembro a a praga da saraiva no egipto Êxodo 9:13-15, assim como o fogo, lembro a destruição de Sodoma e Gomorra pelo fogo e o enxofre Gênesis 19:24-38. Vemos sangue misturado com fogo em Joel 2:30-31.

O fogo poderá vir de erupções vulcânicas à escala mundial. Não podemos esquecer que os julgamentos estão a tornar-se maiores e piores. Os fumos e gases terríveis vindos da lava dos vulcões subindo à atmosfera causarão tempestades e poderão causar a saraiva de granizo.

O sangue poderá ser real, ou então ser simplesmente simbólico de morte e destruição que estas novas pragas irão causar no meio da população mundial. O texto diz que foi queimado um terço da terra, um terço das árvores e toda a relva verde.

2. A segunda trombeta

Apocalipse 8:8-9 “O segundo anjo tocou a sua trombeta, e algo como um grande monte em chamas foi lançado ao mar. Um terço do mar transformou-se em sangue, morreu um terço das criaturas do mar e foi destruído um terço das embarcações.”

A segunda trombeta fala do julgamento que cai sobre o mar. 

Morreu um terço das criaturas do mar...
O astro massivo que cai sobre o mar parece um “monte em chamas”. Isto pode estar a falar de um
metereorito gigante envolto em chamas e gases devido à frição com a atmosfera, que embate no mar e mata um terço das criaturas do mar e destrói um terço dos barcos.

Então estes dois primeiros julgamentos caem sobre a terra e o mar, mas isto é simplesmente o início dos terríveis julgamentos que Deus irá fazer cair sobre os homens rebeldes e impenitentes.

3. A terceira trombeta 

Apocalipse 8:10-11 “O terceiro anjo tocou a sua trombeta, e caiu do céu uma grande estrela, queimando como tocha, sobre um terço dos rios e das fontes de águas o nome da estrela é Absinto. Tornou-se amargo um terço das águas, e muitos morreram pela ação das águas que se tornaram amargas”.

A terceira trombeta fala do julgamento que cai sobre os rios e as fontes das águas. 

Tornou-se amargo um terço das águas...
O objecto ou astro celestial que cai do céu era parecido como uma tocha acesa, cujo nome era Absinto, que quer dizer venenoso ou tóxico e envenena um terço de todas as águas doces. Muitos morreram envenenados e entoxicados pelas águas que se tornaram amargas. Isto pode estar a falar de um meteorito ou outro abjecto vindo dos céus.

Por causa dos seus efeitos tóxicos, esta estrela é chamada Absinto, nome utilizado para um licor muito tóxico banido em muitos países. Nós vemos esta palavra Absinto (ou fel ou alosna) citada 8 vezes no Antigo Testamento. Deuteronómio 29:18, Provérbios 5:4, Jeremias 9:15, Lamentações 3:15, Amós 5:7, 6:12.

Nestes textos, o absinto, fel ou alosna fala sempre de algo “amargoso” que pode vir da atitude dos homens que se desviando de Deus “tornam a Justiça e o Juízo em alosna” Amós 5:7, ou criam raízes que vão dar fel e absinto Deuteronómio 29:18. Isto pode estar a falar das rázes de amargura referidas em Hebreus 12:15.

Mas pode referir também aos julgamentos de Deus que poderão ser amargosos como fel e absinto ou alosna, como diz Lamentações “fartou-me de amargura, saciou-me de Absinto”. E este é o sentido aqui em Apocalipse, pois este astro que cai do céu entoxicará as águas e muitos morrerão ao beberem destas águas entoxicadas.

Vemos que com a terceira trombeta, o terceiro julgamento a terra, o mar e as fontes das águas doces ficam completamente afectadas e destruídas. Tudo isto adicionado à destruição causada pelos julgamentos anteriores levará a terra para uma situação completamente caótica. Mas os maiores e piores julgamentos ainda estão para vir.

4. A quarta trombeta 

Apocalipse 8:12-13 “O quarto anjo tocou a sua trombeta, e foi ferido um terço do sol, um terço da lua e um terço das estrelas, de forma que um terço deles escureceu. Um terço do dia ficou sem luz, e também um terço da noite. Enquanto eu olhava, ouvi uma águia (ou anjo, segundo algumas versões) que voava pelo meio do céu e dizia em alta voz: “Ai, ai, ai dos que habitam na terra, por causa do toque das trombetas que está prestes a ser dado pelos três outros anjos!”

A quarta trombeta fala do julgamento que cai sobre os as estrelas e planetas. 

Foi ferido um terço do sol...
Desta vez os julgamentos em vez de cairem sobre a terra e os mares e os rios e fontes, cai sobre os céus, onde vemos um terço do sol, e um terço da lua e um terço das estrelas serem atingidos de tal forma que escureceram. Os dias tornaram-se escuros, as noites cairam numa total escuridão e as temperaturas devem ter subido muito, abrasando os homens com calores insuportáveis.

Estamos a ver os efeitos da abertura do sétimo selo, que contém os julgamentos ligados com as trombetas. Já estamos no final da quarta trombeta e podemos imaginar como não estará a terra completamente destruida nessa altura.

Mas, isto ainda não é nada e é por isso que vemos no final da quarta trombeta em Apocalipse 8:13 um anjo que voava pelo meio do céu a dizer “Enquanto eu olhava, ouvi uma águia (ou anjo, segundo algumas versões) que voava pelo meio do céu e dizia em alta voz: “Ai, ai, ai dos que habitam na terra, por causa do toque das trombetas que está prestes a ser dado pelos três outros anjos!”.

Ai, ai, ai é utilizado na Bíblia como uma expressão de um julgamento, destruição e condenação eminente que está para vir, neste caso, a seguir ao toque da quarta trombeta, logo que a quinta trombeta começar a soar.

A terra, os mares, os rios, as fontes de águas e os astros já foram atingidos, tendo desaparecido ou sido destruido um terço de tudo isto, isto tudo em cima de tudo aquilo que tinha sido destruido durante a abertura dos primeiros seis selos. Não podemos esquecer que os julgamentos já tinham começado com a abertura do primeiro selo.

5. A quinta trombeta 

Tinham cauda como escorpiões...
Apocalipse 9:1-12 “9:1 – O quinto anjo tocou a trombeta, e vi uma estrela caída do céu na terra. E foi-lhe dada a chave do poço do abismo 2 Ela abriu o poço do abismo, e subiu fumaça do poço como fumaça de grande fornalha, e, com a fumaceira saída do poço, escureceu-se o sol e o ar 3 Também da fumaça saíram gafanhotos para a terra; e foi-lhes dado poder como o que têm os escorpiões da terra, 4 e foi-lhes dito que não causassem dano à erva da terra, nem a qualquer coisa verde, nem a árvore alguma e tão-somente aos homens que não têm o selo de Deus sobre a fronte. 5 Foi-lhes também dado, não que os matassem, e sim que os atormentassem durante cinco meses. E o seu tormento era como tormento de escorpião quando fere alguém 6 Naqueles dias, os homens buscarão a morte e não a acharão; também terão ardente desejo de morrer, mas a morte fugirá deles 7 O aspecto dos gafanhotos era semelhante a cavalos preparados para a peleja; na sua cabeça havia como que coroas parecendo de ouro; e o seu rosto era como rosto de homem; 8 tinham também cabelos, como cabelos de mulher; os seus dentes, como dentes de leão; 9 tinham couraças, como couraças de ferro; o barulho que as suas asas faziam era como o barulho de carros de muitos cavalos, quando correm à peleja; 10 tinham ainda cauda, como escorpiões, e ferrão; na cauda tinham poder para causar dano aos homens, por cinco meses; 11 e tinham sobre eles, como seu rei, o anjo do abismo, cujo nome em hebraico é Abadom, e em grego, Apoliom.

A quinta trombeta fala do julgamento moral e físico que cai sobre os homens através dos demónios que são libertados do abismo. 

Apocalipse 9:12 Passado é já um ai; eis que depois disso, vêm ainda dois ais.

João já viu uma estrela caindo do céu (8:10), mas agora ele vê uma que já caiu. Esta estrela representa uma pessoa, pois recebe a chave do poço do abismo. Satanás recebe a chave do poço do abismo, mas Jesus segura a chave da morte e do inferno.

E foi-lhe dada a chave do poço do abismo: A chave representa autoridade, e aqui Satanás recebe autoridade sobre o poço do abismo. O diabo age dentro dos limites estabelecidos por Deus Jó 1:12; 2:6

Aqui, ele tem autoridade sobre as criaturas da região infernal, a região dos demônios Lucas 8:31. O Destruidor é o rei do abismo Apocalipse 9:11. É do abismo que subirá a besta para perseguir e matar os servos de Deus 11:7; 17:8. Mais tarde, o abismo servirá como a prisão de Satanás 20:1-3,7.

Tudo parece indicar que do absimo saírão espíritos de erro e impuros que atormentarão os homens com toda a espécie de pecados e doenças.

Ainda aguardamos mais dois "ais" – as sexta e sétima trombetas (veja 11:14).

 As últimas três trombetas são os três "ais" anunciados pela águia 8:13. O primeiro "ai" passou....faltam ainda dois "ais":

O primeiro "ai" – a quinta trombeta – passou. Neste ai percebemos o poder destrutivo do pecado e doenças provocadas pelos demónios que sairam do abismo. Isto provoca provoca sofrimento e tormento, antes dos homens chegarem à morte. Entendendo a quinta trombeta desta maneira, podemos ver aqui os efeitos de destruição natural que é seguida pela decadência, perversão e corrupção moral e espiritual causada pelos demónios na vida dos homens que não se querem arrepender.

6. A sexta trombeta 

Apocalipse 9:13-21 O sexto anjo tocou a trombeta, e ouvi uma voz procedente dos quatro ângulos do altar de ouro que se encontra na presença de Deus, 14 dizendo ao sexto anjo, o mesmo que tem a trombeta: Solta os quatro anjos que se encontram atados junto ao grande rio Eufrates. 15 Foram, então, soltos os quatro anjos que se achavam preparados para a hora, o dia, o mês e o ano, para que matassem a terça parte dos homens 16 O número dos exércitos da cavalaria era de vinte mil vezes dez milhares; eu ouvi o seu número. 17 Assim, nesta visão, contemplei que os cavalos e os seus cavaleiros tinham couraças cor de fogo, de jacinto e de enxofre. A cabeça dos cavalos era como cabeça de leão, e de sua boca saía fogo, fumaça e enxofre. 18 Por meio destes três flagelos, a saber, pelo fogo, pela fumaça e pelo enxofre que saíam da sua boca, foi morta a terça parte dos homens; 19 pois a força dos cavalos estava na sua boca e na sua cauda, porquanto a sua cauda se parecia com serpentes, e tinha cabeças, e com ela causavam dano. 20 Os outros homens, aqueles que não foram mortos por esses flagelos, não se arrependeram das obras das suas mãos, deixando de adorar os demônios e os ídolos de ouro, de prata, de cobre, de pedra e de pau, que nem podem ver, nem ouvir, nem andar; 21nem ainda se arrependeram dos seus assassínios, nem das suas feitiçarias, nem da sua prostituição, nem dos seus furtos.

A sexta trombeta fala do julgamento que causa um tormento que leva os homens à morte.

Alguns pensam que é um ataque desecadeado por exércitos humanos. Outros pensam que é um ataque desencadeado pelos demónios, mas desta vez não os que estavam no abismo, com o vimos na quinta trombeta, mas que estavam atados junto ao rio Eufrates.

Os que pensam que são exércitos humanos acham que estes 4 anjos, que são demónios irão incitar estes exércitos para fazer guerra e matar a terça parte dos homens. Mas o outros pensam que estes anjos são demónios que lideram um exércitos de demónios que atacará os homens rebeldes.

Mas vemos que ainda assim em Apocalipse 9:21 “os outros homens que não foram mortos, nem ainda se arrependeram dos seus assassínios, nem das suas feitiçarias, nem da sua prostituição, nem dos seus furtos”.

E. Interlúdio antes de tocar a sétima trombeta

cima da sua cabeça estava o arco celeste
Apocalipse 10:1-11:14 “1 E vi outro anjo forte, que descia do céu, vestido de uma nuvem; e por cima da sua cabeça estava o arco celeste, e o seu rosto era como o sol, e os seus pés como colunas de fogo; 2 E tinha na sua mão um livrinho aberto. E pôs o seu pé direito sobre o mar, e o esquerdo sobre a terra; 3 E clamou com grande voz, como quando ruge um leão; e, havendo clamado, os sete trovões emitiram as suas vozes. 4 E, quando os sete trovões acabaram de emitir as suas vozes, eu ia escrever; mas ouvi uma voz do céu, que me dizia: Sela o que os sete trovões emitiram, e não o escrevas. 5 E o anjo que vi estar sobre o mar e sobre a terra levantou a sua mão ao céu, 6 E jurou por aquele que vive para todo o sempre, o qual criou o céu e o que nele há, e a terra e o que nela há, e o mar e o que nele há, que não haveria mais demora; 7 Mas nos dias da voz do sétimo anjo, quando tocar a sua trombeta, se cumprirá o segredo de Deus, como anunciou aos profetas, seus servos. 8 E a voz que eu do céu tinha ouvido tornou a falar comigo, e disse: Vai, e toma o livrinho aberto da mão do anjo que está em pé sobre o mar e sobre a terra. 9 E fui ao anjo, dizendo-lhe: Dá-me o livrinho. E ele disse-me: Toma-o, e come-o, e ele fará amargo o teu ventre, mas na tua boca será doce como mel. 10 E tomei o livrinho da mão do anjo, e comi-o; e na minha boca era doce como mel; e, havendo-o comido, o meu ventre ficou amargo. 11 E ele disse-me: Importa que profetizes outra vez a muitos povos, e nações, e línguas e reis.”

Apocalipse 11:1-14 “1 E foi-me dada uma cana semelhante a uma vara; e chegou o anjo, e disse: Levanta-te, e mede o templo de Deus, e o altar, e os que nele adoram. 2 E deixa o átrio que está fora do templo, e não o meças; porque foi dado às nações, e pisarão a cidade santa por quarenta e dois meses. 3 E darei poder às minhas duas testemunhas, e profetizarão por mil duzentos e sessenta dias, vestidas de saco. 4 Estas são as duas oliveiras e os dois castiçais que estão diante do Deus da terra. 5 E, se alguém lhes quiser fazer mal, fogo sairá da sua boca, e devorará os seus inimigos; e, se alguém lhes quiser fazer mal, importa que assim seja morto. 6 Estes têm poder para fechar o céu, para que não chova, nos dias da sua profecia; e têm poder sobre as águas para convertê-las em sangue, e para ferir a terra com toda a sorte de pragas, todas quantas vezes quiserem. 7 E, quando acabarem o seu testemunho, a besta que sobe do abismo lhes fará guerra, e os vencerá, e os matará. 8 E jazerão os seus corpos mortos na praça da grande cidade que espiritualmente se chama Sodoma e Egito, onde o seu Senhor também foi crucificado. 9 E homens de vários povos, e tribos, e línguas, e nações verão seus corpos mortos por três dias e meio, e não permitirão que os seus corpos mortos sejam postos em sepulcros. 10 E os que habitam na terra se regozijarão sobre eles, e se alegrarão, e mandarão presentes uns aos outros; porquanto estes dois profetas tinham atormentado os que habitam sobre a terra. 11 E depois daqueles três dias e meio o espírito de vida, vindo de Deus, entrou neles; e puseram-se sobre seus pés, e caiu grande temor sobre os que os viram. 12 E ouviram uma grande voz do céu, que lhes dizia: Subi para aqui. E subiram ao céu em uma nuvem; e os seus inimigos os viram. 13 E naquela mesma hora houve um grande terremoto, e caiu a décima parte da cidade, e no terremoto foram mortos sete mil homens; e os demais ficaram muito atemorizados, e deram glória ao Deus do céu. 14 É passado o segundo ai; eis que o terceiro ai cedo virá”.

Durante este interlúdio, no meio dos terrores dos julgamentos divinos Deus encoraja os crentes, revelando que não se esqueceu deles. Antes da sétima trombeta tocar, o que dará início às sete taças da ira de Deus, os crentes no meio de uma terra completamente destruída e um sociedade completmente corrompida, são confortados por Deus.

Durante este interlúdio Deus ordena que haja uma nova evangelização na terra através das duas testemunhas.

1. Cumpre-se o segredo de Deus dado aos profetas.

... o segredo de Deus ...
Apocalipse 10:7 “7 Mas nos dias da voz do sétimo anjo, quando tocar a sua trombeta, se cumprirá o segredo de Deus, como anunciou aos profetas, seus servos”.

Na Bíblia a palavra "Mistério" faz referência a verdades escondidas e que são reveladas a seu tempo.

A Bíblia fala de vários "Mistérios":

Os mistérios do reino

Mateus 13:11 “11 Ele, respondendo, disse-lhes: Porque a vós é dado conhecer os mistérios do reino dos céus, mas a eles não lhes é dado” .

Os mistérios da cegueira e endurecimento de Israel. 

Romanos 11:25 “25 Porque não quero, irmãos, que ignoreis este segredo (para que não presumais de vós mesmos): que o endurecimento veio em parte sobre Israel, até que a plenitude dos gentios haja entrado”.

O mistério do arrebatamento da Igreja

1 Coríntios 15:51 “51 Eis aqui vos digo um mistério: Na verdade, nem todos dormiremos, mas todos seremos transformados”.

O mistério da injustiça.

2 Tessalonicenses 2:7 “7 Porque já o mistério da injustiça opera; somente há um que agora resiste até que do meio seja tirado”.

O mistério de Cristo. 

Efésios 3:4 “4 Por isso, quando ledes, podeis perceber a minha compreensão do mistério de Cristo”. O mistério de Cristo e a Igreja. Efésios 5:32 “32 Grande é este mistério; digo-o, porém, a respeito de Cristo e da igreja.”

O mistério de Cristo no crente.

Colossenses 1:26-27 “26 O mistério que esteve oculto desde todos os séculos, e em todas as gerações, e que agora foi manifesto aos seus santos; 27 Aos quais Deus quis fazer conhecer quais são as riquezas da glória deste mistério entre os gentios, que é Cristo em vós, esperança da glória”.

O mistério da encarnação.

1 Timóteo 3:16 “16 E, sem dúvida alguma, grande é o mistério da piedade: Deus se manifestou em carne, foi justificado no Espírito, visto dos anjos, pregado aos gentios, crido no mundo, recebido acima na glória”.

Paulo despenseiro dos mistérios de Deus.

1 Coríntios 4:1 “1 Que os homens nos considerem como ministros de Cristo, e despenseiros dos mistérios de Deus.”

Paulo traz a luz os mistérios que durante séculos estiveram ocultos em Deus. 

Efésios 3:9 “9 E demonstrar a todos qual seja a dispensação do mistério, que desde os séculos esteve oculto em Deus, que tudo criou por meio de Jesus Cristo”.

Quando o anjo anuncia em Apocalipse 10:7 que durante os próximos acontecimentos “se cumprirá o segredo de Deus dado aos profetas”, ele está a dizer que os planos de Deus que incluem a salvação dos escolhidos por Ele que herdarão o reino de Deus e a perdição dos ímpios e demónios que serão lançados na lago de fogo, se cumprirão nos próximos acontecimentos.

Desta forma todos os mistérios ocultos em Deus serão revelados e cumpridos pelo regresso de Cristo à terra, pelo julgamento final e pela criação dos novos céus e da nova terra.

Efésios 1:9-10 “9 Descobrindo-nos o mistério da sua vontade, segundo o seu beneplácito, que propusera em si mesmo, 10 De tornar a congregar em Cristo todas as coisas, na dispensação da plenitude dos tempos, tanto as que estão nos céus como as que estão na terra”.

2. Deus dá ordem para os últimos acontecimentos e julgamentos serem anunciados. 

Apocalipse 8-11 “8 E a voz que eu do céu tinha ouvido tornou a falar comigo, e disse: Vai, e toma o livrinho aberto da mão do anjo que está em pé sobre o mar e sobre a terra. 9 E fui ao anjo, dizendo-lhe: Dá-me o livrinho. E ele disse-me: Toma-o, e come-o, e ele fará amargo o teu ventre, mas na tua boca será doce como mel. 10 E tomei o livrinho da mão do anjo, e comi-o; e na minha boca era doce como mel; e, havendo-o comido, o meu ventre ficou amargo. 11 E ele disse-me: Importa que profetizes outra vez a muitos povos, e nações, e línguas e reis.”

João deixa o lugar de ‘observador’ para tomar o lugar de ‘actor’ tornando-se um activo participante nesta visão. Desta forma João toma o livro e come. Faz lembrar Ezequiel a quem foi ordenado de comer o rolo. Ezequiel 2:9 e 3:1-4.

Está dito de Ezequiel que “então eu o comi, e era na minha boca doce como mel”. A seguir Deus manda-lhe ir dizer as suas palavras palavras ao povo “e dize-lhe as minhas palavras”.

Esta cena de Ezequiel é igual ao que se passou com João, que devia comer o livro, que no seu ventre seria amargo, mas na sua boca era doce como mel” e depois vem a ordem para a nova evangelização v 11 “Importa que profetizes outra vez a muitos povos, e nações, e línguas e reis".

O acto de comer simboliza o acto de absorver e assimilar a Palavra de Deus. Quando João tomou estas palavras que falavam dos últimos julgamentos e acontecimento na terra, soube-lhe “doce” e “amargo”.

É ‘doce’, porque finalmente Deus finalmente exercerá um justo julgamento sobre a terra, antes de ser glorificado como ele merece. Mas ‘amargo’ porque os julgamentos serão terríveis sobre todos os impenitentes e demónios.

Afinal os crentes anseiam pelo regresso de Cristo e pelo julgamento final sobre toda a iniquidade existente no nosso mundo e sobre os demónios.

O anjo então ordena a João para escrever tudo o que falta para que todas as profecias de Deus sejam cumpridas.

3. O poder dado às duas oliveiras – duas testemunhas. 

Apocalipse 3-11 “3 E darei poder às minhas duas testemunhas, e profetizarão por mil duzentos e sessenta dias, vestidas de saco. 4 Estas são as duas oliveiras e os dois castiçais que estão diante do Deus da terra. 5 E, se alguém lhes quiser fazer mal, fogo sairá da sua boca, e devorará os seus inimigos; e, se alguém lhes quiser fazer mal, importa que assim seja morto. 6 Estes têm poder para fechar o céu, para que não chova, nos dias da sua profecia; e têm poder sobre as águas para convertê-las em sangue, e para ferir a terra com toda a sorte de pragas, todas quantas vezes quiserem. 7 E, quando acabarem o seu testemunho, a besta que sobe do abismo lhes fará guerra, e os vencerá, e os matará. 8 E jazerão os seus corpos mortos na praça da grande cidade que espiritualmente se chama Sodoma e Egito, onde o seu Senhor também foi crucificado. 9 E homens de vários povos, e tribos, e línguas, e nações verão seus corpos mortos por três dias e meio, e não permitirão que os seus corpos mortos sejam postos em sepulcros. 10 E os que habitam na terra se regozijarão sobre eles, e se alegrarão, e mandarão presentes uns aos outros; porquanto estes dois profetas tinham atormentado os que habitam sobre a terra. 11 E depois daqueles três dias e meio o espírito de vida, vindo de Deus, entrou neles; e puseram-se sobre seus pés, e caiu grande temor sobre os que os viram.

Tudo parece indicar que estas duas testemunhas proclamarão o Evangelho sem medo nenhum durantes os três anos e meio que faltam da Grande Tribulação que está a assolar toda a terra. O seu ministério será acompanhado de poder e milagres, como aconteceu com Moisés, Elias, Eliseu e os apóstolos de Cristo.

Apocalipse 10:11 E ele disse-me: Importa que profetizes, a muitos povos, e nações, e línguas e reis”.

Apocalipse 11:4 “E darei poder às minhas duas testemunhas, e profetizarão por mil duzentos e sessenta dias, vestidos de saco”.

Desta forma, todas as testemunhas de Cristo, que poderão incluir também aos 144.000 judeus de Apocalipse 7:4- 8 e mais estas duas testemunhas irão terminar a Grande Comissão de Cristo dada em Mateus.

Mateus 24:14 “E este Evangelho do Reino será pregado em todo o mundo, em testemunho a todas as gentes, e então virá o fim”.

O cumprimento desta promessa começou a ser cumprida durante a idade das Igreja, pela pregação do Evangelho da Igreja que é uma expressão do Evangelho do Reino, mas a sua completude virá somente quando a Igreja tiver sido arrebatada da terra e o Evangelho ser pregado a todas as gentes, pelos crentes durante a Grande  Tribulação e muito especialmente durante os últimos mil duzentos e sessenta dias, a segunda parte da Grande Tribulação, a chamada Grande Aflição.

4. A sétima trombeta 

Apocalipse 11:15-19 “15 E tocou o sétimo anjo a sua trombeta, e houve no céu grandes vozes, que diziam:
O reino do mundo passou a ser de nosso Senhor e do seu Cristo, e ele reinará pelos séculos dos séculos 16 E os vinte e quatro anciãos, que estão assentados em seus tronos diante de Deus, prostraram-se sobre seus rostos e adoraram a Deus, 17 dizendo: Graças te damos, Senhor Deus Todo-Poderoso, que és, e que eras, porque tens tomado o teu grande poder, e começaste a reinar. 18 Iraram-se, na verdade, as nações; então veio a tua ira, e o tempo de serem julgados os mortos, e o tempo de dares recompensa aos teus servos, os profetas, e aos santos, e aos que temem o teu nome, a pequenos e a grandes, e o tempo de destruíres os que destroem a terra. 19 Abriu-se o santuário de Deus que está no céu, e no seu santuário foi vista a arca do seu pacto; e houve relâmpagos, vozes e trovões, e terremoto e grande saraivada

A sétima trombeta inicia os julgamentos finais com as sete taças da ira de Deus que serão derramadas sobre a terra. 

A sétima a trombeta marca uma etapa importante na revelação do livro do Apocalipse, pois a partir daí vai ser revelada a João os acontecimentos que irão preceder e de certo modo determinar o regresso do nosso Senhor Jesus Cristo para estabelecer o Seu Reino Milenar na terra.

As vozes nos cés diziam que v 15 “O reino do mundo passou a ser de nosso Senhor e do seu Cristo, e ele reinará pelos séculos dos séculos”.

Estes acontecimentos revelam a fúria final dos julgamentos de Deus sobre a terra 16:1-21, a grande ceifa durante os julgamentos 11:18; 16:19, a vitória do cordeiro sobre os reis na terra 17:12-18, culminando com o triunfo de Cristo na guerra de Armagedom 19:1-10, o estabelecimento do seu reino milenar na terra.

A sétima trombeta não deve ser confundida com o trombeta falada em na primeira carta aos Corintios e aos Tessalonicenses:

1 Coríntios 15:51-52 “51 Eis aqui vos digo um mistério: Na verdade, nem todos dormiremos, mas todos seremos transformados; 52 Num momento, num abrir e fechar de olhos, ante a última trombeta; porque a trombeta soará, e os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos transformado”.

1 Tessalonicenses 4:16-17 “16 Porque o mesmo Senhor descerá do céu com alarido, e com voz de arcanjo, e com a trombeta de Deus; e os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro. 17 Depois nós, os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, a encontrar o Senhor nos ares, e assim estaremos sempre com o Senhor”.

Esta trombeta vai soar na chamada dos crentes durante o arrebatamento da Igreja, enquanto que a sétima trombeta do Apocalipse vai dar inicio aos julgamentos mais terríveis de Deus sobre a Terra e à coroação de Cristo como Rei sobre a terra durante o milênio.

Nós vemos três interlúdios:

O interlúdio entre o final dos sete selos e o  início das sete trombetas. Lembro que o sétimo selo contém as sete trombetas.

O  interlúdio entre o final das sete trombetas e as sete taças. Lembro que a sétima trombeta contém as sete taças.

E finalmente um breve interlúdio no final das taças, em Apocalipse 16:15

Apocalipse 16:15 “15 Eis que venho como ladrão. Bem-aventurado aquele que vigia, e guarda as suas roupas, para que não ande nu, e não se vejam as suas vergonhas”

Todos estes interlúdios servem para encorajar os crentes durante os sete anos dos julgamentos na terra, assegurando que Deus não se esqueceu dos crentes, como podemos ver já na promessa dada por Malaquias.

Malaquias 3:16 “16 Então aqueles que temeram ao SENHOR falaram freqüentemente um ao outro; e o SENHOR atentou e ouviu; e um memorial foi escrito diante dele, para os que temeram o SENHOR, e para os que se lembraram do seu nome”.

Malaquias 4:2 “2 Mas para vós, os que temeis o meu nome, nascerá o sol da justiça, e cura trará nas suas asas; e saireis e saltareis como bezerros da estrebaria”.

Em suma, as vozes nos céus que e os 24 anciões que estão à volta do trono declaram que chegou o tempo de satanás ser derrotado e de Deus v 18 “destruir a todos os que destroem a terra” através de julgamentos terríveis que se vão suceder e chegou o tempo v 15 "os reinos deste mundo voltarem a pertencer e de Cristo voltar para reinar".

Os reinos deste mundo foram usurpados pelo diabo logo no início da criação do homem, mas a partir de agora vão ser retomados por Cristo.

Mas antes das taças começarem a ser derramadas vemos um novo interlúdio que vai de Apocalipse 12:1 a Apocalipse 15:

Durante este interlúdio nós vemos referências a acontecimentos muito importantes.

F. A guerra nos céus e na terra 

Apocalipse 12:1-17 “1 Apareceu no céu um sinal extraordinário: uma mulher vestida do sol, com a lua debaixo dos seus pés e uma coroa de doze estrelas sobre a cabeça 2 Ela estava grávida e gritava de dor, pois estava para dar à luz. 3 Então apareceu no céu outro sinal: um enorme dragão vermelho com sete cabeças e dez chifres, tendo sobre as cabeças sete coroas. 4 Sua cauda arrastou consigo um terço das estrelas do céu, lançando-as na terra. O dragão colocou-se diante da mulher que estava para dar à luz, para devorar o seu filho no momento em que nascesse. 5 Ela deu à luz um filho, um homem, que governará todas as nações com cetro de ferro. Seu filho foi arrebatado para junto de Deus e de seu trono. 6 A mulher fugiu para o deserto, para um lugar que lhe havia sido preparado por Deus, para que ali a sustentassem durante mil duzentos e sessenta dias. 7 Houve então uma guerra nos céus. Miguel e seus anjos lutaram contra o dragão, e o dragão e os seus anjos batalharam. 8 Mas estes não foram suficientemente fortes, e assim perderam o seu lugar nos céus. 9 O grande dragão foi lançado fora. Ele é a antiga serpente chamada Diabo ou Satanás, que engana o mundo todo. Ele e os seus anjos foram lançados à terra 10 Então ouvi uma forte voz dos céus que dizia: Agora veio a salvação, o poder e o Reino do nosso Deus, e a autoridade do seu Cristo, pois foi lançado fora o acusador dos nossos irmãos, que os acusa diante do nosso Deus, dia e noite. 11 Eles o venceram pelo sangue do Cordeiro e pela palavra do testemunho que deram; diante da morte, não amaram a própria vida. 12 Portanto, celebrem-no, ó céus, e os que neles habitam! 12b Mas, ai da terra e do mar, pois o Diabo desceu até vocês! Ele está cheio de fúria, pois sabe que lhe resta pouco tempo. 13 Quando o dragão foi lançado à terra, começou a perseguir a mulher que dera à luz o menino. 14 Foram dadas à mulher as duas asas da grande águia, para que ela pudesse voar para o lugar que lhe havia sido preparado no deserto, onde seria sustentada durante um tempo, tempos e meio tempo, fora do alcance da serpente. 15 Então a serpente fez jorrar da sua boca água como um rio, para alcançar a mulher e arrastá-la com a correnteza. 16 A terra, porém, ajudou a mulher, abrindo a boca e engolindo o rio que o dragão fizera jorrar da sua boca17 O dragão irou-se contra a mulher e saiu para guerrear contra o restante da sua descendência, os que obedecem aos mandamentos de Deus e se mantêm fiéis ao testemunho de Jesus.”

1. As três personagens 

A mulher fugiu para o deserto...
Apocalipse12:1-6 “1 Apareceu no céu um sinal extraordinário: uma mulher vestida do sol, com a lua debaixo dos seus pés e uma coroa de doze estrelas sobre a cabeça 2 Ela estava grávida e gritava de dor, pois estava para dar à luz. 3 Então apareceu no céu outro sinal: um enorme dragão vermelho com sete cabeças e dez chifres, tendo sobre as cabeças sete coroas. 4 Sua cauda arrastou consigo um terço das estrelas do céu, lançando-as na terra. O dragão colocou-se diante da mulher que estava para dar à luz, para devorar o seu filho no momento em que nascesse. 5 Ela deu à luz um filho, um homem, que governará todas as nações com cetro de ferro. Seu filho foi arrebatado para junto de Deus e de seu trono. 6 A mulher fugiu para o deserto, para um lugar que lhe havia sido preparado por Deus, para que ali a sustentassem durante mil duzentos e sessenta dias.”

A última batalha de satanás contra Deus terá lugar na segunda metade dos sete anos de tribulação, que Jesus chamou de Grande Aflição, como lemos em Mateus 24:21

Nesta altura, ajudado pelo facto que a Igreja já não está na terra, e o número de demónios na terra aumentou, satanás lançará um ataque desesperado contra Deus e os seus desígnios.

Mas os seus ataques não terão sucesso e satanás será preso durante 1000 anos durante o tempo do Reino Milenar de Cristo na terra como vemos em Apocalipse 20:1-3. Mas depois de terminarem os 1000 anos ele será solto para lançar um último ataque e finalmente ser lançado no lago de fogo como vemos em Apocalipse 20:3,7,10.

Como lemos em cima, nesta guerra, João vê os três grandes personagens envolvidos, uma mulher (Israel), o dragão (o diabo) e uma criança (Jesus Cristo).

a) A mulher:

Esta é a segunda mulher das quatro mulheres que aparecem em Apocalipse.

A primeira mulher é Jezabel, um nome simbólico e representa o paganismo, Apocalipse 2:20

 A segunda mulher que teve o filho representa Israel Apocalipse 12:1-6

A terceira mulher é a prostituta que representa a Igreja apóstata  Apocalipse 17:1-7

A quarta mulher é a noiva do cordeiro, representa a verdadeira Igreja Apocalipse 19:7-8.

Alguns pensam que esta segunda mulher representa a Igreja, mas o contexto parece mostrar claramente que representa Israel.

João viu esta segunda mulher v 1 "vestida do sol, com a lua debaixo dos seus pés e uma coroa de doze estrelas sobre a cabeça".

Esta mulher vestida de sol, com a lua debaixo dos seus pés e uma coroa de doze estrelas na cabeça fala da eleição a Nação de Israel, exaltada por Deus sobre todas as outras Nações da terra.

O Antigo Testamento apresenta Israel como sendo uma mulher Jeremias 3:1, Ezequiel 16:32-35, Oséias 2:2)

O mundo pode opôr-se muito à Nação de Israel, mas é a única Nação entre todas as Nações que foi eleita por Deus para realizar o Seu Plano Redentor, pois o Redentor do mundo fez-se homem nascendo de uma linhagem pertencente a esta Nação como podemos ver em Mateus 1:1-17 e Lucas 3:23-38.

As 12 estrelas falam das doze tribos de Israel.

Lemos a seguir v2 "Ela estava grávida e gritava de dor, pois estava para dar à luz. v  5 Ela deu à luz a um filho, um homem, que governará todas as nações com cetro de ferro3"

Este filho fala de Jesus Cristo que viria para destruir o pecado, a morte e satanás.

Por essa razão o texto salienta que o dragão procura destruir a mulher e devorar o seu filho quando nascesse v 3-4 "3 Então apareceu no céu outro sinal: um enorme dragão vermelho com sete cabeças e dez chifres, tendo sobre as cabeças sete coroas. 4 Sua cauda arrastou consigo um terço das estrelas do céu, lançando-as na terra. O dragão colocou-se diante da mulher que estava para dar à luz, para devorar o seu filho no momento em que nascesse."

A dor da mulher, fala da dor da Nação de Israel, que vive à espera da vinda do Messias, mas parte desta dor é infligida também pelo diabo que persegue a mulher, Israel, para a desttruir.

Mas satanás não atinge o seus intentos, pois o filho da mulher nasceu ver Gênesis 3:15 e embora a serpente lhe tivesse "ferido o calcanhar" o filho da mulher "lhe feriu a cabeça" e depois da obra de redenção efectuada na cruz do calvário v 5 "Seu filho foi arrebatado para junto de Deus e de seu trono."

Vemos o v 6 A mulher fugiu para o deserto, para um lugar que lhe havia sido preparado por Deus, para que ali a sustentassem durante mil duzentos e sessenta dias.”

Este verso, v 6, faz referência a um tempo futuro, quando a mulher, Israel, depois do arrebatamento da Igreja, ser perseguida por satanás, que quer impedir que as promessas da restauração de Israel  e a sua liderança sobre as naçaões sejam cumpridas.

Deus protege a mulher, Israel, durante a segunda parte da Grande Tribulação, a grande aflição que durará mil duzentos e sessenta dias - três anos e meio.

Ver Apocalipse 12:7b-17 aonde vemos o dragão a atacar a mulher por todos os meios, mas esta que tinha fugido para o deserto foi protegida por Deus e o dragão foi vencido.

Satanás não pode impedir o cumprimento das promessas de Deus e Israel vai um dia reinar sobre as nações, tendo Cristo à cabeça, isto durante o Milênio.

b) O dragão:

O Diabo, Belial, Belzebul .......
O dragão é o diabo, também chamado de satanás.

A Bíblia dá diversos nomes a satanás que podemos ver em baixo:

Belial  II Coríntios 6:15

Satanás Mateus 4:10

O diabo Mateus 4:1

O tentador I Tessalonicenses 3:5

A antiga serpente Apocalipse 12:9, 20:9

O Deus deste século João 12:3

O Deus deste mundo II Coríntios 4:4

O dragão que destrói Apocalipse 12:3,7,9

O leão quer procura tragar I Pedro 5:8

O principe das potestades do ar Efésios 2:2

Belzebul o príncipe dos demónios Mateus 12:24, 26-27

O acusador dos irmãos diante de Deus Apocalipse 12:10

c) A criança: 

A mulher simboliza o povo de Israel e a criança simboliza certamente o Senhor Jesus Cristo que nasceu da Nação de Israel para tornar-se o salvador do mundo e é aquele que vai derrotar completamente a satanás.

Vemos que o v 5 só pode estar a falar de Jesus: “Ela deu à luz um filho, um homem, que governará todas as nações com cetro de ferro. Seu filho foi arrebatado para junto de Deus e de seu trono.”

2. A guerra nos céus

Miguel e os seus anjos lutaram ...
Apocalipse 12:7-12a “7 Houve então uma guerra nos céus. Miguel e seus anjos lutaram contra o dragão, e o dragão e os seus anjos batalharam. 8 Mas estes não foram suficientemente fortes, e assim perderam o seu lugar nos céus. 9 O grande dragão foi lançado fora. Ele é a antiga serpente chamada Diabo ou Satanás, que engana o mundo todo. Ele e os seus anjos foram lançados à terra 10 Então ouvi uma forte voz dos céus que dizia: Agora veio a salvação, o poder e o Reino do nosso Deus, e a autoridade do seu Cristo, pois foi lançado fora o acusador dos nossos irmãos, que os acusa diante do nosso Deus, dia e noite. 11 Eles o venceram pelo sangue do Cordeiro e pela palavra do testemunho que deram; diante da morte, não amaram a própria vida. 12 Portanto, celebrem-no, ó céus, e os que neles habitam!”.

a) A guerra: 

“7 Houve então uma guerra nos céus. Miguel e seus anjos lutaram contra o dragão, e o dragão e os seus anjos batalharam”.

O diabo, é revelado como sendo a antiga serpente que no Éden enganou Adão e Eva, e revelado como o diabo, satanás que engana todo o mundo e revelado agora como o grande dragão que juntamente com os seus anjos faz guerra a Miguel e aos seus anjos.

Ele é também revelado como sendo o acusador v 10b "pois foi lançado fora o acusador dos irmãos, que os acusa diante do nosso Deus, dia e noite".

Nesta visão João vê a guerra nos céus entre Miguel e os seus anjos e o dragão e os seus anjos.

b) A vitória: 

“8 Mas estes não foram suficientemente fortes, e assim perderam o seu lugar nos céus. 9 O grande dragão foi lançado fora.”

Mas os inimigos de Deus não foram suficientemente fortes, e assim perderam o seu lugar nos céus e o diabo foi lançado fora do céu, aquele que é o acusador e de dia e de noite acusava os irmãos diante de Deus.

Portanto, o diabo e os seus anjos perderam esta batalha travada nos céus e a sua derrota final se aproxima.

c) A celebração: 

“10 Então ouvi uma forte voz dos céus que dizia: Agora veio a salvação, o poder e o Reino do nosso Deus, e a autoridade do seu Cristo, pois foi lançado fora o acusador dos nossos irmãos, que os acusa diante do nosso Deus, dia e noite. 11 Eles o venceram pelo sangue do Cordeiro e pela palavra do testemunho que deram; diante da morte, não amaram a própria vida. 12 Portanto, celebrem-no, ó céus, e os que neles habitam!”

Somente pelo poder de Deus satanás pode ser vencido. Os céus celebram a derrota de satanás e a vitória de Deus e de Cristo sobre o diabo e dos seus santos também, chamados de irmãos que venceram satanás pelo sangue do Cordeiro e pela palavra do testemunho que deram.

Esta cena deve estar a fazer referência à segunda metade da  Grande Tribulação, que é quando satanás é lançado por terra e juntamente com a Besta e o falso profeta vai fazer os seus últimos ataques aos santos e a Cristo, conduzindoo mundo para a chamada “grande aflição” referida em Mateus 24:21.

Mas vemos que os santos mesmo diante da morte, não amaram as suas vidas, e por final irão vencer satanás pela Palavra de Deus e pelo sangue do cordeiro.

Os terríveis julgamentos das sete taças, seguido do regresso de Cristo à terra, está mais perto do que nunca.

Daí a razão para tão grande celebração nos céus.

3. A guerra na terra 

Apocalipse 12:12b-17 “12b Mas, ai da terra e do mar, pois o Diabo desceu até vocês! Ele está cheio de fúria, pois sabe que lhe resta pouco tempo. 13 Quando o dragão foi lançado à terra, começou a perseguir a mulher que dera à luz o menino. 14 Foram dadas à mulher as duas asas da grande águia, para que ela pudesse voar para o lugar que lhe havia sido preparado no deserto, onde seria sustentada durante um tempo, tempos e meio tempo, fora do alcance da serpente. 15 Então a serpente fez jorrar da sua boca água como um rio, para alcançar a mulher e arrastá-la com a correnteza. 16 A terra, porém, ajudou a mulher, abrindo a boca e engolindo o rio que o dragão fizera jorrar da sua boca17 O dragão irou-se contra a mulher e saiu para guerrear contra o restante da sua descendência, os que obedecem aos mandamentos de Deus e se mantêm fiéis ao testemunho de Jesus.”

Mas ao cair do céu, o diabo, o grande dragão desceu com fúria à terra, onde perseguiu a mulher, que simboliza o povo de Israel e a criança simboliza certamente o Senhor Jesus Cristo que nasceu da Nação de Israel para tornar-se o salvador do mundo e aquele que vai derrotar completamente a satanás.

Desta forma, o dragão que é satanas, tendo sido derrotado juntamente com as suas hostes da maldade, ao ser lançado por terra, cheio de fúria faz alguns ataques aos judeus. Mas os judeus simbolizados pela "mulher" foram escondidos, pois vemos que foram dados asas à mulher para se retirar para um lugar no deserto, fora do alcance da serpente.

Não sabemos para aonde Deus vai levar o seu povo, mas como Deus em altura difíceis defendeu o povo de Israel do opressor, ele fará a mesma coisa agora.

Iremos ver mais à frente em Apocalipse 20:1-10 que Satanás vai ser derrotado na terra quando Jesus descer dos céus com os seus exércitos e vai prendê-lo durante 1000 anos. Mas, no final dos 1000 anos, o diabo será libertado por mais um tempo e fará guerra a Jesus e aos seus santos e anjos, mas será finalmente lançado no lago que arde com fogo e enxofr, onde sofrerá para sempre.

Mas voltando à guerra na terra, nós vemos três ataques neste texto: 

a) Primeiro ataque: 

“13 Quando o dragão foi lançado à terra, começou a perseguir a mulher que dera à luz o menino. 14 Foram dadas à mulher as duas asas da grande águia, para que ela pudesse voar para o lugar que lhe havia sido preparado no deserto, onde seria sustentada durante um tempo, tempos e meio tempo, fora do alcance da serpente.”

Neste momento já estamos nos tempos da “grande aflição” Mateus 24:21, na segunda metade da Grande Ttribulação, onde o dragão que é o diabo que já foi lançado por terra, e juntamente com a Besta e o Falso profeta desencadeia alguns ataques furiosos aos santos, tentando travar a vitória de Cristo e a implantação do Seu Reino na terra.

Neste primeiro ataque desencadeado contra Israel, simbolizado pela mulher, Deus protege o seu povo durante um tempo, tempos e meio tempo, ou seja durante três anos e meio. Mais uma vez como Deus fez tantas vezes, Ele protege o povo do seus inimigos.

“Asas” fala de força e rapidez e também de proteção. Não sabemos como vai ser, para aonde Deus vai levar o seu povo, mas sabemos que vai protegê-lo deste primeiro ataque.

Alguns locais são sugeridos, para aonde Deus vai levar o seu povo e protegê-lo, A menção d eum local no "desertro" parece sugerir que será um local longe da costa.

Poderá consultar a NET se quiser ler mais sobre este local "no deserto" aonde Israel será protegida por Deus dos primeiro ataque do diabo.

b) Segundo ataque: 

“15 Então a serpente fez jorrar da sua boca água como um rio, para alcançar a mulher e arrastá-la com a correnteza. 16 A terra, porém, ajudou a mulher, abrindo a boca e engolindo o rio que o dragão fizera jorrar da sua boca”.

O dragão utiliza uma nova táctica neste segundo ataque que é anulada por Deus.

De novo vemos uma linguagem muito simbólica, alguns pensam que deve estar fazer referência a terremotos ou outros cataclimos naturais que Deus vai utitizar para defender o povo de Israel do segundo ataque do diabo.

Êxodos 15:12 diz "Estendeste a tua mão direita, e a terra engoliu os que nos perseguiam".

c) Terceiro ataque: 

“17 O dragão irou-se contra a mulher e saiu para guerrear contra o restante da sua descendência, os que obedecem aos mandamentos de Deus e se mantêm fiéis ao testemunho de Jesus.”

Não conseguindo atingir o povo de Israel nos seus dois primeiros ataques, o dragão volta-se para fazer guerra a todos os que obedecem aos mandamentos de Deus, que podem ser os 144.000 judeus de Apocalipse 7:1-8 e todos aqueles, judeus e gentios que se converteram e seguem a Cristo.

Mas assim como os dois primeiros ataques contra o povo de Israel, este terceiro ataque também não teve sucesso. Todos os ataques para destruir o povo de Deus e tentar travar Cristo a estabelecer o Seu Reino na terra não terão sucesso.

4. A guerra de Armagedon

Apocalipse 12:1-18 “1 E viu-se um grande sinal no céu: uma mulher vestida do sol, tendo a lua debaixo dos seus pés, e uma coroa de doze estrelas sobre a sua cabeça. 2 E estava grávida, e com dores de parto, e gritava com ânsias de dar à luz. 3 E viu-se outro sinal no céu; e eis que era um grande dragão vermelho, que tinha sete cabeças e dez chifres, e sobre as suas cabeças sete diademas. 4 E a sua cauda levou após si a terça parte das estrelas do céu, e lançou-as sobre a terra; e o dragão parou diante da mulher que havia de dar à luz, para que, dando ela à luz, lhe tragasse o filho. 5 E deu à luz um filho homem que há de reger todas as nações com vara de ferro; e o seu filho foi arrebatado para Deus e para o seu trono. 6 E a mulher fugiu para o deserto, onde já tinha lugar preparado por Deus, para que ali fosse alimentada durante mil duzentos e sessenta dias. 7 E houve batalha no céu; Miguel e os seus anjos batalhavam contra o dragão, e batalhavam o dragão e os seus anjos; 8 Mas não prevaleceram, nem mais o seu lugar se achou nos céus. 9 E foi precipitado o grande dragão, a antiga serpente, chamada o Diabo, e Satanás, que engana todo o mundo; ele foi precipitado na terra, e os seus anjos foram lançados com ele. 10 E ouvi uma grande voz no céu, que dizia: Agora é chegada a salvação, e a força, e o reino do nosso Deus, e o poder do seu Cristo; porque já o acusador de nossos irmãos é derrubado, o qual diante do nosso Deus os acusava de dia e de noite. 11 E eles o venceram pelo sangue do Cordeiro e pela palavra do seu testemunho; e não amaram as suas vidas até à morte. 12 Por isso alegrai-vos, ó céus, e vós que neles habitais. Ai dos que habitam na terra e no mar; porque o diabo desceu a vós, e tem grande ira, sabendo que já tem pouco tempo. 13 E, quando o dragão viu que fora lançado na terra, perseguiu a mulher que dera à luz o filho homem. 14 E foram dadas à mulher duas asas de grande águia, para que voasse para o deserto, ao seu lugar, onde é sustentada por um tempo, e tempos, e metade de um tempo, fora da vista da serpente. 15 E a serpente lançou da sua boca, atrás da mulher, água como um rio, para que pela corrente a fizesse arrebatar. 16 E a terra ajudou a mulher; e a terra abriu a sua boca, e tragou o rio que o dragão lançara da sua boca. 17 E o dragão irou-se contra a mulher, e foi fazer guerra ao remanescente da sua semente, os que guardam os mandamentos de Deus, e têm o testemunho de Jesus Cristo. 18 E eu pus-me sobre a areia do mar.”

A mulher é a Nação de Israel. A criança é Jesus. O dragão é satanás.

Esta guerra é a guerra do Armagedom referida depois mais tarde, como vemos em baixo:

Apocalipse 16:14 e 16 “14 E os espíritos de demónios ... vão ao encontro dos reis da terra para os congregar para a batalha, naquele grande dia do Deus Todo Poderoso ai haver milhões de pessoas emvolvidas nesta guerra contra Cristo 16 E os congregaram no lugar que em hebreu se chama Armegedom”.

5. A besta e o Falso Profeta

e o seu número é seiscentos e sessenta e seis
Apocalipse 13:1-18 “1 E vi subir do mar uma besta que tinha sete cabeças e dez chifres, e sobre os seus chifres dez diademas, e sobre as suas cabeças um nome de blasfêmia. 2 E a besta que vi era semelhante ao leopardo, e os seus pés como os de urso, e a sua boca como a de leão; e o dragão deu-lhe o seu poder, e o seu trono, e grande poderio. 3 E vi uma das suas cabeças como ferida de morte, e a sua chaga mortal foi curada; e toda a terra se maravilhou após a besta. 4 E adoraram o dragão que deu à besta o seu poder; e adoraram a besta, dizendo: Quem é semelhante à besta? Quem poderá batalhar contra ela? 5 E foi-lhe dada uma boca, para proferir grandes coisas e blasfêmias; e deu-se-lhe poder para agir por quarenta e dois meses. 6 E abriu a sua boca em blasfêmias contra Deus, para blasfemar do seu nome, e do seu tabernáculo, e dos que habitam no céu. 7 E foi-lhe permitido fazer guerra aos santos, e vencê-los; e deu-se-lhe poder sobre toda a tribo, e língua, e nação. 8 E adoraram-na todos os que habitam sobre a terra, esses cujos nomes não estão escritos no livro da vida do Cordeiro que foi morto desde a fundação do mundo. 9 Se alguém tem ouvidos, ouça. 10 Se alguém leva em cativeiro, em cativeiro irá; se alguém matar à espada, necessário é que à espada seja morto. Aqui está a paciência e a fé dos santos. 11 E vi subir da terra outra besta, e tinha dois chifres semelhantes aos de um cordeiro; e falava como o dragão. 12 E exerce todo o poder da primeira besta na sua presença, e faz que a terra e os que nela habitam adorem a primeira besta, cuja chaga mortal fora curada. 13 E faz grandes sinais, de maneira que até fogo faz descer do céu à terra, à vista dos homens. 14 E engana os que habitam na terra com sinais que lhe foi permitido que fizesse em presença da besta, dizendo aos que habitam na terra que fizessem uma imagem à besta que recebera a ferida da espada e vivia. 15 E foi-lhe concedido que desse espírito à imagem da besta, para que também a imagem da besta falasse, e fizesse que fossem mortos todos os que não adorassem a imagem da besta. 16 E faz que a todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e servos, lhes seja posto um sinal na sua mão direita, ou nas suas testas, 17 Para que ninguém possa comprar ou vender, senão aquele que tiver o sinal, ou o nome da besta, ou o número do seu nome. 18 Aqui há sabedoria. Aquele que tem entendimento, calcule o número da besta; porque é o número de um homem, e o seu número é seiscentos e sessenta e seis”.

A primeira Besta que subiu do mar é o Anti-Cristo:

A descrição do Anticristo no início de Apocalipse 13 é extremamente dramática, mas não é a primeira descrição dele, pois João numa das suas espístolas já tinha dito:

I João 2:18 “Filhinhos é já a última hora; e como ouvistes que vem o anticristo, também agora muitos se têm feitos anticristos; por onde reconhecemos que é já a última hora”.

O Capítulo 12 relata o princípio da guerra de satanás contra Deus.

O capítulo 13 relata a culminação desta guerra.

Satanás vai tentar travar o estabelecimento Reino de Cristo na terra, pelo estabelecimento do seu próprio reino debaixo de liderança do Anticristo.

Tendo sido vencido e lançado fora do céu Apocalipse 12:9, ele sabe que tem pouco tempo Apocalipse 12:12. Então, ele vai tentar a sua última oportunidade dando poder ao Anticristo. Vamos ver então a Besta que é o anticristo:

a) A sua vinda e aparência 

Apocalipse 13:1-18 “1 E vi subir do mar uma besta que tinha sete cabeças e dez chifres, e sobre os seus chifres dez diademas, e sobre as suas cabeças um nome de blasfêmia.”

Vemos que a Besta é descrita como vinda do mar e possui sete cabeças e dez chifres. Sobre os chifres dez diademas e sobre as cabeças um nome de blasfêmia. Esta apresentação revela o carácter cruel, destrutivo e maléfico da Besta.

A Besta pode fazer referência, ao mesmo tempo, a um sistema que vai governar o mundo e a uma pessoa.

Em Daniel 7:25, 8:24-25, 11:36-45 e em II Tessalonicenses 2:4 a besta é descrita como sendo uma pessoa.

Há muita discussão sobre o que significa o “mar”. Mas como em Apocalipse 11:7 “a besta que sobe do abismo” e 17:8 “a besta que há-de subir do abismo, parecendo querer dizer que a Besta virá do abismo, neste caso o "mar" deve estar a referir-se a abismo.

Sabemos que o abismo é um lugar onde estão alguns demónios como está dito em Apocalipse 11:1-11 e Lucas 8:31. E mais à frente diz que satanás será preso durante o reino milenar no abismo Apocalipse 20:1-3.

b) A sua autoridade 

Apocalipse 13:2 “2 E a besta que vi era semelhante ao leopardo, e os seus pés como os de urso, e a sua boca como a de leão; e o dragão deu-lhe o seu poder, e o seu trono, e grande poderio.”

Vemos que o texto diz claramente que foi o dragão, satanás, que lhe deu poder e colocou os reinos do mundo debaixo do seu trono.

Tendo subido do abismo, lugar habitado por demónios, Isto revela que o poder do Anticristo é diabólico.

Por isso, ele será um grande sedutor, com uma grande capacidade para a oratória e um génio intelectual de grande carisma e habilitado de um grande poder para liderar. Ainda por cima ele terá poder para fazer prodígios pelo poder do diabo e a ajuda do falso profeta.

c) A sua pretensão e clamor 

Apocalipse 13:3 “3 E vi uma das suas cabeças como ferida de morte, e a sua chaga mortal foi curada; e toda a terra se maravilhou após a besta.”

Desta forma, possuido por um, ou mais, demónios do abismo, ele será salvo, como que ressuscitado pelo poder do diabo, querendo parecer Cristo, e enganará fácilmente o mundo que ficará maravilhado por esse prodígio.

O mundo e a Nação de Israel por um momento pensará que ele é afinal o “Messias” prometido pelas escrituras e que o outro, Jesus Cristo, era um falso messias.

d) A sua adoração 

Apocalipse 13:4 “4 E adoraram o dragão que deu à besta o seu poder; e adoraram a besta, dizendo: Quem é semelhante à besta? Quem poderá batalhar contra ela?”

Possuído por um, ou mais, demónios do abismo, ele enganará fácilmente o mundo que o adorará e perguntará “Quem é semelhante à Besta, e quem poderá batalhar contra ela”

e) A sua arrogância 

Apocalipse 13:5-6 “5 E foi-lhe dada uma boca, para proferir grandes coisas e blasfêmias; e deu-se-lhe poder para agir por quarenta e dois meses. 6 E abriu a sua boca em blasfêmias contra Deus, para blasfemar do seu nome, e do seu tabernáculo, e dos que habitam no céu.”

Como o seu mestre, o diabo, o Anti-Cristo vai ser um blasfemador arrogante.

A frase "deu-se-lhe o poder revela a Soberania de Deus. Deus irá permitir que o Anti-Cristo atinga o máximo da sua maldade ao ponto de blasfemar de Deus.

A arrogância dele vem revelado em Daniel 7:8,11, 25 e11:36.

Mas o seu poder e arrogância só durará por 42 meses,  que representa a segunda parte da Grande Tribulação, os últimos 3 anos e meio, a sétima semana da profecia de Daniel 9:24

f) A sua actividade

Apocalipse 13:7 “7 E foi-lhe permitido fazer guerra aos santos, e vencê-los; e deu-se-lhe poder sobre toda a tribo, e língua, e nação.”

Os crentes vão sofrer o resultado da sua grande fúria, lançada contra tudo aquilo que pertence a Deus. 

Daniel prefetizou o martírio do povo de Deus debaixo do reino do Anti-Cristo, Daniel 7:25, durante a segunda metade da Grande Tribulação. 

g) Os seus admiradores

Apocalipse 13:8-10 “8 E adoraram-na todos os que habitam sobre a terra, esses cujos nomes não estão escritos no livro da vida do Cordeiro que foi morto desde a fundação do mundo. 9 Se alguém tem ouvidos, ouça. 10 Se alguém leva em cativeiro, em cativeiro irá; se alguém matar à espada, necessário é que à espada seja morto. Aqui está a paciência e a fé dos santos”.

"todos os que habitam sobre a terra" aparece no livro do Apocalipse para descrever os descrentes, aqueles cujos os nomes não foram escritos desde a fundação do mundo no livro da vida, porque não receberam o amor da verdade I I Tessalonicense 2:10. São os admiradores da Besta.

Os crentes têm os seus nomes escritos no Livro da Vida e vemos isto 6 vezes no Apocalipse (3:5, 17:8, 20:12,15, 21:27 e em Filipenses 4:3.  Eles não foram comprados por ouro ou prata, mas pelo sangue do cordeiro I Pedro 1:18-19.

A Besta pode tirar as suas vidas, mas não pode destruir a fé deles.

Vamos ver então o Falso profeta: 

Apocalipse 13:11- 18 "11 E vi subir da terra outra besta, e tinha dois chifres semelhantes aos de um cordeiro; e falava como o dragão. 12 E exerce todo o poder da primeira besta na sua presença, e faz que a terra e os que nela habitam adorem a primeira besta, cuja chaga mortal fora curada. 13 E faz grandes sinais, de maneira que até fogo faz descer do céu à terra, à vista dos homens. 14 E engana os que habitam na terra com sinais que lhe foi permitido que fizesse em presença da besta, dizendo aos que habitam na terra que fizessem uma imagem à besta que recebera a ferida da espada e vivia. 15 E foi-lhe concedido que desse espírito à imagem da besta, para que também a imagem da besta falasse, e fizesse que fossem mortos todos os que não adorassem a imagem da besta. 16 E faz que a todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e servos, lhes seja posto um sinal na sua mão direita, ou nas suas testas, 17 Para que ninguém possa comprar ou vender, senão aquele que tiver o sinal, ou o nome da besta, ou o número do seu nome. 18 Aqui há sabedoria. Aquele que tem entendimento, calcule o número da besta; porque é o número de um homem, e o seu número é seiscentos e sessenta e seis”.

O Falso Profeta é o parceiro do Anti-Cristo na maior decepção política e religiosa que o mundo jamais conheceu

Adicionar legenda
a) A sua pessoa

"11 E vi subir da terra outra besta, e tinha dois chifres semelhantes aos de um cordeiro; e falava como o dragão.

O facto do Falso Profeta subir da terra, mostra que ele é menos poderoso que o Anti-Cristo, mas ele virá de uma forma muito enganadora, pois aparece representado com uns chifres de Cordeiro, mas falando como um dragão. Ele é de facto um lobo vestido de ovelha.

b) O seu poder

12 E exerce todo o poder da primeira besta na sua presença, e faz que a terra e os que nela habitam adorem a primeira besta, cuja chaga mortal fora curada. 13 E faz grandes sinais, de maneira que até fogo faz descer do céu à terra, à vista dos homens. 14 E engana os que habitam na terra com sinais que lhe foi permitido que fizesse em presença da besta, dizendo aos que habitam na terra que fizessem uma imagem à besta que recebera a ferida da espada e vivia.

Além de ser enganador, vindo com aparência de cordeiro, mas sendo interiormente é um lobo devorador, o Falso Profeta aparece com poder e até faz fogo descer do céu e outros sinais, como pode exemplo a cura da chaga mortal do Anti-Cristo e além ele faz com que a imagem do Anti- Cristo falasse.

Ele exerce todos estes sinais na presença do Anti-Cristo. Isto quer dizer que é o Anti-Cristo que lhe delega todo este poder.

c) O seu programa

15 E foi-lhe concedido que desse espírito à imagem da besta, para que também a imagem da besta falasse, e fizesse que fossem mortos todos os que não adorassem a imagem da besta. 16 E faz que a todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e servos, lhes seja posto um sinal na sua mão direita, ou nas suas testas, 17 Para que ninguém possa comprar ou vender, senão aquele que tiver o sinal, ou o nome da besta, ou o número do seu nome. 18 Aqui há sabedoria. Aquele que tem entendimento, calcule o número da besta; porque é o número de um homem, e o seu número é seiscentos e sessenta e seis”.

Quando o Falso Profeta deixar cair a sua façada de piedade, ele fará uam imagem à Besta e colocar uma marca na mão direita das pessoas, para que ninguém possa negociar, senão aquele que tiver o sinal da Besta.

As pessoas estarão naquela altura completamente seduzidas e manipuladas pelo o Anti-Cristo e o Falso Profeta e todos aqueles que não adorarem a imagem da Besta e deixarem-se marcar pelo seu sinal serão mortos.

A marca do Anti-Cristo - a Besta:

16 E faz que a todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e servos, lhes seja posto um sinal na sua mão direita, ou nas suas testas, 17 Para que ninguém possa comprar ou vender, senão aquele que tiver o sinal, ou o nome da besta, ou o número do seu nome. 18 Aqui há sabedoria. Aquele que tem entendimento, calcule o número da besta; porque é o número de um homem, e o seu número é seiscentos e sessenta e seis”.

O Anti-Cristo tem uma marca que é o número de um homem, e o seu número é seiscentos e sessenta e seis
- o 666.

O Falso Profeta faz com as pessoas todas sejam marcadas com este número, ou sinal, na mão ou na testa.

E só poderá comprar ou vender ou negociar quem tiver a marca da Besta - o 666.


6) Manipulação da mente voltada para um Governo Global

a) O Livro do Apocalipse e a Nova Ordem Mundial

O livro do Apocalipse fala de uma Nova Ordem Mundial que tem muitas semelhanças com a Teoria Conspiratória da Nova Ordem Mundial (NOM) na qual um grupo poderoso esecreto está planejando dominar e escravizar o mundo através de um governo mundial único.

No Livro do Apocalipse esta Nova Ordem refere-se a um Governo Global liderado por um homem, a primeira Besta que subiu do mar, cujo número é o 666, apoiado por um líder mundial religioso, a segunda Besta, que subiu da terra, o Falso Profeta. Apocalipse 13

A Besta é um político e o Falso Profeta lidera a Religião Universal daqueles dias, que Apocalipse apresenta como sendo a Grande Prostituta.

Apocalipse ainda fala da Grande Babilónia que representa precisamente este Governo Global que inclui o lado político ou do negócio liderado pela primeira Besta, o 666, e inclui o lado Religioso, liderado pela segunda Besta, o Falso Profeta.

Alguns cristãos acreditam que o número da Besta, 666, a marca referida no Apocalipse, é o código de barras, incorporado na mão direita ou na testa por meio de um microchip, sem o qual não se poderá comprar ou vender, ou seja através da qual as pessoas serão controladas.

As “linhas-guia” representadas por cada par de barras é justamente 6. O que dá um conjunto de 666, presentes em todos os código de barras do sistema UPC, o que deu origem à crença em questão.
É claro que isto pode não ter nada a haver com o código de barras, como pensam estes cristãos, pois a Besta poderá exercer o controle das pessoas através de outros meios e tecnologias.

Mas, todas estas teses, seja do 
código de barras ou não, baseiam-se numa das mais famosas profecias biblicas: 

Apocalipse, capítulo 13:16-18:

16 “A segunda Besta faz também com que todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e escravos, recebam uma marca na mão direita ou na fronte.

17 E ninguém pode comprar nem vender se não tiver a marca, o nome da Besta ou o número do seu nome.

18 Aqui é preciso entender: aquele que tem entendimento, calcule o número da Besta; é um número de homem; o número é 666”

b) Sobre a Nova Ordem Mundial (NOM)

A Nova Ordem Mundial (NOM) é uma teoria conspiratória, na qual um grupo poderoso e secreto está planejando dominar e escravizar o mundo através de um governo mundial  único.

A Nova Ordem Mundial seria um plano com o objetivo de derrubar governos de todo o mundo, bem como erradicar em todo o mundo todas as religiões e crenças, para unificar a humanidade sob uma “nova ordem”, que seria baseada numa ideologia extremamente uniforme, num partido político único, num comércio único, numa moeda única e numa religião universal.

A teoria diz que é um grupo extremamente poderoso e secreto ou vários grupos interligados, que estão por detrás desta Nova Ordem Mundial.

O plano é governar o mundo principalmente através de uma combinação de políticas financeiras, corrupção política, engenharia social e do controle mental feita com a ajuda da propaganda de uma cultura do medo.

Uma das variantes da moderna teoria conspiratória da Nova Ordem Mundial seria um plano concebido por Adam Weishaup, fundador dos illuminati, que segundo os teóricos ainda existe e continua a perseguir a implementação desta Nova Ordem.

O chamado "processo de “globalização”, iniciado em finais do século XX a nível mundial, seria uma das muitas facetas do estabelecimento progressivo dessa Nova Ordem.

A teoria de conspiração da Nova Ordem Mundial põe em causa a perda de liberdade ideológicas e liberdades religiosas, e são da preocupação de grupos da extrema-direita ou da extrema-esquerda, bem como dos cristãos fundamentalistas, grupos de conservadores e liberais.

Essa Teoria conspiratória do final do século XX e início do século XXI que procura estabelecer uma Nova Ordem Mundial têm existido afinal durante toda a história, desde a antiguidade, onde têm aparecido muitos Impérios e nações, ou grupo de nações, que têm procurado dominar o mundo.

A Grande Babilónia referida na Bíblia, não é mais do que o renascimento deste princípio ou teoria, de imperializar o mundo, em que um Grande Império, o maior da história, governado pelo maior ditador de todos os tempos, irá procurar tomar conta do mundo e opôr-se a tudo aquilo que esteja ligado com Deus e com Jesus Cristo.

I Tessalonicenses 2:4 “O qual se opõe, e se levanta contra tudo o que se chama Deus, ou se adora; de sorte que se assentará, como Deus, no templo de Deus, querendo parecer Deus”.

Os seres humanos podem ir gradualmente perdendo inteligência, de acordo com novos estudos.
O qual se levanta contra Deus

Eu penso que isto é um assunto para ser debatido, discutido, mas a minha opinião é outra. 

Eu sou antes da opinião que a mente dos seres humanos pode ser manipulada.

Desta forma, quando a mente dos seres humanos é manipulada, a sua inteligência é gradualmente afectada. Ou seja, a sua habilidade cognitiva diminui, a sua vontade enfraquece, o seu lado emocional deteriora-se e a pessoa passa a estar cada vez mais dependente do manipulador.

Por outras palavras, a pessoa deixa de pensar e actuar por ela própria e passar simplesmemente a fazer aquilo que lhe é ditado pelo manipulador.

Vou dar um pequeno exemplo, para melhor compreendermos este assunto da manipulação da mente.

Filhos criados por pais demasiadamente autoritários, ficam até um certo ponto debaixo de manipulação mental e perdem a capacidade de pensar e actuar por si próprios.

A partir deste exemplo podemos tentar imaginar os efeitos de uma manipulação que vem não de pais autoritários, mas de uma associação de pessoas que procurando atingir os seus fins, manipulam os seus membros, adeptos ou seguidores.

Pode ser um grupo, uma associação, uma seita, uma religião ou uma ideologia política.

Mas imaginem os efeitos sobre as pessoas de uma manipulação mental que venha de um Governo!

E imaginem se vier de um Governo Global!

Podemos imaginar os efeitos sobre as pessoas de uma manipulação mental que venha de um Governo Global que erradicando todas as ideologias políticas e todas as crenças, unificando a humanidade toda sob uma Nova Ordem, baseada numa ideologia única, num partido político único, num comércio único, numa moeda única e numa religião universal?

Um Governo Global, que governará o mundo través de uma combinação de políticas financeiras, corrupção política, engenharia social e de um controle mental feito com a ajuda da propaganda de uma cultura do medo.

Um Governo Global que exercerá o controle mental das pessoas através da Cibernética.

c) Microchip, Controle Mental e Cibernética

Há muito tempo que já ouvimos falar de Implantes de Microchip, Controle Mental e Cibernética, que utilizarão uma comunicação neurológica e uma teoria de controle sobre as pessoas. 

Esta tecnologia liga os cérebros das pessoas por meio de microchips implantados a satélites controlados por supercomputadores baseados no solo.

Muitos estudiosos ligados à informação já têm manifestado a sua preocupação em que nossa liberdade esteja ameaçada por um tal tipo de tecnologia cibernética que, embora desconhecida pela maioria das pessoas, está em estudo e que grupos ou futuros governos poderão utilizar para manipular e controlar as pessoas.

A simples utilização da Internet, em si mesmo, já está exercendo um tremendo controle da mente e dos comportamentos das pessoas.

Ninguém consegue imaginar o poder que o Google, Facebook e que outras utilidades da Internet têm sobre as pessoas. 

E, têm também um grande poder de manipulação da mente.

Por exemplo, o uso da Internet é responsável pelo aumento da pornografia, homosexualismo, casamento “gay”, pedofilia e do suicídio no nosso mundo.

Além disso, há muitas ideologias políticas, sociais e religiosas nefastas que se vão propagando muito à custa da Internet, fazendo uma “lavagem de cérebro a muitas pessoas”.

O próprio terrorismo utiliza  a internet para espalhar a sua influência e organizar os seus ataques.

Isto para não falar da dependência das pessoas devido ao tempo que passam na Net e da despersonalização, manipulação da mente e dos maus hábitos provenientes desta dependência, sem que as pessoas tenham noção disso.

As pessoas tornam-se escravizadas pela Internet, sem dar por isso.

d) A Besta e o Falso Profeta

A Besta, o 666, e o Falso Profeta utilizarão de todos os meis ao seu alcance e principalmente os meios cibernéticos para atingir os seus fins, nomeadamente a criação de uma Nova Ordem que se oporá a tudo que vem de Deus.

O livro do Apocalipse concorda, de certo modo, com um “Big Brother” que irá controlar e manipular a nossa mente, utilizado por esta Nova Ordem, a Grande Babilónia que terá no topo a Besta e o Falso Profeta, inspirados pelo Diabo.

Provavelmente a marca da Besta, poderá estar a falar deste controle cibernético, um microchip instalado na pessoas, que controlará as suas mentes e os seus movimentos, através de uma comunicação neurológica e de uma teoria de controle sobre as pessoas.

Esta tecnologia ligará os cérebros das pessoas por meio de microchips implantados a satélites controlados por supercomputadores baseados no solo, o tal “Big Brother” como já dissemos anteriormente.

E cremos que assim se cumprirão as profecias ligadas ao aparecimento da Grande Babilónia, esta Nova Ordem liderada pela Besta e o Falso Profeta, inspirados pelo Dragão que é o diabo.

e) Governo Global e Mudança Global da Mentalidade Humana

Governo Blobal e Manipulação da Mente
Há hoje muitas teorias sobre o aparecimento de um Governo Global e de uma Mudança Global da Mentalidade Humana que aparecerá devido a uma manipulação mental feita por forças económicas e políticas que visa unicamente atingir os seus próprios interesses.

A própria “globalização” que estamos a ver em nossos dias já é uma pequena amostra que estas teorias têm alguma coisa de verdade.

Quando este Governo Global for uma realidade e a mentalidade da população mundial estiver debaixo de uma grande manipulação, os “senhores” daquela época, governantes e homens de negócio, farão  muitas promessas de paz, prosperidade, justiça, saúde, alimentação e religião.

O livro do Apocalipse profetiza um cenário como este, o aparecimento de um Governo Global e de uma Mudança Global da Mentalidade Humana.

Se a Besta é simplesmente um símbolo deste futuro Governo Global, ou é um símbolo de um “Big Brother” uma grande rede de computadores ligados a satélites que controlará toda a gente com a ajuda de chips implantados na mão ou na testa das pessoas,  ou se é um homem que controlará o mundo com a ajuda deste Governo Global e do “Big Brother”, isto não sei, mas estou completamente certo que esta Besta surgirá um dia.

Eu tomo literalmente o Apocalipse neste ponto e, por isso, eu acredito que a Besta é um homem, que apoiado pelo Falso Profeta que será o líder de uma Religião Universal, procurará governar o Mundo Todo tal como os Imperadores antigos, apresentando-se a si mesmo como se fosse mesmo Deus. 

Por isso, chamamos a Besta de “Anti-Cristo”, que não quer dizer “contra Cristo”, mas sim “querendo parecer Cristo”.

Vemos que a segunda Besta, o Falso Profeta, tem chifres como um cordeiro, mas fala como um dragão. É um lobo vestido de ovelha.
  
Apocalipse 13:16-18

16 “A segunda Besta faz também com que todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e escravos, recebam uma marca na mão direita ou na fronte.

17 E ninguém pode comprar nem vender se não tiver a marca, o nome da Besta ou o número do seu nome.

18 Aqui é preciso entender: aquele que tem entendimento, calcule o número da Besta; é um número de homem; o número é 666”.

666 a marca da Besta
Portanto, o Falso Profeta só tem um objectivo, seduzir as pessoas, para que se submetam e adorem a Besta. Desta forma, fará com que os homens recebam uma marca na mão e na testa, que deve ser um chip com o nome da Besta ou o número do seu nome. E ninguém pode comprar nem vender se não tiver a marca, o nome da Besta ou o número do seu nome.

A Besta é o Anti-Cristo, o 666, que se oporá a todos aqueles que não o adorarem, mas querem antes adorar a Deus e seguir a Jesus Cristo.

I Tessalonicenses 2:4

“O qual se opõe, e se levanta contra tudo o que se chama Deus, ou se adora; de sorte que se assentará, como Deus, no templo de Deus, querendo parecer Deus”.



Nota importante: 

É claro que neste momento podemos criar teorias, mas, somente quando estas coisas acontecerem é que iremos compreender completamente o verdadeiro significado da Grande Babilónia, da Besta, do Falso Profeta e da Grande Prostituta e como é que tudo isto se cumprirá nos últimos tempos da história humana.

No entanto, ficamos a acreditar mais nestas coisas quando ouvimos Edward Snowden revelar tudo o que está por detrás do governo americano, declarando que existem documentos que revelam que os EUA estão a trair os princípios básicos da democracia, actuando como se fossem um governo absoluto e désposta, em que não são mais os cidadãos que decidem mas os governantes. 

Os governantes são capazes de tudo para atingir os seus interesses e derrubar Deus do controle das sociedades, até mesmo de criar uma Nova Babilónia que em nossos dias com a ajuda da cibernética poderão unir o Mundo Todo Político e Religioso e através da manipulação mental e da propaganda do medo controlar o mundo.

7. Acontecimentos durante a Grande Tribulação 

Apocalipse 14:1-20 “1 E olhei, e eis que estava o Cordeiro sobre o monte Sião, e com ele cento e quarenta e quatro mil, que em suas testas tinham escrito o nome de seu Pai. 2 E ouvi uma voz do céu, como a voz de muitas águas, e como a voz de um grande trovão; e ouvi uma voz de harpistas, que tocavam com as suas harpas. 3 E cantavam um como cântico novo diante do trono, e diante dos quatro animais e dos anciãos; e ninguém podia aprender aquele cântico, senão os cento e quarenta e quatro mil que foram comprados da terra. 4 Estes são os que não estão contaminados com mulheres; porque são virgens. Estes são os que seguem o Cordeiro para onde quer que vá. Estes são os que dentre os homens foram comprados como primícias para Deus e para o Cordeiro. 5 E na sua boca não se achou engano; porque são irrepreensíveis diante do trono de Deus. E vi outro anjo voar pelo meio do céu, e tinha o evangelho eterno, para o proclamar aos que habitam sobre a terra, e a toda a nação, e tribo, e língua, e povo. 7 Dizendo com grande voz: Temei a Deus, e dai-lhe glória; porque é vinda a hora do seu juízo. E adorai aquele que fez o céu, e a terra, e o mar, e as fontes das águas. 8 E outro anjo seguiu, dizendo: Caiu, caiu babilônia, aquela grande cidade, que a todas as nações deu a beber do vinho da ira da sua prostituição. 9 E seguiu-os o terceiro anjo, dizendo com grande voz: Se alguém adorar a besta, e a sua imagem, e receber o sinal na sua testa, ou na sua mão, 10 Também este beberá do vinho da ira de Deus, que se deitou, não misturado, no cálice da sua ira; e será atormentado com fogo e enxofre diante dos santos anjos e diante do Cordeiro. 11 E a fumaça do seu tormento sobe para todo o sempre; e não têm repouso nem de dia nem de noite os que adoram a besta e a sua imagem, e aquele que receber o sinal do seu nome. Apocalipse 14:12-13 “12 Aqui está a paciência dos santos; aqui estão os que guardam os mandamentos de Deus e a fé em Jesus. 13 E ouvi uma voz do céu, que me dizia: Escreve: Bem-aventurados os mortos que desde agora morrem no Senhor. Sim, diz o Espírito, para que descansem dos seus trabalhos, e as suas obras os segue 14 E olhei, e eis uma nuvem branca, e assentado sobre a nuvem um semelhante ao Filho do homem, que tinha sobre a sua cabeça uma coroa de ouro, e na sua mão uma foice aguda. 15 E outro anjo saiu do templo, clamando com grande voz ao que estava assentado sobre a nuvem: Lança a tua foice, e sega; a hora de segar te é vinda, porque já a seara da terra está madura. 16 E aquele que estava assentado sobre a nuvem meteu a sua foice à terra, e a terra foi segada. 17 E saiu do templo, que está no céu, outro anjo, o qual também tinha uma foice aguda. 18 E saiu do altar outro anjo, que tinha poder sobre o fogo, e clamou com grande voz ao que tinha a foice aguda, dizendo: Lança a tua foice aguda, e vindima os cachos da vinha da terra, porque já as suas uvas estão maduras. 19 E o anjo lançou a sua foice à terra e vindimou as uvas da vinha da terra, e atirou-as no grande lagar da ira de Deus. 20 E o lagar foi pisado fora da cidade, e saiu sangue do lagar até aos freios dos cavalos, pelo espaço de mil e seiscentos estádios.”

No capítulo 14 João vê alguns acontecimentos antes dos anjos derramarem as suas taças sobre a terra.

Em primeiro lugar, ele vê um grupo de homens de Deus triunfantes que o mundo talvez nunca conheceu – ninguém com a coragem deles - os 144.000 judeus.

Em segundo lugar, João vê três anjos aparecerem um a pregar o Evangelho, outro a pronunciar julgamento e o outro a pronunciar condenação.

Em terceiro lugar, João ouve uma voz do céu a pronunciar uma boa aventurança para os Santos que a partir daí iam morrer no Senhor.

Em quarto lugar, João vê Cristo com uma foice para efectuar a seara da terra e depois a seara da vindimas qu foram lançadas no fogo. Esta seara simboliza um julgamento de Deus sobre a terra.

a) Os 144.000 judeus. 

Apocalipse 14:1-5 “1 E olhei, e eis que estava o Cordeiro sobre o monte Sião, e com ele cento e quarenta e quatro mil, que em suas testas tinham escrito o nome de seu Pai. 2 E ouvi uma voz do céu, como a voz de muitas águas, e como a voz de um grande trovão; e ouvi uma voz de harpistas, que tocavam com as suas harpas. 3 E cantavam um como cântico novo diante do trono, e diante dos quatro animais e dos anciãos; e ninguém podia aprender aquele cântico, senão os cento e quarenta e quatro mil que foram comprados da terra. 4 Estes são os que não estão contaminados com mulheres; porque são virgens. Estes são os que seguem o Cordeiro para onde quer que vá. Estes são os que dentre os homens foram comprados como primícias para Deus e para o Cordeiro. 5 E na sua boca não se achou engano; porque são irrepreensíveis diante do trono de Deus”.

Vemos que Apocalipse 7:1-8 faz claramente alusão de que estes 144.000 são judeus. Eles serão perservados na terra até à entrada do milênio, porque serão selados por Deus. Eles são irrepreensíveis e talvez nunca houve no mundo crentes como eles, não somente pela sua santidade “porque são virgens e seguem o cordeiro para onde quer que vá”, mas também pela sua fidelidade em espalhar a palavra de Deus, pois são chamados “os servos do nosso Deus” e que são assinalados por Deus nas suas testas, ou seja destacados dos outros homens, isto quer dizer que são únicos.

Em Apocalipse 7:3-4 e vemos que eles são os únicos que podiam cantar um cântico novo diante de Deus, isto quer dizer, um cântico que nunca foi cantado, que é cantado pela primeira vez por eles

Apocalipse 14:3 fala de novo neste cântico dos 144.000 “E cantavam um como cântico novo diante do trono, e diante dos quatro animais e dos anciãos; e ninguém podia aprender aquele cântico, senão os cento e quarenta e quatro mil que foram comprados da terra.”

b) Os três anjos e os seus julgamentos 

Se alguém adorar a besta, e a sua imagem, 
Apocalipse 14:6-11 “6 E vi outro anjo voar pelo meio do céu, e tinha o evangelho eterno, para o proclamar aos que habitam sobre a terra, e a toda a nação, e tribo, e língua, e povo. 7 Dizendo com grande voz: Temei a Deus, e dai-lhe glória; porque é vinda a hora do seu juízo. E adorai aquele que fez o céu, e a terra, e o mar, e as fontes das águas. 8 E outro anjo seguiu, dizendo: Caiu, caiu babilônia, aquela grande cidade, que a todas as nações deu a beber do vinho da ira da sua prostituição. 9 E seguiu-os o terceiro anjo, dizendo com grande voz: Se alguém adorar a besta, e a sua imagem, e receber o sinal na sua testa, ou na sua mão, 10 Também este beberá do vinho da ira de Deus, que se deitou, não misturado, no cálice da sua ira; e será atormentado com fogo e enxofre diante dos santos anjos e diante do Cordeiro. 11 E a fumaça do seu tormento sobe para todo o sempre; e não têm repouso nem de dia nem de noite os que adoram a besta e a sua imagem, e aquele que receber o sinal do seu nome.”

Os últimos julgamentos sobre a terra estão prestes a cair com o derramamento das sete taças da ira de Deus, então João vê três anjos aparecerem, voando pelo meio do céu.

O primeiro anjo, tinha o Evangelho eterno preparado para proclamar o Evangelho aos que habitam na terra, dizendo “Temei a Deus, e dai-lhe glória; porque é vinda a hora do Seu Juízo”. Este anjo com grande voz exorta os descrentes a temerem a Deus e a darem-lhe glória, pois o seu juízo final está perto. Ele exorta os homens a adorarem o criador , proclamando “e adorai aquele que fez o céu, e a terra, e o mar e as fontes das águas”. Mas tudo indica que apesar da terra já ter sido devastada pela guerra, fome, terramotos, cataclimos na terra, nos mares, nos rios e nos céus e ter sido evadido por demónios que atormentaram os homens, estes continuaram teimosos e não se arrependeram dos seus pecados.

Mas, mesmo assim, Deus através da mensagem deste anjo está a dar-lhes mais uma oportunidade, antes que juízes piores tombem sobre a terra.

O segundo anjo, por sua vez, pronuncia um julgmento contra Babilónia “Caiu, caiu Babilônia”. Babilônia nesta frase refere-se tanto à cidade, como ao império político, económico e religioso do Anti-Cristo, que é personificada como uma prostituta em Apocalipse 17:1-5 que intoxicou e seduziu o mundo com as suas prostituições.

As Nações tendo bebido o vinho da sedução da prostituta, caminharão em direção à destruição final.

O terceiro anjo, traz uma mensagem pior, um aviso de condenação, dizendo “ Se alguém adorar a besta, e a sua imagem, e receber o sinal na sua testa, ou na sua mão, 10 Também este beberá do vinho da ira de Deus, que se deitou, não misturado, no cálice da sua ira; e será atormentado com fogo e enxofre diante dos santos anjos e diante do Cordeiro”.

A mensagem dos anjos segue uma ordem cronológica:

O primeiro anjo exorta os homens ao arrependimento e a aceitarem o Evangelho.

O segundo anjo pronuncia o julgamento contra Babilónia.

O terceiro anjo pronuncia a condenação a todos os que seguirem a Besta.

c) Os santos de Deus que morrem no Senhor 

Apocalipse 14:12-13 “12 Aqui está a paciência dos santos; aqui estão os que guardam os mandamentos de Deus e a fé em Jesus. 13 E ouvi uma voz do céu, que me dizia: Escreve: Bem-aventurados os mortos que desde agora morrem no Senhor. Sim, diz o Espírito, para que descansem dos seus trabalhos, e as suas obras os segue”

Não podemos esquecer que o mundo já está na segunda metade da Tribulação, a Grande Aflição referida por Jesus já iniciou. Satanás já foi derrotado nos céus e lançado por terra.

Apocalipse 14:7-9 “Houve então uma guerra nos céus. Miguel e seus anjos lutaram contra o dragão, e o dragão e os seus anjos revidaram. 8 Mas estes não foram suficientemente fortes, e assim perderam o seu lugar nos céus. 9 O grande dragão foi lançado fora. Ele é a antiga serpente chamada Diabo ou Satanás, que engana o mundo todo. Ele e os seus anjos foram lançados à terra 10 Então ouvi uma forte voz dos céus que dizia: Agora veio a salvação, o poder e o Reino do nosso Deus, e a autoridade do seu Cristo, pois foi lançado fora o acusador dos nossos irmãos, que os acusa diante do nosso Deus, dia e noite. 11 Eles o venceram pelo sangue do cordeiro e pela palavra do testemunho que deram; diante da morte, não amaram a própria vida. 12 Portanto, celebrem-no, ó céus, e os que neles habitam!

Mas embora o diabo já esteja vencido e pelo sangue do cordeiro ele não pode mais continuar o seu trabalho nos céus de acusar os crentes que já subiram aos céus pela altura do arrebatamento, ele descerá com grande ira para atacar aqueles que ainda estão na terra.

Apocalipse 14:12b Mas, ai da terra e do mar, pois o Diabo desceu até vocês! Ele está cheio de fúria, pois sabe que lhe resta pouco tempo”

Desta forma. Satanás, a besta e o falso profeta, a Trindade Satânica, reunirá os exércitos da terra levando-os para o vale do megido, onde desencadear-se-á a guerra do Armagedom.

Além disso o diabo atacará os santos, aqueles que não seguiram a Besta, mas seguiram antes ao Senhor Jesus e juntamente com a besta e o falso profeta, perseguirão e matarão a muitos.

O que diz Apocalipse 14:12-13 destes santos?

Em primeiro lugar, como viveram estes santos:

v 12 " Aqui está a paciência dos santos; aqui estão os que guardam os mandamentos de Deus e a fé em Jesus".

"Aqui está a paciência dos santos", todos aqueles que forem eleitos por Deus, justificados pela fé em Cristo, perseverão sempre até morrer, por muito fracos que possam ter sido durante a sua vida na terra. Eles sim tiveram que ter muita paciência e perseverança e estarem dispostos a morrer pela sua fé.

"aqui estão os que guardam os mandamentos de Deus e a fé em Jesus", nunca nenhum grupo de crentes sofrerá tantos ataques do diabo como os crentes que viverem durante a segunda metade da Grande Tribulação - a Grande Aflição.

Por isto, estes santos, serão santos muito especiais para Deus. Pois, eles não só mantiveram a perseverança até ao fim, apesar deste ataques, mas viveram vidas santas até ao fim guardando os mandamentos de Deus e a fé em Jesus durante esta grande aflição.

Em segundo lugar, como morreram estes santos:

V13a "E ouvi uma voz do céu, que me dizia: Escreve: Bem-aventurados os mortos que desde agora morrem no Senhor", estes santos são chamdos de Bem-aventurados, não só porque viveram vidas perseverantes e santas, apesar da Grande Aflição, guardando os mandamentos de Deus e a fé em Jesus, mas estiveram dispostos a morrer no Senhor. A darem a sua vida pela a obra e pelo nome de Deus.

A voz diz que não somente os que já morreram serão Bem-aventurados mas todos aqueles que desde agora morrerão no Senhor".

V13b "Sim, diz o Espírito, para que descansem dos seus trabalhos, e as suas obras os seguem”, aqui vemos as duas razões porque estes santos serão Bem-aventurados, ou felizes, pelo Espírito.

Primeiro, porque ao morrerem eles descansam das suas obras. Não podemos esquecer que eles não tendo levado a marca da Besta nas suas testas, serão excluídos da sociedade, perseguidos e martirizados. A morte virá para eles como uma libertação destas aflições terrestres debaixo do império da Besta.

Segundo, o Espírito os declara de Bem-aventurados porque "as suas obras os seguem", obras está a falar do seu serviço para Deus.

Isto quer dizer que ao morrerem o registo das suas obras irão com eles para o céu onde receberão a recompensa pela sua perseverança, santidade e disposição de não se importarem de morrerem no Senhor, apesar do grande sofrimento a que estiveram expostos.

A vida destes santos e a sua morte, pré-relatada no livro do Apocalipse, é um encorajamento para todos os santos viverem vidas perseverantes, santas e estarem mesmo dispostos a darem a sua vida pelo Senhor.

A Bíblia fala claramente no Tribunal de Cristo, onde os crentes receberão as suas recompensas segundo a vida que viveram para Deus nesta terra.

Romanos 14:10-12 "Porque todos devemos comprarecer ante o Tribunal de Cristo".

II Coríntios 5:10 "Porque todos devemos comparecer ante o Tribunal de Cristo".

I Coríntios 3:11-14 "Mas veja cada um como edifica sobre ele. Porque ninguém pode pôr outro fundamento além do que já está posto, o qual é Jesus Cristo. E, se alguém sobre este fundamento formar um edíficio de ouro, prata, pedras preciosas, madeira, feno, palha, a obra de cada um se manifestará; na verdade o dia a declarará, porque pelo fogo será descoberta; e o fogo provará qual seja a obra de cada um. Se a obra que alguém edificou nessa parte permanecer, esse receberá galardão. Se a obra se queimar, sofrerá detrimento; mas, o tal será salvo, todavia como pelo fogo."

Procure comentários sobre o Tribunal de Cristo para enriquecer esta seção.

Pode ler sobre o Tribunal de Cristo no "got questions.org":


Os santos da Grande Tribulação receberão grandes recompensas e terão um lugar privilegiado no céu.

A vida e a morte destes santos pré-relatada no livro do Apocalipse, tem sido um encorajamento para os santos de todas as épocas da Igreja, viverem vidas perseverantes,  santas e estarem mesmo dispostos a morrerem no Senhor.

d) A Grande seara 

Apocalipse 14:14-20 “14 E olhei, e eis uma nuvem branca, e assentado sobre a nuvem um semelhante ao Filho do homem, que tinha sobre a sua cabeça uma coroa de ouro, e na sua mão uma foice aguda. 15 E outro anjo saiu do templo, clamando com grande voz ao que estava assentado sobre a nuvem: Lança a tua foice, e sega; a hora de segar te é vinda, porque já a seara da terra está madura. 16 E aquele que estava assentado sobre a nuvem meteu a sua foice à terra, e a terra foi segada. 17 E saiu do templo, que está no céu, outro anjo, o qual também tinha uma foice aguda. 18 E saiu do altar outro anjo, que tinha poder sobre o fogo, e clamou com grande voz ao que tinha a foice aguda, dizendo: Lança a tua foice aguda, e vindima os cachos da vinha da terra, porque já as suas uvas estão maduras. 19 E o anjo lançou a sua foice à terra e vindimou as uvas da vinha da terra, e atirou-as no grande lagar da ira de Deus. 20 E o lagar foi pisado fora da cidade, e saiu sangue do lagar até aos freios dos cavalos, pelo espaço de mil e seiscentos estádios.”

Esta seara, está a fazer referência aos julgamentos das sete taças da ira de Deus e da batalha do Armagedon que se seguirão, a última seara na terra.

A primeira seara v 14 a v 16 é a sega:

v 15 "E outro anjo saiu do Templo, clamando com grande voz ao que estava assentado sobre a nuvem: lança a tua foice e sega; a hora de segar te é vinda, porque já a seara da terra está madura."

Esta sega fala das sete taças da ira de Deus que vão ser lançadas sobre a terra, que vemos mencionadas depois em Apocalipse 16.

Podemos ler sobre isto em Joel 3:12-13 e 21, Isaías 63:1-6, Mateus 13:30 e 39-42

No v 14 nós vemos o ceifeiro:

"E olhei, e eis uma nuvem branca, e assentado sobre a nuvem um semelhante ao Filho do homem, que tinha sobre a sua cabeça uma coroa de ouro, e na sua mão uma foice aguda".

Este homem e Rei é sem dúvidas Jesus Cristo que está prestes a vir para estabelecer o seu Reino Milenar na terra em cumprimento a todas as profecias, especialmente as profecias de Daniel.

Mas Ele tem também na sua mão uma foice aguda, por isso, Ele é o ceifeiro. Antes de descer dos céus para lutar contra a besta e o falso profeta na guerra do Armagedon e depois de vencê-los estabelecer então o Seu Reino na terra, ele irá lançar as sete taças da ira de Deus sobre a terra.

No vrs 15-16 nós vemos a sega:

"E outro anjo saiu do templo, clamando com grande voz ao que estava assentado sobre a nuvem: Lança a tua foice e sega; é já vinda a hora de segar, porque já a seara da terra está madura. E aquele que estava assentado sobre a nuvem meteu a foice à terra, e a terra foi segada."

Vimos na seção anterior que três anjos voavam pelo meio do céu, o primeiro a proclamar o Evangelho, o segundo a proclamar julgamento contra a Babilónia e o terceiro a pronunciar condenação contra a Besta.

Agora, João viu o quarto que sai do Templo e que pede ao ceifeiro que tem a foice na sua mão, para segar a terra, pois a seara já está madura. Isto quer dizer que o pecado do homem está "maduro" e atingiu os seus limites, e a paciência e ira de Deus também.

Nós vemos em Gênesis 15:16 "porque não se encheu ainda a medida da iniquidade dos amorreus". Mas logo que se encheu, Deus trouxe o castigo sobre este povo.

Esta ideia que a paciência de Deus se esgota quando o pecado dos homens e das nações "enche a sua medida", atingindo os seus limites, trazendo a ira de Deus,  atravessa toda a Bíblia desde Gênesis até o Apocalipse.

Por essa razão Deus trouxe o castigo a diversas nações, povos e pessoas Deus é longâmino, mas sempre que uma nação ou um povo ou uma pessoa, enche a medida da sua iniquidade Deus envia os seus julgamentos.

Naum 1:3 "Deus é tardio em irar-se, mas grande em força". Embora Deus seja tardio em irar-se, quando os homens se tornam tã ímpios que esgotam a paciência de Deus com os seus pecados ele intervêm com força.

A torre de Babel, o dilúvio, a destruição de Sodoma e Gomorra, o extermínio ou a derrota de muitos povos antigos como os edomitas, amalaquitas, assírios e babilónios, assim como muitos castigos ao povo de Israel são testemunha de que Deus castiga quandom a iniquidade do homem enche a sua medida.

Temos o exemplo também do Rei Belshazar em Daniel 5 que deu aquele banquete, onde se embebedaram utilizando os vasos que o seu pai tinha tirado do Templo de Deus em Jerusalém.

Eleviu uma mão a escrever na parede e quando chamaram Daniel para interpretar o que aquela mão tinha escrito a interpretação foi:

Daniel 5:25-31

Esta é a interpretação daquilo:

MENE: contou Deus o teu reino, e o acabou.

TEQUEL: Pesado foste na balança e foste achado em falta.

PERES: Dividido foi o teu reino e foi dado aos medas.

Naquela noite foi morto Belshazar, rei dos caldeus. E Dário, o medo, ocupou o seu reino.

Resumindo, esta primeira seara, apresentando o ceifeiro e a sega, virá no tempo em que a ira de Deus será derramado dos céus através das sete taças contra os homens que "encheram a medida da sua iniquidade" e "pesados foram na balança da justiça de Deus e foram achados em falta".

A segunda seara v 17 a v 20 é a vindima

v 18 "E saiu do altar outro anjo, que tinha poder sobre o fogo, e clamou com grande voz ao que tinha a foice aguda: Lança a tua foice aguda, e vindima os cachos da vinha da terra, porque já as suas uvas estão maduras."

Isto fala do julgamento que vai tomar lugar quando da batalha de Armagedon. Vai haver milhões de pessoas envolvidas nesta guerra contra Cristo.

No v 17 nós vemos o ceifeiro

"E saiu do templo, que está no céu, outro anjo, o qual também tinha outra foice aguda"

O ceifeiro nesta passagem, não é o Filho do Homem, mas um anjo, o quinto anjo que aparece, com uma foice aguda"

No vrs 18-19 nós vemos a sega

"18 E saiu do altar outro anjo, que tinha poder sobre o fogo, e clamou com grande voz ao que tinha a foice aguda, dizendo: Lança a tua foice aguda, e vindima os cachos da vinda da terra, porque já as suas uvas estão maduras. 19 E outro anjo me teu a foice à terra, e vindimou as uvas que tinha na terra, e lançou-as no grande lagar da ira de Deus."

Um outro anjo saiu e disse ao quinto anjo, que tinha a foice aguda para vindimar os cachos pois as uvas já estão maduras e lançar as uvas no grande lagar da ira de Deus".

Muitos comentadores acham que os homens impenitentes que não pereceram durante o derramamento da primeira sega ou julgamento, as sete taças da ira de Deus, perecerão na segunda sega ou julgamento, que será a batalha do Armagedon.

Milhões de pessoas estarão envolvidos nessa batalha, instigados pelo dragão, a Besta e o Falso Profeta, para lutarem contra Cristo.

Mas Cristo descendo dos céus com os seus exércitos de anjos e dos santos redimidos, levados para o céu durante o arrebatamento da Igreja e os santos que foram mortos durante a Grande Tribulação, vencerá e destruirá todos os seus opositores.

Quando Cristo voltar, a Besta, o Falso Profeta e todos os homens impenitentes que estarão do lado deles; e o Diabo e as suas forças demoníacas que estão por detrás desta grande rebelião contra Cristo, serão "segadas" ou "derrotadas" e lançadas no grande lagar da ira de Deus.

Não podemos esquecer que nesta altura estará implantado na terra um único governo cujo a cabeça é a Besta, apoiado por uma Religião composta por uma mistura de religiões, uma nova era, a era da Nova Idade (New Age), cuja a cabeça é o Falso Profeta.

Quem não aderir será perseguido, e será nessa altura que será derramado o sangue de muitas testemunhas de Cristo, que não se renderão a este governo universal e não receberão a marca da Besta.

É sobre esta situação na terra, que Cristo e os seus exércitos celestiais descerão e dar-se-á então a batalha do Armagedon, a segunda sega ou julgamento de Deus sobre a terra referida nesta seção.

Mas falaremos disto mais à frente.

G. Previsão antes do derramamento das sete taças da Ira de Deus 

 sete sete anjos com as sete últimas pragas
Apocalipse 15:1-8 “1 Vi no céu outro sinal, grande e maravilhoso: sete anjos com as sete últimas pragas, pois com elas se completa a ira de Deus 2 Vi algo semelhante a um mar de vidro misturado com fogo, e, em pé, junto ao mar, os que tinham vencido a besta, a sua imagem e o número do seu nome. Eles seguravam harpas que lhes haviam sido dadas por Deus 3 e cantavam o cântico de Moisés, servo de Deus, e o cântico do Cordeiro: Grandes e maravilhosas são as tuas obras, Senhor Deus todo-poderoso. Justos e verdadeiros são os teus caminhos, ó Rei das nações 4 Quem não te temerá, ó Senhor? Quem não glorificará o teu nome? Pois tu somente és santo. Todas as nações virão à tua presença e te adorarão, pois os teus atos de justiças e tornaram manifestos.” 5 E depois disto olhei, e eis que o templo do tabernáculo do testemunho se abriu no céu. 6 Saíram do santuário os sete anjos com as sete pragas. Eles estavam vestidos de linho puro e resplandecente, e tinham cinturões de ouro ao redor do peito 7 E um dos quatro seres viventes deu aos sete anjos sete taças de ouro cheias da ira de Deus, que vive para todo o sempre. 8 O santuário ficou cheio da fumaça da glória de Deus e do seu poder, e ninguém podia entrar no santuário enquanto não se completassem as sete pragas dos sete anjos”.

O capítulo 15 e 16 revela o final do derramamento dos julgamentos da ira de Deus sobre a terra. Isto vai acontecer quando a sétima trombeta tocar Apocalipse 11:15 e as sete taças da ira de Deus começarem a ser derramadas na terra.

No entanto apesar do devastamento que estes julgamentos vão causar na terra, Deus continuará a chamar pecadores de todas as nações, povos e línguas para a salvação.

Deus utilizará  nesta Evangelização Mundial:

Os 144.000 judeus evangelistas Apocalipse 7:2-8 e 14:1-5

As 2 testemunhas Apocalipse 11:3-13

O grupo de judeus e gentios redimidos durante a Grande Tribulação Apocalipse 7:9-17

E utilizará mesmo o anjo que voará no céu com o Evangelho Eterno para proclamar aos que habitam sobre a terra Apocalipse 14:6-7 (como se dará este milagre ou sinal não sabemos!?)

Então, vemos que embora os julgamentos de Deus sobre a terra vão aumentando a sua intensidade, os esforços de Deus para salvar os pecadores também vão aumentando, pois o fim está próximo.

Isto reflecte um paradoxo misterioso: Deus está ocupado a trabalhar para salvar pecadores da sua própria ira divina. Então, conforme os seus julgamentos divinos sobre a terra vão aumentando, os esforços de Deus para salvar os pecadores vai aumentando também.

Nesta visão de Apocalipse 15:1-8, nós vemos uma previsão dos julgamento das taças da Ira de Deus, em que são salientados pelo menos três motivos principais para Deus fazer cair estas sete taças da Sua Ira sobre o mundo.

1. A vingança final de Deus 

Apocalipse 15:1-2 “1 Vi no céu outro sinal, grande e maravilhoso: sete anjos com as sete últimas pragas, pois com elas se completa a ira de Deus 2 Vi algo semelhante a um mar de vidro misturado com fogo, e, em pé, junto ao mar, os que tinham vencido a besta, a sua imagem e o número do seu nome. Eles seguravam harpas que lhes haviam sido dadas por Deus 3 e cantavam o cântico de Moisés, servo de Deus, e o cântico do Cordeiro: Grandes e maravilhosas são as tuas obras,Senhor Deus todo-poderoso. Justos e verdadeiros são os teus caminhos, ó Rei das nações 4 Quem não te temerá, ó Senhor? Quem não glorificará o teu nome? Pois tu somente és santo. Todas as nações virão à tua presença e te adorarão, pois os teus atos de justiças se tornaram manifestos.”

João viu uma cena no céu, antes dos julgamentos das taças começarem, como aconteceu também nos acontecimentos dos selos em Apocalipse 4 e 5 e no caso das trombetas em Apocalipse 8:2-6, em que João viu também  uma cena no céu antes dos selos começarem a abrir e as trombetas iniciarem.

Este é o terceiro sinal visto por João v 1 "Vi no céu outro sinal, grande e maravilhoso: sete anjos com as sete últimas pragas de Deus, pois com elas se completa a ira de Deus."

Este sinal faz referência aos setes anjos que aparecem com as sete pragas de Deus, que ao serem derramadas completam a ira de Deus. Os termos "grande e maravilhoso" expressam a importância deste sinal, pois contém o derramamento final da ira de Deus sobre os pecadores impenitentes.

Os julgamentos das taças, são os últimos e os piores julgamentos de Deus, porque neles a ira de Deus sobre os pecadores impenitentes se completa.

Mas antes deste terceiro  sinal, nós vemos os outros dois sinais nos textos em baixo, referidos no capítulo 12:

Apocalipse 12:1 “E viu-se um grande sinal no céu: uma mulher vestida de sol, tendo a lua debaixo dos seus pés, e uma coroa de 12 estrelas sobre a sua cabeça, e estava grávida, e com dores de parto, e gritava com ânsias de dar a luz”

Apocalipse 12:3 “E viu-se outro sinal no céu; e eis que era um dragão vermelho, que tinha sete cabeças e dez chifres, e sobre as suas cabeças sete diademas.

Estes dois sinais anteriores, falam da perseguição ao povo de Israel e a todos os santos que se opuseram ao Dragão e à Besta e ao Falso Profeta e não aceitaram a sua marca.

É claro que isto irá fazer escalar o maior ataque que jamais houve contra Deus e os santos nesta terra, fazendo desencadear a grande aflição que terá início na segunda metade dos sete anos da Grande Tribulação que começará logo a seguir ao arrebatamento da Igreja, como já temos referido várias vezes neste estudo.

É importante distinguirmos que a Grande Tribulação de sete anos terá duas metades, e a segunda metade que Jesus chamou de grande aflição, de três anos e meio, começará com o sétimo selo, que por sua vez contém as sete trombetas, mas o seu pior momento será com o toque da sétima trombeta que, por sua vez, contém as sete taças da ira de Deus.

Nota importante destacado em itálico:

Aproveito para deixar aqui bem destacado, que alguns comentadores pré-tribulacionistas, que também acreditam como nós no Arrebatamento da Igreja e no Reino Milenar de Cristo na terra, ensinam, no entanto, que o Arrebatamento da Igreja só terá lugar no final da segunda metade da Grande Tribulação.

Eles acreditam que no momento em que estes dois sinais aparecerem no céu e Deus e os santos irem sofrer o maior ataque de todos os tempos, Deus então retirará a Igreja da terra, para não passar por estes três anos e meio de grande aflição.

Mas, o ponto de vista pré-tribulacionista defendido neste estudo, é que o Arrebatamento da Igreja terá lugar antes dos sete anos da Grande Tribulação. 

Portanto, nós acreditamos que a Igreja não irá passar por nenhum dos julgamentos de Deus sobre a terra ligados com os sete selos que incluem as sete trombetas e as sete taças da ira de Deus.

A Igreja está à espera de Jesus que a irá livrar da ira futura, quando os sete selos se abrirem, e quando o diabo for lançado por terra e a Besta e o Falso Profeta aparecerem segundo a sua eficácia.

I Tessalonicenses 1:10 “E esperar dos céus a seu Filho, a quem ressuscitou dos mortos, a saber, Jesus, que nos livra ira futura”.

Voltando aos dois sinais, estes dois sinais mostram, ao mesmo tempo, que a "seara" já está madura para a ceifa, pois com este ataque a Deus e aos seus santos, o pecado dos homens já "encheu a sua medida". Gênesis 15:16

Desta forma, Deus irá lançar as sete taças da sua ira sobre o Dragão, a Besta e o Falso Profeta e sobre os homens rebeldes e impenitentes.

Precisamente, esta é a razão para este terceiro sinal que João viu, que consiste nos sete anjos que aparecem com as sete taças cheias da ira de Deus para lançar na terra.

pois com elas se completa a ira de Deus
Como vimos então, estas sete taças falam da vingança fnal de Deus, “pois com elas se completa a ira de Deus”.

Ou seja a vingança de Deus vai finalmente ser completamente consumada. Estas taças contém os últimos e piores julgamentos de Deus durante estes sete anos da tribulação e são lançados exactamente na segunda metade da tribulação, no tempo a que Jesus chama de Grande Tribulação como já vimos em Mateus.

Mateus 24:21 “Porque haverá então grande aflição, como nunca houve, desde o pincípio do mundo até agora, nem tão pouco há-de haver”.

As sete taças da Ira de Deus são lançadas já no final desta segunda metade, no final dos três anos e meio, sobre o Reino da Besta e sobre os homens impenitentes, e logo a seguir Jesus descerá dos céus para vencer a Besta e o Falso profeta, lançando-os no lago de fog, prender a satanás durante 1000 anos e estabelecer o Seu Reino Milenar na terra.

2. Deus é glorificado e exaltado através destes julgamentos 

Apocalipse 15:3-4 “3 e cantavam o cântico de Moisés, servo de Deus, e o cântico do Cordeiro: Grandes e maravilhosas são as tuas obras, Senhor Deus todo-poderoso. Justos e verdadeiros são os teus caminhos, ó Rei das nações 4 Quem não te temerá, ó Senhor? Quem não glorificará o teu nome? Pois tu somente és santo. Todas as nações virão à tua presença e te adorarão, pois os teus atos de justiça se tornaram manifestos.”

a) O Cântico de Moisés 

Apocalipse 15:3 “3 e cantavam o cântico de Moisés, servo de Deus, e o cântico do Cordeiro: Grandes e maravilhosas são as tuas obras, Senhor Deus todo-poderoso”

Quando estes anjos estavam preparados para consumarem a ira de Deus, e lançar as suas taças sobre a terra, nós vemos que as multidões no céu iniciaram um cântico, que é chamado o cântico de Moisés.

Nós vimos em Apocalipse 5:8-14 que os santos redimidos cantavam um cântico ao Cordeiro. Aqui as multidões nos céus estão a cantar o cântico de Moisés.

As palavras deste cântico não são exactamente as mesmas palavras do cântico de Moisés em Exôdo 15 nem do cântico ao Cordeiro em Apocalipse 5, mas o tema e alguns dos pontos chaves são iguais, pois afinal todos estes cânticos são para exaltar carácter de Deus: omnipotência, imutabilidade, soberania, perfeição e justiça do Criador e Juiz do Universo.

Neste cântico de Moisés eles exaltam também a Deus porque Ele vai julgar os pecadores impenitentes. Deus não seria Santo e Justo se não condenasse os homens pecadores.

O cântico termina com uma referência à antecipação alegre e jubilosa dos santos e dos anjos ao estabelecimento do Reino Milinar de Cristo na terra.

b) As obra e o carácter de Deus são exaltados 

Apocalipse 15:3-4 “Grandes e maravilhosas são as tuas obras, Senhor Deus todo-poderoso. Justos e verdadeiros são os teus caminhos, ó Rei das nações 4 Quem não te temerá, ó Senhor? Quem não glorificará o teu nome? Pois tu somente és santo. Todas as nações virão à tua presença e te adorarão, pois os teus atos de justiças e tornaram manifestos.”

Em primeiro lugar, os anjos e os santos exaltam as obras e o carácter justo de Deus.

As obras de Deus exaltadas: “Grandes e maravilhosas são as tuas obras, Senhor Deus Todo-Poderoso”

Em segundo lugar, exaltam também a justiça e a santidade de Deus: “Justos e verdadeiros são os teus caminhos, ó Rei dos santos 4 Quem não te temerá, ó Senhor? Quem não glorificará o teu nome? Pois tu somente és santo.”

Neste cântico, eles exaltam a Deus dizendo que Ele tem toda a razão para ser glorificado por julgar os homens rebeldes, desobedientes e impenitentes, pois Ele é um Deus maravilhoso, justo e santo.

Deus tem toda a razão para julgá-los, por isso merece ser glorificado.

Em terceiro lugar, o cântico termina com uma alegre anticipação do reino Milenar de Cristo, “Todas as nações virão à tua presença e te adorarão, pois os teus atos de justiça se tornaram manifestos.”

Eles fazem menção a todas as nações que virão e se prostarão e adorarão a Jesus, o Rei dos Reis e o Senhor dos Senhores, pois os seus julgamentos manifestos são justos e santos.

Nós vemos esta cena anticipada também pelo Salmos 66:4 “Toda a terra te adorará e te cantará louvores: eles cantarão o teu nome”.

3. O plano de Deus 

Apocalipse 15:5-8 “5 E depois disto olhei, e eis que o templo do tabernáculo do testemunho se abriu no céu. 6 Saíram do santuário os sete anjos com as sete pragas. Eles estavam vestidos de linho puro e resplandecente, e tinham cinturões de ouro ao redor do peito 7 E um dos quatro seres viventes deu aos sete anjos sete taças de ouro cheias da ira de Deus, que vive para todo o sempre. 8 O santuário ficou cheio da fumaça da glória de Deus e do seu poder, e ninguém podia entrar no santuário enquanto não se completassem as sete pragas dos sete anjos”.

Já vimos que antes destes anjos lançarem as taças para para consumarem a ira de Deus, as multidões no céu iniciaram um cântico, que é chamado o cântico de Moisés.

Depois do cântico e antes das taças começarem a serem lançadas, o santuário se abriu no céu, e os sete anjos sairam do santuário com as últimas sete pragas e com isto Deus dará início aos seus últimos julgamentos sobre a terra.

Esteve sempre dentro do plano de Deus julgará os pecadores e destruir o pecado. Deus já tem preparado o fogo eterno para o diabo e os seus anjos e todos aqueles que os seguirem.

Mateus 25:41 “Então dirá também, aos que estiverem à sua esquerda: apartai-vos de mim malditos, para o fogo eterno preparado para o diabo e os seus anjos”.

João vê o santuário celestial onde Deus habita e tem o seu trono. É de lá que sairam os sete anjos que receberam das mãos dos quatro animais as sete taças que carregam os sete julgamentos mais terríveis de Deus contra a terra.

Estes animais, são certamente seres angelicais que vivem mesmo no centro do Trono de Deus, se calhar uma ordem muita alta de anjos celestais.

Eles são referidos como os seres viventes que João vê à volta do trono de Deus, fazem certamente referência aos seres angelicais que habitam nos céus.

Apocalipse 4:9-11 diz destes seres angelicais “9 toda vez que os seres viventes dão glória, honra e graças àquele que está assentado no trono e que vive para todo o sempre, 10 os vinte e quatro anciãos se prostram diante daquele que está assentado no trono e adoram aquele que vive para todo o sempre. Eles lançam as suas coroas diante do trono, e dizem: 11 “Tu, Senhor e Deus nosso, és digno de recebera glória, a honra e o poder, porque criaste todas as coisas, e por tua vontade elas existem e foram criadas”.

O fumo que sai do santuário fala tanto da majestade, como da ira de Deus. Vemos que ninguém podia entrar no santuário até que se consumassem as sete pragas dos sete anjos.

H. O derramamento das sete taças da ira de Deus sobre a terra. 

Apocalipse 16:1 "E ouvi, vinda do Templo, uma grande voz, que dizia aos sete anjos: Ide, e derramai sobre a terra as sete salvas da ira de Deus".

Já estamos na segunda metade da tribulação, nos últimos três anos e meio, antes de Cristo voltar a terra e estabelecer o seu reino milenar na terra. Como já vimos Jesus chamou e esta tribulação que vai durar sete anos e particularmente à segunda metade de “grande aflição”.

Mateus 24:21 “Porque haverá então grande aflição, como nunca houve, desde o pincípio do mundo até agora, nem tão pouco há-de haver”.

A derrota de satanás nos céus e o seu lançamento à terra, ocorre precisamente no final da primeira metade da tribulação, assim como a manifestação da Besta e do Falso Profeta.

É precisamente a actividade conjunta do dragão (satanás), da Besta e do Falso Profeta que vai dar início à segunda metade da tribulação, à “grande aflição” que vai cair sobre a terra, quando o dragão, a Besta e o Falso Profeta se opuserem ao estabelecimento do governo de Cristo sobre o mundo e perseguirem e matarem todos aqueles que não aceitarem a marca da Besta.

Da mesma forma, a actividade desta trindade satânica também vai fazer com que Deus lançe os seus últimos julgamentos sobre o Reino da Besta. Estes julgamentos derramados pelas sete taças cheios da ira de Deus, serão os maiores e mais terríveis julgamentos de Deus sobre o mundo.

Apocalipse 12:7-12 “7 E houve batalha no céu; Miguel e os seus anjos batalhavam contra o dragão, e batalhavam o dragão e os seus anjos; 8 Mas não prevaleceram, nem mais o seu lugar se achou nos céus. 9 E foi precipitado o grande dragão, a antiga serpente, chamada o Diabo, e Satanás, que engana todo o mundo; ele foi precipitado na terra, e os seus anjos foram lançados com ele. 10 E ouvi uma grande voz no céu, que dizia: Agora é chegada a salvação, e a força, e o reino do nosso Deus, e o poder do seu Cristo; porque já o acusador de nossos irmãos é derrubado, o qual diante do nosso Deus os acusava de dia e de noite. 11 E eles o venceram pelo sangue do Cordeiro e pela palavra do seu testemunho; e não amaram as suas vidas até à morte. 12 Por isso alegrai-vos, ó céus, e vós que neles habitais. Ai dos que habitam na terra e no mar; porque o diabo desceu a vós, e tem grande ira, sabendo que já tem pouco tempo”.

Vemos no texto em baixo que diz que quando satanás for lançado por terra v12b “ai daqueles que ai dos que habitam na terra e no mar; porque o diabo desceu a vós, e tem grande ira, sabendo que já tem pouco tempo”.

Está dito antes no v10 “Agora é chegada a salvação, e a força, e o reino do nosso Deus, e o poder do seu Cristo”.

E isto porquê, porque depois de Deus exercer os seus últimos julgamentos contidos dentros das sete taças, o Senhor Jesus voltará para estabelecer o reino de Deus na terra.

1. A primeira taça da ira de Deus

Apocalipse 16:2 "O primeiro anjo foi e derramou a sua taça pela terra, e abriram-se feridas malignas e dolorosas naqueles que tinham a marca da besta e adoravam a sua imagem."

Feridas malignas e dolorosas. 

Feridas malignas e incuráveis...
Quando o primeiro anjo lançou a primeira taça, derramou algo terrível sobre os homens que não se arrependeram e rejeitaram a Jesus Cristo e aceitaram a marca da besta e adoraram a sua imagem.

Eles foram atacados por uma doença terrível e abriram-se em seus corpos feridas malignas, dolorosas e incuráveis. Apocalipse 13:12,16-17

Portanto, esta doença não atacou aqueles cujos os nomes estavam escritos no livro do cordeiro Apocalipse 13:8, mas somente os que aceitaram a marca da besta.

2. A segunda taça da ira de Deus 

Apocalipse 16:3 "O segundo anjo derramou a sua taça no mar, e este se transformou em sangue como de um morto, e morreu toda criatura que vivia no mar".

O mar torna-se em sangue e morre toda a criatura que vive no mar.

e morreu toda a criatura que havia no mar ....
A razão porque os julgamentos das taças são devastadores, é porque os seus efeitos vão-se acumulando na terra. Antes mesmo que as feridas pudessem ser curadas, o segundo anjo derramou a sua taça no mar, e este se transformou em sangue, e morreu toda a criatura que vive no mar.

Este julgamento é semelhante a uma das pragas do Egipto Êxodo 7:20-24 e ao julgamento da segunda trombeta, só que agora os efeitos são muito mais devastadores.

Como os oceanos cobrem 70% da terra, este julgamento é mundial, afectando todo o planeta. Não sabemos o que Deus irá lançar no mar, ou utilizar para efectuar este julgamento. Mas os efeitos são parecidos com o fenómeno chamado maré vermelha, em que produtos tóxicos vindos das algas marinas podem matar todas as formas de vida no mar. Só que isto irá acontecer a uma escala mundial.

Wikipédia: 

A maré vermelha é uma aglomeração de micro-algas pirrófitas que raramente acontece em alguns determinados locais na superfície das águas. São seres unicelulares aglomerados em número suficiente para produzir uma mudança de cor na água que se torna amarela, alaranjada, vermelha ou marrom porque são microorganismos caracterizados pela presença de vários pigmentos como clorofilas (a) e (c) de cor verde, pigmento beta-caroteno que é amarelo e várias outras xantofilas que são alaranjadas e vermelhas, esses pigmentos estão sempre localizados em cromatóforos.

Em todos os gêneros de vida livre e nos seus zoósporos, sempre existem dois flagelos. A maioria são seres autótrofos mas existem também algumas espécies sem pigmentos porque não fazem fotossíntese.

As pirrófitas, do grego "pyrrhos", que em português significa fogo, ou cor de fogo, mais "phyta" que em português significa planta, no caso se referindo a plantas algas do mar portanto, literalmente "pirrófita" significa algas com cor de fogo, nome esse que se aplica às algas pirrófitas que realmente possuem essa "cor de fogo" e causam essas marés vermelhas; por outro lado existem também pirrófitas Noctilucas que não são vermelhas mas são algas que possuem bioluminescência e brilham à noite nas ondas das praias e já foram chamadas de "algas de fogo" ou algas que brilham como fogo.

O fenômeno da maré vermelha pode acontecer tanto em água doce quanto em água salgada, devido a isso aparecem nomes tais como: Mar Vermelho, Lagoa Vermelha

3. A terceira taça da ira de Deus 

Apocalipse 16:4-7 "4 O terceiro anjo derramou a sua taça nos rios e nas fontes, e eles se transformaram em sangue 5 Então ouvi o anjo que tem autoridade sobre as águas dizer: “Tu és justo, tu, o Santo, que és e que eras, porque julgaste estas coisas. 6 Visto como derramaram o sangue dos teus santos e dos teus profetas, e tu lhes deste sangue para beber, como eles merecem”. 7 E ouvi outro do altar responder: “Sim, Senhor Deus todo-poderoso, verdadeiros e justos são os teus juízos”.

Os rios e as fontes de água tornaram-se em sangue.

As fontes transformaram-se em sangue...
Quando o terceiro anjo lançou a sua taça, parece que o mesmo julgamento que aconteceu nos mares ocorre nos rios e nas fontes de água que se tornaram também em sangue.

Nós já tinhamos visto na terceira trombeta que uma terço dos rios e das fontes de águas tornaram-se venenosas. Apocalipse 8:10-11 Adicionalmente as duas testemunhas durante a tribulação terão poder para fechar os céus e não chover e de tornar as águas em sangue. Apocalipse 11:6

Portanto o mundo já estava com dificuldades em obter água potável para beber. Mas, o que ficou de resto, vai ser agora destruido, pois o julgamento da terceira taça tem um efeito universal, afectará todos os rios e fontes causando uma devastação inimaginável.

Como vimos no cântico de Moisés os castigos de Deus são justos sobre os homens que rejeitaram a verdade, blasfemando de Deus e derramando o sangue dos santos. Hebreus 10:26, Romanos 12:19, Hebreus 10:30.

Tudo parece indicar que os julgamentos de Deus são a resposta às orações dos santos que vemos quando foi aberto o quinto selo:

Apocalipse 6:9-11 “9 E, havendo aberto o quinto selo, vi debaixo do altar as almas dos que foram mortos por amor da palavra de Deus e por amor do testemunho que deram. 10 E clamavam com grande voz, dizendo: Até quando, ó verdadeiro e santo Dominador, não julgas e vingas o nosso sangue dos que habitam sobre a terra? 11 E foram dadas a cada um compridas vestes brancas e foi-lhes dito que repousassem ainda um pouco de tempo, até que também se completasse o número de seus conservos e seus irmãos, que haviam de ser mortos como eles foram”

4. A quarta taça da ira de Deus

Apocalipse 16:8-9 "8 O quarto anjo derramou a sua taça no sol, e foi dado poder ao sol para queimar os homens com fogo. 9 Estes foram queimados pelo forte calor e amaldiçoaram o nome de Deus, que tem domínio sobre estas pragas; contudo, recusaram arrepender-se e glorificá-lo."

Os homens são queimados pelo calor do sol.

E amaldiçoaram o nome de Deus...
Ao contrário das três primeiras taças que foram lançadas na terra, o quarto anjo lançou a quarta taça no sol e os homens que foram marcados pela Besta e foram queimados por um forte calor.

Uma das consequências desta praga é que o calor irá derreter as camadas gelados no polo norte e outras regiões do globo e, por isso, o nível das águas dos oceanos aumentará e inundará as zonas litorais das nações.

Podemos pensar que as consequências terríveis destes quatro julgamentos, que já tanta devastação trouxe sobre o planeta irá fazer os homens se arrependerem, mas tal não é o caso, pois mesmo assim eles não se arrependeram, mas antes amadiçoaram a Deus.

Vemos que a Besta veio para blasfemar de Deus e do Seu filho Jesus Cristo e fez isto por 42 meses.É nessa altura esta em que Deus faz cair sobre o reino da Besta as sete taças da sua ira, mas mesmo assim durante estes 42 meses os seus seguidores farão a mesma coisa que a Besta e blasfemarão de Deus:

Apocalipse 13:1,5-6 “1 E vi subir do mar uma besta que tinha sete cabeças e dez chifres, e sobre os seus chifres dez diademas, e sobre as suas cabeças um nome de blasfêmia. 2 E a besta que vi era semelhante ao leopardo, e os seus pés como os de urso, e a sua boca como a de leão; e o dragão deu-lhe o seu poder, e o seu trono, e grande poderio. 3 E vi uma das suas cabeças como ferida de morte, e a sua chaga mortal foi curada; e toda a terra se maravilhou após a besta. 4 E adoraram o dragão que deu à besta o seu poder; e adoraram a besta, dizendo: Quem é semelhante à besta? Quem poderá batalhar contra ela? 5 E foi-lhe dada uma boca, para proferir grandes coisas e blasfêmias; e deu-se-lhe poder para agir por quarenta e dois meses” 6 E abriu a sua boca em blasfêmias contra Deus, para blasfemar do seu nome, e do seu tabernáculo, e dos que habitam no céu”.

Apocalipse 9:20-21 “20 e os outros homens, que não foram mortos por estas pragas, não se arrependeram das obras de suas mãos, para não adorarem os demônios, e os ídolos de ouro, e de prata, e de bronze, e de pedra, e de madeira, que nem podem ver, nem ouvir, nem andar. 21 E não se arrependeram dos seus homicídios, nem das suas feitiçarias, nem da sua prostituição, nem dos seus furtos".

Apocalipse 16:11 “E por causa das suas dores, e por causa das suas chagas, blasfemaram do Deus do céu; e não se arrependeram das suas obras.”

5. A quinta taça da ira de Deus

Apocalipse 16:10-11 "10 O quinto anjo derramou a sua taça sobre o trono da besta, cujo reino ficou em trevas. De tanta agonia, os homens mordiam a própria língua e blasfemavam contra o Deus dos céus, por causa das suas dores e das suas feridas; contudo, recusaram arrepender-sedas obras que haviam praticado.

O Reino da Besta ficou em trevas. 

O reino da Besta ficou em trevas...
Há diversas opiniões. Alguns comentadores pensam que as trevas caem sobre o trono da Besta. Outros
pensam que cai sobre Babilónia a capital do reino da Besta. E outros comentadores pensam que cairá sobre todo o reino da Besta.

É talvez melhor dizer que o trono da Besta representa todo o seu reino. Logo quando as trevas caem sobre o seu trono, se estendem por todo o seu reino.

Devido aos sucessivos julgamentos há um acumular de tragédias que afectam os homens com dores e afectam os oceanos e toda a terra. Com o quinto julgamento, as trevas caem sobre todo o reino da Besta, como que um anúncio de julgamentos piores que irão cair sobre a terra.

Os homens sofrem de tanta agonia que mordem as suas próprias línguas. Mas, não querendo arrepender-se continuam a blasfemar de Deus. As primeiras cinco taças é como um apelo ao arrependimento, mas “contudo, recusaram arrepender-se das obras que haviam praticado”.

6. A sexta taça da ira de Deus 

Apocalipse 16:12-16 “12 O sexto anjo derramou a sua taça sobre o grande rio Eufrates, e secaram-se as suas águas para que fosse preparado o caminho para os reis que vêm do Oriente. 13 Então vi saírem da boca do dragão, da boca da besta e da boca do falso profeta três espíritos imundos semelhantes a rãs. 14 São espíritos de demônios que realizam sinais milagrosos; eles vão aos reis de todo o mundo, a fim de reuni-los para a batalha do grande dia do Deus todo-poderoso 15 “Eis que venho como ladrão! Feliz aquele que permanece vigilante e conserva consigo as suas vestes, para que não ande nu e não seja vista a sua vergonha”. 16 Então os três espíritos os reuniram no lugar que, em hebraico, é chamado Armagedom".

A Guerra do Armagedom - os demónios reunem os reis de todo mo mundo no lugar chamado Armagedom

Foram reunidos no lugar chamado Armagedom
A sexta taça é como um preparação para o que está a vir. As águas do rio Eufrates se secam para deixar passar os reis que vêm do Oriente.

O rio Eufrates já tinha sido referido com o toque da sexta trombeta.

Apocalipse 9:14-16 “14 A qual dizia ao sexto anjo, que tinha a trombeta: solta os quatro anjos que estão presos junto ao gtrande rio Eufrates. 15 E foram soltos os qatro anjos, que estavam preparados para a hora, e dia, e mês, e ano, afim de matarem a terça parte dos homens. 16 E o número dos exércitos assinalados eram de duzentos milhões; e ouvi o número deles”.

Como já disse atrás, são exércitos de demónios que estão presos até a este dia de julgamento quando a sexta taça da ira de Deus cair sobre a terra e estes duzentos milhões de demónios são soltos para seduzirem os reis que vêm do Oriente para combater o povo de Deus.

Apocalipse 16:13 “O sexto anjo derramou a sua taça sobre o grande rio Eufrates, e secaram-se as suas águas para que fosse preparado o caminho para os reis que vêm do Oriente".

Certamente que as transformações causados pelos julgamentos anteriores, tiveram um efeito sobre a terra e como consequência o rio Eufrates se secou para dar passagem aos exércitos que influenciados pelos exércitos de demónios atravessarão o Eufrates e virem ao local aonde se dará a guerra da Armagedom.

Podemos ler em baixo:

Apocalipse 16:14,16 “então vi saírem da boca do dragão, da boca da besta e da boca do falso profeta três espíritos imundos semelhantes a rãs. São espíritos de demônios que realizam sinais milagrosos; eles vão aos reis de todo o mundo, a fim de reuni-los para a batalha do grande dia do Deus todo-poderoso 16 “Então os três espíritos os reuniram no lugar que, em hebraico, é chamado Armagedom”.

Mas apesar de todos estes horrores e o anúncio da terrível guerra de Armegedom, nós vemos um encorajamento para os crentes:

Apocalipse 16:15 “Eis que venho como ladrão! Feliz aquele que permanece vigilante e conserva consigo as suas vestes, para que não ande nu e não seja vista a sua vergonha”.

Esta palavra de encorajamento e de graça vinda do céu, vem antes do derramamento da sétima taça da ira de Deus e da chegada do Rei que virá dos céus para estabelecer o seu reino milenar na terra.

Os espíritos sedutores, seduzirão as nações todas e as conduzirão para o lugar aonde se dará a guerra do Armagedom, no lugar chamado “Megido”, aonde todas as nações se reunirão liderados pela trindade satânica para destruir a nação de Israel e impedir que Cristo estabeleça o Seu Reino de 1000 anos na Terra.

7. A sétima taça da ira de Deus 

a grande cidade foi dividida em três partes
Apocalipse 16:17-20 “17 O sétimo anjo derramou a sua taça no ar, e do santuário saiu uma forte voz que vinha do trono, dizendo: “Está feito!” 18 Houve, então, relâmpagos, vozes, trovões e um forte terremoto. Nunca havia ocorrido um terremoto tão forte como esse desde que o homen existe sobre a terra. 19 A grande cidade foi dividida em três partes, e as cidades das nações se desmoronaram. Deus lembrou-se da grande Babilônia e lhe deu o cálice do vinho do furor da sua ira. 20 Todas as ilhas fugiram, e as montanhas desapareceram.”

A sétima taça afecta toda a atmosfera e crosta terrestre.

A sétima taça ao cair afecta toda a atmosfera e a crosta terrestre e ouve-se o barulho de relâmpagos e trovões e estas transformações isto todas ligadas com o derramamento das taças, somadas às catástrofes anteriores iniciados durante o período da Grande Tribulação, produzem um terramoto mundial.

Em Apocalipse 12 A terra (v 2), o mar (v 3), as fontes (v 4), o sol (v 8) tinham sido atingidos pelos julgamentos de Deus, agora  v 17 "o sétimo anjo derramou a sua taça no ar".

Portanto, toda a atmosfera foi atingida e isto quer dizer que a crosta terrestre, os mares e outros elementos ficaram mais afectados.

Depois disso, vemos que uma voz que vinha do trono disse:  “Está feito!” E, depois dos relâmpagos, vozes, trovões houve um forte terremoto. Nunca havia ocorrido um terremoto tão forte como esse desde que o homem existe sobre a terra. A grande cidade foi dividida em três partes, e as cidades das nações se desmoronaram.

Deus lembrou-se da grande Babilônia e das grandes cidades e lhes deu a beber o cálice do vinho do furor da sua ira.

Alguns comentadores pensam que Jerusalem é a cidade dividida pelo terramoto para ficar preparada para o Reino Milenar de Cristo. Eles pensam que este julgamento muda a topografia da terra, preparando-a para o Reino de Cristo na terra durante 1000 anos.

No entanto os homens impenitentes não se arrependem e a Besta continua com os seus intentos de destruir todos os que os que não o seguem, procurando estabelecer o seu reino na terra e fazer tudo para impedir o estabelecimento do Reino Milenar de Cristo na terra.

I. A Religião da Babilónia

Apocalipse 17:1-6, 15 “1 E veio um dos sete anjos que tinham as sete taças, e falou comigo, dizendo-me: Vem, mostrar-te-ei a condenação da grande prostituta que está assentada sobre muitas águas; 2 Com a qual se prostituíram os reis da terra; e os que habitam na terra se embebedaram com o vinho da sua prostituição. 3 E levou-me em espírito a um deserto, e vi uma mulher assentada sobre uma besta de cor de escarlata, que estava cheia de nomes de blasfêmia, e tinha sete cabeças e dez chifres. 4 E a mulher estava vestida de púrpura e de escarlata, e adornada com ouro, e pedras preciosas e pérolas; e tinha na sua mão um cálice de ouro cheio das abominações e da imundícia da sua prostituição; 5 E na sua testa estava escrito o nome: Mistério, a grande babilônia, a mãe das prostituições e abominações da terra. 6 E vi que a mulher estava embriagada do sangue dos santos, e do sangue das testemunhas de Jesus. E, vendo-a eu, maravilhei-me com grande admiração. 15 E disse-me: As águas que viste, onde se assenta a prostituta, são povos, e multidões, e nações, e línguas. 7 E o anjo me disse: Por que te admiras? Eu te direi o mistério da mulher, e da besta que a traz, a qual tem sete cabeças e dez chifres. 8 A besta que viste foi e já não é, e há de subir do abismo, e irá à perdição; e os que habitam na terra (cujos nomes não estão escritos no livro da vida, desde a fundação do mundo) se admirarão, vendo a besta que era e já não é, mas que virá. 9 Aqui há sentido, que tem sabedoria. As sete cabeças são sete montes, sobre os quais a mulher está assentada. 10 E são também sete reis; cinco já caíram, e um existe; outro ainda não é vindo; e, quando vier, convém que dure um pouco de tempo. 11 E a besta que era e já não é, é ela também o oitavo, e é dos sete, e vai à perdição. 12 E os dez chifres que viste são dez reis, que ainda não receberam o reino, mas receberão poder como reis por uma hora, juntamente com a besta. 13 Estes têm um mesmo intento, e entregarão o seu poder e autoridade à besta. 14 Estes combaterão contra o Cordeiro, e o Cordeiro os vencerá, porque é o Senhor dos senhores e o Rei dos reis; vencerão os que estão com ele, chamados, e eleitos, e fiéis. E os dez chifres que viste na besta são os que odiarão a prostituta, e a colocarão desolada e nua, e comerão a sua carne, e a queimarão no fogo 17 Porque Deus tem posto em seus corações que cumpram o seu intento, e tenham a mesma ideia, e que dêem à besta o seu reino, até que se cumpram as palavras de Deus. 18 E a mulher que viste é a grande cidade que reina sobre os reis da terra”

1. Babilónia tem sido um importante centro da falsa religião.

A torre de Babel é o inicio da falsa Babilónia...
Nós vemos que através da história Babilónia tem sido um importante centro da falsa religião. O livro de Apocalipse parece indicar que esta falsa religião voltará nos últimos tempos tal como era no princípio quando o império da Babilónia começou a tomar lugar no início de Gênesis e depois mais tarde quando com a cidade e a Torre de Babel, Nimrod tentou criar um grande império que dominasse toda aquela região, como podemos ver nos textos em baixo.

Gênesis 10:8-12 “8 E Cush gerou a Nimrod; este começou a ser poderoso na terra. 9 E este foi poderoso caçador diante da face do Senhor; pelo que se diz : como Nimrod, poderoso caçador diante da face do Senhor 10 E o princípio do seu reino foi Babel, Erech, Sinar, Acad e Calne, na terra de Sinear 11 Desta mesma terra, saiu à Assíria e edificou a Niníve, Reoboth-ir e Calah, 12 E Resen, entre Nínive e Calah (esta é a grande cidade).

Gênesis 11:1-9 “4 Eia edifiquemos uma cidade e uma torre cujo nome toque nos céus, e façamo-nos um nome, para que não sejamos espalhados sobre a face da terra. 7 Eia, desçamos, e confundamos ali a sua língua, para que não um entendam a língua do outro 8 Assim o Senhor os espalhou dali, sobre a feca da terra; e cessaram de edificar a cidade 9 Por isso, se chamou o seu nome Babel, porquanto ali confundiu o Senhor a língua de toda a terra, e dai os espalhou o Senhor sobre a face de toda a terra”.

Nimrod não queria sr governado por Deus, que tinha dito que os homens deviam espalhar-se por toda a terra Gênesis 1:28 “e multiplicai-vos e enchei a terra”. Nimrod, ele próprio queria governar toda a terra, para isto ele tinha que criar um cidade e uma torre como ele disse “Eia edifiquemos uma cidade e uma torre cujo nome toque nos céus, e façamo-nos um nome, para que não sejamos espalhados sobre a face da terra.”

Mas Deus os confundiu e os espalhou sobre toda a terra, mas a semente lançada por Nimrod no coração dos homens, de se opôrem ao governo de Deus, pela criação de um império continuou pela história onde vemos mais tarde o império da Babilónia atingir o seu poder máximo, donde saiu uma religião completamente perversa e oposta a Deus.

Apesar desta religião ter desaparecido e perdido a sua influência com a queda do império Babilónico e o aparecimento de novos impérios, Apocalipse prediz que a religião da Babilónia vai renascer outra vez ou ganhar um novo formato e uma nova força nos tempos finais.

2. A prostituta é exposta e julgada

e vi uma mulher assentada sobre uma besta ...
Apocalipse 17:1-6, 15 “1E veio um dos sete anjos que tinham as sete taças, e falou comigo, dizendo-me: Vem, mostrar-te-ei a condenação da grande prostituta que está assentada sobre muitas águas; 2 Com a qual se prostituíram os reis da terra; e os que habitam na terra se embebedaram com o vinho da sua prostituição. 3 E levou-me em espírito a um deserto, e vi uma mulher assentada sobre uma besta de cor de escarlata, que estava cheia de nomes de blasfêmia, e tinha sete cabeças e dez chifres. 4 E a mulher estava vestida de púrpura e de escarlata, e adornada com ouro, e pedras preciosas e pérolas; e tinha na sua mão um cálice de ouro cheio das abominações e da imundícia da sua prostituição; 5 E na sua testa estava escrito o nome: Mistério, a grande babilônia, a mãe das prostituições e abominações da terra. 6 E vi que a mulher estava embriagada do sangue dos santos, e do sangue das testemunhas de Jesus. E, vendo-a eu, maravilhei-me com grande admiração. 15 E disse-me: As águas que viste, onde se assenta a prostituta, são povos, e multidões, e nações, e línguas.”

João nesta sua visão vê que a religião mundial no final dos tempos é figurada como sendo uma mulher prostituta que se assenta sobre muitas águas, ou seja, domina sobre muitas nações, sobre a qual caem os julgamentos das sete taças da ira de Deus.

O termo "prostituta" simboliza sedução religiosa, falsidade, idolatria e apostasia.

3. A autoridade da Prostituta.

Nesta secção nós vemos que a mulher prostituta está numa posição de autoridade assentada sobre muitas águas. A localização onde a prostituta está assentada “sobre muitas águas” diz respeito a povos, multidões, nações e línguas que estão debaixo da autoridade da prostituta, como vemos no v 15 E disse-me: As águas que viste, onde se assenta a prostituta, são povos, e multidões, e nações, e línguas.”

A religião da Babilónia dos tempos finais terá uma amplitude universal, pois será composta por um sincretismo de todas as religiões do mundo.

4. As alianças da Prostituta 

Vemos que a prostituta criou alianças com todos os reis da terra, como vemos descrito no v 2 "Com a qual se prostituíram os reis da terra; e os que habitam na terra se embebedaram com o vinho da sua prostituição".

5. As vestes da Prostituta 

As prostitutas procuram atrair a atenção pela forma como se vestem. Esta prostituta está vestida de cores ligadas com nobreza, realeza e riqueza, isto é de púrpura e de escarlata, e adornada com ouro, e pedras preciosas e pérolas, como vemos no v 4 "e a mulher estava vestida de púrpura e de escarlata, e adornada com ouro, e pedras preciosas e pérolas”.

Muitos procuram identificar a Religião Católica, com o Papa no topo, como sendo a Grande Prostituta, ou a religião que será dominante naquela altura, tendo o Papa como o lider de todos. Neste caso o Papa, é identificado por muitos como sendo a Besta, o 666.

Por exemplo sobre "a besta cor da escarlate" dizem que é a cor da roupa dos cardeais de Roma.

Pode ver sites sobre este ponto de vista:


Os Adventistas do Sétimo dia são os grandes difusores de uma interpretação que pensa que o Papa é a Besta, o 666. Eles acham que VICARIUS FILII DEI, em numeração romana, se for somado dá 666.

Alguns evangélicos também seguem esquemas iguais a este ou diferentes para chegarem à mesma conclusão.

Pode pesquisar esta teoria adventista no site em baixo:


Eu penso que a Grande Prostituta fala de um sincretismo religioso universal que incluirá católicos, prostestantes, evangélicos e também grupos espiritualistas e religiões não cristãs. É uma mistura de religiões  e crenças que se albergarão debaixo do slogan que diz "assim como todos os caminhos levam ao topo da montanha" assim "todas as religiões são caminhos que levam a Deus".

Enfim, é o que acreditam todos aqueles que seguem o "new age", a religião da "nova era".

Mas, de facto, o alvo do meu estudo é dar uma interpretação geral e o mais hermenêutica possível, sem citar factos ou criar teorias que possam fazer o Apocalipse cair numa manipulação de factos e teorias.

Deixo, portanto, os factos concretos e as teorias, para o leitor e o pregador.

É clar que se eu der este estudo numa Igreja, irei salientar muitos factos e pormenores e até criarei alguns teorias, utilizando a ajuda da internet.

Mas, terei sempre o cuidado de dizer à minha audiência que alguns destes factos e teoria não podem ser hermeneuticamente provados, pois podem não se passar tal e qual como nós pensamos.

Tudo isto para dizer que não quero fazer os meus leitores ou audiência cairem numa manipulação do Apocalipse, nem cair na busca do espectacular para impressionar as pessoas.

No entanto penso que poderei salientar aqui que temos que diferenciar entre a Religião da Babilónia e o Negócio da Babilónia que faço referência num capítulo a seguir.

A Religião da Babilónia irá ter no seu topo a segunda Besta do Apocalipse que chamamos de Falso Profeta.

Que bem poderá ser um Papa!? Quem sabe!?

Mas, acho que posso afirmar que o Falso Profeta não é a Besta, o 666, a primeira Besta do Apocalipse que João viu subir do mar.

Esta primeira Besta representa o poder do governo, a força militar, que pode estar a fazer alusão ao poder Imperial de Roma, cujo o princípio surgirá mais tarde em toda a sua força e expoente no reino da Besta do Apocalipse, que como um Imperador quererá receber a adoração de todo o mundo.

A segunda besta, que subiu da terra, que exerce o poder religioso sobre as nações, fará com a terra obedeça e adore a Besta que subiu do mar, o imperador, o 666, como vemos em Apocalipse 13

Apocalipse 13:11-12 "11 Vi ainda outra Besta emergir da terra; possuía dois chifres, parecendo cordeiro, mas falava como dragão. 12 Exerce toda a autoridade da primeira Besta na sua presença. Faz com que a terra e os seus habitantes adorem a primeira Besta, cuja ferida mortal foi curada."

A segunda Besta, que subiu da terra, o Falso Profeta, tem por missão promover, até por força e ameaça, a submissão total ao governo da primeria Besta, que subiu do mar - um homem cujo número é o 666.

Pode consultar o site:


6. As abominações da prostituta 

4b "e tinha na sua mão um cálice de ouro cheio das abominações e da imundícia da sua prostituição 5 E na sua testa estava escrito o nome: Mistério, a grande babilônia, a mãe das prostituições e abominações da terra".

7. A acusação contra a Prostituta 

v 6 "E vi que a mulher estava embriagada do sangue dos santos, e do sangue das testemunhas de Jesus. E, vendo-a eu, maravilhei-me com grande admiração.

8. A explicação de quem é Babilónia - a Prostituta 

Apocalipse 17:7-14, 18 “7 E o anjo me disse: Por que te admiras? Eu te direi o mistério da mulher, e da besta que a traz, a qual tem sete cabeças e dez chifres. 8 A besta que viste foi e já não é, e há de subir do abismo, e irá à perdição; e os que habitam na terra (cujos nomes não estão escritos no livro da vida, desde a fundação do mundo) se admirarão, vendo a besta que era e já não é, mas que virá. 9 Aqui há sentido, que tem sabedoria. As sete cabeças são sete montes, sobre os quais a mulher está assentada. 10 E são também sete reis; cinco já caíram, e um existe; outro ainda não é vindo; e, quando vier, convém que dure um pouco de tempo. 11 E a besta que era e já não é, é ela também o oitavo, e é dos sete, e vai à perdição. 12 E os dez chifres que viste são dez reis, que ainda não receberam o reino, mas receberão poder como reis por uma hora, juntamente com a besta. 13 Estes têm um mesmo intento, e entregarão o seu poder e autoridade à besta. 14 Estes combaterão contra o Cordeiro, e o Cordeiro os vencerá, porque é o Senhor dos senhores e o Rei dos reis; vencerão os que estão com ele, chamados, e eleitos, e fiéis. 18 E a mulher que viste é a grande cidade que reina sobre os reis da terra”.

Alguns comentadores identificam a cidade como simbolizando Roma, outros pensam que simboliza Jerusalem.

Mas, vendo de uma forma mais literal parece que o texto fala mesmo da cidade de Babilonia, que foi destruida como vemos em Isaias 13:1-14:27 e Jeremias 51 e 52.

Vendo desta forma mais literal, tudo parece indicar que a cidade de Babilonia vai ser reconstruida e vai ser a sede do Reino da Besta.

Esta mulher parece simbolizar uma grande cidade que reina sobre os reis da terra, simbolizando ao, mesmo tempo, a falsa religiao da Babilónia que vai dominar o mundo.

Os v 8-14 parecem explicar que a Besta governa o mundo do ponto vista político, ligado ao poder religioso simbolizado pela prostituta.

Estes dois poderes ligados, o poder politico da Besta e o poder religioso da Prostituta que governam o mundo combaterão contra o Cordeiro, mas finalmente o Cordeiro os vencerá, porque é o Senhor dos senhores e o Rei dos reis; e vencerão os que estão com ele, chamados, e eleitos, e fiéis.

9. A Exterminação da Prostituta

A destruição da Grande Prostituta
Apocalipse 17:16-17 "16 E os dez chifres que viste na besta são os que odiarão a prostituta, e a colocarão
desolada e nua, e comerão a sua carne, e a queimarão no fogo. 17 Porque Deus tem posto em seus corações, que cumpram o seu intento, e tenham uma mesma idéia, e que dêem à besta o seu reino, até que se cumpram as palavras de Deus.

Pelos vistos estes dois poderes entram em choque. A Besta precisa do apoio do falso sistema religioso para adquirir poder, mas logo que este poder for adquirido e a Besta for adorada, ele vai desfazer-se da Prostituta como vemos no v 16 "E os dez chifres que viste na besta são os que odiarão a prostituta, e a colocarão desolada e nua, e comerão a sua carne, e a queimarão no fogo".

A Besta quer ser o centro de todo o foco religioso e ser exclusivamente adorada.

Para isso, a Besta tem que desfazer-se do Falso Profeta que lhe deu o poder diante do mundo (Apocalipse 13:11-15) e de todo o sistema religioso que porventura queiram ter uma parte nisto.

J. O Negócio da Babilónia

E vi descer outro anjo, dizendo: Caiu a grande babilónia
Apocalipse 18:1-24 Apocalipse 18 1-3 “1 E depois destas coisas vi descer do céu outro anjo, que tinha grande poder, e a terra foi iluminada com a sua glória. 2 E clamou fortemente com grande voz, dizendo: Caiu, caiu a grande babilônia, e se tornou morada de demônios, e covil de todo espírito imundo, e esconderijo de toda ave imunda e odiável. 3 Porque todas as nações beberam do vinho da ira da sua prostituição, e os reis da terra se prostituíram com ela; e os mercadores da terra se enriqueceram com a abundância de suas delícias. ” “6 Tornai-lhe a dar como ela vos tem dado, e retribuí-lhe em dobro conforme as suas obras; no cálice em que vos deu de beber, dai-lhe a ela em dobro. 7 Quanto ela se glorificou, e em delícias esteve, foi-lhe outro tanto de tormento e pranto; porque diz em seu coração: Estou assentada como rainha, e não sou viúva, e não verei o pranto. 8 Portanto, num dia virão as suas pragas, a morte, e o pranto, e a fome; e será queimada no fogo; porque é forte o Senhor Deus que a julga. 9 E os reis da terra, que se prostituíram com ela, e viveram em delícias, a chorarão, e sobre ela prantearão, quando virem a fumaça do seu incêndio; 10 Estando de longe pelo temor do seu tormento, dizendo: Ai! ai daquela grande babilônia, aquela forte cidade! pois numa hora veio o seu juízo. 11 E sobre ela choram e lamentam os mercadores da terra; porque ninguém mais compra as suas mercadorias: 12 Mercadorias de ouro, e de prata, e de pedras preciosas, e de pérolas, e de linho fino, e de púrpura, e de seda, e de escarlata; e toda a madeira odorífera, e todo o vaso de marfim, e todo o vaso de madeira preciosíssima, de bronze e de ferro, e de mármore; 13 E canela, e perfume, e mirra, e incenso, e vinho, e azeite, e flor de farinha, e trigo, e gado, e ovelhas; e cavalos, e carros, e corpos e almas de homens. 14 E o fruto do desejo da tua alma foi-se de ti; e todas as coisas gostosas e excelentes se foram de ti, e não mais as acharás. 15 Os mercadores destas coisas, que com elas se enriqueceram, estarão de longe, pelo temor do seu tormento, chorando e lamentando, 16 E dizendo: Ai, ai daquela grande cidade! que estava vestida de linho fino, de púrpura, de escarlata; e adornada com ouro e pedras preciosas e pérolas! porque numa hora foram assoladas tantas riquezas. 17 E todo o piloto, e todo o que navega em naus, e todo o marinheiro, e todos os que negociam no mar se puseram de longe; 18 E, vendo a fumaça do seu incêndio, clamaram, dizendo: Que cidade é semelhante a esta grande cidade? 19 E lançaram pó sobre as suas cabeças, e clamaram, chorando, e lamentando, e dizendo: Ai, ai daquela grande cidade! na qual todos os que tinham naus no mar se enriqueceram em razão da sua opulência; porque numa hora foi assolada. 20 Alegra-te sobre ela, ó céu, e vós, santos apóstolos e profetas; porque já Deus julgou a vossa causa quanto a ela. 21 E um forte anjo levantou uma pedra como uma grande mó, e lançou-a no mar, dizendo: Com igual ímpeto será lançada babilônia, aquela grande cidade, e não será jamais achada. 22 E em ti não se ouvirá mais a voz de harpistas, e de músicos, e de flautistas, e de trombeteiros, e nenhum artífice de arte alguma se achará mais em ti; e ruído de mó em ti não se ouvirá mais; 23 E luz de candeia não mais luzirá em ti, e voz de esposo e de esposa não mais em ti se ouvirá; porque os teus mercadores eram os grandes da terra; 24 porque todas as nações foram enganadas pelas tuas feitiçarias. E nela se achou o sangue dos profetas, e dos santos, e de todos os que foram mortos na terra.”

Nós vemos que através da história humana têm-se levantado muitos impérios construidos pelo orgulho e a arrogância de homens que rejeitam Deus e as suas leis.

Estes governantes pretendem ser humanistas que dizem trabalhar para o bem dos homens, mas no fundo têm governado os homens através da injustiça, violência e da crueldade. Os homens sabem que estas pretensões humanistas não passam de uma utopia, pois os impérios antigos e modernos que se vão levantandando uns atrás dos outros são uma prova dessa utopia. Contudo, estes governantes pensam que tendo agora controle dos destinos das sociedades através dos progressos feitos pela ciência, continuam a rejeitar o governo de Deus.

O último império do mundo, construído pelos três personagens que vemos em Apocalipse 12-13, o dragão a besta e o falso profeta, é um império comercial mundial que irá controlar completamente os homens e as operações industriais e comerciais, através de um sinal que será posto nas suas mãos direitas ou nas suas testas.

Apocalipse 13:16-18 “16 E faz que a todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e servos, lhes seja posto um sinal na sua mão direita, ou nas suas testas, 17 Para que ninguém possa comprar ou vender, senão aquele que tiver o sinal, ou o nome da besta, ou o número do seu nome. 18 Aqui há sabedoria. Aquele que tem entendimento, calcule o número da besta; porque é o número de um homem, e o seu número é seiscentos e sessenta e seis”.

1. O julgamento pronunciado 

As nações beberam o vinho da ira da sua prostituição...
Apocalipse 18 1-3 “1 E depois destas coisas vi descer do céu outro anjo, que tinha grande poder, e a terra foi iluminada com a sua glória. 2 E clamou fortemente com grande voz, dizendo: Caiu, caiu a grande babilônia, e se tornou morada de demônios, e covil de todo espírito imundo, e esconderijo de toda ave imunda e odiável. 3 Porque todas as nações beberam do vinho da ira da sua prostituição, e os reis da terra se prostituíram com ela; e os mercadores da terra se enriqueceram com a abundância de suas delícias.”

"Depois destas coisas" marca o início de uma nova visão.

No capítulo 17, João tem uma visão ligada com o aspecto religioso da Babilónia. Mas, depois de ter visto a Prostituta e ter-lhe sido explicado quem é a Prostituta e como irá seduzir as nações e de ter visto o seu extermínio, ele passa a ter a visão do aspecto comercial e político da Babilónia.

Não podemos esquecer que a Besta primeiramente deixou a Grande Prostituta assentar-se sobre o seu reino, dominando as religiões, povos e línguas de todo o mundo. O seu intento era unir os homens debaixo de um mesmo poder e para isto a Besta precisou da ajuda das religiões.

Mas, logo que o seu intento de colocar todo o mundo debaixo da sua autoridade com a ajuda de uma religião sincretista falsa foi atingido, ele desfez-se da Prostituta, pois toda a adoração a partir daí teria que ser dirigida a ele, o que aconteceu com a ajuda do Dragão e do Falso Profeta.

Apocalipse 17:15-17 “15 E disse-me: As águas que viste, onde se assenta a prostituta, são povos, e multidões, e nações, e línguas. 16 E os dez chifres que viste na besta são os que odiarão a prostituta, e a colocarão desolada e nua, e comerão a sua carne, e a queimarão no fogo. 17 Porque Deus tem posto em seus corações, que cumpram o seu intento, e tenham uma mesma idéia, e que dêem à besta o seu reino, até que se cumpram as palavras de Deus” .

Estão criadas as condições na terra para Deus fazer cair o seu julgamento sobre o reino da Besta, pois o ministério da iniquidade atingiu o máximo com a vinda da apostasia e a manifestação do homem do pecado, o filho da perdição.

O grande apóstata, a Besta do Apocalipse, que é a revelação do homem iníquo, virá com sinais e enganos e com poder para controlar, perseguir e matar todos aqueles que não receberem a sua marca nas mãos ou nas suas testas.

I I Tessalonicenses 2: 1-12 “1 Ora, irmãos, rogamo-vos, pela vinda de nosso Senhor Jesus Cristo, e pela nossa reunião com ele, 2 Que não vos movais facilmente do vosso entendimento, nem vos perturbeis, quer por espírito, quer por palavra, quer por epístola, como de nós, como se o dia de Cristo estivesse já perto. 3 Ninguém de maneira alguma vos engane; porque não será assim sem que antes venha a apostasia, e se manifeste o homem do pecado, o filho da perdição, 4 O qual se opõe, e se levanta contra tudo o que se chama Deus, ou se adora; de sorte que se assentará, como Deus, no templo de Deus, querendo parecer Deus. 5 Não vos lembrais de que estas coisas vos dizia quando ainda estava convosco? 6 E agora vós sabeis o que o detém, para que a seu próprio tempo seja manifestado. 7 Porque já o mistério da injustiça opera; somente há um que agora resiste até que do meio seja tirado; 8 E então será revelado o iníquo, a quem o Senhor desfará pelo assopro da sua boca, e aniquilará pelo esplendor da sua vinda; 9 A esse cuja vinda é segundo a eficácia de Satanás, com todo o poder, e sinais e prodígios de mentira, 10 E com todo o engano da injustiça para os que perecem, porque não receberam o amor da verdade para se salvarem. 11 E por isso Deus lhes enviará a operação do erro, para que creiam a mentira; 12 Para que sejam julgados todos os que não creram a verdade, antes tiveram prazer na iniqüidade”.

Notemos que neste texto está claramente revelado que a seguir à manifestação da Besta, o Senhor Jesus descerá do céu para o desfazer pelo assopro da sua boca, o que iremos ver no próximo capítulo. Este anjo que desce do céu para pronunciar o julgamento, revelando que há duas razões para que estes julgamentos tomem lugar:

Actividade demoníaca, pois no v 2 vemos que Babilónia se tornou “morada de demônios, e covil de todo espírito imundo, e esconderijo de toda ave imunda e odiável”

Sensualidade prostituição, salientado no v3 “as nações beberam do vinho da ira da sua prostituição, e os reis da terra se prostituíram com ela;”.

2. O julgamento pode ser evitado

Povo meu, não incorras nos seus pecados...
Apocalipse 18:4-5 ”4 E ouvi outra voz do céu, que dizia: Sai dela, povo meu, para que não sejas
participante dos seus pecados, e para que não incorras nas suas pragas. 5 Porque já os seus pecados se acumularam até ao céu, e Deus se lembrou das iniqüidades dela.

O julgamento pode ser evitado, por aqueles que ouvirem o apelo e sairem da Babilónia .

3. O julgamento é definido

Apocalipse 18:6-8 “6 Tornai-lhe a dar como ela vos tem dado, e retribuí-lhe em dobro conforme as suas obras; no cálice em que vos deu de beber, dai-lhe a ela em dobro. 7 Quanto ela se glorificou, e em delícias esteve, foi-lhe outro tanto de tormento e pranto; porque diz em seu coração: Estou assentada como rainha, e não sou viúva, e não verei o pranto. 8 Portanto, num dia virão as suas pragas, a morte, e o pranto, e a fome; e será queimada no fogo; porque é forte o Senhor Deus que a julga.

O pedido do anjo a Deus, é que Deus retribuia a Babilónia o dobro conforme as suas obras "dai-lhe ela e, dobro".

Dá-lhe a mesma medida com que ela se glorificou dizendo "Estou assentada como rainha, e não sou viúva, e não verei o pranto", e coloca o dobro da tua ira na mesma taça que ela utilizou para seduzir as nações como vemos no v 3 "as nações beberam do vinho da ira das suas prostituições".

Apocalipse 14:10 e 16:19 também fala da taça da ira de Deus dada a Babilónia.

Três pecados trouxeram a punição de Babilónia:

Babilónia caiu por causa da sua arrogância contra os céus
Primeiro, ela foi orgulhosa, glorificando-se a si própria.

Segundo, ela procurou gratificar-se a si própria, vivendo sensualmente.

Terceiro,declarou-se ser auto-suficiente, dizendo "estou assentada como rainha, não sou viúva e não verei pranto".

Por estes três pecados ela receberá tormendo e pranto. Tormento significa "tortura" e pranto é o lamento e dor que esta tortura vai produzir.

Depois o anjo diz que "num dia virão as suas pragas, a morte, e o pranto e a fome, e será queimada no fogo". Portanto a sua destruição não será progressiva, mas virá num momento, e num instante ela será destruída.

Em Daniel 5 vemos que a Babilónia do passado foi destruída no dia que Deus escreveu a sua punição na parede.

Não podemos esquecer que neste momento a Besta já destruíu a Grande Prostituta.

Portanto o império da Besta que é assim visto por João: "e vi a besta que tinha sete cabeças e dez chifres, e sobre os seus chifres dez diademas, e sobre as suas cabeçlas um nome de blasfémia", refere-se à Babilónia política ou comercial.

A Besta já destruíu a Grande Prostituta que representa a Babilónia religiosa, ou seja, o lado religioso deste Grande Império que irá surgir nos finais dos tempos.

Portanto, os castigos referidos em cima caem sobre a Babilónia política ou comercial, sobre a Besta, pois a Grande Prostituta já foi julgada e destruída pela própria Besta, certamente segundo os desígnios de Deus.

Nós vemos que no antigo Testamento que Deus utilizou a Babilónia como um instrumento para julgar as a apostasia das nações e da própria Nação de Israel. Mas Deus prometeu que depois iria julgar a Babilónia.

Isaías 47 descreve a destruição da Babilónia antiga de uma maneira incrível e muito semelhante à descrição em Apocalipse, mas com muito mais detalhes.

A passagem que estamos a ver em Apocalipse é simplesmente uma repetição resumida da destruição da Babilónia descrita em Isaías 47, mas desta vez, da Nova Babilónia dos finais dos tempos. Parece mesmo que João é inspirado por Isaías 47 para fazer esta descrição em Apocalipse.

A passagem de Isaías 47 em baixo, fala da destruição da Babilónia antiga como reino religioso, que seduziu as nações com as suas feitiçarias e prostituições e como reino político e comercial que dominou as nações com as suas riquezas. tronando-se na Rainha das nações. No Apocalipse é a destruição da Grande Prostituta, a religão falsa que vai encantar e seduzir as nações e a Besta que vai dominar as nações com poder e sinais.

Tudo indica que este império da Babilónia vai ser restaurado nos últimos dias. Melhor dizendo, o espírito que criou o antigo império Babilónico, irá criar um novo império, com os mesmo princípios diabólicos para enganar e seduzir o mundo e afastá-lo de Deus, que no Apocalipse é representado precisamente pela Besta que vemos assentado sobre a Grande Prostituta.

A queda da Babilónia - Isaias 47

Ó Babilónia, cidade invencível, vem senta-te no pó da terra. Ó filha da Caldeia, nunca mais tornarás a ser a encantadora e delicada princesa.

Toma a mó e mói a farinha; tira o véu, abre o teu vestido e descobre-te à vista de toda a gente.

Ficarás despida e envergonhada. Vingar-me-ei de ti e não me arrependerei.

Assim fala o nosso Redentor. O seu nome é Senhor dos exércitos celestiais, santo de Israel.

Senta-te nas trevas e no silêncio, ó Babilónia. Nunca mais serás chamada rainha dos reinos.

É verdade que eu estive irada contra o meu povo Israel e castiguei-os, deixando-os cair nas tuas mãos, ó Babilónia. Mas tu não foste compreensiva para com eles; e até os velhos obrigaste a carregarem com fardos insuportáveis.

Pensaste que o teu reino não acabaria mais. E nem um bocadinho te preocupaste com o meu povo ou pensaste no destino que teriam os que lhe fizessem mal.

Ó reino dos loucos prazeres, da vida fácil. Tu dizes: Sou única no mundo, sou como Deus! Nunca ficarei viúva. Nunca perderei os meus filhos.

Pois bem; estas duas coisas virão sobre ti duma só vez, e num só dia: a viuvez e a perda dos teus filhos; e isso apesar das tuas feitiçarias e artes de magia.

10 Sentias-te segura na tua maldade. Ninguém me pode ver, dizias. A tua sabedoria, o teu pseudo conhecimento das coisas, perverteram-te e acabaste por pensar: além de mim, mais nada!

11 É por essa razão que o mal virá sobre ti repentinamente, tão inesperadamente que nem te darás conta donde ele vem. E nessa altura já não haverá mais possibilidade para ti de resgate dos teus pecados.

12 Chama todos os bandos de demónios que adoraste durante todos estes anos. Pede-lhes para ferirem de novo de terror muitos corações.

13-14 Tens montes de conselheiros - os teus astrólogos e videntes, que tentam descobrir o futuro para ti. Mas ser-te-ão tão inúteis como restolho para queimar. Nem sequer a si mesmos podem livrar!

15 Não obterás deles ajuda absolutamente nenhuma; não te darão conforto nem protecção. E todos os teus amigos de infância desaparecerão da tua vista, fugirão, e te deixarão porque são incapazes de te socorrer.

4. O Julgamento é lamentado 

Ai! ai daquela grande babilónia, aquela forte cidade!
Apocalipse 18: 9-19 “9 E os reis da terra, que se prostituíram com ela, e viveram em delícias, a chorarão, e sobre ela prantearão, quando virem a fumaça do seu incêndio; 10 Estando de longe pelo temor do seu tormento, dizendo: Ai! ai daquela grande babilônia, aquela forte cidade! pois numa hora veio o seu juízo. 11 E sobre ela choram e lamentam os mercadores da terra; porque ninguém mais compra as suas mercadorias: 12 Mercadorias de ouro, e de prata, e de pedras preciosas, e de pérolas, e de linho fino, e de púrpura, e de seda, e de escarlata; e toda a madeira odorífera, e todo o vaso de marfim, e todo o vaso de madeira preciosíssima, de bronze e de ferro, e de mármore; 13 E canela, e perfume, e mirra, e incenso, e vinho, e azeite, e flor de farinha, e trigo, e gado, e ovelhas; e cavalos, e carros, e corpos e almas de homens. 14 E o fruto do desejo da tua alma foi-se de ti; e todas as coisas gostosas e excelentes se foram de ti, e não mais as acharás. 15 Os mercadores destas coisas, que com elas se enriqueceram, estarão de longe, pelo temor do seu tormento, chorando e lamentando, 16 E dizendo: Ai, ai daquela grande cidade! que estava vestida de linho fino, de púrpura, de escarlata; e adornada com ouro e pedras preciosas e pérolas! porque numa hora foram assoladas tantas riquezas. 17 E todo o piloto, e todo o que navega em naus, e todo o marinheiro, e todos os que negociam no mar se puseram de longe; 18 E, vendo a fumaça do seu incêndio, clamaram, dizendo: Que cidade é semelhante a esta grande cidade? 19 E lançaram pó sobre as suas cabeças, e clamaram, chorando, e lamentando, e dizendo: Ai, ai daquela grande cidade! na qual todos os que tinham naus no mar se enriqueceram em razão da sua opulência; porque numa hora foi assolada.”

A Bíblia parece indicar claramente que iremos assistir à restauração do Império Babilónico nos últimos dias.

O mundo tem assistido ao levantar de muitos impérios durante a história, vemos alguns principais impérios nomeados na Bíblia, por exemplo pela estátua que o Rei Nabucodonoz viu no seu sonho Daniel 2

Os impérios são sempre uma tentativa do homem querer parecer Deus, que é ele que tem poder para governar sobre tudo e sobre todos, e não Deus.

O maior império destes todos foi certamente a Babilónia e o maior imperador foi certamente Nabuconozor. Este império como vemos em Isaías 47 e em muitos textos na Bíblia era arrogante, poderoso e dominou sobre tudo e sobre todos com as suas feitiçarias, prostituições, encantos, poder militar e político e poder comercial.

Este último império falado em Apocalipse, o da Grande Prostituta e da Besta, será um império igual ao da Babilónia, a mesma arrogância, poderoso, dominando com as suas feitiçarias, prostituições, encantos, comércio e poder militar todas as nações do mundo. Mas nunca nenhum imperador pretendeu como a Besta vai pretender ser Deus, por isso é chamado de Anti-Cristo e se assentará no "Templo de Deus querendo parecer Deus". Daniel 7:25 e 2 Tessalonicenses 2:4

É possível que este Império venha de uma evolução da União Europeia ou de uma outra união de nações, que se ligará com outras potências mundiais debaixo da liderança da Besta e da ligação da Besta com uma religião sincretista universal, que dominará as potências mais pequenas e se voltará contra o povo de Deus, a Nação de Israel, pois a Besta "se opõe, e se levanta contra tudo o que se chama Deus, ou que se adora". 2 Tessaloniceneses 2:4

É por esta razão que a Besta também destruirá a Grande Prostituta, pois ele não admitirá que se adore mais nada senão a Ele próprio "de sorte que se assentará, como Deus, no Templo de Deus, querendo parecer Deus".

Mas, numa hora este império vai ser assolado, e todos os que comercializaram com Babilónia e puseram a confiança neste império, chorarão e lamentarão quando a virem destruída, e dirão "Ai da grande babilónia, aquela forte cidade! porque numa hora veio o seu juízo". Apocalipse 18:10

De novo vemos que o sua completa destruição não será gradual, mas numa hora será completamente destruída e os homens lamentar-se-ão sobre ela.

Tudo parece indicar que este texto está a falar da cidade de Babilónia que será reconstruída exactamente no mesmo local, ou pelo menos na mesma região que a antiga cidade de Babilónia. Mas há outras opiniões, pois outros pensam que deve ser Roma ou outra cidade.

5. O julgamento é regozijado 

Apocalipse 18:20 “20 Alegra-te sobre ela, ó céu, e vós, santos apóstolos e profetas; porque já Deus julgou a vossa causa quanto a ela".

A causa dos santos apóstolos e profetas que foram perseguidos e martirizados pelo nome de Cristo é finalmente julgada por Deus.

Os céus regojizam-se e os santos apóstolos e profetas porque Deus já julgou a sua causa, a justiça triunfou sobre a maldade e o pecado.

E Jesus Cristo é exaltado e virá estabelecer o Seu Reino Milenar na terra.

6. O julgamento é completado 

Apocalipse 18:21-23a 21 E um forte anjo levantou uma pedra como uma grande mó, e lançou-a no mar, dizendo: Com igual ímpeto será lançada babilônia, aquela grande cidade, e não será jamais achada. 22 E em ti não se ouvirá mais a voz de harpistas, e de músicos, e de flautistas, e de trombeteiros, e nenhum artífice de arte alguma se achará mais em ti; e ruído de mó em ti não se ouvirá mais; 23 E luz de candeia não mais luzirá em ti, e voz de esposo e de esposa não mais em ti se ouvirá;

Finalmente um forte anjo levanta uma pedra gigante e lança-a sobre o mar e diz que da mesma forma Babilónia será lançada e desaparecerá e não será mais achada. Nunca mais se ouvirá a sua música e todas as suas artes desaparecerão.

Não haverá mais trabalho, nem comida, nem casamentos.

E, as profecias sobre a destruição de Babilónia que vemos no antigo testamento serão completamente cumpridas. Isaías 13:19-22, 14:22-23, Jeremias 5o:13 e 39, 51:37.

Do ponto de vista literal que esta Interpretação Futurista do Apocalipse segue, tudo parece indicar que de facto Apocalipse está a falar da cidade de Babilónia. Se, assim for, a cidade de Babilónia será reconstruida pela Besta.

Ou seja, haverá a construção de uma cidade com o mesmo nome, no mesmo local ou pelo menos na mesma região de Babilónia.

Se quisermos ver isto de uma maneira mais simbólica e menos literal, estamos a falar de uma cidade onde será a sede do governo da Besta e a sede da religião sincrestista falsa representada pela Grande Prostituta sobre a qual a Besta está assentada. Uma cidade que alberga o espírito e os principios religiosos e comerciais da antiga civilização babilónica e da cidade da Babilónia, mas não tem nada a haver com Babilónia e a sua localização.

Mas eu prefiro a interpretação mais literal. Neste caso Babilónia é mesmo Babilónia que reina sobre uma civilização religiosa e comercial igual a dos tempos da civilização babilónica, só que será um império muito maior, pois as sociedades humanas e as nações de hoje são muito maiores também.

7. O julgamento é justificado

Apocalipse 18:23b-24 “23b porque os teus mercadores eram os grandes da terra; 24 porque todas as nações foram enganadas pelas tuas feitiçarias. E nela se achou o sangue dos profetas, e dos santos, e de todos os que foram mortos na terra.”

Nó vemos neste texto as razões que tornam justos estes julgamentos.

Primeiro, os grandes comerciantes tornaram-se os senhores da terra, utilizando certamente as suas riquezas para ascenderem a posições de poder, proeminência e influência sobre todas as estruturas políticas, sociais e económicas das nações, v 23b “porque os teus mercadores eram os grandes da terra.

Segundo, a feitiçaria vindas da Babilónia religiosa enganaram e seduziram as nações, v 24a “porque todas as nações foram enganadas pelas tuas feitiçarias”.

Terceiro, Deus fez cair o julgamento sobre a Babilónia por causa do sangue dos santos que foi derramado v 24b “E nela se achou o sangue dos profetas, e dos santos, e de todos os que foram mortos na terra.”.

Depois destas coisas, João ouve os céus regozijarem-se porque a Grande Prostituta foi julgada e pela salvação, e glória, e honra e poder que pertencem a Deus:

Apocalipse 19:1-2 “1 E, depois destas coisas ouvi no céu como que uma grande voz de uma grande multidão, que dizia: Aleluia! Salvação, e glória, e honra, e poder pertencem ao Senhor nosso Deus; 2 Porque verdadeiros e justos são os seus juízos, pois julgou a grande prostituta, que havia corrompido a terra com a sua prostituição, e das mãos dela vingou o sangue dos seus servos.

Para quem conhecer a língua inglesa pode consultar o site em baixo que explica de forma muito esclarecedora duas interpretações sobre esta questão da religião, negócio e queda da Babilónia. No entanto, a interpretação que está a ser seguida neste estudo, é a Futurista.


K. A Segunda Vinda de Cristo

assentado sobre ele chama-se Fiel e Verdadeiro
Apocalipse 19:1-21 Apocalipse 19:1-10 “1 E, depois destas coisas ouvi no céu como que uma grande voz de uma grande multidão, que dizia: Aleluia! Salvação, e glória, e honra, e poder pertencem ao Senhor nosso Deus; 2 Porque verdadeiros e justos são os seus juízos, pois julgou a grande prostituta, que havia corrompido a terra com a sua prostituição, e das mãos dela vingou o sangue dos seus servos. 3 E outra vez disseram: Aleluia! E a fumaça dela sobe para todo o sempre. 4 E os vinte e quatro anciãos, e os quatro animais, prostraram-se e adoraram a Deus, que estava assentado no trono, dizendo: Amém. Aleluia! 5 E saiu uma voz do trono, que dizia: Louvai o nosso Deus, vós, todos os seus servos, e vós que o temeis, assim pequenos como grandes. 6 E ouvi como que a voz de uma grande multidão, e como que a voz de muitas águas, e como que a voz de grandes trovões, que dizia: Aleluia! pois já o Senhor Deus Todo-Poderoso reina. 7 Regozijemo-nos, e alegremo-nos, e demos-lhe glória; porque vindas são as bodas do Cordeiro, e já a sua esposa se aprontou. 8 E foi-lhe dado que se vestisse de linho fino, puro e resplandecente; porque o linho fino são as justiças dos santos. 9 E disse-me: Escreve: Bem-aventurados aqueles que são chamados à ceia das bodas do Cordeiro. E disse-me: Estas são as verdadeiras palavras de Deus. 10 E eu lancei-me a seus pés para o adorar; mas ele disse-me: Olha não faças tal; sou teu conservo, e de teus irmãos, que têm o testemunho de Jesus. Adora a Deus; porque o testemunho de Jesus é o espírito de profecia. 11 E vi o céu aberto, e eis um cavalo branco; e o que estava assentado sobre ele chama-se Fiel e Verdadeiro; e julga e peleja com justiça. 12 E os seus olhos eram como chama de fogo; e sobre a sua cabeça havia muitos diademas; e tinha um nome escrito, que ninguém sabia senão ele mesmo. 13 E estava vestido de uma veste salpicada de sangue; e o nome pelo qual se chama é a Palavra de Deus. 14 E seguiam-no os exércitos no céu em cavalos brancos, e vestidos de linho fino, branco e puro. 15 E da sua boca saía uma aguda espada, para ferir com ela as nações; e ele as regerá com vara de ferro; e ele mesmo é o que pisa o lagar do vinho do furor e da ira do Deus Todo-Poderoso. 16 E no manto e na sua coxa tem escrito este nome: Rei dos reis, e Senhor dos senhores. 17 E vi um anjo que estava no sol, e clamou com grande voz, dizendo a todas as aves que voavam pelo meio do céu: Vinde, e ajuntai-vos à ceia do grande Deus; 18 Para que comais a carne dos reis, e a carne dos tribunos, e a carne dos fortes, e a carne dos cavalos e dos que sobre eles se assentam; e a carne de todos os homens, livres e servos, pequenos e grandes. 19 E vi a besta, e os reis da terra, e os seus exércitos reunidos, para fazerem guerra àquele que estava assentado sobre o cavalo, e ao seu exército. 20 E a besta foi presa, e com ela o falso profeta, que diante dela fizera os sinais, com que enganou os que receberam o sinal da besta, e adoraram a sua imagem. Estes dois foram lançados vivos no lago de fogo que arde com. 21 E os demais foram mortos com a espada que saía da boca do que estava assentado sobre o cavalo, e todas as aves se fartaram das suas carnes.”

1. As razões para haver alegria nos céus

Aleluia! Salvação, e glória, e honra e poder...
Apocalipse 19:1 “1 E, depois destas coisas ouvi no céu como que uma grande voz de uma grande multidão, que dizia: Aleluia! Salvação, e glória, e honra, e poder pertencem ao Senhor nosso Deus".

A Salvação histórica completa chegou para o povo de Deus.

“E depois destas coisas” marca o início de uma nova visão. Esta visão toma lugar depois da destruição da Babilónia e antes do regresso glorioso de Jesus Cristo para estabelecer o seu Reino Milenar na terra.

O louvor nos ceús vai aumentando conforme os julgamentos de Deus vão caindo sobre o o mundo e o Reino da Besta, na segunda parte da Grande Tribulação, nos três anos e meio chamados de grande aflição.

É nesta altura em que o diabo é vencido nos céus e lançado por terra e juntamente com a Besta e o Falso Profeta começa a perseguir e a matar a semente santa, tanto os judeus, como os gentios que se converteram depois do arrebatamento da Igreja, durante a Grande Tribulação que vai durar 7 anos.

Neste momento a alegria e regozijo nos céus atinge um expoente máximo. Os céus alegram exuberantemente pois daqui a pouco os pecadores serão removidos da terra e Deus será honrado como merece.

O Diabo e a Besta serão vencidos, Cristo será entronizado e a glória da terra será restaurada como era no princípio antes do pecado original ter entrado no mundo.

O coro celestial alegra-se clamando “Aleluia”! Salvação, e glória, e honra, e poder pertencem ao Senhor nosso Deus".

Expressando desta forma a chegada da completa salvação histórica para a Nação de Israel, o povo de Deus, ao estabelecer-se o Reino Milenar de Cristo na terra, cumprindo-se assim todas as profecias antigas sobre a restauração futura da Nação de Israel e o reinado do sucessor de Davi, o Rei dos Reis e Senhor dos Senhores, o nosso Senhor Jesus Cristo.

Cristo, reina do trono de Davi, e torna Israel a mais importante Nação do mundo.

2. As quatro alianças incondicionais de Deus com a Nação de Israel:

Aliança Abraâmica (Gênesis 12.1-3) – nesta aliança Deus promete fazer de Abraão uma grande nação; esta nação teria a posse da terra; receberiam as bênçãos universais de Deus e através deles, se estenderiam a toda a nação esta mesma bênção por intermédio de Jesus Cristo.

Aliança Palestiniana (Deuteronômio 30.3-10) – uma extensão da Aliança Abraâmica, onde Deus cita mais detalhes sobre a ocupação da Terra Prometida e as bênçãos concernentes a esta ocupação. Através desta aliança a restauração final e a conversão de Israel são garantidas.

Aliança Davídica (2Samuel 7.4-17; 1Crônicas 17:3-15) – nesta Aliança, Deus prometeu que Israel sempre teria um rei da linhagem de Davi, portanto, o trono seria de possessão perpétua da família Davídica, descendentes da tribo de Judá, sendo que este rei reinaria sobre a nação como um todo.

Nova Aliança (Jeremias 31.27-40; Hebreus 8.7-13) – estabelece um novo coração para Israel, uma conversão genuína e autêntica. É estabelecida sobre o sacrifício vicário de Cristo e, por causa disso, garante bênção eterna para todo aquele que crê.

Nota-se que o devido cumprimento total destas alianças de Deus com Israel será plenamente estabelecido no Reino Milenar de Cristo na terra.

Existe mais uma aliança com a Nação de Israel, a Aliança Mosaica, que era condicional e Israel falhou em cumpri-la:

Aliança Mosaica (Deuteronômio 11). A Aliança Mosaica era uma aliança condicional que ou trazia bênção direta de Deus pela obediência ou maldição direta de Deus pela desobediência sobre a nação de Israel.

Uma parte da Aliança Mosaica (Êxodo 20) eram os Dez Mandamentos e o resto da Lei, que continha mais de 600 comandos, cerca de 300 negativos e 300 positivos. Os livros de história do Antigo Testamento detalham (Josué-Ester) como Israel sucedeu ou fracassou miseravelmente em obediência à Lei. Deuteronômio 11:26-28 detalha o tema de bênção/maldição.

Além dessas cinco alianças com Israel, que a Interpretação Futurista pensa que quatro são incondicionais e se cumprirão no futuro com a Restauração de Israel no Reino Milenar de Cristo, e uma é condicional, quebrada por Israel, mas que introduz a salvação de Cristo ao mundo para os judeus e gentios, existem ainda mais duas alianças, mas estas foram feitas entre Deus e a Humanidade:

Aliança Adâmica em duas partes: a Aliança Edênica (inocência) e a Aliança Adâmica (graça) (Gênesis 3:16-19). A Aliança Edênica é encontrada em Gênesis 1:26-30; 2:16-17. Ela delineia a responsabilidade do homem para com a criação e a direção de Deus a respeito da árvore do conhecimento do bem e do mal. A Aliança Adâmica incluía as maldições proferidas contra a humanidade por causa do pecado de Adão e Eva, assim como a provisão de Deus para esse pecado (Gênesis 3:15).

Aliança Noética foi uma aliança incondicional entre Deus e Noé (especificamente) e Deus e a humanidade (em geral). Depois do dilúvio, Deus prometeu à humanidade que nunca mais destruiria toda a vida na Terra com um dilúvio (ver Gênesis capítulo 9). Deus deu o arco-íris como sinal da aliança, a promessa de que toda a terra nunca mais teria um dilúvio e um lembrete de que Deus pode e vai julgar o pecado (2 Pedro 2:5).

3. A justiça de Deus é cumprida 

Apocalipse 19:2 “Porque verdadeiros e justos são os seus juízos, pois julgou a grande prostituta, que havia corrompido a terra com a sua prostituição, e das mãos dela vingou o sangue dos seus servos”.

O coro celestial regozija de alegria também pois os julgamentos de Deus sobre a perversa Babilónia são “verdadeiros e justos”. Babilónia é identificada como a grande prostituta Apocalipse 17:1, 15-16, que debaixo do sistema político e religioso satânico da Besta seduzem os descrentes para acreditarem nas mentiras de satanás.

Os julgamentos de Deus são “verdadeiros e justos” também, pois Deus faz justiça ao sangue dos santos derramado pela perseguição e maltratos impostos por este sistema liderado pela Besta. Que Deus irá vingar o sangue derramado do seu povo é claramente ensinado nas escrituras como vemos em Deuteronómio 32:42-43

4. A revolta é terminada e Deus toma o controle.

Apocalipse 19:3-6 “3 E outra vez disseram: Aleluia! E a fumaça dela sobe para todo o sempre. 4 E os vinte e quatro anciãos, e os quatro animais, prostraram-se e adoraram a Deus, que estava assentado no trono, dizendo: Amém. Aleluia! 5 E saiu uma voz do trono, que dizia: Louvai o nosso Deus, vós, todos os seus servos, e vós que o temeis, assim pequenos como grandes. 6 E ouvi como que a voz de uma grande multidão, e como que a voz de muitas águas, e como que a voz de grandes trovões, que dizia: Aleluia! pois já o Senhor Deus Todo-Poderoso reina.

v3 "E outra vez disseram: Aleluia! E a fumaça dela sobe para todo o sempre".

A destruição do último império na história da humanidade, marca o final do reinado do homem na terra, e os céus regozijam-se de alegria pela destruição da Babilónia religiosa, simbolizada pela Grande Prostituta que é queimada a fogo e da Babilónia política e comercial cujo o líder é a Besta que é derrotada pela vinda de Cristo e juntamente com o Falso Profeta, os dois são lançados no lago de fogo.

A revolta do homem contra Deus finalmente termina e Deus toma de novo o controle do mundo.

5. As bodas do cordeiro

Apocalipse 19:7-10 “7 Regozijemo-nos, e alegremo-nos, e demos-lhe glória; porque vindas são as bodas do Cordeiro, e já a sua esposa se aprontou. 8 E foi-lhe dado que se vestisse de linho fino, puro e resplandecente; porque o linho fino são as justiças dos santos. 9 E disse-me: Escreve: Bem-aventurados aqueles que são chamados à ceia das bodas do Cordeiro. E disse-me: Estas são as verdadeiras palavras de Deus. 10 E eu lancei-me a seus pés para o adorar; mas ele disse-me: Olha não faças tal; sou teu conservo, e de teus irmãos, que têm o testemunho de Jesus. Adora a Deus; porque o testemunho de Jesus é o espírito de profecia.

v 7 "Regozijemo-nos, e alegremo-nos, e demos-lhe glória; porque vindas são as bodas do Cordeiro, e já a sua esposa se aprontou".

Vemos que o louvor celestial continua, desta vez louvando e glorificando a Deus pelas Bodas do Cordeiro, porque já a sua esposa foi arrebatada aos céus e está pronta para as bodas celestiais, entre o esposo que é Jesus Cristo e a esposa que é a Igreja.

v 9 "Bem aventurados aqueles que são chamados à ceia das bodas do Cordeiro". Esta é a quarta das sete bem aventuranças do Apocalipse como já vimos no início deste comentário.

Estes convidados não são a Igreja, pois a Igreja é a noiva, e não precisa de ser convidada para as suas bodas. Estes convidados são os crentes do Antigo Testamento.

Mateus 8:11 fala de Abraão, Isaque e Jacó assentados à mesa no Reino de Deus com muitos que virão do Ocidente e do Oriente.

Lucas 13:28 fala dos profetas que estarão no Reino de Deus com Abraão, Isaque e Jacó. Todos os heróis do Antigo Testamento mencionados em Hebreus 11 serão convidados às Bodas do Cordeiro, assim como João Batista, Mateus 11:11.

Além destes, todos os santos que passarão pela Grande Tribulação serão também convidados às Bodas do Cordeiro. De certo modo, estes convidados falam de todos os crentes aparte da Igreja, ou seja, os crentes do Antigo Testamento e os crentes após o Arrebatamento da Igreja, que viverão durante os sete anos da Grande Tribulação.

Depois das Bodas do Cordeiro efectuadas, a seguir ao Arrebatamento da Igreja, no final da Grande Tribulação, Cristo descerá dos céus acompanhado dos seus exércitos celestiais, entre os quais estarão os anjos, os crentes do Antigo Testamento e da Grande Tribulação, e acompanhado também pela sua Esposa - a Igreja.

É esta visão que João tem de Deus e de Cristo no seu trono, rodeado pelos anjos, pelos quatro seres viventes e pelos vinte quatro anciãos, em Apocalipse 4 e 7.

Os anjos falam dos exércitos celestiais criados por Deus para o seu trabalho e louvor.

Os quatro seres viventes representam uma categoria de anjos que tem uma função muito especial à volta do trono de Deus e que terão um papel muito importante no livro do Apocalipse, durante os acontecimentos do final do mundo anunciados no Apocalipse.

Os vinte e quatro anciãos representam os crentes do Antigo Testamento e os crentes da era da Igreja.

Mas, Apocalipse 7 fala também de uma multidão que João vê a seguir, que são os santos que virão da Grande Tribulação.  

Vamos lembrar novamente as sete Bem-aventuranças:
Apocalipse 1:3 “3 Bem-aventurado aquele que lê, e os que ouvem as palavras desta profecia, e guardam as coisas que nela estão escritas; porque o tempo está próximo".

"porque o tempo está próximo", este termo "tempo" não se refere ao tempo do nosso relógio ou do nosso calendário, mas a estações ou eras.

A próxima "era" na história da redenção virá com a vinda do nosso Senhor Jesus Cristo. O regresso de Cristo tem sido sempre a grande esperança da Igreja.

O Senhor Jesus disse aos seus seguidores para esperarem com expectação pelo seu regresso, como vemos em Lucas 12:35-40. Os apóstolos Paulo, Pedro, Tiago e João todos eles disseram que o "tempo" do seu regresso está perto, Romanos 13:12, I Pedro 4:7, Tiago 5:7-9, I João 2:18.

Portanto, Bem-aventurados aqueles que lêm e guardam estas profecias acerca dos finais dos tempos e do seu regresso, porque o "tempo" do seu regresso está próximo.

Há sete Bem-aventuranças no Livro do Apocalipse como podemos ver em baixo:

Bem-aventurado aquele:

Apocalipse 1:3 "Bem-aventurado aquele que lê, e os que ouvem as palavras desta profecia, e guardam as coisas que nela estão escritas"

Bem-aventurado os mortos:

Apocalipse 14:13 "Bem-aventurado os mortos que, desde agora, morrem no Senhor".

Bem-aventurado os que vigiam, pois venho como ladrão:

Apocalipse 16:15 "Eis que venho como ladrão. Bem-aventurado aquele que vigia, e guarda os seus vestidos, para que não ande nu, e não se vejam as suas vergonhas".

Bem-aventurados aqueles :

Apocalipse 19:9 "Bem-aventurados aqueles que são chamados à ceia das bodas do Cordeiro".

Bem-aventurado aquele:

Apocalipse 20:6 "Bem -aventurado e santo aquele que tem parte na primeira ressureição".

Bem-aventurado aquele:

Apocalipse 22:7 "Bem-aventurado aquele que guarda as palavras da profecia deste livro".

Bem-aventurado aqueles:

Apocalipse 22:14 "Bem-aventurados aqueles que lavam as suas vestiduras no sangue do Cordeiro, para que tenham direito à árvore da vida, e possam entrar na cidade pelas portas".

6. O Glorioso regresso do Senhor Jesus Cristo 

Apocalipse 19:11-21 “11 E vi o céu aberto, e eis um cavalo branco; e o que estava assentado sobre ele chama-se Fiel e Verdadeiro; e julga e peleja com justiça. 12 E os seus olhos eram como chama de fogo; e sobre a sua cabeça havia muitos diademas; e tinha um nome escrito, que ninguém sabia senão ele mesmo. 13 E estava vestido de uma veste salpicada de sangue; e o nome pelo qual se chama é a Palavra de Deus. 14 E seguiam-no os exércitos no céu em cavalos brancos, e vestidos de linho fino, branco e puro. 15 E da sua boca saía uma aguda espada, para ferir com ela as nações; e ele as regerá com vara de ferro; e ele mesmo é o que pisa o lagar do vinho do furor e da ira do Deus Todo-Poderoso. 16 E no manto e na sua coxa tem escrito este nome: Rei dos reis, e Senhor dos senhores. 17 E vi um anjo que estava no sol, e clamou com grande voz, dizendo a todas as aves que voavam pelo meio do céu: Vinde, e ajuntai-vos à ceia do grande Deus; 18 Para que comais a carne dos reis, e a carne dos tribunos, e a carne dos fortes, e a carne dos cavalos e dos que sobre eles se assentam; e a carne de todos os homens, livres e servos, pequenos e grandes. 19 E vi a besta, e os reis da terra, e os seus exércitos reunidos, para fazerem guerra àquele que estava assentado sobre o cavalo, e ao seu exército. 20 E a besta foi presa, e com ela o falso profeta, que diante dela fizera os sinais, com que enganou os que receberam o sinal da besta, e adoraram a sua imagem. Estes dois foram lançados vivos no lago de fogo que arde com. 21 E os demais foram mortos com a espada que saía da boca do que estava assentado sobre o cavalo, e todas as aves se fartaram das suas carnes.”

a) A segunda vinda de Cristo à terra é distinta do arrebatamento da Igreja. 

A seguir ao arrebatamento da Igreja dá-se a Tribulação de sete anos que vai cair sobre a terra depois do arrebatamento.

No arrebatamento Cristo desce para vir buscar os seus santos e levá-los com Ele para os céus, como vemos em João14:3, I Tessalonicenses 4:16-17.

Na segunda metade da Tribulação dá-se a Grande Tribulação ou “grande aflição” mencionada muito especialmente em Mateus. Mateus 24:21 “Porque haverá então grande aflição, como nunca houve, desde o principio do mundo até agora, nem tão pouco haverá”. 

b) Cristo derrota a Besta e os seus exércitos e prende satanás por 1000 anos

Apocalipse 19:19-20 “19 E vi a besta, e os reis da terra, e os seus exércitos reunidos, para fazerem guerra àquele que estava assentado sobre o cavalo, e ao seu exército. 20 E a besta foi presa, e com ela o falso profeta, que diante dela fizera os sinais, com que enganou os que receberam o sinal da besta, e adoraram a sua imagem. Estes dois foram lançados vivos no lago de fogo que arde com.”

Depois de derrotada, a Besta e o Falso Profeta são lançados no lago de fogo.

Antes de estabelecer o Seu Reino Milenar,  Cristo prende satanás por 1000 anos e depois estabelece o Milênio.

Apocalipse 20:1-3 “1 E vi descer do céu um anjo, que tinha a chave do abismo, e uma grande cadeia na sua mão. 2 Ele prendeu o dragão, a antiga serpente, que é o Diabo e Satanás, e amarrou-o por mil anos. 3 E lançou-o no abismo, e ali o encerrou, e pôs selo sobre ele, para que não mais engane as nações, até que os mil anos se acabem. E depois importa que seja solto por um pouco de tempo.”

L. O Milênio

Apocalipse 20:1-10 “1 E vi descer do céu um anjo, que tinha a chave do abismo, e uma grande cadeia na sua mão. 2 Ele prendeu o dragão, a antiga serpente, que é o Diabo e Satanás, e amarrou-o por mil anos. 3 E lançou-o no abismo, e ali o encerrou, e pôs selo sobre ele, para que não mais engane as nações, até que os mil anos se acabem. E depois importa que seja solto por um pouco de tempo. 4 E vi tronos; e assentaram-se sobre eles, e foi-lhes dado o poder de julgar; e vi as almas daqueles que foram degolados pelo testemunho de Jesus, e pela palavra de Deus, e que não adoraram a besta, nem a sua imagem, e não receberam o sinal em suas testas nem em suas mãos; e viveram, e reinaram com Cristo durante mil anos. 5 Mas os outros mortos não reviveram, até que os mil anos se acabaram. Esta é a primeira ressurreição. 6 Bem-aventurado e santo aquele que tem parte na primeira ressurreição; sobre estes não tem poder a segunda morte; mas serão sacerdotes de Deus e de Cristo, e reinarão com ele mil anos. 7 E, acabando-se os mil anos, Satanás será solto da sua prisão, 8 E sairá a enganar as nações que estão sobre os quatro cantos da terra, Gogue e Magogue, cujo número é como a areia do mar, para as ajuntar em batalha. 9 E subiram sobre a largura da terra, e cercaram o arraial dos santos e a cidade amada; e de Deus desceu fogo, do céu, e os devorou. 10 E o diabo, que os enganava, foi lançado no lago de fogo e enxofre, onde está a besta e o falso profeta; e de dia e de noite serão atormentados para todo o sempre.”

O ensinamento sobre o Reino de Deus não está confinado somente ao Novo Testamento. O Reino de Deus é um tema importante através de toda a Bíblia. Vemos pela Bíblia que estabelecimento do Reino de Deus na terra é o objectivo para o qual toda a História humana progride, e que culminará com o Milénio.

Um estudo profundo do livro de Apocalipse é talvez a melhor maneira de compreendermos que é só mesmo no futuro que o Reino de Deus será completamente estabelecido sobre a terra.

Como podemos ler, por exemplo, quando a sétima trombeta toca, dando começo às setes taças da ira de Deus, em Apocalipse 11:15:

"e houve nos céus grandes vozes, que diziam: Os reinos do mundo, vieram a ser do nosso Senhor Jesus Cristo, e ele reinará para todo o sempre".

O livro de Apocalipse fala precisamente da derrota completa do diabo, o deus deste século, que usurpou os reinos deste mundo e do estabelecimento do Reino de Deus na terra, através de Cristo, por 1000 anos e que continuará pela eternidade fora. Portanto o Reino de Deus e o Milénio estão ligados.

1. Vemos que a Bíblia utiliza alguns nomes para o Milénio: 

“Regeneração” em Mateus 19:28 “E Jesus disse-lhes: Em verdade vos digo que vós, que me seguistes, quando, na regeneração, o Filho do homem se assentar no trono da sua glória, também vos assentareis sobre doze tronos, para julgar as doze tribos de Israel”.

“Tempos de refrigério” em Atos 3:19 “Arrependei-vos, pois, e convertei-vos, para que sejam apagados os vossos pecados, e venham assim os tempos do refrigério pela presença do Senhor”.

“Tempos da restauração de tudo” em Atos 3:21 “O qual convém que o céu contenha até aos tempos da restauração de tudo, dos quais Deus falou pela boca de todos os seus santos profetas, desde o princípio”.

“Dispensação da plenitude dos tempos” em Efésios 1:10 “De tornar a congregar em Cristo todas as coisas, na dispensação da plenitude dos tempos, tanto as que estão nos céus como as que estão na terra”.

O ensinamento sobre o Reino de Deus não está confinado somente ao Novo Testamento.

O Reino de Deus é um tema importante através de toda a Bíblia. O estabelecimento do Reino de Deus na terra é o objectivo para o qual todo a história humana progride. Todos os textos da Bíblia, incluindo Apocalipse 20 a 22 parecem apoiar claramente a escola Futurista, que ensina o ponto de vista Pré-milenista sobre o Apocalipse e a Escatologia em geral.

O Pré-Milenismo ensina que o Milênio faz referência ao futuro reino físico que Cristo estabelecerá na terra quando do seu regresso, depois do Arrebatamento da Igreja e da Tribulação. O Reino que terá como capital Jerusalém durará mil anos, após qual este mundo será destruído e substituído pelos novos céus e a nova terra.

Esta interpretação é a forma mais natural e literal de compreender Apocalipse 20 a 22.

Todos os pré-milenistas acreditam que a Tribulação durará 7 anos e acreditam também que a partir da segunda metade, ou depois de três anos e meio, a Tribulação atinge o máximo e dá lugar à chamada Grande Tribulação ou Grande Aflição.

Mateus 24:21 “Porque haverá então grande aflição, como nunca houve, desde o principio do mundo até agora, nem tão pouco haverá”.

A maior parte dos Pré-milenistas acham que a Igreja será arrebatada antes da Tribulação, ou seja antes dos sete anos. Mas há alguns que acreditam que a Igreja estará na terra na primeira parte da Tribulação, e só será arrebatada antes da segunda parte a chamada Grande Tribulação.

2. As três grandes escolas de interpretação sobre o Milênio:

Pós-milenismo - Através da influência do Cristianismo a sociedade continuará a desenvolver-se até atingir um estado de completa paz e justiça na terra. Então são os crentes que trarão o milênio à terra. Cristo voltará depois de um período de paz e prosperidade tiver sido estabelecido na terra.

Pré-milenismo - O Milênio faz referência ao futuro reino físico que Cristo estabelecerá na terra quando do seu regresso, depois do Arrebatamento da Igreja e da Tribulação. O Reino que terá como capital Jerusalém durará mil anos, após qual este mundo será destruído e substituído pelos novos céus e a nova terra.

Esta interpretação é a forma mais natural e literal de compreender Apocalipse 20 a 22. Todos os pré-milenistas acreditam que a Tribulação durará 7 anos e acreditam também que a partir da segunda metade, ou depois de três anos e meio, a Tribulação atinge o máximo e dá lugar à chamada Grande Tribulação ou Grande Aflição.

Mateus 24:21 “Porque haverá então grande aflição, como nunca houve, desde o principio do mundo até agora, nem tão pouco haverá”. Mas uns acham que a Igreja será arrebatada antes da Tribulação, ou seja antes dos sete anos.

E outros acreditam que a Igreja estará na terra na primeira parte da Tribulação, e só será arrebatada antes da segunda parte a chamada Grande Tribulação.

Amilenismo – O Milênio não é um reino físico de mil anos estabelecido na terra. É antes um reino espiritual, fazendo referência ao reino de Cristo na vida e nos corações dos crentes durante o tempo da Igreja. Alguns amilenistas acreditam que este reino faz referência a um reino no céu, aonde os santos estão a reinar com Ele.  Mas todos rejeitam a noção de um reino físico milenar na terra.

Embora hajam alguns pontos de vista sobre os finais dos tempos, todos os lados concordam que uma interpretação literal das profecias do Antigo Testamento conduzem-nos naturalmente para uma interpretação bílbica Pré-milenista.

3. As quatro alianças incondicionais de Deus com a Nação de Israel:

Como vimos no ponto sobre a Vinda de Cristo, a Interpretação Futurista sobre o Milénio analisa as alianças que Deus fez com a Nação de Israel da seguinte forma:

Aliança Abraâmica (Gênesis 12.1-3) – nesta aliança Deus promete fazer de Abraão uma grande nação; esta nação teria a posse da terra; receberiam as bênçãos universais de Deus e através deles, se estenderiam a toda a nação esta mesma bênção por intermédio de Jesus Cristo.

Aliança Palestiniana (Deuteronômio 30.3-10) – uma extensão da Aliança Abraâmica, onde Deus cita mais detalhes sobre a ocupação da Terra Prometida e as bênçãos concernentes a esta ocupação. Através desta aliança a restauração final e a conversão de Israel são garantidas.

Aliança Davídica (2Samuel 7.4-17; 1Crônicas 173-15) – nesta Aliança, Deus prometeu que Israel sempre teria um rei da linhagem de Davi, portanto, o trono seria de possessão perpétua da família Davídica, descendentes da tribo de Judá, sendo que este rei reinaria sobre a nação como um todo.

Nova Aliança (Jeremias 31.27-40; Hebreus 8.7-13) – estabelece um novo coração para Israel, uma conversão genuína e autêntica. É estabelecida sobre o sacrifício vicário de Cristo e, por causa disso, garante bênção eterna para todo aquele que crê.

Nota-se que o devido cumprimento total destas alianças de Deus com Israel será plenamente estabelecido no Reino Milenar de Cristo na terra.

Aliança Mosaica (Deuteronômio 11). A Aliança Mosaica era uma aliança condicional que ou trazia bênção direta de Deus pela obediência ou maldição direta de Deus pela desobediência sobre a nação de Israel.

Uma parte da Aliança Mosaica (Êxodo 20) eram os Dez Mandamentos e o resto da Lei, que continha mais de 600 comandos, cerca de 300 negativos e 300 positivos. Os livros de história do Antigo Testamento detalham (Josué-Ester) como Israel sucedeu ou fracassou miseravelmente em obediência à Lei. Deuteronômio 11:26-28 detalha o tema de bênção/maldição.

Além dessas cinco alianças com Israel, que a Interpretação Futurista pensa que quatro são incondicionais e se cumprirão no futuro com a Restauração de Israel no Reino Milenar de Cristo, e uma é condicional, quebrada por Israel, mas que introduz a salvação de Cristo ao mundo para os judeus e gentios, existem ainda mais duas alianças, mas estas foram feitas entre Deus e a Humanidade:

Aliança Adâmicaem duas partes: a Aliança Edênica (inocência) e a Aliança Adâmica (graça) (Gênesis 3:16-19). A Aliança Edênica é encontrada em Gênesis 1:26-30; 2:16-17. Ela delineia a responsabilidade do homem para com a criação e a direção de Deus a respeito da árvore do conhecimento do bem e do mal. A Aliança Adâmica incluía as maldições proferidas contra a humanidade por causa do pecado de Adão e Eva, assim como a provisão de Deus para esse pecado (Gênesis 3:15).

Aliança Noéticafoi uma aliança incondicional entre Deus e Noé (especificamente) e Deus e a humanidade (em geral). Depois do dilúvio, Deus prometeu à humanidade que nunca mais destruiria toda a vida na Terra com um dilúvio (ver Gênesis capítulo 9). Deus deu o arco-íris como sinal da aliança, a promessa de que toda a terra nunca mais teria um dilúvio e um lembrete de que Deus pode e vai julgar o pecado (2 Pedro 2:5).


4. Finalmente, vejamos para quem será o Milênio

a) Jesus Cristo, como Rei Supremo (Zacarias 14.9);

b) Para os Salvos (1Tessalonicenses 4.16-17);

c) Para o remanescente (nações) da Grande Tribulação (Mateus 25.31-46);

d) Para os judeus sobreviventes (Deuteronômio 28.13; Isaías 60.10-15; Zacarias 8.20,23).

O Lugar do Reino: será na Terra, refletindo não somente o aspecto espiritual, mas também o terreal (Isaías 65.21; Mateus 5.25-26; Apocalipse 5.9-10).

A Capital do Reino: será Jerusalém (Salmo 48.1-3). Biblicamente, a Palestina é o centro geográfico da Terra. Será o centro de adoração para todos os povos.

A Universalidade do Reino: o reino do Messias será universal abrangendo o mundo inteiro (Ezequiel 43.1-7; Mateus 25.31; Zacarias 14.9; Salmo 72).

Israel no Reino: tendo Cristo como Seu Messias e Cabeça, Israel se tornará a nação líder do mundo, não mais a “cauda” (Deuteronômio 28.13-44; Isaías 60.10-15; Zacarias 8.20-23).

A Igreja no Reino: a posição da Igreja será de esposa ao lado do Esposo, e a Rainha ao lado do Rei. A Igreja reinará com Jesus Cristo (Apocalipse 19 e 20).

0 Rei no Reino: Jesus Cristo será o Rei. Abaixo dEle estará o grande Rei Davi.

Provas de que Jesus, o sucessor de Davi é o regente no milênio (Oséias 3.5; Ezequiel 37.24-25; 34.23-24; Isaías 55.3-4; Jeremias 30.9; 33.15-21).

Alguns comentadores dizem que Jesus vai ser o Rei, mas, dizem que os textos em cima falam de um regente, Davi, ou sucessor de Davi, que será como que o governador debaixo das ordens do Rei. 

No entanto, eu prefiro manter a posição de que todos estes textos falam de Jesus. Jesus é, portanto, o único sucessor de Davi profetizado que vai reinar no trono de Davi em Jerusalém durante o milênio.

M. O Grande Trono Branco

Apocalipse 20:11-15 “11 E vi um grande trono branco, e o que estava assentado sobre ele, de cuja presença fugiu a terra e o céu; e não se achou lugar para eles. 12 E vi os mortos, grandes e pequenos, que estavam diante de Deus, e abriram-se os livros; e abriu-se outro livro, que é o da vida. E os mortos foram julgados pelas coisas que estavam escritas nos livros, segundo as suas obras. 13 E deu o mar os mortos que nele havia; e a morte e o inferno deram os mortos que neles havia; e foram julgados cada um segundo as suas obras. 14 E a morte e o inferno foram lançados no lago de fogo. Esta é a segunda morte. 15 E aquele que não foi achado escrito no livro da vida foi lançado no lago de fogo”

1. A cena vista por João 

Apocalipse 20:11-12b “11 E vi um grande trono branco, e o que estava assentado sobre ele, de cuja presença fugiu a terra e o céu; e não se achou lugar para eles. 12 E vi os mortos, grandes e pequenos, que estavam diante de Deus, e abriram-se os livros; e abriu-se outro livro, que é o da vida.

E vi um grande trono branco
João vê a Deus assentado como Juiz no grande trono branco.

Ele vê também os céus e a terra desaparecerem diante dele. Os céus e a terra antiga, contaminadas pelo pecado são destruidos, pois Deus vai criar novos céus e nova terra, como vemos a seguir.

Apocalipse 21:1 “E vi um novo céu e uma nova terra, pois já o primeiro céu e a primeira terra passaram, e o mar já não existe”.

Encontramos a falar dos novos céus e da nova terra noutros textos bíblicos.

Isaías 65:17 “17 Porque, eis que eu crio novos céus e nova terra; e não haverá mais lembrança das coisas passadas, nem mais se recordarão”.

Isaías 66:22 "Assim como os novos céus e a nova terra que vou criar serão duradouros diante de mim"

II Pedro 3:7-13 “7 Mas os céus e a terra que agora existem pela mesma palavra se reservam como tesouro, e se guardam para o fogo, até o dia do juízo, e da perdição dos homens ímpios. 8 Mas, amados, não ignoreis uma coisa, que um dia para o Senhor é como mil anos, e mil anos como um dia. 9 O Senhor não retarda a sua promessa, ainda que alguns a têm por tardia; mas é longânimo para conosco, não querendo que alguns se percam, senão que todos venham a arrepender-se. 10 Mas o dia do Senhor virá como o ladrão de noite; no qual os céus passarão com grande estrondo, e os elementos, ardendo, se desfarão, e a terra, e as obras que nela há, se queimarão. 11 Havendo, pois, de perecer todas estas coisas, que pessoas vos convém ser em santo trato, e piedade, 12 Aguardando, e apressando-vos para a vinda do dia de Deus, em que os céus, em fogo se desfarão, e os elementos, ardendo, se fundirão? 13 Mas nós, segundo a sua promessa, aguardamos novos céus e nova terra, em que habita a justiça

Hebreus 1:10-12 “10 E: Tu, Senhor, no princípio fundaste a terra, E os céus são obra de tuas mãos. 11 Eles perecerão, mas tu permanecerás; E todos eles, como roupa, envelhecerão, 12 E como um manto os enrolarás, e serão mudados. Mas tu és o mesmo, E os teus anos não acabarão.”

2. Julgamento e condenação 

Apocalipse 20:12-15 E vi os mortos, grandes e pequenos, que estavam diante de Deus, e abriram-se os livros; e abriu-se um outro livro, que é o da vida. E os mortos foram julgados pelas coisas que estavam escritas nos livros, segundo as suas obras. 13 E deu o mar os mortos que nele havia; e a morte e o inferno deram os mortos que neles havia; e foram julgados cada um segundo as suas obras. 14 E a morte e o inferno foram lançados no lago de fogo. Esta é a segunda morte. 15 E aquele que não foi achado escrito no livro da vida foi lançado no lago de fogo”.

O Hades ou inferno, é a sepultura, aonde estão as almas dos perdidos que um dia voltarão à vida corporal para comparecerem diante de Deus.

V 13 “E deu o mar os mortos, e a morte e o inferno deram os mortos que nele havia” está a falar da ressureição dos injustos, que deverão um dia comparecer diante de Deus."

3. O Livro da Vida

V 15 “E aquele que não foi achado escrito no livro da vida foi lançado no lago de fogo”.

O "Livro da Vida" é mencionado várias vezes na Bíblia.

Veja Filipenses 4:3; Apocalipse 3:5; 13:8; 17:8; 20:12,15; 21:27.

Paulo disse que as pessoas que cooperavam com ele no evangelho tinham seus nomes escritos no Livro da Vida, Filipenses 4:3.

Jesus disse que os nomes dos vencedores que se mantêm puros não seriam apagados deste livro, Apocalipse 3:5. Em contraste, os que rejeitam a palavra de Deus e servem falsos mestres não têm seus nomes escritos no Livro da Vida, Apocalipse 13:7-8; 17:8.

No julgamento descrito em Apocalipse 20:11-15, esses são condenados ao lago de fogo. Por outro lado, na cidade iluminada pela glória de Deus, somente entram aqueles cujos nomes são inscritos no Livro da Vida, Apocalipse 21:27.

Outras passagens não falam especificamente do Livro da Vida, mas claramente mostram a mesma idéia. Hebreus 12:22-24 descreve o povo de Deus como a "igreja dos primogênitos arrolados nos céus". Assim, os servos de Deus têm sua pátria nos céus, Filipenses 3:20.

4.      A Teologia de um Juizo Final é claramente ensinada na Bíblia.

a) A teologia do inferno é claramente ensinada na Bíblia

A Teologia do Inferno como sendo uma "condenação eterna" é claramente exposta na Bíblia como são todas as outras doutrinas fundamentais da Biblia.

Será que é razoável nós acreditarmos e ensinarmos todas as doutrinas fundamentais da Biblia, excepto a doutrina bíblica sobre o Inferno, que é revelado como sendo uma "condenação eterna"?

b) Jesus foi quem falou e ensinou mais sobre o inferno

Sabe que Jesus ensinou mais sobre o inferno do que qualquer outro personagem da Bíblia. E de maneira muito severa e séria?

O que disse Jesus sobre o inferno?

Mateus 3:12 Jesus descreveu inferno como um fogo inextinguível .

Mateus 25:41 Um lugar de fogo eterno.

Mateus 25:46 De punição eterna .

Lucas 16:23-24 Como um lugar de tormento, fogo e agonia.

Jesus ensinou especificamente sobre o inferno muitas vezes em Seu ministério, podemos ainda ver isto em Mateus 5:22, 29-30; 10:28; 18:9; 23:15,33; Marcos 9:43-47; Lucas 12:6; 16:23.

c) Julgamento e condenação dos ímpios.

O ensino claro sobre o inferno, é fortalecido pelo o ensino  claro da Bíblia sobre um julgamento e condenação dos ímpios.

Se tivermos a certeza de que a Bíblia ensina que sim, que haverá um julgamento seguido de condenação para os ímpios, então será mais fácil compreender e aceitar o ensino sobre o inferno.

Desta forma, a partir daí as doutrinas do Aniquicionalismo e do Universalismo, perdem a sua força diante do ensino claro sobre  o julgamento e a condenação para os ímpios.

Bastar-nos-á ler os versículos em baixo.

Marcos 16.16 Quem crer e for batizado será salvo, mas quem não crer será condenado.

Mateus  3:33 Serpentes! Raça de víboras! Como vocês escaparão da condenação ao inferno?

João 3:18  Quem nele crê não é condenado, mas quem não crê já está condenado, por não crer no nome do Filho Unigênito de Deus.  

João 5:24 Eu lhes asseguro: Quem ouve a minha palavra e crê naquele que me enviou, tem a vida eterna e não será condenado, mas já passou da morte para a vida.  

João 5:29 e sairão; os que fizeram o bem ressuscitarão para a vida, e os que fizeram o mal ressuscitarão para serem condenados.

Atos 24:15 e tenho em Deus a mesma esperança desses homens: de que haverá ressurreição tanto de justos como de injustos

Romanos 2:5 Contudo, por causa da sua teimosia e do seu coração obstinado, você está acumulando ira contra si mesmo, para o dia da ira de Deus, quando se revelará o seu justo julgamento.

II Tessalonicenses 2:12 e sejam condenados todos os que não creram na verdade, mas tiveram prazer na injustiça.

Hebreus 6:2 da instrução a respeito de batismos, da imposição de mãos, da ressurreição dos mortos e do juízo eterno.

Apocalipse 20:12-15 Vi também os mortos, grandes e pequenos, em pé diante do trono, e livros foram abertos. Outro livro foi aberto, o livro da vida. Os mortos foram julgados de acordo com o que tinham feito, segundo o que estava registrado nos livros Aqueles cujos nomes não foram encontrados no livro da vida foram lançados no lago de fogo.

Apocalipse 21:8 Mas os covardes, os incrédulos, os depravados, os assassinos, os que cometem imoralidade sexual, os que praticam feitiçaria, os idólatras e todos os mentirosos — o lugar deles será no lago de fogo que arde com enxofre. Esta é a segunda morte.

Eclesiastes 11:9, 14 Alegre-se, jovem, na sua mocidade! Seja feliz o seu coração nos dias da sua juventude! Siga por onde seu coração mandar, até onde a sua vista alcançar; mas saiba que por todas essas coisas Deus o trará a julgamento; Pois Deus trará a julgamento tudo o que foi feito, inclusive tudo o que está escondido, seja bom, seja mau.

Salmos 1:5 Por isso os ímpios não resistirão no julgamento, nem os pecadores na comunidade dos justos.

Daniel 12:2 Multidões que dormem no pó da terra acorda­rão: uns para a vida eterna, outros para a vergo­nha, para o desprezo eterno.

Desta forma, como vemos que a Bíblia ensina que os ímpios serão julgados e condenados, podemos pôr totalmente de parte o Universalismo que ensina que todos serão salvos, e não haverá condenação para ninguém.

E isto enfraquece muito a doutrina do Aniquicionalismo que põe em questão a existência eterna do Inferno ou de uma punição eterna, antes acredita na extinção total e para sempre daqueles que serão condenados!

d) O Juizo Final é um ensino coerente com o raciocínio humano

Todas as sociedades humanos constituiram tribunais para julgar:

As sociedades mais primitivas até as mais modernas sempre constituiram "tribunais" que julgaram os arguidos e os condenaram se ficar provado que cometeram um crime.

E isto porquê?

Porque os homens, embora pecadores, não perderam o sentido inato de moralidade e de justiça que regula o comportamento humano e, por isso, criam instituições para regulamentar as acções humanas e julgar e condenar aquelas que poêm a liberdade e a vida dos outros em risco.

Um Juiz não absolve o seu próprio filho se este for culpado:

Se um juiz estiver à frente do seu próprio filho que foi acusado de cometer um crime, o que fará ele?

Absolverá o filho, ou o condenará justamente de acordo com a lei, se o filho for dado por culpado?

Se for um Juiz justo, ele condenará o filho pelo crime cometido, mas isto não quer dizer que ele deixou de amar o filho! Antes pelo contrário, o Juiz até gostaria de salvá-lo.

Se nós temos um sentido inato de moral e de justiça e, por isso, criamos instituições para julgar e condenar os infractores, não terá Deus o mesmo direito?

Ninguém pode rebater este ponto:

"se os homens que são pessoas humanas julgam e condenam, Deus que é uma pessoa divina também tem o direito de julgar e condenar justamente".

N. Os Novos Céus e da Nova Terra 

Todas as coisas são feitas novas 

Apocalipse 21:1-22:5 “1 E vi um novo céu, e uma nova terra. Porque já o primeiro céu e a primeira terra passaram, e o mar já não existe. 2 E eu, João, vi a santa cidade, a nova Jerusalém, que de Deus descia do céu, adereçada como uma esposa ataviada para o seu marido. 3 E ouvi uma grande voz do céu, que dizia: Eis aqui o tabernáculo de Deus com os homens, pois com eles habitará, e eles serão o seu povo, e o mesmo Deus estará com eles, e será o seu Deus. 4 E Deus limpará de seus olhos toda a lágrima; e não haverá mais morte, nem pranto, nem clamor, nem dor; porque já as primeiras coisas são passadas. 5 E o que estava assentado sobre o trono disse: Eis que faço novas todas as coisas. E disse-me: Escreve; porque estas palavras são verdadeiras e fiéis. 6 E disse-me mais: Está cumprido. Eu sou o Alfa e o Omega, o princípio e o fim. A quem quer que tiver sede, de graça lhe darei da fonte da água da vida. 7 Quem vencer, herdará todas as coisas; e eu serei seu Deus, e ele será meu filho. 8 Mas, quanto aos tímidos, e aos incrédulos, e aos abomináveis, e aos homicidas, e aos fornicadores, e aos feiticeiros, e aos idólatras e a todos os mentirosos, a sua parte será no lago que arde com fogo e enxofre; o que é a segunda morte. 9 E veio a mim um dos sete anjos que tinham as sete taças cheias das últimas sete pragas, e falou comigo, dizendo: Vem, mostrar-te-ei a esposa, a mulher do Cordeiro. 10 E levou-me em espírito a um grande e alto monte, e mostrou-me a grande cidade, a santa Jerusalém, que de Deus descia do céu. 11 E tinha a glória de Deus; e a sua luz era semelhante a uma pedra preciosíssima, como a pedra de jaspe, como o cristal resplandecente. 12 E tinha um grande e alto muro com doze portas, e nas portas doze anjos, e nomes escritos sobre elas, que são os nomes das doze tribos dos filhos de Israel. 13 Do lado do levante tinha três portas, do lado do norte, três portas, do lado do sul, três portas, do lado do poente, três portas. 14 E o muro da cidade tinha doze fundamentos, e neles os nomes dos doze apóstolos do Cordeiro. 15 E aquele que falava comigo tinha uma cana de ouro, para medir a cidade, e as suas portas, e o seu muro. 16 E a cidade estava situada em quadrado; e o seu comprimento era tanto como a sua largura. E mediu a cidade com a cana até doze mil estádios; e o seu comprimento, largura e altura eram iguais. 17 E mediu o seu muro, de cento e quarenta e quatro côvados, conforme a medida de homem, que é a de um anjo. 18 E a construção do seu muro era de jaspe, e a cidade de ouro puro, semelhante a vidro puro. 19 E os fundamentos do muro da cidade estavam adornados de toda a pedra preciosa. O primeiro fundamento era jaspe; o segundo, safira; o terceiro, calcedônia; o quarto, esmeralda; 20 O quinto, sardônica; o sexto, sárdio; o sétimo, crisólito; o oitavo, berilo; o nono, topázio; o décimo, crisópraso; o undécimo, jacinto; o duodécimo, ametista. 21 E as doze portas eram doze pérolas; cada uma das portas era uma pérola; e a praça da cidade de ouro puro, como vidro transparente. 22 E nela não vi templo, porque o seu templo é o Senhor Deus Todo-Poderoso, e o Cordeiro. 23 E a cidade não necessita de sol nem de lua, para que nela resplandeçam, porque a glória de Deus a tem iluminado, e o Cordeiro é a sua lâmpada. 24 E as nações dos salvos andarão à sua luz; e os reis da terra trarão para ela a sua glória e honra. 25 E as suas portas não se fecharão de dia, porque ali não haverá noite. 26 E a ela trarão a glória e honra das nações. 27 E não entrará nela coisa alguma que contamine, e cometa abominação e mentira; mas só os que estão inscritos no livro da vida do Cordeiro.”

1. Os seis aspectos importantes dos Novos Céus e da Nova Terra 

Apocalipse 21:1-8 

a. A Aparecimento dos Novos Céus e da Nova Terra 

1-3 1 E vi um novo céu, e uma nova terra. Porque já o primeiro céu e a primeira terra passaram, e o mar já não existe. 

Quando este capitulo inicia já os pecadores de todas as idades, assim como o diabo e os seus anjos foram sentenciados e lançados no lago de fogo e o presente universo foi destruído 20:10-15 

Desta forma, Deus criará uma nova morada para os redimidos e os anjos santos viverem eternamente.

Deus criará os Novos Céus e uma Nova Terra, porque já estes céus e esta terra passaram.  

Haverá um rio, não de água, mas da "água da vida" 22:1,17, pois nos Novos Céus e na Nova Terra, os redimidos não precisarão mais de água, mas sim da ""água da vida".

"o mar já não existe", e isto quer dizer que a vida e o clima nos Novos Céus e na Nova Terra será completamente diferente à vida que existe agora.

Este termo deriva de duas passagens em Isaias: 

Isaias: 65:17 Pois eis que eu crio novos céus e nova terra; e não haverá lembrança das coisas passadas, nem mais se recordarão.

Isaias 66:22 Pois, como os novos céus e a nova terra, que hei de fazer, durarão diante de mim, diz o Senhor, assim durará a vossa posteridade e o vosso nome.

b. A Capital dos Novos Céus e da Nova Terra 

2 E eu, João, vi a santa cidade, a nova Jerusalém, que de Deus descia do céu, adereçada como uma esposa ataviada para o seu marido. 

A seguir João fala da Capital deste novo mundo, a Nova Jerusalém. A Nova Jerusalém não é o Céu, mas a Capital do Céu.

Esta é a terceira Jerusalém falada na história da redenção humana. 

A primeira é a Jerusalém histórica que ainda hoje existe na Palestina.

A segunda é a Jerusalém restaurada onde Cristo reinará durante o Milênio.

A terceira, a Nova Jerusalém, não pertence a esta primeira criação e não é nem a Jerusalém histórica, nem a Jerusalém Milenial. Mas sim, uma Cidade Eterna, a Capital do Céu.

A Nova Jerusalém é chamada santa, pois todos os que lá habitam são santos.

João viu a Nova Jerusalém a descer do Céu, vinda de Deus que é o arquitecto desta Capital do Céu. Hebreus 11:10

"como uma esposa ataviada para o seu marido", esta cidade é apresentada como uma noiva, pois dentro dela vive a Noiva.

Mas esta Noiva, não fala simplesmente da Igreja, mas de todos os crentes de todas as idades e épocas que habitarão naquela cidade santa.

c. A Suprema Realidade dos Novos Céus e da Nova Terra 

3 E ouvi uma grande voz do céu, que dizia: Eis aqui o tabernáculo de Deus com os homens, pois com eles habitará, e eles serão o seu povo, e o mesmo Deus estará com eles, e será o seu Deus. 

A suprema glória e alegria do céu é a pessoa de Deus. Salmos 73:25

A voz provavelmente de um anjo, anuncia algo muito importante: 
"lugar de habitação". Deus irá estabelcer a Sua "tenda" no meio do seu povo. A sua presença não ficará mais escondida na forma humana de Jesus ou na coluna de fogo ou no lugar dos Santos dos Santos.

v 3  Eis aqui o tabernáculo de Deus com os homens, pois com eles habitará, e eles serão o seu povo.

Como será quando os redimidos viverem na presença gloriosa de Deus?

Primeiro, os crentes gozarão da comunhão plena com Deus. 1 João 1:3

Segundo, os crentes verão a Deus, tal como ele é. 1 João 3:2

Terceiro, os crentes adorarão a Deus, juntamente com os anjos como vemos em Apocalipse 4:10; 5:14; 7:11;  11:1,16; 19:4

Quarto, os crentes servirão a Deus como vemos em Apocalipse 7:15 "Por isso estão diante do Trono de Deus, e o servem, de dia e de noite, no Seu Templo". 

Quem sabe se a proporção da fidelidade dos crentes nesta terra ao serviço de Deus, não se refletirá no serviço lá no céu! 

d. Um Lugar Único os Novos Céus e da Nova Terra 

4-6a 4 E Deus limpará de seus olhos toda a lágrima; e não haverá mais morte, nem pranto, nem clamor, nem dor; porque já as primeiras coisas são passadas. 5 E o que estava assentado sobre o trono disse: Eis que faço novas todas as coisas. E disse-me: Escreve; porque estas palavras são verdadeiras e fiéis. 6a E disse-me mais: Está cumprido. Eu sou o Alfa e o Omega, o princípio e o fim. 

A vida no céu será muito diferente da vida que nós tivemos na terra.

A primeira grande mudança, é que "Deus limpará dos seus olhos toda a lágrima, e não haverá mais pranto, nem clamor, nem dor".

Como vemos também referido em Apocalipse 7:17 "e Deus limpará dos seus olhos, toda a lágrima" e em Isaías 25:8 "e assim enxugará o Senhor Jeová as lágrimas de todos os seus rostos".

Nem ficaremos mais culpados lembrando dos nossos pecados, pois em Cristo não há mais condenação" Romanos 8:1

No céu não haverá mais tristeza, desapontamento, sofrimento ou dor. Não lamentaremos mais nada, nem teremos lágrimas pela morte dos nossos entes queridos ou outra coisa qualquer. Tudo isto passou.

A segunda grande mudança, é que "não haverá mais morte" que é a maior maldição que foi lançada sobre a raça humana.

1 Coríntios 15:54 "tragada foi a morte na vitória",

O céu é um lugar único. A experiência humana relacionada com a primeira criação desaparecerá para sempre e tudo se fará novo.

Deslumbrado por esta visão, João ouve a voz que dizia "Escreve, porque estas palavras são verdadeiras e fiéis. E disse-me mais: Está cumprido. Eu sou o Alfa e o Ómega, o princípio e o fim"

Deus é fiel e cumprirá o Seu plano redentor de acordo com o Seus desígnios. Deus começou a História e Deus terminará a História de acordo com o Seu plano soberano.

e. Os Residentes dos Novos Céus e da Nova Terra 

6b-7 A quem quer que tiver sede, de graça lhe darei da fonte da água da vida. 7 Quem vencer, herdará todas as coisas; e eu serei seu Deus, e ele será meu filho.

Duas frases descrevem aqueles que vivem nos novos céus e na nova terra.

Primeiro, são aqueles "que têm sede." 

Isto quer dizer "que tê sede de justiça" Mateus 5:6

Deus irá dar a todos aqueles que têm sede e fome de justiça "água e comida gratuita". Poderão ter tudo isso "sem dinheiro". Isaías 55:1

Segundo, os novos céus e a nova terra, pertencem àqueles "que vencerem". Aquele que vence é aquele que "colocou a sua fé em Cristo" I João 5:4-5

Já nesta terra, o crente é adoptado como filho do Deus do Universo, mas somente nos céus a adopção será completa. 

f. Os não residentes dos Novos Céus e da Nova Terra 

8 Mas, quanto aos tímidos, e aos incrédulos, e aos abomináveis, e aos homicidas, e aos fornicadores, e aos feiticeiros, e aos idólatras e a todos os mentirosos, a sua parte será no lago que arde com fogo e enxofre; o que é a segunda morte. 

Neste versículo João nomeia todos aqueles a quem os céus e a nova terra, não vão pertencer:

tímidos, incrédulos, abomináveis, homicidas, fornicadores, e feiticeiros, mentirosos"

Para estes, a sua morada, "a sua parte será no lago que arde com fogo e enxofre; o que é a segunda morte". 

2. A Nova Jerusalém 

o lugar onde Deus habita ...
Apocalipse 21:9-22:5 Apocalipse 21:9-27 9 E veio a mim um dos sete anjos que tinham as sete taças cheias das últimas sete pragas, e falou comigo, dizendo: Vem, mostrar-te-ei a esposa, a mulher do Cordeiro. 10 E levou-me em espírito a um grande e alto monte, e mostrou-me a grande cidade, a santa Jerusalém, que de Deus descia do céu. 11 E tinha a glória de Deus; e a sua luz era semelhante a uma pedra preciosíssima, como a pedra de jaspe, como o cristal resplandecente. 12 E tinha um grande e alto muro com doze portas, e nas portas doze anjos, e nomes escritos sobre elas, que são os nomes das doze tribos dos filhos de Israel. 13 Do lado do levante tinha três portas, do lado do norte, três portas, do lado do sul, três portas, do lado do poente, três portas. 14 E o muro da cidade tinha doze fundamentos, e neles os nomes dos doze apóstolos do Cordeiro. 15 E aquele que falava comigo tinha uma cana de ouro, para medir a cidade, e as suas portas, e o seu muro. 16 E a cidade estava situada em quadrado; e o seu comprimento era tanto como a sua largura. E mediu a cidade com a cana até doze mil estádios; e o seu comprimento, largura e altura eram iguais. 17 E mediu o seu muro, de cento e quarenta e quatro côvados, conforme a medida de homem, que é a de um anjo. 18 E a construção do seu muro era de jaspe, e a cidade de ouro puro, semelhante a vidro puro. 19 E os fundamentos do muro da cidade estavam adornados de toda a pedra preciosa. O primeiro fundamento era jaspe; o segundo, safira; o terceiro, calcedônia; o quarto, esmeralda; 20 O quinto, sardônica; o sexto, sárdio; o sétimo, crisólito; o oitavo, berilo; o nono, topázio; o décimo, crisópraso; o undécimo, jacinto; o duodécimo, ametista. 21 E as doze portas eram doze pérolas; cada uma das portas era uma pérola; e a praça da cidade de ouro puro, como vidro transparente. 22 E nela não vi templo, porque o seu templo é o Senhor Deus Todo-Poderoso, e o Cordeiro. 23 E a cidade não necessita de sol nem de lua, para que nela resplandeçam, porque a glória de Deus a tem iluminado, e o Cordeiro é a sua lâmpada. 24 E as nações dos salvos andarão à sua luz; e os reis da terra trarão para ela a sua glória e honra. 25 E as suas portas não se fecharão de dia, porque ali não haverá noite. 26 E a ela trarão a glória e honra das nações. 27 E não entrará nela coisa alguma que contamine, e cometa abominação e mentira; mas só os que estão inscritos no livro da vida do Cordeiro.” 

Apocalipse 22:1-5 1 E mostrou-me o rio da água da vida, claro como cristal, que procedia do trono de Deus e do Cordeiro. 2 No meio da sua praça, e de ambos os lados do rio, estava a árvore da vida, que produz doze frutos, dando seu fruto de mês em mês; e as folhas da árvore são para a cura das nações. 3 Ali não haverá jamais maldição. Nela estará o trono de Deus e do Cordeiro, e os seus servos o servirão, 4 e verão a sua face; e nas suas frontes estará o seu nome. 5 E ali não haverá mais noite, e não necessitarão de luz de lâmpada nem de luz do sol, porque o Senhor Deus os alumiará; e reinarão pelos séculos dos séculos.  

a. A Aparência da Nova Jerusalém 

21:9-11 9 E veio a mim um dos sete anjos que tinham as sete taças cheias das últimas sete pragas, e falou comigo, dizendo: Vem, mostrar-te-ei a esposa, a mulher do Cordeiro. 10 E levou-me em espírito a um grande e alto monte, e mostrou-me a grande cidade, a santa Jerusalém, que de Deus descia do céu. 11 E tinha a glória de Deus; e a sua luz era semelhante a uma pedra preciosíssima, como a pedra de jaspe, como o cristal resplandecente. 

O anjo disse a João "Vem, mostrar-te-ei a esposa, a mulher do Cordeiro".

"10 E levou-me em espírito a um grande e alto monte" João é levado a um alto monte e dali o anjo "e mostrou-me a grande cidade, a santa Jerusalém, que de Deus descia do céu".

Daquele monte João vê a Nova Jerusalém, e a cidade é descrita da seguinte forma:

"11 E tinha a glória de Deus; e a sua luz era semelhante a uma pedra preciosíssima, como a pedra de jaspe, como o cristal resplandecente."
A Nova Jerusalém é apresentada como semelhante a grande diamante preciosíssimo.

b. A Arquitectura Exterior da Nova Jerusalém 

21:12-21a 12 E tinha um grande e alto muro com doze portas, e nas portas doze anjos, e nomes escritos sobre elas, que são os nomes das doze tribos dos filhos de Israel. 13 Do lado do levante tinha três portas, do lado do norte, três portas, do lado do sul, três portas, do lado do poente, três portas. 14 E o muro da cidade tinha doze fundamentos, e neles os nomes dos doze apóstolos do Cordeiro. 15 E aquele que falava comigo tinha uma cana de ouro, para medir a cidade, e as suas portas, e o seu muro. 16 E a cidade estava situada em quadrado; e o seu comprimento era tanto como a sua largura. E mediu a cidade com a cana até doze mil estádios; e o seu comprimento, largura e altura eram iguais. 17 E mediu o seu muro, de cento e quarenta e quatro côvados, conforme a medida de homem, que é a de um anjo. 18 E a construção do seu muro era de jaspe, e a cidade de ouro puro, semelhante a vidro puro. 19 E os fundamentos do muro da cidade estavam adornados de toda a pedra preciosa. O primeiro fundamento era jaspe; o segundo, safira; o terceiro, calcedônia; o quarto, esmeralda; 20 O quinto, sardônica; o sexto, sárdio; o sétimo, crisólito; o oitavo, berilo; o nono, topázio; o décimo, crisópraso; o undécimo, jacinto; o duodécimo, ametista. 21 E as doze portas eram doze pérolas; cada uma das portas era uma pérola; Um grande e alto muro com doze portas, e nas portas doze anjos: 12a E tinha um grande e alto muro com doze portas, e nas portas doze anjos. 

Vemos os 12 anjos estacionados em frentes destes portões: 

12 E tinha um grande e alto muro com doze portas, e nas portas doze anjos

Estes anjos em frentes destes portões, parecem estar ali como para apresentar a Glória de Deus e servir o povo de Deus:

Vemos os nomes das doze tribos dos filhos de Israel sobre os portões: 

12b-13 12 e nomes escritos sobre elas, que são os nomes das doze tribos dos filhos de Israel.13 Do lado do levante tinha três portas, do lado do norte, três portas, do lado do sul, três portas, do lado do poente, três portas. 

Por cima das portas estavam escritos os nomes das 12 tribos de Israel, celebrando assim por toda a eternidade o concerto eterno entre Deus e o povo de Israel. 

O Salmo 89 fala da aliança eterna entre Deus e Davi. 

Esse é o terceiro salmo mais longo da Bíblia (depois dos Salmos 78 e 119), e é um dos salmos messiânicos porque a aliança de Davi, descrita nesse texto, somente encontra sua validade e seu cumprimento definitivo em Jesus Cristo. 89:2-4 2 Pois disse eu: A tua benignidade será edificada para sempre; tu confirmarás a tua fidelidade até nos céus, dizendo: 3 Fiz uma aliança com o meu escolhido, e jurei ao meu servo Davi, dizendo: 4 A tua semente estabelecerei para sempre, e edificarei o teu trono de geração em geração. (Selá.)   

A aliança que Deus fez com Davi só encontrou seu cumprimento e sua validade definitiva em Jesus Cristo, o que vemos no anúncio do nascimento de Jesus do anjo Gabriel a Maria: 

Lucas 1.31-33 “Eis que conceberás e darás à luz um filho, a quem chamarás pelo nome de Jesus. Este será grande e será chamado Filho do Altíssimo; Deus, o Senhor, lhe dará o trono de Davi, seu pai; ele reinará para sempre sobre a casa de Jacó, e o seu reinado não terá fim”. 

Nós vemos esta Aliança eterna que Deus fez com Davi salientada nas Escrituras, tanto no antigo Testamento como no Novo Testamento. 

Por isso, sobre os 12 portões que dão entrada à Nova Jerusalém estão escritas os nomes das 12 tribos de Israel. 

Vemos os doze fundamentos, e neles os nomes dos doze apóstolos do Cordeiro: 

14 E o muro da cidade tinha doze fundamentos, e neles os nomes dos doze apóstolos do Cordeiro. 

c. O Carácter Interior da Nova Jerusalém 

21:21b-27 21b e a praça da cidade de ouro puro, como vidro transparente. 22 E nela não vi templo, porque o seu templo é o Senhor Deus Todo-Poderoso, e o Cordeiro. 23 E a cidade não necessita de sol nem de lua, para que nela resplandeçam, porque a glória de Deus a tem iluminado, e o Cordeiro é a sua lâmpada. 24 E as nações dos salvos andarão à sua luz; e os reis da terra trarão para ela a sua glória e honra. 25 E as suas portas não se fecharão de dia, porque ali não haverá noite. 26 E a ela trarão a glória e honra das nações. 27 E não entrará nela coisa alguma que contamine, e cometa abominação e mentira; mas só os que estão inscritos no livro da vida do Cordeiro.” o lugar onde Deus habita ... 

22:1-5 1 E mostrou-me o rio da água da vida, claro como cristal, que procedia do trono de Deus e do Cordeiro. 2 No meio da sua praça, e de ambos os lados do rio, estava a árvore da vida, que produz doze frutos, dando seu fruto de mês em mês; e as folhas da árvore são para a cura das nações. 

O anjo levou João para dentro da cidade e ele reparou em algumas coisas.

Primeiro, João viu que “a praça da cidade era de ouro puro, como vidro transparente.

Segundo, João viu que não havia Templo na cidade “porque o seu templo é o Senhor Deus Todo-Poderoso, e o Cordeiro”.

Terceiro, João notou que “a cidade não necessita de sol nem de lua, para que nela resplandeçam, porque a glória de Deus a tem iluminado, e o Cordeiro é a sua lâmpada.”

Quarto, João viu que “as nações dos salvos andarão à sua luz; e os reis da terra trarão para ela a sua glória e honra. E a ela trarão a glória e honra das nações.”

Quinto, João notou outro detalhe “as suas portas não se fecharão de dia, porque ali não haverá noite.”

Sexto, João viu que “não entrará nela coisa alguma que contamine, e cometa abominação e mentira; mas só os que estão inscritos no livro da vida do Cordeiro.”

Sétimo, finalmente, João viu “o rio da água da vida, claro como cristal, que procedia do trono de Deus e do Cordeiro. E no meio da sua praça, e de ambos os lados do rio, estava a árvore da vida, que produz doze frutos, dando seu fruto de mês em mês; e as folhas da árvore são para a cura das nações.”

Este rio que sai do trono e esta árvore da vida no meio sua praça, simboliza a vida eterna que sai sem cessar do Trono de Deus e que existe no meio da praça para alimentar o povo de Deus.

Eles não precisam mais das coisas desta primeira criação, pois Deus será a sua luz e o seu alimento eterno. E o seu templo é o Senhor Deus Todo-Poderoso, e o Cordeiro.

d. O Privilégio dos Habitantes da Nova Jerusalém 

22:3-5 3 Ali não haverá jamais maldição. Nela estará o trono de Deus e do Cordeiro, e os seus servos o servirão, 4 e verão a sua face; e nas suas frontes estará o seu nome. 5 E ali não haverá mais noite, e não necessitarão de luz de lâmpada nem de luz do sol, porque o Senhor Deus os alumiará; e reinarão pelos séculos dos séculos. 

Ali não haverá jamais maldição e os habitantes da Nova Jerusalém “verão a sua face; e nas suas frontes estará o seu nome”.

E ali não haverá mais noite, e não necessitarão de luz de lâmpada nem de luz do sol, porque o Senhor Deus os alumiará; e reinarão pelos séculos dos séculos. 

3. Um Tempo das Coisas Novas 

Vou ver alguns aspectos gerais ligados com os Novos Céus e da Nova Terra: 

a. A Bíblia fala de três “céus”.  

O primeiro “céu” refere-se à nossa atmosfera. Gênesis 1:20, Job 12:7, Ezequiel 38:20 O segundo “Céu” é inter-planetário, refere-se ao firmamento, a todos os corpos celestes, que se estendem pelo nosso universo. Gênesis 15:5, Deuteronómio 1:10, 4.19, Salmos 8:3, Isaías 13:10. O terceiro “céu” referido neste texto, é o lugar onde Deus habita. Deuteronómio 4:39, I Reis 8:30, Job 22:12, Salmos 14:2, Daniel 2:28, Mateus 5:34, Atos 7:55. Este terceiro “céu” é um lugar e não um estado espiritual. Apesar do céu estar para além da nossa dimensão material, numa outra dimensão, é o lugar para onde nós iremos viver eternamente com Deus. 

Quando os crentes morrem, eles vão logo para o céu, Lucas 23:42, II Coríntios 5:8. Os crentes que vão ser arrebatados durante o arrebatamento, eles irão logo para o céu, I Corintios 15:51-55, I Tessalonicenses 4:13-18. 

b. A Criação do Novo Céu e da Nova Rerra. 

Quando o diabo e os perdidos forem lançados no lago de fogo, Deus criará um lugar dentro do Seu Reino para os redimidos viverem para sempre, e este local é precisamente o novo céu e a nova terra aqui referidos. Estas expressões vem de Isaías. Isaías 65:17 “17 Porque, eis que eu crio novos céus e nova terra; e não haverá mais lembrança das coisas passadas, nem mais se recordarão”. 

Vemos também a menção nos seguintes textos: 

II Pedro 3:7-13 “7 Mas os céus e a terra que agora existem pela mesma palavra se reservam como tesouro, e se guardam para o fogo, até o dia do juízo, e da perdição dos homens ímpios. 8 Mas, amados, não ignoreis uma coisa, que um dia para o Senhor é como mil anos, e mil anos como um dia. 9 O Senhor não retarda a sua promessa, ainda que alguns a têm por tardia; mas é longânimo para conosco, não querendo que alguns se percam, senão que todos venham a arrepender-se. 10 Mas o dia do Senhor virá como o ladrão de noite; no qual os céus passarão com grande estrondo, e os elementos, ardendo, se desfarão, e a terra, e as obras que nela há, se queimarão. 11 Havendo, pois, de perecer todas estas coisas, que pessoas vos convém ser em santo trato, e piedade, 12 Aguardando, e apressando-vos para a vinda do dia de Deus, em que os céus, em fogo se desfarão, e os elementos, ardendo, se fundirão? 13 Mas nós, segundo a sua promessa, aguardamos novos céus e nova terra, em que habita a justiça 

Hebreus 1:10-12 “10 E: Tu, Senhor, no princípio fundaste a terra, E os céus são obra de tuas mãos. 11 Eles perecerão, mas tu permanecerás; E todos eles, como roupa, envelhecerão, 12 E como um manto os enrolarás, e serão mudados. Mas tu és o mesmo, E os teus anos não acabarão.” É de notar que o texto em Apocalipse diz que no novo céu e na nova terra “o mar já não existe”. Não podemos esquecer que três quartos da terra está banhada pelo mar. 

O mar é que permite a subsitência de toda a vida marítima e na terra. Sem mar, não haveria vida. Mas a vida no novo céu e na nova terra não depende do mar ou de água. É uma vida diferente. Nós vemos em muitos textos do livro de Isaías a ideia que quando Deus criou os céus e a terra os estendeu pelo espaço a fora trazendo-as à existência. 

Isaías 42:5; 44:24; 45:12, 18; 48:13; 51:13. Quanto tempo durou a criação é um assunto teológico controverso, uns acreditam numa criação de sete dias de 24 horas, outros acreditam que os dias da criação referem-se a etapas mais longas. 

c. Olhemos para as coisas que são de cima 

Se já sabemos que estes céus e esta terra vão ser destruidos, para quê colocar tanta esperança neles, e focar tanto a nossa atenção nas coisas desta terra. Não devemos antes ajuntar tesouros nos céus (nos novos céus e na nova terra)? 

Mateus 6:19-21 “19 Não ajunteis tesouros na terra, aonde a traça e a ferrugem tudo consomem, e onde os ladrões minam e roubam; 20 Mas ajuntem tesouros nos céus, onde nem a traça nem a ferrugem consomem, e onde os ladrões não minam, nem roubam. 21 Porque onde estiver o vosso coração, aí estará també,m o vosso tesouro. 

Colossenses 3:2 “Pensai nas coisas que são de cima, e não nas que são da terra. d. Quando a obra de redenção for completa 

Apocalipse 21:4-7 “4 E Deus limpará de seus olhos toda a lágrima; e não haverá mais morte, nem pranto, nem clamor, nem dor; porque já as primeiras coisas são passadas. 5 E o que estava assentado sobre o trono disse: Eis que faço novas todas as coisas. E disse-me: Escreve; porque estas palavras são verdadeiras e fiéis. 6 E disse-me mais: Está cumprido. Eu sou o Alfa e o Omega, o princípio e o fim. A quem quer que tiver sede, de graça lhe darei da fonte da água da vida. 7 Quem vencer, herdará todas as coisas; e eu serei seu Deus, e ele será meu filho. Não haverá mais morte nem pranto, nem clamor, nem dor. 

Apocalipse 21:4a “4 E Deus limpará de seus olhos toda a lágrima; e não haverá mais morte, nem pranto, nem clamor, nem dor;” Com a entrada do pecado original, o nosso mundo ficou debaixo das maldições lançadas por Deus como vemos em Gênesis 3. Por isso, o homem começou a transgredir as leis de Deus e o sofrimento, a dor, a doença e a morte entraram no mundo. E, do lado da natureza, veio a desordem e os cataclismos e tragédias que têm atingido o nosso planeta. Entretanto Cristo veio ao mundo para tomar sobre ele todos os pecados e maldições, e estabelecer de novo o Reino de Deus no mundo. O Reino de Deus já chegou com Cristo, mas não atingiu ainda toda a sua plenitude, pois enquanto vivermos no corpo, continuaremos a estar debaixo de uma certa servidão que entrou na criação com a vinda do pecado original.  Mas quando Deus fizer todas as coisa novas, tudo isto passará e o Reino de Deus será completamente estabelecido na terra durante o Milênio e continuará por toda a eternidade com a criação dos novos céus e da nova terra. Porque já as primeiras coisas são passadas. Apocalipse 21: 4b “4b porque já as primeiras coisas são passadas”. Nós vemos claramente neste texto que esta criação dominada pelo pecado, vai passar completamente um dia. Cristo já veio para resolver o problema do pecado e destruir as obras de satanás, mas ainda estamos à espera deste dia. 

4. O Reino de Deus "Agora", mas "Não Ainda" na totalidade. "Agora"

Isto quer dizer que com Jesus o reino de Deus chegou ao mundo agora e algumas transformações especialmente de natureza espiritual são oferecidas a todos aqueles que o receberem, ou seja, a vida eterna, perdão, regeneração, selo e justificação. “Mas não ainda” - Isto quer dizer que é só quando Jesus voltar e estabelecer completamente o seu reino na terra e no universo, os crentes receberão por completo a salvação que lhes foi oferecida pelo Obra Redentora de Cristo. 

a. Enquanto Jesus não voltar, os crentes estarão gemendo dentro do corpo incorruptível: 

Romanos 8:17-39 “17 E, se nós somos filhos, somos logo herdeiros
também, herdeiros de Deus, e co-herdeiros de Cristo: se é certo que com ele padecemos, para que também com ele sejamos glorificados. 18 Porque para mim tenho por certo que as aflições deste tempo presente não são para comparar com a glória que em nós há de ser revelada. 19 Porque a ardente expectação da criatura espera a manifestação dos filhos de Deus. 20 Porque a criação ficou sujeita à vaidade, não por sua vontade, mas por causa do que a sujeitou, 21 Na esperança de que também a mesma criatura será libertada da servidão da corrupção, para a liberdade da glória dos filhos de Deus. 22 Porque sabemos que toda a criação geme e está juntamente com dores de parto até agora. 23 E não só ela, mas nós mesmos, que temos as primícias do Espírito, também gememos em nós mesmos, esperando a adoção, a saber, a redenção do nosso corpo. 24 Porque em esperança fomos salvos. Ora a esperança que se vê não é esperança; porque o que alguém vê como o esperará? 25 Mas, se esperamos o que não vemos, com paciência o esperamos. 26 E da mesma maneira também o Espírito ajuda as nossas fraquezas; porque não sabemos o que havemos de pedir como convém, mas o mesmo Espírito intercede por nós com gemidos inexprimíveis. 27 E aquele que examina os corações sabe qual é a intenção do Espírito; e é ele que segundo Deus intercede pelos santos. 28 E sabemos que todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito. 29 Porque os que dantes conheceu também os predestinou para serem conformes à imagem de seu Filho, a fim de que ele seja o primogênito entre muitos irmãos. 30 E aos que predestinou a estes também chamou; e aos que chamou a estes também justificou; e aos que justificou a estes também glorificou. 31 Que diremos, pois, a estas coisas? Se Deus é por nós, quem será contra nós? 32 Aquele que nem mesmo a seu próprio Filho poupou, antes o entregou por todos nós, como nos não dará também com ele todas as coisas? 33 Quem intentará acusação contra os escolhidos de Deus? É Deus quem os justifica. 34 Quem é que condena? Pois é Cristo quem morreu, ou antes quem ressuscitou dentre os mortos, o qual está à direita de Deus, e também intercede por nós. 35 Quem nos separará do amor de Cristo? A tribulação, ou a angústia, ou a perseguição, ou a fome, ou a nudez, ou o perigo, ou a espada? 36 Como está escrito: Por amor de ti somos entregues à morte todo o dia; Somos reputados como ovelhas para o matadouro. 37 Mas em todas estas coisas somos mais do que vencedores, por aquele que nos amou. 38 Porque estou certo de que, nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as potestades, nem o presente, nem o porvir, 39 Nem a altura, nem a profundidade, nem alguma outra criatura nos poderá separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus nosso Senhor. 

b. Quando Jesus voltar os crentes receberão pela ressureição um corpo incorruptível: 


1 Coríntios 15:35-57 “35 Mas alguém dirá: Como ressuscitarão os mortos? E com que corpo virão? 36 Insensato! o que tu semeias não é vivificado, se primeiro não morrer. 37 E, quando semeias, não semeias o corpo que há de nascer, mas o simples grão, como de trigo, ou de outra qualquer semente. 38 Mas Deus dá-lhe o corpo como quer, e a cada semente o seu próprio corpo. 39 Nem toda a carne é uma mesma carne, mas uma é a carne dos homens, e outra a carne dos animais, e outra a dos peixes e outra a das aves. 40 E há corpos celestes e corpos terrestres, mas uma é a glória dos celestes e outra a dos terrestres. 41 Uma é a glória do sol, e outra a glória da lua, e outra a glória das estrelas; porque uma estrela difere em glória de outra estrela. 42 Assim também a ressurreição dentre os mortos. Semeia-se o corpo em corrupção; ressuscitará em incorrupção. 43 Semeia-se em ignomínia, ressuscitará em glória. Semeia-se em fraqueza, ressuscitará com vigor. 44 Semeia-se corpo natural, ressuscitará corpo espiritual. Se há corpo natural, há também corpo espiritual. 45 Assim está também escrito: O primeiro homem, Adão, foi feito em alma vivente; o último Adão em espírito vivificante. 46 Mas não é primeiro o espiritual, senão o natural; depois o espiritual. 47 O primeiro homem, da terra, é terreno; o segundo homem, o Senhor, é do céu. 48 Qual o terreno, tais são também os terrestres; e, qual o celestial, tais também os celestiais. 49 E, assim como trouxemos a imagem do terreno, assim traremos também a imagem do celestial. 50 E agora digo isto, irmãos: que a carne e o sangue não podem herdar o reino de Deus, nem a corrupção herdar a incorrupção. 51 Eis aqui vos digo um mistério: Na verdade, nem todos dormiremos, mas todos seremos transformados; 52 Num momento, num abrir e fechar de olhos, ante a última trombeta; porque a trombeta soará, e os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos transformados. 53 Porque convém que isto que é corruptível se revista da incorruptibilidade, e que isto que é mortal se revista da imortalidade. 54 E, quando isto que é corruptível se revestir da incorruptibilidade, e isto que é mortal se revestir da imortalidade, então cumprir-se-á a palavra que está escrita: Tragada foi a morte na vitória. Onde está, ó morte, o teu aguilhão? 55 Onde está, ó inferno, a tua vitória? 56 Ora, o aguilhão da morte é o pecado, e a força do pecado é a lei. 57 Mas graças a Deus que nos dá a vitória por nosso Senhor Jesus Cristo. 

Apocalipse 22:1-5 “1 E mostrou-me o rio puro da água da vida, claro como cristal, que procedia do trono de Deus e do Cordeiro. 2 No meio da sua praça, e de um e de outro lado do rio, estava a árvore da vida, que produz doze frutos, dando seu fruto de mês em mês; e as folhas da árvore são para a saúde das nações. 3 E ali nunca mais haverá maldição contra alguém; e nela estará o trono de Deus e do Cordeiro, e os seus servos o servirão. 4 E verão o seu rosto, e nas suas testas estará o seu nome. 5 E ali não haverá mais noite, e não necessitarão de lâmpada nem de luz do sol, porque o Senhor Deus os ilumina; e reinarão para todo o sempre” 

P. Palavras de conforto e aviso 

Apocalipse 22:6-21 “6 E disse-me: Estas palavras são fiéis e verdadeiras; e o Senhor, o Deus dos santos profetas, enviou o seu anjo, para mostrar aos seus servos as coisas que em breve hão de acontecer 7 Eis que presto venho: Bem-aventurado aquele que guarda as palavras da profecia deste livro. 8 E eu, João, sou aquele que vi e ouvi estas coisas. E, havendo-as ouvido e visto, prostrei-me aos pés do anjo que mas mostrava para o adorar. 9 E disse-me: Olha, não faças tal; porque eu sou conservo teu e de teus irmãos, os profetas, e dos que guardam as palavras deste livro. Adora a Deus. 10 E disse-me: Não seles as palavras da profecia deste livro; porque próximo está o tempo. 11 Quem é injusto, faça injustiça ainda; e quem está sujo, suje-se ainda; e quem é justo, faça justiça ainda; e quem é santo, seja santificado ainda. 12 E, eis que cedo venho, e o meu galardão está comigo, para dar a cada um segundo a sua obra. 13 Eu sou o Alfa e o Omega, o princípio e o fim, o primeiro e o derradeiro. 14 Bem-aventurados aqueles que guardam os seus mandamentos, para que tenham direito à árvore da vida, e possam entrar na cidade pelas portas. 15 Ficarão de fora os cães e os feiticeiros, e os que se prostituem, e os homicidas, e os idólatras, e qualquer que ama e comete a mentira. 16 Eu, Jesus, enviei o meu anjo, para vos testificar estas coisas nas igrejas. Eu sou a raiz e a geração de Davi, a resplandecente estrela da manhã. 17 E o Espírito e a esposa dizem: Vem. E quem ouve, diga: Vem. E quem tem sede, venha; e quem quiser, tome de graça da água da vida. 18 Porque eu testifico a todo aquele que ouvir as palavras da profecia deste livro que, se alguém lhes acrescentar alguma coisa, Deus fará vir sobre ele as pragas que estão escritas neste livro; 19 E, se alguém tirar quaisquer palavras do livro desta profecia, Deus tirará a sua parte do livro da vida, e da cidade santa, e das coisas que estão escritas neste livro. 20 Aquele que testifica estas coisas diz: Certamente cedo venho. Amém. Ora vem, Senhor Jesus. 21 A graça de nosso Senhor Jesus Cristo seja com todos vós. Amém Antes do Seu regresso, Cristo faz alguns pedidos e avisos 

Apocalipse 22:6-21 “6 E disse-me: Estas palavras são fiéis e verdadeiras; e o Senhor, o Deus dos santos profetas, enviou o seu anjo, para mostrar aos seus servos as coisas que em breve hão de acontecer 7 Eis que presto venho: Bem-aventurado aquele que guarda as palavras da profecia deste livro. 8 E eu, João, sou aquele que vi e ouvi estas coisas. E, havendo-as ouvido e visto, prostrei-me aos pés do anjo que mas mostrava para o adorar. 9 E disse-me: Olha, não faças tal; porque eu sou conservo teu e de teus irmãos, os profetas, e dos que guardam as palavras deste livro. Adora a Deus. 10 E disse-me: Não seles as palavras da profecia deste livro; porque próximo está o tempo. 11 Quem é injusto, faça injustiça ainda; e quem está sujo, suje-se ainda; e quem é justo, faça justiça ainda; e quem é santo, seja santificado ainda. 12 E, eis que cedo venho, e o meu galardão está comigo, para dar a cada um segundo a sua obra. 13 Eu sou o Alfa e o Omega, o princípio e o fim, o primeiro e o derradeiro. 14 Bem-aventurados aqueles que guardam os seus mandamentos, para que tenham direito à árvore da vida, e possam entrar na cidade pelas portas. 15 Ficarão de fora os cães e os feiticeiros, e os que se prostituem, e os homicidas, e os idólatras, e qualquer que ama e comete a mentira. 16 Eu, Jesus, enviei o meu anjo, para vos testificar estas coisas nas igrejas. Eu sou a raiz e a geração de Davi, a resplandecente estrela da manhã. 17 E o Espírito e a esposa dizem: Vem. E quem ouve, diga: Vem. E quem tem sede, venha; e quem quiser, tome de graça da água da vida. 18 Porque eu testifico a todo aquele que ouvir as palavras da profecia deste livro que, se alguém lhes acrescentar alguma coisa, Deus fará vir sobre ele as pragas que estão escritas neste livro; 19 E, se alguém tirar quaisquer palavras do livro desta profecia, Deus tirará a sua parte do livro da vida, e da cidade santa, e das coisas que estão escritas neste livro. 20 Aquele que testifica estas coisas diz: Certamente cedo venho. Amém. Ora vem, Senhor Jesus. 21 A graça de nosso Senhor Jesus Cristo seja com todos vós. Amém

Antes do Seu regresso, Cristo faz alguns pedidos e avisos

1. Chamada a manter a Palavra de Deus intacta 

Apocalipse 22:6-7 “6 E disse-me: Estas palavras são fiéis e verdadeiras; e o Senhor, o Deus dos santos profetas, enviou o seu anjo, para mostrar aos seus servos as coisas que em breve hão de acontecer 7 Eis que presto venho: Bem-aventurado aquele que guarda as palavras da profecia deste livro.”

Todas as palavras ouvidas e visões vistas por João são fiéis e terão o seu cumprimento. A Palavra de Deus é fiel e verdadeira.

Vemos uma mudança a partir do versículo 7, pois o anjo deixa de falar e é Jesus quem continua e faz um apelo à obediência à palavra de Deus, atestando que “é Bem-aventurado aquele que guarda as palavras da profecia deste livro”.

Os crentes são chamados a guardar e proteger a revelação do livro do Apocalipse. Muitos negam a veracidade destas revelações, outros procuram torcer a sua interpretação. Por esta razão vemos uma advertência no final.

Apocalipse 22:18-19 “18 Porque eu testifico a todo aquele que ouvir as palavras da profecia deste livro que, se alguém lhes acrescentar alguma coisa, Deus fará vir sobre ele as pragas que estão escritas neste livro; 19 E, se alguém tirar quaisquer palavras do livro desta profecia, Deus tirará a sua parte do livro da vida, e da cidade santa, e das coisas que estão escritas neste livro”.

Os crentes são chamados a serem obedientes e a guardar toda a Palavra de Deus, não devem acrescentar, nem tirar nada.

2. Chamada a adorar somente a Deus 

Apocalipse 22:8-9 “8 E eu, João, sou aquele que vi e ouvi estas coisas. E, havendo-as ouvido e visto, prostrei-me aos pés do anjo que mas mostrava para o adorar. 9 E disse-me: Olha, não faças tal; porque eu sou conservo teu e de teus irmãos, os profetas, e dos que guardam as palavras deste livro. Adora a Deus”.

João prostou-se no chão para adorar ao anjo que lhe havia revelado grande partes das palavras que ele ouviu e visões que ele teve.

Mas o anjo lembra-lhe que só Deus é digno de adoração, dizendo “olha não faças tal. Adora a Deus”.

3. Chamada para os justos crescerem na justiça, mas os injustos tornar-se-ão piores.

Apocalipse 22:10 “10 E disse-me: Não seles as palavras da profecia deste livro; porque próximo está o tempo. 11 Quem é injusto, faça injustiça ainda; e quem está sujo, suje-se ainda; e quem é justo, faça justiça ainda; e quem é santo, seja santificado ainda".

O tempo está próximo, as profecias vão se cumprir em breve, Cristo vai voltar para os seus, mas até lá a profecia fica em aberto até tudo ser cumprido.

Apocalipse 22:12-14 “12 E, eis que cedo venho, e o meu galardão está comigo, para dar a cada um segundo a sua obra. 13 Eu sou o Alfa e o Omega, o princípio e o fim, o primeiro e o derradeiro. 14 Bem-aventurados aqueles que guardam os seus mandamentos, para que tenham direito à árvore da vida, e possam entrar na cidade pelas portas”

Mas enquanto estamos à espera do cumprimento final destas profecias, aqueles que ouvem a Palavra e a guardam intacta, continuarão a crescer na justiça e santidade de Deus, mas os que rejeitarem a Palavra, irão continuar no seu caminho de rebelião, indo de mal a pior, tornando-se mais injustos e mais sujos.

“11 Quem é injusto, faça injustiça ainda; e quem está sujo, suje-se ainda; e quem é justo, faça justiça ainda; e quem é santo, seja santificado ainda.

 4. Chamada ao serviço imediato 

Apocalipse 22:12 “12 eis que cedo venho, e o meu galardão está comigo, para dar a cada um à segundo a sua obra.”

Quando Jesus voltar, ele trará a sua recompensa com ele, para dar a cada um segundo a segundo a sua obra. Aqueles que foram fiéis e pela sua graça guardaram a Sua palavra e entraram nas suas boas obras, receberão galardão.

Apocalipse 22:14 “14 Bem-aventurados aqueles que guardam os seus mandamentos, para que tenham direito à árvore da vida, e possam entrar na cidade pelas portas. 15 Ficarão de fora os cães e os feiticeiros, e os que se prostituem, e os homicidas, e os idólatras, e qualquer que ama e comete a mentira.”

No final do comentário do livro tomarei, no entanto, a liberdade para salientar alguns perigos que penso estarem ligados às outras escolas de interpretação, que por sua vez poderão estar na origem de outros perigos maiores que se tem vindo a introduzir nos meios cristãos.

FINAL