quinta-feira, 21 de junho de 2007

1. A Religião e a Filosofia

A fé cristã vista do ponto vista filosófico e racional

Veja debaixo de Assuntos os 12 posts ligados com Religião e Filosofia... 


Eu fiz este trabalho a pensar em todos aqueles que se interessam pela filosofia, religião e as ciências em geral. 


O livro toca em muitas esferas da realidade e procura determinar aquilo que o cristianismo, a religião, a filosofia e a ciência dizem da realidade que podemos ver e da realidade que está para além dos nossos cinco sentidos.


Embora muitos estudiosos agarrem-se à ideia de que somos seres racionais, quando no entanto pensamos na pesquisa da realidade que está para além dos nossos cinco sentidos,  nós temos que incluir também o coração e não só a mente na busca dessa realidade sobrenatural.


Ninguém pode ter uma compreensão global da vida e do mundo só pelo uso do seu intelecto – ou razão. 


Afinal de contas a razão só nos permite conceber e compreender o mundo e a vida através da nossa própria perspectiva racional e cultural e de uma forma muito parcial.


É por essa razão que é errado dizer que nós somos unicamente seres racionais, pois além dos nossos pensamentos nós temos também sentimentos, emoções, impulsos e as crenças profundas que existem dentro da nossa alma.


Não se pode reduzir a nossa actividade cognitiva, assim como as nossas pesquisas filosóficas e religiosas unicamente à esfera do nosso raciocíno, ignorando o nosso lado sentimental e emocional e a faculdade que temos de crer num mundo sobrenatural que ultrapassa a esfera do racional e do natural.


Nós só podemos ter uma compreensão global da existência e dos relacionamentos humanos, se compreendermos que temos que envolver não somente o raciocínio, mas também o nosso coração nessa pesquisa/processo.


O raciocínio pode ser a sede dos nossos pensamentos, mas o coração é a sede dos nossos sentimentos, emoções, impulsos e crenças.


Por essa razão, neste trabalho, eu irei falar das três grandes actividades do ser humano na procura da compreensão global da existência, que são: o pensamento, o sentimento e a crença. Irei tentar mostrar que estas actividades não se contradizem, mas antes se completam. 


Claro que ao querer mostrar neste trabalho que o cristianismo é uma fé que “sente e crê”, irei salientar também que o cristianismo é uma fé  que “pensa”. É por isso que o título deste trabalho é A fé cristã vista do ponto vista filosófico e racional.


Neste livro eu procuro também dar uma explicação para questões misteriosas que estão ligadas com o nosso mundo natural, com a revelação bíblica e com o campo filosófico.


Vale a pena ler sobre a abordagem que faço acerca de alguns temas misteriosos relacionados com o universo, o homem e com Deus.




Capítulo 1 - A Religião e a Filosofia

I. A Definição de Filosofia

A. O homem é um ser filósofo e religioso por natureza
B. Os perigos da Filosofia
C. A definição de Filosofia

I I. A Relação entre Filosofia e o Cristianismo

A. As duas constantes da filosofia
B. A filosofia não devia ignorar o Cristianismo
C. As contradições da filosofia diante do Cristianismo
D. O Cristianismo é digno de consideração filosófica
E. O Cristianismo possui estatuto filosófico



I. A definição de Filosofia


A. O homem é um ser filósofo e religioso por natureza:

O homem é um filósofo por natureza pois começa a interrogar a vida e a construir uma forma de estar no mundo, logo desde a sua infância. Os homens procuram construir quase instintivamente uma concepção da realidade e da vida que satisfaça as suas questões e aspirações humanas e os ajude a confrontar as suas situações, incluindo a grande situação limite que é sem dúvidas a morte.


Por isso, até os povos mais primitivos e as pessoas mais analfabetas procuram construir um parecer da realidade segundo os referenciais que possuem.


Mas além de filósofo o homem é também um ser religioso por natureza. Se com a filosofia ele procura encontrar as primeiras causas para a existência da realidade que o envolve e um sentido de vida para a existência que gratuitamente recebeu; com a religião ele procura relacionar-se com o ser superior (Deus ou deuses) que criou e domina o mundo e que recompensa ou pune o homem segundo as suas acções.


O homem moderno pensava que com o entrar da ciência, da alta tecnologia e de ideologias carregadas de racionalismo, cientismo e ateísmo, a ideia de Deus iria desaparecer para sempre. No entanto, neste último século, assistimos a uma proliferação de seitas religiosas e a um aumento da astrologia, horóscopo, feitiçaria, bruxaria, espiritismo, espiritualismo, que dominam as nossas revistas, jornais e até os nossos programas televisivos.


A onda de religião e espiritualismo que paira no ar e que muitas vezes domina a ordem do dia, são uma prova que de facto o homem é um ser religioso por natureza.


A ciência com as suas promessas e a tecnologia com o comodismo e o consumismo que oferece, não foram capazes de responder às aspirações humanas mais profundas e às perguntas mais essenciais que o homem continua a fazer sobre o sentido da realidade e da vida. Assistimos, como nunca, a uma corrida louca de homens e mulheres em busca do religioso, do oculto e até do satanismo.


Os objectivos deste trabalho são os seguintes:


O primeiro é dar uma ideia acerca das relações que existem entre o cristianismo, a religião, a filosofia e a ciência.


O segundo é dar uma ideia sobre o facto da religião, pois ouve-se falar muito de religião, mas, às vezes, nem os estudantes de teologia sabem bem o que é religião.


O terceiro é mostrar que o cristianismo é uma religião credível do ponto vista histórico, científico e filosófico e que devia ser digno de estudo por parte dos outros campos de conhecimento.


B. Os perigos da Filosofia:


Mas antes de definir o que é filosofia, vejamos alguns perigos ligados à filosofia:


Todo o filósofo concorda que a filosofia torna-se perigosa quando deixa de se preocupar com a realidade e, em vez disso, não faz mais do que construir um sistema de raciocínios baseados puramente na ficção ou na imaginação do filósofo, seduzindo as pessoas a tirarem os pés da terra e a ficarem a viver somente nas nuvens. Para que isso não aconteça, a filosofia tem que preocupar-se com o mundo concreto dos factos históricos, culturais e científicos e não só com as ideias genéricas e identidades abstractas.


Além do perigo mencionado no parágrafo anterior, os filósofos também sabem que existe um outro perigo, muito comum, que é quando a filosofia se esquece que é somente uma interpretação parcelar da realidade e não a única e exclusiva descrição da realidade. Para a filosofia não cair nesse perigo, deve ter em conta as opiniões dos outros campos de estudo acerca da realidade, sejam as ciências exactas ou as ciências da vida.


Mas, ao falar dos perigos da filosofia, há também o perigo dos outros campos de conhecimento ignorarem a filosofia. Desde que a ciência apareceu, aumentou a tendência para eliminar a filosofia, atestando que a filosofia não é mais um campo de estudo necessário ou fiável. No entanto, não podemos cair neste erro, porque existe no mundo do conhecimento:


Campos de conhecimento sem dono, que sobre eles só podemos filosofar!


Campos cujo dono é a filosofia, ou seja, só a filosofar é que se consegue criar um conhecimento organizado e sistemático desses campos.


É importante reconhecer que o conhecimento obtido pela filosofia em determinados campos é necessário para enriquecer o conhecimento científico e das ciências da vida em geral, incluindo a religião.


É importante ter em consideração os perigos acima citados, ao tentarmos formar uma definição de filosofia, e também de ciência e de religião. Só assim poderemos construir uma concepção humilde, honesta e fiável do nosso parecer sobre o mundo e a vida.


C. A definição de Filosofia:


Vamos ver então a definição de filosofia. É uma definição minha, baseada em aspectos que já foram aceites universalmente e que se encontram expostos em trabalhos feitos sobre filosofia:



1. A origem da palavra "filosofia":

Esta palavra tem a sua origem na junção de duas palavras gregas philos, que significa o que busca, o que é amigo, e sophia, que significa sabedoria, saber, conhecimento.



2. A busca filosófica do saber:

O saber definido é a função da ciência, o saber dogmático é a função da teologia. A filosofia se empenha acima de tudo, através da busca de um saber que ajude o filósofo a ter uma compreensão total da realidade existente. A busca do saber das primeiras causas, dos fins últimos e da razão de ser das coisas é universalmente reconhecido como uma parte principal da vocação da filosofia.


É da filosofia que surge a grande pergunta que têm preocupado os filósofos:


Quem somos, donde vimos, para onde vamos?



3. A filosofia é uma interrogação sem fim sobre a totalidade do real:

A filosofia não é um dogma como a religião, nem um saber definido como a ciência. Para o filósofo, deixar de interrogar e de pôr as coisas em dúvidas é perder a razão de viver.



4. A filosofia não está preocupada pela aparência do real:

A tarefa da filosofia, desde que ela existe, não é preocupar-se pelo sentido da realidade tal como ela aparece, mas, sim, questionar-se sobre a realidade que existe para além das aparências.


5. Questões essenciais da interrogação filosófica:

a. Estará o mundo dividido em matéria e espírito, e, sendo assim, o que é o espírito e o que é a matéria?


b. Tem a alma energia independente ou está totalmente sujeita à matéria?


c. Tem o universo unidade ou fim?


d. Há leis universais e absolutas que regulam a natureza e a moral ou a moral é relativa ou utilitária?


e. É o homem uma pequena partícula de carvão, composto de areia e de água, ou é um ser humano/espiritual, imortal, criado à imagem de Deus?


f. Existe, de facto, a possibilidade do conhecimento?


g. Existe a possibilidade de se conhecer o que é verdadeiro e o que é falso?


A filosofia debruça-se sobre estas perguntas, procurando respostas, mas sem nunca abandonar a dúvida e a interrogação.


A ciência ignora o que interessa ao homem.


A ciência, filha emancipada da filosofia, surgiu mais tarde especializando-se numa esfera de saber definido, deixando de lado as questões que mais profundamente preocupam o homem. A ciência ignora o verdadeiro significado da vida que interessa ao ser humano.



h. A filosofia procura uma validade lógica formal:

Um outro aspecto que caracteriza o saber filosófico é a validade da lógica formal. A filosofia forma preposições sobre a realidade, cujos conceitos, juízos e raciocínios estão encadeados de uma forma rigorosamente lógica.


O pensamento possui instrumentos lógicos, que formam conceitos, que relacionados com outros conceitos formam juízos, que encadeados e relacionados formam raciocínios.


A validade da verdade de uma preposição é determinada, na filosofia, não pela matéria do raciocínio, mas se a forma dos juízos e dos raciocínios têm um encadeamento lógico.


Com todos estes dados chegamos à seguinte definição:


A filosofia é a busca do saber das primeiras causas, dos fins últimos, do sentido da existência, das verdades subjectivas ligadas ao mundo dos sentidos, pensamento, consciência, livre arbítrio, emoções e razão. A filosofia questiona-se sobre o que está para além das aparências. Na filosofia, o saber é procurado através da sensibilidade, da reflexão, da interrogação, da dúvida, mas principalmente através da razão.


A razão procura sintetizar toda a informação recolhida segundo os critérios da lógica formal. É por isso que a filosofia preocupa-se acima de tudo pela validade lógica formal da experiência, do pensamento e da linguagem, tentando racionalizar, desta forma, a experiência que temos com o mundo dos sentidos e com o mundo para além dos sentidos.


Além de tudo isto, a filosofia preocupa-se também com as questões práticas da realidade que precisam de uma solução imediata.



I I. A relação entre a Filosofia e o Cristianismo

  
A. As duas constantes da filosofia:

Vamos realçar as duas grandes constantes da filosofia, antes de falarmos da sua relação com o Cristianismo.



1. A filosofia deve manter a sua relação com a realidade:

Uma filosofia verdadeira é aquela que procura compreender a realidade e, desta forma, dar uma explicação verdadeira do ponto de vista da lógica formal, obedecendo aos critérios dos instrumentos lógicos do pensamento. Uma filosofia que perde a sua relação com a realidade, existe somente para dar liberdade ao filosofar vago e abstracto do filósofo, como se fosse um tubo de escape para as ideologias, incredulidade ou demagogias do filósofo.


Torna-se perigosa pois servirá como uma droga para levar aqueles que a seguirem para longe da realidade, para um mundo muitas vezes doentiamente utópico e alienatório.


A filosofia não deve existir para colocar as pessoas nas nuvens, mas, sim, para colocar os pés na terra e somente a cabeça por cima das nuvens. Se assim for a pessoa com os pés bem assentes na terra e a cabeça nas nuvens, poderá compreender melhor a realidade objectiva e subjectiva que está por debaixo e por cima das nuvens.



2. A filosofia é um campo de conhecimento da realidade, entre muitos outros campos:

O verdadeiro filósofo nunca perde de vista este aspecto. Aliás, podemos dizer o mesmo de um verdadeiro cientista e de um verdadeiro cristão. Deve haver um respeito recíproco entre os diversos campos, sejam os das ciências exactas, sejam os das ciências da vida.


Os três grandes campos que investigam o conhecimento da realidade são o filosófico, o religioso e o científico. Há ainda outros campos mais pequenos que além de procurarem a sua emancipação, criam muitas vezes autênticos paradigmas da realidade, como é o caso por exemplo da psicologia, ecologia e das ciências sociólogas. Estes campos também deviam reconhecer a sua esfera de acção e respeitar os outros campos, especialmente os maiores.


B. A filosofia não devia ignorar o cristianismo:


A filosofia e a ciência não deviam ignorar a assumpção do cristianismo em pretender dar uma explicação global da realidade.


Queiramos ou não o cristianismo tornou-se na maior religião do mundo! A Bíblia é o livro mais traduzido e vendido e tem sido lida por pessoas de todas as épocas, raças, classes sociais, ideologias e etnias.


Embora a esfera principal do cristianismo é de natureza espiritual, o cristianismo apresenta uma interpretação global da realidade que não pode ser ignorada pelos outros campos de conhecimento. Nós encontramos na Bíblia ideias do campo filosófico, científico, psicológico, ecológico e sociólogo. O cristianismo sendo também uma filosofia da vida, apresenta uma explicação global da realidade.


Sobre a natureza humana, a Bíblia ensina que o homem é possuidor de uma natureza tridimensional (corpo, alma e espírito). O homem vive, ao mesmo tempo, numa dimensão física, psíquica e espiritual.


A Bíblia dá uma visão holística (inteira) do homem. É por essa razão que o cristianismo é diferente às outras religiões, no sentido em que apresenta claramente o homem como um ser que possui um corpo, mas também alma e espírito.


A Bíblia trata também a existência como um todo, dando uma explicação global da origem, comportamento e finalidade da existência.


Além disso, a Bíblia revela o meio pelo qual o homem pode relacionar-se com a fonte de tudo, que é Deus. Revela que este relacionamento só é possível através da obra redentora de Cristo. Quando o homem coloca a fé em Cristo e recebe o perdão dos seus pecados é reconciliado com Deus. Rom 5:1-10


O Cristianismo é uma religião supra cultural que dá aos homens de todas as culturas uma interpretação global da existência. Os homens não se contentam com uma explicação parcial, pois só assim encontram um sentido para as suas vidas. No Cristianismo, os homens encontram respostas para grande parte das suas perguntas, dúvidas e problemas fundamentais.


No entanto, devemos deixar bem claro que a esfera fundamental do Cristianismo é religiosa. O âmago (the core) do Cristianismo é a mensagem da morte e da ressurreição de Cristo. A Bíblia foi escrita sobretudo para falar deste âmago da Fé cristã - Cristo morto e ressuscitado para salvar-nos dos nossos pecados. Mateus 1:21


Mas, paralelamente, a Bíblia revela ideias que estão ligadas ao contexto global da existência e à dimensão física, psíquica e espiritual do homem. Isto inclui, é claro, a esfera moral e social, assim como a esfera filosófica, científica e ecológica da realidade.


No entanto, o cristianismo não ignora os outros campos de conhecimento que estudam a realidade. Embora dê uma interpretação global da realidade, o Cristianismo só é especialista na esfera espiritual. Mas, além da esfera espiritual, os homens necessitam dos campos especializados nas outras esferas da realidade, para poderem compreender e melhorar a qualidade da vida.


A filosofia e a ciência não deve ignorar o parecer da Bíblia sobre a realidade e o cristão não deve ignorar também os outros campos de conhecimento.


C. As contradições da filosofia diante do cristianismo:


Os filósofos só acreditam como sendo real os valores coisificados da realidade e põem sempre em causa os valores afectivos e subjectivos. Eles acham que isto é fundamental para a sobrevivência da filosofia.


No entanto embora a filosofia fale de valores coisificados, ela tem ignorado os valores coisificados do Cristianismo. Vejamos alguns pontos em baixo que revelam esta contradição da filosofia.



1. O Cristianismo é constituído por valores coisificados:

Os factos, os valores, as obras estéticas em geral e os personagens históricos que constituíram o Cristianismo, além de possuírem um carácter inigualável, tiveram uma influência supra-cultural na história da humanidade, como nunca tiveram os factos, valores, obras estéticas e personagens de qualquer outra corrente de pensamento.


O cristianismo é composto de valores, factos, obras e personagens, coisificados, que estão materializados na história humana.


A historicidade do Deus da Bíblia e o impacto que tem tido nas sociedades é sem igual e provam que o Deus revelado na Bíblia e por Cristo é digno de atenção e estudo.



2. A filosofia quando cede a influências científicas sobre a evolução do homem, contradiz-se a si própria:

A filosofia de há uns anos para cá tem-se deixado influenciar pela ciência, tomando uma posição demasiadamente científica no que diz respeito à evolução da história da mente.


A análise filosófica da história da mente é hoje feita debaixo da influência da teoria da evolução. O homem é visto cada vez mais pelos filósofos como um ser em processo. Um ser inicialmente sem raciocínio que depois tornando-se bípede (passa a andar de pé), inventa o primeiro artefacto, descobre o fogo, e assim o pensamento vai aparecendo e evoluindo até que se torne verdadeiramente homo. dizem que o homem surgiu de uma sócio-genética em contínua evolução que acabou por lhe dar a capacidade de se tornar num homo sapiens, donde derivou o homem.


Antes disto, quando ainda não tinha cultura, não se podia chamar de homo sapiens.


Desta forma a filosofia que ataca os dogmas, acabou por integrar a hipótese do dogma da evolução no conteúdo da sua definição de homem, adulterando o pensamento filosófico que até aí só enaltecia a condição criativa do homem, como um ser único, e nunca derivado de outras condições anteriores.


Além disso, a filosofia, passou a ignorar por completo a filosofia das religiões, incluindo a filosofia cristã, que nem de perto, nem de longe, concordam com a teoria da evolução.


Se a filosofia quiser render-se às hipóteses científicas, aceitando que a filha ciência pelas novas descobertas, tornou-se mais inteligente do que a mãe filosofia, devia, pelo menos, dar um pouco mais crédito à ideologia cristã sobre o mundo.


O Cristianismo acreditando que Deus é o criador de tudo, não nega que Deus possa ter utilizado alguma evolução no seu processo criativo. Não uma evolução como aquela que é defendida na teoria de Darwin, que a vida surge por acaso da evolução de células que se tornando em microrganismos, vão evoluindo segundo uma selecção natural, dando lugar a organismos mais complexos.


Mas uma evolução no sentido em que a massa e a energia inicialmente criada por Deus, foi adquirindo contornos e propriedades através de etapas milenares pré-determinadas, criando as condições apropriadas para Deus através de novos actos criadores, criar a vida vegetal, animal e humana na terra.


Além disso, muitos cristãos acreditam que Deus criou primeiro, formas de vida vegetal e animal durante alguns milhões de anos, antes de criar as formas de vida vegetal e animal existentes. Ou seja, Deus criou animais e vegetação de grande porte, como os dinossauros e uma vegetação gigante, que serviram para a criação dos fósseis que as outras formas de vida mais pequenas iriam precisar para a sua subsistência.


A respeito do homem e da mulher, estes foram criados no final de todas as etapas da criação. O homem é o apogeu da criação. As etapas anteriores, no que diz respeito ao planeta terra, e tudo o que foi criado durante muitos milhões de anos, foram programadas por Deus afim de criar as condições de vida necessárias para criar o homem à sua imagem e semelhança, o guardião da sua criação terrena.


Portanto, muitos teólogos têm hoje uma interpretação de Génesis que se pode harmonizar perfeitamente com muitas das descobertas científicas.


Mas voltemos à história da mente. Nós temos que tomar em consideração todos os aspectos que contribuem para a formação da personalidade do homem, que são de ordem fisiológica, psicológica, social, moral e religiosa, para desta forma podermos manter um diálogo aberto com todas as teorias acerca do aparecimento e evolução histórica do homem.


Por exemplo, segundo a ortodoxia bíblica, nós vemos que Deus é apresentado como o criador do homem, dotando-o não só de raciocínio e de sentimentos e vontade, mas da sua própria imagem imago Dei.


Bem, eu não vou cair na armadilha de fazer já menção ao processo que eu acho que Deus utilizou para a criação do homem. É um assunto muito controverso e que precisa de longa discussão e apresentação de muitos argumentos. Talvez diga alguma coisa mais à frente.


O que eu estou a querer salientar é o facto de que as escrituras revelam que o imago Dei (imagem de Deus) existe no homem, desde o seu início. O homem é homem desde que foi criado.


Ou seja, quando Deus pegou naquelas duas formas de barro - vamos esquecer por um momento qual foi o processo que Deus utilizou - as duas formas de barro tornaram-se homem e mulher, criados à semelhança e imagem de Deus.


É por isso que a Bíblia revela logo nos primeiros capítulos do livro de Génesis, que Deus dotou o homem de certas capacidades desde o seu início.


a A linguagem. Deus dotou o homem do dom da linguagem, mal o acabou de formar. Génesis 2:23


b. A vida colectiva, já existe uma noção social, económica e política. Génesis 1 a 5.


c. O Trabalho, o homem é capaz de lavrar a terra e de protegê-la. 2:15


d. Exercício espontâneo e livre vontade. 2:16:17


e. A produção de instrumentos. 3:7; 4:21,22,


f. A construção de cidades 4:17


g. Casamento e a família. 2:21-25, 4:17


h. Uma ordem política 4:15, 23, 24,


i. A agricultura 4:3


j. Gado 4:20


l. A arte 4:21


m. A religião 4:1-7,26


Portanto, a capacidade inata da mente não evoluiu de um estado inferior para um estado superior. A mente possui desde o seu aparecimento capacidades inatas conferidas pelo o imago Dei dentro dele. Mas todos sabemos que estas capacidades do homem podem desenvolver-se, ou reduzirem-se (alienarem-se) ou mesmo corromperem-se, segundo o meio ambiente da cultura em que o homem está inserido.


A mente não surgiu ou evoluiu por causa da cultura, pois a cultura é que foi criada pela mente. Mas, por sua vez, a cultura pode contribuir para a mente se desenvolver e tornar-se ainda mais criativa. É claro que se a mente, embora todo o seu potencial genético inato, não estiver em contacto com o ambiente e a cultura, fica num estado primitivo.



3. A validade dos factos históricos dão credibilidade a Deus:

Pensemos em alguns elementos históricos que constituíram a história do Cristianismo: o Antigo Testamento, a Nação de Israel, os 10 mandamentos, personagens como Abraão, Moisés, Davi, Salomão e os profetas. E depois temos o Novo Testamento, Jesus Cristo, os apóstolos e a Igreja Cristã. É impossível negar o valor moral, social e espiritual ligados a estes elementos e personagens.


A evidência histórica dos factos que constituem o Cristianismo e a influência cultural a nível dos costumes, valores, artes, moral, psicologia, política e economia, ciências exactas atestam a credibilidade.



4. A coerência da Revelação Bíblica:

A coerência histórica e literária da Bíblia, tanto das suas origens, como da sua transmissão é também inegável. A mensagem bíblica tendo sido escrita por 44 autores diferentes, que viveram em lugares e culturas diferentes, durante um período de 2000 anos, apresenta uma unidade excepcional que testemunha da sua sobrenaturalidade.



5. Os pressupostos da ciência moderna têm as origens no Cristianismo:

A ciência assenta a sua investigação em pressupostos extraídos do Cristianismo, donde vem a ideia de um universo que é regido por leis regulares e susceptíveis de investigação.


6. A mensagem do Cristianismo é digna de estudo e consideração:


As doutrinas sobre a divindade de Cristo, a sua morte expiatória e a sua ressurreição (which is the core of the Bible) têm sido aceites por pessoas de todos os povos e etnias, como não acontece como nenhuma outra grande religião ou ideologia no mundo. Se fizermos uma comparação de percentagens em termos de crenças religiosas a nível mundial, vemos o seguinte :


a. 35 % das pessoas que vivem no planeta são nominalmente cristãos.


b. 8 % são Budistas.


c. 13 % são Hinduístas.


d. 18% são Muçulmanos, a maior parte na Ìndia, China e mundo Àrabe.


e. 25 % são secularistas ou ateístas.


Uma percentagem muita baixa, quando pensamos na influência que a comunicação e a educação estão tendo sobre as pessoas, colocando-as debaixo do efeito de uma grande propagação das correntes ideológicas ateístas e teorias científicas que, no século XX, procuram negar à toda a força a existência de uma realidade sobrenatural.


Estas estatísticas foram tiradas do livro “Intercessão Mundial” de Patrick Jonhstone (páginas 24-2).


Estas percentagens mostram-nos a supremacia do pensamento cristão sobre todas as outras grandes correntes de pensamento secular ou religioso.


Portanto a filosofia, devia considerar o Cristianismo como um campo, pelo menos, digno de estudo, em vez de ignorá-lo e às vezes até rebaixá-lo!


7. Campo aberto para Filosofar:

Dizendo isto, devo acrescentar que há muitas questões que a Bíblia não faz uma clara referência, ou não dá uma clara explicação, deixando um campo aberto para se poder filosofar, como por exemplo cito algumas questões em baixo:


a. Que razões morais Deus tem para permitir a existência do mal?

b. Qual  é a idade do nosso Universo?

c. Tem o nosso Universo limites?

d. Os dias da criação referidos na Bíblia são de 24 horas ou cada dia fala de uma etapa de milhares e milhares de anos?

e. Sendo Deus eterno, o nosso universo é tudo o que existe, ou Deus criou mais coisas ou universos, além dos anjos falados na Bíblia?

f. Existem outras formas de vida no nosso Universo ou noutras dimensões, além dos anjos falados na Bíblia?

g. Quando é que o diabo pecou e foi lançado por terra?

h. Havia na terra uma primeira criação - seres vivos e orgânicos - que foram destruidos pela queda do diabo e Deus regerenerou de novo a terra e fez uma nova criação, neste caso a nossa com os actuais seres vivos e orgânicos?

Poderia acrescentar mais algumas questões em que Deus não se pronuncia claramente, deixando de certo modo um campo aberto para se filosofar. 

Ao dizer isto, os cristãos não deveriam criar nenhuma Teologia sobre assuntos que a Bíblia não se refere claramente. 

O máximo que devemos fazer ao filosofar sobre estes e outros assuntos é criar teorias, que podem ou não serem verdadeiras.

D. O cristianimo é digno de consideração filosófica:


Portanto, será que a filosofia não devia analisar um pouco mais a perspectiva do cristianismo sobre quem somos, donde vimos e para onde vamos?


Vimos que segundo a ortodoxia bíblica o homem não se torna homo em função do aparecimento da cultura, mas o homem está dotado de uma capacidade criadora inata que o tornou criador da cultura e não a cultura a criadora dele.


Vimos que o homem possui desde o seu início, características afectivas, racionais, morais, sociais e religiosas idênticas em todas as épocas. A evolução social, a tecnologia e o desenvolvimento geral das ciências só contribuíram para desenvolver estas capacidades.


O homem foi criado para se desenvolver em contacto com o meio social. Se ele só beneficiasse do factor natureza e não do binómio natureza/cultura, ficaria reduzido a um animal, com a única vantagem de ser um animal racional.


Numa situação destas, ele nunca aprenderia uma língua apesar de possuir o dom da linguagem e comunicaria os seus sentimentos e pensamentos através de barulhos espontâneos (como fazem as crianças).


E se ele não cultivasse o seu imago Dei (a imagem de Deus) no contacto com o meio social e cultural, ele ficaria enclausurado nos seus instintos físicos. A sua alma (psíquico) e o seu espírito precisam de ser cultivados e educados.


Mas, vimos também que o meio ambiente, isto é a cultura, pode também alienar o homem e corromper a sua personalidade humana e consciência moral. 


É o que acontece quando a cultura não se submete às leis divinas reveladas nas escrituras sagradas.

É por isso que segundo a perspectiva cristã, o homem além de necessitar de ser cultivado e educado, precisa de se converter. A conversão é uma operação que só pode ser efectuado pelo Espírito Santo e que é chamada na Bíblia de regeneração, novo nascimento, conversão etc.


É pela falta desta operação do Espírito Santo que um homem apesar de ter uma boa educação e cultura, pode apresentar um comportamento moral bastante deficiente. É a conversão que permitirá que a elevação do comportamento moral do homem se aproxime do padrão de Deus definido na Bíblia, e o livre das más influências da sua cultura ou a da sua educação. João 3:3-7, I Pedro 1:3, I João 2:29, Tito 3:5.


Uma filosofia que não se deixe influenciar pelo cristianismo, corre o risco de cair numa concepção mecânica e determinista do pensamento, rebaixando o homem ao estatuto de um macaco que evoluiu em contacto com o meio ambiente.


O cristianismo mantém uma doutrina acerca da mente e do homem elevadíssima, digna de todas as considerações filosóficas. O cristianismo eleva o homem a um estatuto social de imago Dei.


E, segundo o cristianismo, se o homem converter-se a Cristo, é elevado a um estatuto superior que poderemos chamar de estatuto celestial, pois pela conversão o seu comportamento começa a adquirir características celestiais. É por essa razão que a Bíblia apresenta o crente como um cidadão celestial, que tem a sua cidade nos céus. A vida e o testemunho dos crentes são provas sobejas que o cristão possui uma cidadania celestial Hebreus 11:13-16, 13:14 ; Filipenses 3:20, Efésios 2:19


Se um filósofo tornar-se cristão, ele pode ajudar o cristianismo a desenvolver-se do ponto vista filosófico e mesmo científico e ajudar o cristianismo a relacionar-se como deve ser com os outros campos de conhecimento.


E. O cristianismo possui estatuto filosófico:


O cristianismo sendo essencialmente uma religião, reivindica no entanto para si o direito a filosofia. Não por ser um campo sem objecto como a filosofia, pois tem objectos muito claros: Deus, Jesus Cristo, a Bíblia e o Universo.


O cristianismo é uma filosofia no sentido em que os seus objectos Deus, Jesus Cristo, a Bíblia e o Universo criam no homem sentimentos de deslumbramento, espanto, admiração, indagação, adoração e conhecimento sem fim.


Todos os conhecimentos que os crentes poderão ter acerca de Deus, Jesus Cristo, a Bíblia e o Universo, nunca serão demais. São objectos que albergam um conhecimento exaustivo e misterioso, que se pode conhecer e interrogar sem fim.


Estes objectos possuem campos de conhecimentos que podem ser esquematizados por uma escola de pensamento filosófico, afim de poderem ser devidamente aprofundados.


Mas nunca poderemos filosofar ao ponto de colocar os dogmas fundamentais do Cristianismo em questão. 

Um verdadeiro filósofo encontrará no cristianismo autênticas delícias de pensamento que satisfarão a sua investigação filosófica. Uma coisa é investigar um objecto que nunca se conhece, outra é investigar um objecto que se conhece, mas que é misterioso, deslumbrante, infinito e maravilhoso.


Mas o filósofo poderá perguntar: temos provas válidas que os objectos do cristianismo são verdadeiros e fiáveis, para poderem ser devidamente investigados?


Vejamos o seguinte:


Se a preposição "Deus existe" é válida porque o curso formal do pensamento lógico não consegue negar a validade lógica dessa preposição, a filosofia não pode replicar sem mais nem menos, dizendo: o pensamento lógico pode revelar que Deus existe, mas não podemos deixar de pôr a sua existência em dúvida, porque senão acaba a filosofia e a razão de existir da humanidade.


A filosofia nunca perderá a razão de existir ao encontrar Deus, porque Deus é insondável. Em Deus a filosofia encontra um campo de estudo e de investigação infinito.


O mesmo podemos dizer de Jesus Cristo, da Bíblia e do Universo. São objectos maravilhosamente insondáveis! Tornar-se-iam as delícias de um filósofo como já foi dito.


"Se Deus existe" está certo, Deus deverá ser visto como um objecto filosófico pois nunca será possível compreender totalmente Deus pelos nossos sentidos, pela nossa razão ou mesmo pela nossa Fé.


Deus não tem uma natureza visível, material, matemática, química ou lógica. Deus é eterno e divino, e a sua natureza, atributos, juízos, caminhos, poder e sabedoria são uma fonte de Saber inesgotável. Romanos 11:33-36.


A ciência estuda o campo natural. A teologia estuda os dogmas sagrados revelados. A filosofia estuda o que está para além do natural e dos dogmas revelados. 


Mas nunca poderemos filosofar ao ponto de colocar os dogmas fundamentais do Cristianismo em questão. 

Há portanto, muito espaço para filósofos cristãos, além do estudo geral da filosofia, se dedicarem ao estudo de questões não dogmáticas ligadas com Deus, Jesus Cristo, a Bíblia, as origens, natureza e extensão do universo, o além, assim como questões muito práticas que fazem parte do dia a dia das pessoas de natureza psicológica, moral, educativa, social, política, económica e fisiológica que precisam de um estudo e de uma investigação séria do ponto vista cristão.


Nós vimos dois pontos nesta introdução:



I. Definição de filosofia

Onde procurei formar uma definição seguindo critérios universalmente aceites.



I I. Relação entre a filosofia e o Cristianismo

Onde vimos que a filosofia tendo sido muito influenciada pela ciência, entra em contradição consigo mesma e condena injustamente o Cristianismo. Vimos ainda que o Cristianismo possui também um estatuto de filosofia.


Alguns dos conhecimentos foram adquiridos através da leitura de alguns livros. Em baixo seguem o nome de alguns desses livros


Christianity in a Mechanistic Univers escrito por D.M.Mackay em 1965.


The Philosophical Approach to Religion escrito por Eric S. Water em 1933.

Christianity and Fhilosophy escrito por Keith E.Yandell

Intercessão Mundial escrito Patrick Jonhstone

Mas, embora este trabalho faça muitas referências ao conteúdo destas obras, a tese que eu defendo sobre as evidências históricas do cristianismo, a sua coerência com a vida e a realidade e o seu impacto sem ímpar sobre a nossa humanidade, é da minha autoria.


INDÍCE

Capítulo 1 INTRODUÇÃO
A Definição de Filosofia
O Cristianismo e a Filosofia

Capítulo 2 CRISTIANISMO E RELIGIÃO
As origens da Religião Definição de Religião
Religião a vida humana e seus interesses
Religião e Ciência Religião e Filosofia
Religião e Cultura
Religião e Revelação
Religião e Moralidade

Capítulo 3 OS CAMPOS DE CONHECIMENTO
O Campo da Filosofia
O Cristianismo e o conhecimento
A Natureza do conhecimento
O Conhecimento religioso

Capítulo 4 A IDEIA DE DEUS
Deus e a razão humana.
As primeiras perguntas. Provas teístas
Os Diversos argumentos
Natureza e atributos de Deus
Conceito moderno quasi-teísmo
É Deus inefável?
A natureza da experiência

Capítulo 5 A IDEIA DO UNIVERSO
Dualismo. Monismo. Pluralismo
Materialismo

Capítulo 6 A IDEIA DO HOMEM
Conversão do homem segundo o cristianismo
Relação do homem e a sociedade
A personalidade e o livre arbítrio

Capítulo 7 A IDEIA DO BOM
As teorias do bom

A IDEIA DO MAL
O mal o sofrimento e Deus
As preposições: o mal existe e Deus existe
Razões filosóficas válidas
Razões bíblicas válidas p/existência do mal

Capítulo 8 DEUS E O MUNDO
O panteísmo.
O deísmo
O monoteísmo

Capítulo 9 DEUS E O HOMEM
A concepção da teologia natural
A relação entre a razão e a revelação
Relação entre Deus e a humanidade
É Deus finito ou é infinito

Capítulo 10 OS MILAGRES E O ALÉM
Evidências para os milagres
A ressurreição de Cristo
O método do processo histórico
Algumas provas históricas que são
evidentes da ressurreição de Cristo.

Capítulo 11 A IDEIA DO ALÉM
As relações dos conhecimentos com a morte
O Cristianismo e a morte

Capítulo 12 ASSUNTOS CONTROVERSOS
A posição sobre diversos campos:
Aborto, eutanásia, sodomia, divórcio, bebé proveta, manipulação genética, clonagem, guerra, paz, terrorismo, globalismo.


FIM

Sem comentários: