quarta-feira, 14 de maio de 2014

Roberto Latinhas de Moçâmedes

1. Moçâmedes é a Welwitschia do deserto


A cidade de Moçâmedes é a Welwitschia Miráblis do deserto do Namibe na Namíbia. Alguns chamavam  "a princesa do Namibe".

Podem ter uma ideia por este postal como é linda a cidade de Moçâmedes.

O Edificio em cima é o Tribunal e esta linda avenida deve ter cerca de 1,5 km de comprimento terminando no campo de futebol que fica mesmo de frente para o Tribunal, no final da avenida.

Foi nesta linda cidade, onde nasceu e viveu o meu pai Roberto Martins, um dos maiores futebolistas de Moçâmedes e talvez mesmo de Angola, mais conhecido por "Latinhas".

Nota importante: dê uma olhadela rápida ao post, de alto a baixo, lendo os titulos dos capitulos, e escolha um capitulo que ache interessante, ou onde possa ver amigos que conheceu em Moçâmedes.  Se for ao ponto 9. poderá encontrar praticamente todos os sites e blogues ligados a Moçâmedes, onde poderá ver centenas de fotos de pessoas e da cidade de Moçâmedes.

Poderá também ouvir uma entrevista muito interessante no programa "Começar de Novo" da RTP1 feita ao José Fragata, casado com a minha prima Raquel, no ponto 10 deste post.

ATENÇÃO: No final do post, no ponto 15 poderá ver fotos do encontro dos Moçamedenses ano 2013, que me foram enviadas pela a Eduarda Figueiredo e o Helder Canhoto. 

Welwitschia Miráblis
Moçâmedes foi construída em cima do deserto do Namibe onde existe a Welwitschia Miráblis,  uma planta medicinal que só existe em Angola no deserto do Namibe na Namibia.

Esta planta medicinal foi descoberta pelo botânico austriaco Frederic Welwitsch (1809-1878) a 3 de Setembro de 1859.

Em baixo, pode ver uma vista parcial da praia de Moçâmedes.

Praia de Moçâmedes
Infelizmente, a minha família teve que fugir de Angola em 1975.

Isto devido a uma descolonização muito mal feita, como todos sabem, tanto os que lá ficaram, como os que fugiram.

Muitos tiveram que fugir para salvar a vida e perderam tudo: casas, terrenos, negócios, dinheiro, automóveis etc Os meus familiares não perderam muito, mas perderam tudo o que tinham.

pontinho vermelho - Moçâmedes
Angola tem 14 distritos e é cerca de 14 vezes maior do que Portugal, logo alguns distritos devem ser do tamanho de Portugal.

Podem ver o local onde se encontra localizada a cidade de Moçâmedes pelo ponto vermelho em baixo, fica situada entre o deserto, ao sul da cidade, e o oceano Atlântico, que ficava mesmo de frente à cidade, como podem ver.

Para quem não sabe o meu pai faleceu no dia 5 de Fevereiro de 1994, com 68 anos de idade.

 
Alzira, Angelina e Isaura
A minha mãe, a Angelina, está no centro da foto, de colete vermelho. Ela nasceu no distrito de Sá da Bandeira (Huila), o distrito que podem ver mesmo ao lado do distrito de Moçâmedes. Foto tirada no Centro Evangélico da Acção Biblica na Fuzeta, Olhão.

Do seu lado direito é a irmã do meu pai, a tia Isaura, era uma santa. Do lado direito é a Dona Alzira, a sogra do melhor jogador do mundo em hóquei patins.

Sabem de quem eu estou a falar? Do Arlindo Couto.

A Dona Alzira e a família toda do Couto, eram muito fixes. Eles viveram na porta ao lado da nossa, em Armação de Pêra, quando viemos de Angola.

A minha mãe ainda está viva e tem agora (no ano de 2013) 90 anos. Não existem palavras no mundo que eu possa utilizar, para descrever a minha mãe, em todos os pontos de vista, como mulher, modista, filha, irmã, esposa, mãe, avó, sogra, madrasta, tia, cunhada, vizinha e crente em Deus!

Angelina e Roberto Latinhas em 1976
Os meu pais em 1975 - Angelina e Roberto Latinhas

2. Roberto Latinhas era um futebolista genial. 

Penso que ninguém  devia levar a mal por eu estar a prestar esta homenagem ao meu pai o "Latinhas" e de certo modo a Moçâmedes,  a nossa Welwitschia do deserto e a todos os meus familiares que lá nasceram, ou viveram e aos nossos amigos e conhecidos que nos deixaram recordações tão lindas e inesquecíveis.

Todos aqueles que conheceram o meu pai, sabem que ele era uma das pessoas mais conhecidas e castiças de Moçâmedes. Uma das razões é porque ele era um futebolista genial e a outra é porque ele era muito brincalhão e muito cordial para toda a gente.

Podem ver o Latinhas na linha de baixo nesta foto. Ele é o terceiro a contar da esquerda. Ele não tem o lenço na cabeça, talvez para tirar a foto antes do jogo começar.

O "Latinhas", terceiro a contar da esquerda, em baixo
O meu pai jogava a defesa central e tinha bons pés. Como era muito robusto quase sempre ganhava a disputa de bola, pelo chão ou pelo o ar. No entanto a sua grande arma era a “cabeça”. Ele tinha uma "cabeçada” genial, com muita força e com muito jeito. Ele podia dar a volta ao campo inteiro a dar toques de cabeça sem deixar a bola cair.

Não estou a exagerar se disser que o meu pai podia estar entre os melhores jogadores do mundo a jogar de cabeça. Por essa razão ele usava sempre o lenço na cabeça, tantas vezes utilizava a "cabeçada" num jogo.

Na foto debaixo ele deve ter-se esquecido de tirar o lenço, ou então a foto foi tirada depois do jogo. Ele está na linha de baixo, é o último da direita.


 Seleção de Moçâmedes anos 50 Latinhas em baixo, no centro.
Deixo em baixo um comentário que foi feito pelo Adé num email que me enviou em 2 de Novembro de 2013.

From: Arménio Alberto (ade.sjm@hotmail.com) Sent: 02 November 2013 19:41:19

Eu chamo-me Adé, joguei no Sporting  de Moçâmedes, de 1960/1963, até ir para a tropa e depois para Lisboa para o Sporting C de Portugal. Na altura em que o seu pai era treinador de uma extraordinária equipa do Sport Moçâmedes e Benfica, onde jogavam os irmãos Beto e Zezé Sousa, o Emilio e tantos outros!

Eu nasci em Porto Alexandre e tive o prazer de ter visto o seu pai jogar: Era um central com uma colocação fabulosa que quase não corria porque as bolas iam ter com ele pela sua extraordinária colocação. Jogava sempre a dar ordens aos colegas, orientando no terreno os seus colegas do Sporting Clube de Moçâmedes e acabou por ser treinador do Benfica durante muitas épocas.

Um abraço

Arménio Alberto - Adé

Esta foto foi enviada pelo Adé - Angola x Moçambique nos Coqueiros


De joelhos, podemos ver o Gavino à esquerda e o Adé à direita. 

Daqui a uns dias publicarei os nomes dos restantes jogadores.

Foto de família do Adé
Em cima: Cláudia, Sandra e Miguel
 Em baixo: Adé, Isabel, Carla e Fábio  

3. Roberto Latinhas era um dos “cromos” de Moçâmedes 

Tirei o comentário em baixo dos Cromos de Moçâmedes, feito por Ricardo Duarte

Cromos de Moçâmedes

Comentário feito por Ricardo Duarte no seu blog:

Para começar eu abriria com uma do Sr Roberto Latinhas, também um cromo (com o devido respeito) de Moçâmedes. Chamo cromo com carinho porque o sr Latinhas (barbeiro em Moçâmedes) tinha muita piada.

na minha terra os carneiros não pagam pelo cabelo
Na sua barbearia sentou-se um rapagão loiro ("estrangeiro" desconhecido naquelas bandas) para cortar o cabelo.

O Sr Latinhas começa o corte e entretanto chega um freguês habitual e diz: Então Robertoquando é que posso cá vir?

Responde o RobertoLatinhas: Olha vem daqui a 15 minutos que estou quase a acabar a tosquia a este carneiro.

O Sr Roberto depreendeu que o loiro era mais um dos inúmeros estrangeiros que pululavam por Moçâmedes por aquela época e que trabalhavam no Porto Mineiro do Saco.

Quando acabou o corte o Latinhas pede o kumbu ao rapaz e ele responde: "Na minha terra os carneiros não pagam para ser tosquiados" e abalou porta fora sem pagar perante a cara de espanto do Latinhas. (Pensa-se que a personagem era um madeirense dos atuneiros).

Comentário em baixo feito pelo filho do Barbosa da Alfandega:

http://mazungue.com/angola/index.php?page=Thread&threadID=1693

A ida todos os sábados ao Latinhas, o que eu impava quando ele invariávelmente perguntava: - Então o que vai hoje ? E eu todo importante - À Inglesa Curta, se faz favor. Nem podia ser outra coisa, nem o velho deixava, nem o sacana do gordo do Reitor nem a Mocidade Portuguesa...

A minha Avó materna foi na barriga da mãe de Olhão para Moçâmedes num barco à vela e a vapor, com roda lateral e dias depois de aportarem a Moçãmedes, ela nasce numa caverna das "Furnas", mais tarde mudando-se com a familia para o "Platô". 

Ano - 1907 Nome - Bauleth sim...sim é Tia-avó da Riquita.

O meu Pai era do "Puto" e para subir na carreira do Estado tinha que ir para as Colónias e lá foi progredindo na Alfândega até ser Tesoureiro e depois mandar o Estado à fava e ir trabalhar com o Pai da Riquita na Banca de Despachante, além de fazer a escrita do Cinema e das Ovelhas do Caraculo, para ganhar mais uns cobres. 

Nome - Barbosa o Barbosa da Alfandega. 

É que havia outro Barbosa e como eu "perdia-me" muito entres as Madres e casa, ensinaram-me o nome completo, que terminava em Barbosa da Alfandega. 

Assim, quando me perdia, encontrava alguém e dizia, sou fulano Barbosa da Alfandega e iam-me levar a casa. Andei uns tempos a pensar que me chamava mesmo Barbosa da Alfandega.

Mário Brazão anexou a seguinte imagem:



4. Roberto Latinhas contra Sport Lisboa e BENFICA EM 1950 

Podem ver o meu pai “Latinhas” com o “lenço” nas duas fotos neste grande jogo contra o Benfica. Não sei quem ganhou, se alguém sabe, diga alguma coisa s.f.f.



O Hernâni Nunes que leu o post deu algumas dicas sobre este jogo no email que me enviou em Janeiro 2013, que podem ler em baixo:

Agora atendendo a um pedido teu de ajuda sobre o que escreveste, aproveito para te informar de que o jogo da Selecção de Moçâmedes contra o Benfica de Lisboa saldou-se por uma derrota nossa de 10-1.

O nosso golo foi metido pelo Beto de Sousa na 1ª parte. 

Podia ter ficado por menos, mas o Zeca Bauleth teve um desaguizado com o Rogério do Benfica e pregou-lhe uma estalada. Meteu polícia, o pai do Bauleth, enfim uma balbúrdia. Conseguida a calma, o jogo continuou, mas a partir daí o Benfica não perdoou nem facilitou mais as coisas e então foi de encher o papo.

Hernâni

Nota do Viriato: se alguém tem mais dicas sobre o jogo que me envie s.f.f


5. Roberto Latinhas tirou o lenço para a foto 

O meu pai é o primeiro do lado esquerdo em baixo, jogando pela seleção de Moçâmedes num torneio organizado no Lubango entre algumas seleções de Angola. Ele não tem o lenço para tirar a fotografia antes do jogo.


Beto de Sousa está ao lado dele e a seguir é o Pinto relojoeiro. O Oliveira sapateiro é o primeiro de pé do lado esquerdo. Podem ver em cima o Carlos Bode, o guarda-redes da seleção.

Eram todos gente famosa de Moçâmedes, enfim mais alguns "cromos" famosos como o meu pai, mas havia muitos outros.


6. Roberto Latinhas podia aliviar a bola para muito longe 

tal era o chuto e a cabeçada...
Como defesa central, ele conseguia aliviar a bola com os pés da sua grande área até ao meio campo, tal era o seu chuto.

Durante os cantos e as jogados pelos extremos, ele colocava-se numa posição mesmo de frente à grande área adversária para receber bolas centradas e chegava a fazer golos de cabeça a grande distância da baliza, tal era a cabeçada dele.


7. Como treinador ele deu alguns campeonatos ao Benfica.

Depois de terminar a sua carreira como futebolista ele tornou-se treinador e o Benfica de Moçâmedes ganhou alguns campeonatos com ele como pode ver na foto em baixo.

Futebol: Sport Moçâmedes e Benfica: Campeões em 1959 e 1960


O terceiro jogador em cima, a contar do lado esquerdo, era o Madeira. Penso que ele morreu por volta de 1960, quando se deu o terrível incêndio no cinema do Sr Eurico de Moçâmedes. Notem que ele está nesta foto de 1959, mas não está na foto de baixo de 1960?

 O incêndio começou na sala da máquina de filmar e alastrou-se por todo o cinema criando um pânico indescrítivel entre as pessoas que procuravam escapar por todos os meios. Algumas pessoas que estavam na plateia de cima saltaram ou cairam do 1º andar para baixo.

O Madeira, estava vindo do treino de futebol e passava naquele momento mesmo à frente da porta principal do cinema, quando uma chama saiu do cinema pela porta fora e ele foi colhido por aquela chama, sofrendo queimaduras mortais, morrendo logo ou vindo a falecer no hospital. 

Desculpem-me estar a relembrar este acontecimento tão triste. Se alguém lembrar-se deste triste acontecimento e tiver mais informações, dados, datas, nomes ou queira rectificar alguma coisa na minha informação é fazer favor de me contactar. 

Comentário em baixo sobre o que aconteceu no Cine Teatro de Moçâmedes foi tirado do blogue Princesa do Namibe:


O Cine Teatro de Moçâmedes teve os seus momentos de grande dramatismo. O pior aconteceu com a grande tragédia que abalou o pequeno burgo nos inícios de 1960, quando num fatídico dia em que decorria o filme «Amanhã será tarde», a casa dos filmes, no 1º andar, começou a arder após uma explosão que apanhou algumas pessoas pela frente, projectando outras pelas janelas fora. 

Morreram e ficaram feridos bombeiros, morreu Jorge Madeira (sobrinho do industrial e comerciante, Gaspar Gonçalo Madeira), jogador de futebol do Benfica e defesa central da selecção de Moçâmedes. Jorge nem sequer tinha ido ao Cinema. Tinha regressado de um treino, e ao passar junto ao Cine Moçâmedes foi apanhado quando alguém na bilheteira lhe pediu um lenço para se proteger do fumo. Foi precisamente no momento em que acabara de entregar o lenço, quando se volta de costas, que uma grande explosão fez a casa das filmagens ir pelos ares, e arrastou-o consigo. As queimaduras e os danos que Jorge Madeira sofreu foram de tal ordem que veio a falecer oito dias depois. 

Nessa explosão Dina de Sousa Chalupa, a concorrente feminina que ficou conhecida pela sua particpação nos 1ºs. rallies das Festas do Mar, e participou em várias provas automobilistas, na década de 1950, foi projectada pelos ares, a partir da janela do primeiro andar deste Cinema, e não morreu por um triz. Ela estava a preparar-se para saltar, quando foi empurrada por alguém em desespero, caiu de costas e fracturou 3 vértebras, tendo ficado imobilizada num colete de gesso durante 3 meses. O marido, José Joyce Chalupa ficou ferido nas pernas, mas houve pessoas que morreram.

Importa ainda referir que em tempos mais atrás também aconteceu na cidade de Moçâmedes um outro acidente que colheu para sempre um dos braços de um dos proprietários, Eurico Martins, apanhado que foi pela correia do gerador, enquanto trabalhava. Por essa altura era num barracão ao lado deste Cine Teatro, que ficava o dito gerador, barracão que, com a chegada da electricidade à cidade acabara por ser demolido e dar lugar ao novo e moderno edifício onde, nos finais da década de 50 se instalou a Pastelaria Avenida.


Latinhas à direita, deu mais este campeonato ao Benfica - 1960

Da esq. para a dt: em cima: Humberto Pinho Gomes (dirigente), Jorge Loures, Casimiro Jorge, Fernando Matias, Rui Bauleth de Almeida, Emilio Teixeira, Fernando Formosinho, Paiva e Roberto Martins(Latinhas-Treinador) Em baixo: Mário Eugénio F. Sousa (Zezo), David Proença, Carlos Roberto F. Sousa (Beto), João António Guedes, Mestre e Andrade.

O Hernâni Nunes que leu o meu post deu a seguinte informação no email de Janeiro 2013,  que pode ler em baixo:

Outro assunto que me ocorre dar uma dica é sobre o assunto do incêndio do cinema. Na altura eu não estava em Moçâmedes, pois estava a estudar na Africa do Sul, mas contaram-me que na altura em que o Madeira foi apanhado pelas chamas foi também apanhado um conterrâneo nosso que tinha estado ausente de Moçâmedes durante alguns anos, e que tinha voltado uns meses antes do incêndio. Vinha junto com o Madeira porque ambos tinham acabado um treino de Basketball no Benfica. Também morreu com as queimaduras. O nome dele era Rocha, só o conhecia por esse nome.

Hernâni


8. O meu irmão Angelino era um craque também 

Já agora, a alcunha de família do Angelino era "maluco", porque ele era um pouco maluco em algumas coisas. Se o Angelino sabe disso, estou arrumado, mas já agora aproveito dizer que ele acabou com aquelas "maluqueiras" de criança, que fazia a minha gritar "seu maluco", "seu maluco".

O Angelino, na altura do meu casamento, contava aos convidados que quando a mãe me chamava para me dar uma sova, eu lá ia devagarinho, a tremer de medo e só dizia "eu Chabia""eu Chabia" (eu sabia, eu sabia, é que eu tinha alguma dificuldade em pronunciar os sssssss.....).



                                            Eu e o Angelino numa das suas "macacadas"!

Digam lá se o Angelino era "maluco" ou não? Bem o fotógrafo também não batia lá muito bem da cabeça.

Angelino
Todos diziam que o meu pai era um jogador excepcional e o meu irmão Angelino era um craque.

O Angelino jogava a médio atacante, mas com uma facilidade incrível, pouca vista, em aparecer como extremo ou ponta de lança.

Além disso, parecia que ele tinha um "íman" na bota direita, pois a bola ficava colada à bota e quem a tirava!?

Ele tinha uma facilidade impressionante em conduzir a bola para a frente e driblar que era uma coisa por demais.


                  Esta equipe ganhou o campeonato de juniores de Angola.
Juniores do Sporting de Moçâmedes campeões de Angola
Nesta foto, com toda a equipe técnica, o Angelino é o quarto em baixo a contar da esquerda. 

Viriato  e o Beto
2 Fotos tiradas em 14 de Abril de 2014
  Tirei esta foto com o meu irmão Beto em Armação de Pêra,
onde eles 
vivem desde que chegaram de Angola.

9. Eu era um acrobata e dava uns toques de futebol. 


                                  Selecão da Escola
         Em cima: (?), Fernando, (?), Monteiro, (?), Helder, Carlos (Bitacaia), (?)
         Em Baixo: Maia, Viriato, Cruz, João Batista,  (?) e Mário


Eu joguei na equipe dos Juniores e Seniores do Sporting.  O Helder Canhoto, polícia em Portimão, era um jogador fenomenal (3º a contar da direita, de pé). 

Monteiro (em cima, 5º a contar da direita, de pé)  o Monteiro era um tractor, levava tudo a frente. O António  Cruz ao meu lado direito, muito diplomático em tudo, na bola também.

Do meu lado esquerdo era o Maia (um primo meu em segundo grau) ao lado do Cruz podem ver o famoso João Batista. Podem ver pela cara que ele era mesmo um revolucionário - famoso!

Ainda na foto, na linha de baixo, do lado direito, o Vitória Pereira, filho do "Zé Mac-Mahon" Mário Vitória Pereira" famoso professor de física e química, que fazia tremer toda a malta, pois um murro dele era capaz de deitar um touro abaixo.

Sobre o Cruz, ele era meu colega de escola, colega de futebol e colega daIgreja Evangélica de Moçâmedes. 

Infelizmente ouvi mais tarde do falecimento do António Cruz, ainda muito novo. Nunca mais ouvi nada do seu irmão o Fernando Jorge, ou das sua irmãsFilomena, Bernarda e não me lembro se havia outros.

O pai deles o Sr Cruz trabalhava na Alfândega e era um dos fiéis da Igreja. O Sr Cruz ia a pé para a Igreja com toda a familia aos domingos, eles andavam quase 1 hora para a ida e mais 1 hora de regresso a casa! 

Quem  é que faria isto hoje?

A nossa equipe de Juniores do Sporting 
chegou à meia-final do Campeonato de Angola.
Jordão, em baixo, segundo a contar do lado direito...
Nessa meia-final contra uma equipe do Lobito aonde jogava o Jordão, antes de jogar no Benfica de Lisboa, como vemos na foto em cima, onde vemos também o melhor jogador do mundo, o Eusébio.

Naquela meia-final, o locutor só dizia, aquele ali, baixinho, Viriato, tem posto oJordão no bolso. É que o meu treinador, às vezes, dava-me a tarefa de pôr no bolso o jogador mais perigoso da outra equipe. E punha mesmo!

No Lobito, eles ganharam, com um frango, pois o nosso guarda-redes (esqueci-me do nome) andou na borga e estava cheio de sono e nem saltou e a bola passou-lhe por cima.

Foi logo substituido pelo Leopoldo!

No jogo em Moçâmedes, o Rui Moutinho, o Rui Kakinda, conhecem, aquele doido que jogava com o Cordeiro ao meio-campo, ele tinha cá uns pés, geniais, mas as "escarradelas" eram o ponto forte dele, decidiu enervar o Jordão e enfiou-lhe com duas "cuspidelas em cima".

Mas, Infelizmente, não conseguimos passar, eles passaram a eliminatória e foram campeões de Angola naquele ano, eu deixei o Jordão sair duas ou três vezes do bolso, as "cuspidelas" do Rui Kakinda não  deram resultado e foi fatal!

Depois de enviado este post, recebi em 17-01-2013 um email da Filomena Cruz que coloco em baixo:

RE: Roberto Latinhas de Moçâmedes‏
    Filomena Cruz

To Viriato dos Santos Martins

Caro Viriato, 

Fiquei sem palavras ao ler este post. Até ao momento, só quero dizer-lhe muito obrigado. Vou voltar a ler tudo e numa próxima oportunidade direi algo mais. Eu sou a Filomena , as outras minhas irmãs estão bem, graças a Deus, a Bernarda é pastora numa igreja metodista em Luanda. Vou contar-lhe tambem que já estive com a D.Angelina e o Mandoca em casa, isto em 2002 ou 2003. Por hoje, fico por aqui, estou muito emocionada. Que é  feito do Angelino? Receba um abraço fraternal, que Deus todo poderoso continue nos fortalecendo.


Filomena



Nota: D. Angelina é a minha mãe e o Mandoca é o meu irmão.


Já gora, o meu salto mortal por cima do Jeep.
Somente 5 recrutas eram capazes de dar este salto mortal.

Viriato dando salto mortal no juramento de bandeira em Nova Lisboa em 1972


10. Alguns amigos de Escola e do Desporto

Esta foto em baixo foi enviada pelo Helder Bento 

Mais conhecido por Helder Canhoto, um dos melhores jogadores de futebol de Moçâmedes. 

O Helder era também um grande jogador de Basquet.  

Mas, vemos em baixo, outros grandes jogadores de futebol, como o Cordeiro, por exemplo.


Seleção da Escola: Desculpem, não me lembro do nome de todos
Em cima - (?), Veríssimo, Fragata, (?), Edgar, Viriato,  (?),
Nelinho e Rui Proença

Em baixo -  (?), Angelino, Helder Canhoto, Cordeiro,  (?),

Fernandinho e Tomaz

Uma senhora da minha Igreja em Vila Real, quando olhava (maliciosamente) 
para as pedras à volta dizia "Pucha Trás-os-Montes é uma terra de "calhaus". 

Perdoem-me transmontanos, estou a brincar, senão o meu filho mais novo, o Filipe, que nasceu em Vila Real, é um "calhau" também.

Moçâmedes, não era uma cidade de "calhaus", mas sim de "cromos". Quem me dera, poder falar de tantos que eu conheci, eram pessoas únicas, que se não nascessem tinham que ser inventados, como o meu pai, o Roberto "Latinhas"!

Vejam mais algumas fotos, pois de certeza se lembram de alguns amigos:


O Filipe que jogava ao lado do Helder Canhoto, está sentado do lado direito. O Filipe merece ser referido aqui, pois ele era um grande jogador.

Caetano, de branco de pernas cruzadas e do seu lado direito on Nabal. 

Leopoldo, um dos nossos guarda-redes, de branco entre o Caetano e Nabal.


Abreu e Helder "Canhoto" e o meu irmão Angelino em baixo.
Os cigarros eram para enfeitar, os marotos não fumavam!
                
Já agora podem ver o Helder canhoto, juntamente com e o meu irmão
Angelino sentado no sofá. Juntamente com um famoso Moçamedense, o Castro Abreu, toda a gente o conhecia por Abreu ou Dinho.

Abreu é sobrinho do falecido Manecas Castro um dos mais conhecidos dirigentes do Sporting de Moçâmedes daquele tempo.

O Abreu era famoso, não só por ser um tipo muito porreiro, que era amigo do amigo e até do inimigo, mas também por ser um maiores jogadores de basquet da nossa terra.

Bem, debaixo da tabela, ele não tinha amigos! Ai daquele que disputasse um ressalto de bola com ele debaixo da tabela! Ele era muito alto e magrinho, mas quando saltava à busca da bola e abria as pernas e os braços, coitados dos adversários, o Abreu debaixo da tabela não era amigo de ninguém!

                     Basquetebol do Sport Moçâmedes e Benfica 1966
           
Em Março 1966 na deslocação a Nova Lisboa (Huambo)

Em cima: Emídio Sena, 
Abreu, Elísio** Fragata, Ginho 

                  
                   e Orlando Gomes (treinador)              

Em baixo: Carlos Alberto, Calita, Rui e Messias.

** Entrevista do Fragata casado com a minha prima Raquel, mais em baixo:

Abreu era também um muito conhecido cantor de fado, como podem ver nas fotos em baixo.


Conjunto Goldfinger: Ratola, Matos, Bento César e o Abreu é o quarto
 a contar do lado direito com o microfone a cantar. 
Faltam os 2 Borda Dàgua, o Albertino
e o Mário Chouriço

O Abreu a cantar e podem ver o falecido Ludgério Peleira

Abreu encontrou o post sobre o meu pai e na semana passada, enviou-me logo um email, pedindo o meu telefone e na sexta feira 10 de Maio de 2013 telefonou-me e  falamos mais de 1 hora ao telefone.

A seguir ao telefonema ele enviou-me estas fotos. O Abreu é um herói!

Clique em baixo para ouvir a entrevista muito interessante no programa "Começar de Novo" feita pela RTP1 a José Fragata no dia 14 de Fevereiro de 2013.


Falei com o Fragata e a Raquel ao telefone no dia 6 de Agosto de 2013. Já não os vejo desde 1975!!! A Raquel é uma das filhas dos meus queridos falecidos tio João e tia Mena. Além da Raquel, tiveram o João (Joãozinho), a Antonieta (Eta) e a Manuela (Nela).

Já agora, pode ver em baixo a equipe de basquet feminina de Moçâmedes, onde está a minha prima Raquel:

8 - Cila Calão. 9 - Eduarda Figueiredo. 6 - Rosa Seixal. 4 - Conceição Ferreira. 
5 - Cidália Calão. 10 - Quina Falcão. 12 - Raquel Martins. s/nº Emília Gomes


A foto em baixo  é uma homenagem ao meu grande amigo António Cruz que podem ver em baixo do lado direito de chapéu, ao lado da Isabel. 

O António Cruz foi um dos amigos mais "fixes" que eu conheci. Podem ver pelas fotos dele, como era tão fixe". Podem ver a Vera, o Nabal etc


A foto em baixo serve para mostrar o "Zé Mac-Mahon" Mário Vitória Pereira"em baixo de bata branca, o quarto a contar da direita. Ao lado dele podem ver o Dr Balsa director da Escola.


 

Gostaria de mostrar mais fotos e falar de mais amigos, mas precisava de tempo. 

No entanto tenho que dizer alguma coisa do grande amigo Helder Vicente, mais conhecido por Chupa-Caca. Eh pá, à prónúncía déle, quando dizia:"ó qué qué tú pénsávás , qué éscápávás, já tá pánhéi".

E um dia apanhou-me mesmo e deitou-me para dentro de um tanque de água! E os tabefos que ele dava, meio a sério, meio a brincar e depois dizia  "vístés, já lévástés!"

Albano, Angelino, Helder Cupa-Caca e Viriato
                                    
O Helder era um dos maiores "cromos" da escola, perguntem ao Cordeiro, ao Mamedes, e ao Gustavo "Pardal'. 

Não existem palavras para descrever o Helder "chupa-caca". Chegamos a assaltar os "figos" na casa dos pais dele, e os assaltos eram organizados pelo próprio "Chupa-Caca".

Sabem alguma coisa do Albano? Ele era um tipo muito porreiro e amadurecido. Por essa razão, aos 14 anos já tinha barba e bem cerrada. O Albano era impecável!

Mas para finalizar, alguém sabe do meu primo Carlos Martins (o Calita), em baixo do lado esquerdo, que vive em Estremoz? Conhecido por "Chipalhaia"(nem me lembro se escrevemos assim), ele era o  irmão mais novo da minha prima Maria de Fátima que trabalhava no Notário e da Pequenó casada com oLeston Martins (meu primo também). 

Podem ver também na foto de baixo o Bitacaia, um grande guarda-redes e todos os outros "saudosos"! 
















O Hernâni Nunes que leu o meu post, no email de Janeiro 2013, perguntou-me se o meu primo "Chipalhaia" e o "Chipôaio" eram a mesma pessoa?


Não, eles não são a mesma pessoa, mas já agora podem ler em baixo o que o Hernâni disse sobre o "Chipôaio".

"Eu sabia dum caso passado na Torre do Tombo, de um rapaz muito pobre pouco instruido que se exprimia num Português "muito carregado", e que na altura se encontrava misturado com um grupo de outros garotos que se confrontavam com um escorpião "lacrau", sem o querer esmagar de vez. 

Dizia ele então aos outros: "Si pôe áio êre si môri" em Português seria "Se lhe puserem alho ele mata-se". A partir dessa altura a alcunha do pobre moço passou a ser o "Chipôaio".

Hernâni

Voltando ao primo Calita, o Chipalhaia, e às primas Pequenó e Fátima, eles tinham outros irmãos. o Antoninho e o "Ico" que já faleceram e o "Guinhas"(Albano que vive em Estremoz), eram filhos do meu tio António e da tia Juditeque se ainda não morreu já tem 100 anos (em 2013). Falei com esta tia"fantástica" ao telefone quando ela já tinha 94 anos! 

Fotos enviadas pelo Hernâni Nunes:



Mocidade Portuguesa
Hernâni de cócoras, no meio dos dois guardas redes

O Hernâni de pé, é o 3º a contar da direita
              
                     Fotos da família do meu primo Calita Martins que vive 
                                           há muito anos em Estremoz

Calita e Guida com a netinha
A Lídia, filha do Calita, com a filhinha
Calita e a netinha
Guida, Judite, Calita, Edgar, Lídia e Luisa

A Luisa é a esposa do meu primo Albano (o Guinhas) que são os 
pais do Edgar que é um fotógrafo muito conhecido 
que vive em Londres. 

Se procurarem no Google por Edgar Martins fotógrafo Londres, 
encontrarão alguns sites e trabalhos dele.

E quem é a Judite, podem estar a perguntar? É a mãe do Calita e do Albano e de outros primos e primas e tem nesta foto 99 anos (em 2013)

O recorte em baixo foi enviado pelo Helder Canhoto: 

Podem ver o Zezinho que era mais do que um irmão para mim 
e para os meus irmãos, Nito, Nita, Beto, Angelino e Mandoca. 

A nossa escola e cidade foi abalada pelo falecimento do Zezinho aos 17 anos de idade. Ele era filho do Zé e da Felicidade Pinto, que já faleceram também.


Nas fotos em baixo podemos ver gente muito famosa de Moçâmedes. 

Moçâmedes veio a Lisboa e ganhou o campeonato Nacional de Basquetebol. 
Com craques como estes, o quê que eles queriam?
                                 
                    Sporting de Moçâmedes - Campeão distrital
Jogadores:        Em cima - Tota, Nelito, Toninho, Beto e Zezinho. 

                         Em baixo - Viriato, Gaduca, Cambuta, Angelino e Helder                                         
Dirigentes:        Fragata, Castro, Toninho Castro e Manecas Castro 

          Sobre as duas fotos em baixo, faço um único comentário.
                                    "Grandes jogadores"!

 
Em cima: Castro, (?), Cláudio, Brucks, Mário Graona, Virgílio e Travassos.

Em baixo: Custódio, Kalu, (?), Calhaços, Soares (?), (? ) e Granadeiro.


11. A família de Roberto Latinhas

Além do Angelino, eu tenho mais três irmãos, nomeadamente o Mandoca(Armando), o Beto (Norberto), o Nito (o Rogério que já faleceu), o guarda-redes na foto em baixo e que cantava melhor do que o Cliff Richard, e tinha uma irmã, a Nita (Luisa).

O guarda-redes é o meu irmão Nito.
Mandoca podia ter sido um pintor e desenhador muito famoso, se lhe tivessem dado a oportunidade. Podem ver alguns quadros dele, em baixo, o velho sentado, desenhado a lápis e mais outros dois quadros.

O meu irmão Beto, que vive agora em Armação de Pêra,era mais conhecido por"Beta marreta".

Ele era invencível e sempre que aparecia um suposto campeão, vindo de um outro bairro ou cidade, tinha que se haver com o "Beto marreta".

Nunca vi ele perder uma luta, tinha um soco que era uma autêntica "marretada", daí a alcunha.

Os meus tios eram também muito conhecidos em Moçâmedes:

O meu tio João Latinhastambém jogava a bola e foi colega do meu pai na barbearia onde trabalharam cerca de 30 a 40 anos, ele era capaz de fazer rir um morto.  Era casado com a tia Mena, irmã da tia Judite que eracasada com o tio António. 

Visitei muitas vezes o tio João e a Mena quando vivia em Lisboa, passamos bons momentos juntos, chegaram a vir a uma ou duas reuniões na igreja aonde eu era pastor. Fantásticos!

Um dos quadros do meu irmão Mandoca
O meu tio Augusto Latinhas, um brincalhão de primeira classe também, fez teatro, trabalhou durante toda a vida até vir para Portugal na Escola Comercial de Moçâmedes.

Não posso deixar de colocar este aparte sobre o meu tio, dito pelo Hernâni Nunes no email de Janeiro de 2013 :

Sou grande amigo da Pequenó e do Leston, da Fátima e do falecido João Beraldinelli  Lembro-me bem do teu irmão Angelino

Conheci muito bem o teu tioAugusto Latinhas, que trabalhava na Escola Práctica de Pesca e Comércio de Moçâmedes, (assim se chamava no meu tempo), que nós estudantes muito respeitosamente chamavamos "Sô Martins", homem muito calmo, bondoso, que sem uma única palavra rude ou dura levava-nos a andar na linha. 

E para brincar com a nossa ingenuidade de então, era formidável. Não é meu interesse tomar muito do teu tempo, mas haviam brincadeiras daquele bondoso homem que eram dignas de registo, e esta que conto a seguir é uma delas: 

"Contava o teu tio ao filho mais novo do Eurico do cinema, que tinha em casa uma coelheira com uns coelhos maravilhosos que se reproduziam por ovos. Pois não é que o Eurico Júnior acreditou! Então alguns de nós (estudantes), apanhamos o Eurico a tentar "sacar"  uns quantos ovos de coelho ao teu tio, para os por a chocar, uma vez que estava interessado em fazer uma criação deles. Está claro que isto foi motivo para gozo do pobre do Eurico."

Hernâni

Nota do viriato: gostei muito desta homenagem prestada pelo Hernâni ao meu querido tio Augusto. 

Eu era um grande amigo do meu primo Carlos (Calota) filho do Augusto. 

Nós os dois éramos como irmãos, mais ainda, pois também éramos irmãos em Cristo e lemos e estudamos muitas Vezes a Bílbia juntos, especialmente em Armação de Pêra, aonde nos colocaram quando viemos de Angola.

O Calota era um génio, um tipo fantástico, em tudo! 

E, o irmão dele o "Guto", que brincava com os chineses e coreanos nos campeonatos de ping-pong, ganhava-os a jogar com uma mão atrás das costas. Bem, às vezes perdia!

E as irmãs deles, a Céu, a Eduarda e a Lalita, eram tão afectuosas! É que elas não tinham só um grande pai, mas uma mãe incrível a tia Laura.

Agora, falando de um outro tio, o meu tio António Latinhas que era o capataz do estaleiro de Moçâmedes morreu cedo, só tinha 53 anos, mas era um "cromo" incrível também, só quem o conheceu!

E o Zeca Latinhas, mais conhecido por "Straus" quem é que não o conheceu?Era também meu tio. Ele era casado com a tia Alice, nunca tiveram filhos, mas tinham cerca de 15 gatos! Mais um "cromo" famoso!

O meu tio Viriato Latinhas de quem eu tirei o nome, morreu muito jovem, talvez quando tinha 18 ou 20 anos.

Bem, não posso falar de toda a família aqui, é pena, pois tenho outros tios e tias e muitos primos e primas, também muito conhecidos em Moçâmedes ou na Huila (Sá-da-Bandeira)!

O meu pai tinha muitos irmãos e irmãs, eram 15 no total e o meu pai era o "caçula", o mais novo de todos.

Um dos quadros do meu irmão Mandoca
Do lado da minha mãe Angelina, eram somente o tio Raul e a tia Irondina.

Mas o meu tio Raul e tia Irondina tiveram muitos filhos e filhas.

Boneca, Adelina. Graça, Nando, Nelo,  Nininho, Raul, Pedro, Zeca do lado do tio Raule o Rui, Idalina, Armanda, Bela e a Zeza, que penso que era a mãe do Eduardo, do lado da tia Irondina.

Podem ver por este quadro, a qualidade da pintura do meu irmão Mandoca. Ele tem dezenas de quadros ainda guardados, mas é claro que já vendeu centenas deles por uma bagatela.
Mais m dos quadros do meu irmão Mandoca
É muito difícil tornar-se num grande artista!


A pessoa precisa de encontrar oportunidades para ficar conhecido, por muito bom que seja.


O Mandoca podia ter sido um grande arrtista, se tivesse tido oportunidades para ser conhecido.


12. Roberto Latinhas era membro da Igreja Evangélica de Moçâmedes

Como muitos sabem o meu pai esteve envolvido com a Igreja Evangélica de Moçâmedes, que podem ver no fundo da rua, desde que eu nasci até deixarmos Moçâmedes.


Igreja Evangélica de Moçâmedes - em baixo.
Ele e a minha mãe Angelina estiveram muito envolvidos na Igreja, não só nesta mas numa outra Igreja num dos bairros pobres da cidade.

A minha mãe ajudava no trabalho no meio das crianças, senhoras e visitava a prisão.

O meu pai era um dos pregadores da Igreja.

Eles eram de facto muito fieís à causa de Cristo e ajudaram a espalhar a mensagem evangélica no meio de muitas famílias de Moçâmedes.


13. Fotos da família e da Igreja que fundamos em  Vila Real

Conheci a minha mulher na Inglaterra em 1984. Fui de férias visitar uns amigos e na minha primeira ida à Igreja dos meus amigos, eu estava na porta e vi alguém chegar numa mota grande.

Quando a pessoa tirou o capacete  eu fiquei surpreendido, pois, era uma menina! Do lugar aonde estávamos sentados na Igreja, olhamos um para o outro e aconteceu o mesmo na próxima reunião.

Uns dias depois, a Igreja deu um passeio e fomos no mesmo carro e pudemos conversar um pouco.

A Janet disse que vivia com uma tia de 98 anos e eu disse que gostava de visitar a tia dela. Fui visitar a tia e no mesmo dia a Janet perguntou-me se eu queria dar uma volta de mota e hoje temos 28 anos de casados (2013) e 5 filhos.
Casamos e a Janet veio viver para Portugal em 1985 até 2007
Portimão 1986 - Janet estava à espera do Pedro, sente-se um pouco cansada 
Eu da Janet só posso dizer uma coisa, ela é a melhor esposa do mundo e penso que os meus cinco filhos também diriam "ela é a melhor mãe do mundo".

Estou a dizer isto com todo o respeito e carinho por muitas grandes esposas e mães que existem pelo mundo inteiro e que afinal são elas que tornam a nossa sociedade num cantinho bom e seguro para se viver.

Infelizmente, quando as mães falham, fracassam, a sociedade toda vai por água abaixo.

Centro Evangélico de Vila Real - Associação

Viriato e Janet, Pedro (16) , Ricardo (15), Joana (14), André (13) e Filipe (8).

2009
2004










2005
Como muitos sabem eu exerci a função de Pastor Evangélico desde 1976 a 2008. Primeiramente trabalhei com a Acção Bíblica durante 15 anos e depois fomos para Vila Real com uma missão inglesa a UFMworldwid, onde trabalhamos durante 16 anos de 1992 a 2008

Esta foto foi tirada em Vila Real, no Norte de Portugalnuma Igreja que fundamos. O edificio com cerca de 300 metros quadrados foi comprado por nós, com o apoio financeiro da Inglaterra. Com a compra e as obras custou cerca de 225.000 euros.

Eu estou em baixo no meio da foto e a Janet está de pé do lado direito. Os nossos 5 filhos também estão na foto.

Transferimos a Igreja e o edificio para a Igreja Assembleia de Deus - Santos em 2012.

                   Casamento do nosso filho Pedro e a Inês 
                          Inglaterra 24/04/2010
André, Joana, Pedro, Inês, Viriato, Janet, Filipe e Ricardo

14. Encontros e amigos de Moçãmedes

                Encontro em 2013 nas Caldas da Rainha

Fotos enviadas por Eduarda Figueiredo  





Vera Freitas, Ana Malha, Elizabete Malha, 
Isabel Campos e Eduarda Figueiredo


Encontro em 2013 nas Caldas da Rainha

Fotos enviadas por Helder Canhoto


Helder - terceiro a contar da esquerda, ele 
enviou-me a lista em baixo.

Godinho, Júlio Pinto, Helder, Kalu (BeiraGrande), Nestor, 
Calhaço, Travassos, Álvaro Batista e Silhéu. 

Veja em baixo, uma foto do Almoço de Natal dos moçâmedenses,


Entrevista muito interessante no programa "Começar de Novo" 
RTP1 a José Fragata no dia 14 de Fevereiro de 2013.


Falei com o Fragata e a Raquel ao telefone no dia 6 de Agosto de 2013. Já não os vejo desde 1975!!! A Raquel é uma das filhas dos meus queridos falecidos tio João e tia Mena. Além da Raquel, tiveram o João (Joãozinho), a Antonieta (Eta) e a Manuela (Nela).


Em baixo, algumas fotos enviadas pela Eduarda Figueiredo:

 Escola Comercial e Industrial de Moçâmedes


 Escola Comercial e Industrial de Moçâmedes

  

          Alunas da Escola comercial e Industrial de Moçâmedes


Campeonato da Mocidade Portuguesa em Madrid - 1964


Encontro dos Moçâmedenses em Cascais em 1991

A Riquita! E quem são as duas meninas ao lado?

Reconhecem alguns amigos nas duas fotos em baixo?






Esta foto em baixo foi enviada também pelo Helder Bento 

Mais conhecido por Helder Canhoto, um dos melhores jogadores de futebol que pisou os campos de futebol em Moçâmedes. 


O Helder Canhoto era também um grande jogador de Basquet.  

Mas, vemos em baixo, outros grandes jugadores de futebol, como o Cordeiro, por exemplo.


Seleção da Escola: Desculpem, mas não me lembro do nome de todos
Da esquerda para a direita: 
Em cima - Veríssimo, Fragata, Edgar, Viriato, Nelinho, Rui Proença
Em baixo - Angelino, Helder Canhoto, Fernandinho

Em baixo, algumas fotos de equipes de futebol 
enviadas por amigos Moçâmedenses:











Contacte e envie notícias e fotos que posso publicar neste post, obrigado!

Viriato "Latinhas

viriato-martins@hotmail.com 



16. Mais alguns famosos e apartes de de Moçâmedes.

Sporting Clube de Moçamedes Angola Esquadrão campeão de 1951 a 1954


Roberto Latinhas jogava nessa altura pelo Atletico por isso não o vemos no meio destes famosos. Mas jogou com alguns deles pela selecão de Mocâmedes.




Em pé: José Pedro Bauleth, José Costa (Caála), João Sobral, Jacinto de Sousa Velim, Lico Raúl de Sousa e Carlos Maria Inácio.
Em baixo: Adriano Nascimento Jr. José Honorato, João Pinto, Mário Frota Tendinha, Carlos Lopes de Oliveira (Carlitos)

Crédito:http://www.flickr.com/photos/mocamedes_desporto/427676179/
Já agora coloco este aparte do Hernâni Nunes sobre uma conversa de amigos entre o Bauleth e o meu pai. Eles eram grandes amigos, não só de futebol.


Comentário do Hernâni Nunes no email que me enviou em Janeiro de 2013:

Certa vez estava eu no Sporting e assisti a uma discussão, amigável diga-se, entre o teu pai e o Zeca Bauleth, sobre a adoração de imagens, o teu pai dizia que a Bíblia proibia, e o Zeca Bauleth contra argumentava que não via mal nenhum, pois se uma pessoa adora alguém, gosta de ter uma foto dessa pessoa. 

Na altura eu achava que o Bauleth estava certo. Só que quando fui estudar para a Africa do Sul, fui para um colégio "Adventista do Sétimo Dia", e hoje já penso de outra maneira. Hoje estaria de acordo com o teu pai.

Fico feliz por saber que ele (o Latinhas) tenha tido o contacto com a  Palavra de Deus, e que tenha sido tão íntimo com Ela que chegou a ser pregador.


Nota do Viriato: Sobre o Zeca Bauleth não podia deixar de dar esta informação sobre a Riquita. O Zeca Bauleth era o pai da Riquita que foi Miss Angola em 1971.

Ela era linda como podem ver na foto em baixo, e grande moça como o pai, o Bauleth muito querido em Moçâmedes. A esposa do Zeca era uma grande senhora, lembro-me muito bem quando ia comprar algumas coisas numa loja (se não me engano - livraria, tabacaria!?) que era deles, e era ela que nos atendia ás vezes!

Celmira Bauleth (Riquita) Miss Angola em 1971
Podem ver mais fotos da Riquita quando foi Miss Angola em 1971, basta clicar em baixo:

A foto de baixo de 1969/1970 é de uma das melhores equipes que jamais apareceu em Angola, a equipe de Porto Alexandre:


Do lado direito em baixo, o Estrela, um dos melhores extremos do mundo que eu vi jogar. Ouvi dizer que ele já faleceu. Do lado esquerdo era o Gavino, não  dá para descrever, parecia uma gazela a correr, cobri-o algumas vezes. OManuel Gancho ao lado do Gavino, mas falta o Alfredo Gancho, o mais velho.

O meu irmão Angelino dizia-me há dias que esta equipe podia jogar contra muitas equipes da 1ª Divisão em Portugal. E podia, o quê que pensam! Eu joguei algumas vezes contra esta equipe e sei disso.

Nós não jogávamos menos que as grandes equipes de futebol, só não éramos profissionais. Esta era a única diferença.


Contacte e envie notícias e fotos que posso publicar neste post, obrigado!

Viriato "Latinhas

viriato-martins@hotmail.com 


17. Veja as fotos tiradas do site em baixo e depois consulte 
o site para ver todas as fotos, são incríveis... 


Ao ver estas fotos tão lindas da nossas cidade de Moçâmedes, com justiça chamada a Princesa do Namibe, sinto uma mistura de alegria e de tristeza!


Vista da cidade e da baía de Moçâmedes






Praia de Moçâmedes




O Farol de Moçâmedes



A Ponte de Moçâmedes donde
 dávamos os nossos mergulhos



Edifícios de Moçâmedes










Fortaleza de Moçâmedes



O Nosso Povo Querido 




Lindas paisagens de Moçâmedes




Welwitschia Miráblis do deserto 
do Namibe na Namíbia.




Um dos animais mais meigos do mundo: 
A Gazela de Moçâmedes





Pode aceder a outros posts sobre Moçâmedes - Namibe:


Envie notícias e fotos que eu possa publicar neste post, obrigado!

Viriato "Latinhas

viriato-martins@hotmail.com 





Sem comentários: