quinta-feira, 24 de Julho de 2008

A Batalha Espiritual

Muitos crentes não têm consciência que o Diabo anda a tentar as pessoas desde o Jardim do Éden e que só vai parar quando for preso e condenado, como vem revelado na Bíblia. Os crentes deviam estar mais conscientes da Batalha Espiritual que enfrentamos contra o Diabo e as suas hostes, que nos estão sempre a querer afastar diariamente das coisas de Deus.

Por estar consciente desta luta, decidi elaborar este post sobre a BATALHA ESPIRITUAL e nos alertar dos estratagemas utlizados pelo diabo nesta Batalha e tentar mostar a forma como o poderemos vencer.

Salmos 91:1-12 1“O que habita no esconderijo do Altíssimo à sombra do Onipotente descansará 2 direi do SENHOR: Ele é o meu refúgio e meu baluarte, Deus meu, em quem confio.3 Pois ele te livrará do laço do passarinheiro e da peste perniciosa.4 Cobrir-te-á com as suas penas, e, sob suas asas, estarás seguro; a sua verdade é um escudo. Cobrir-te-á com as suas penas, e, sob suas asas, estarás seguro; 5 Não te assustarás do terror noturno, nem da seta que voa de dia, 6 nem da peste que se propaga nas trevas, nem da mortandade que assola ao meio-dia. 9 Pois disseste: O SENHOR é o meu refúgio. Fizeste do Altíssimo a tua morada.10 Nenhum mal te sucederá, praga nenhuma chegará à tua tenda. 11 Porque aos seus anjos dará ordens a teu respeito, para que te guardem em todos os teus caminhos. Eles te sustentarão nas suas mãos, para não tropeçares nalguma pedra. 12 Pisarás o leão e a áspide, calcarás aos pés o leãozinho e a serpente”.

Se quiser passar logo para o tema Batalha Espiritual salte o I  Capítulo - Introdução e passe logo para o I I Capítulo - Principados e Potestades.

O primeiro capítulo é simplesmente para explicar qual é a minha ideologia sobre Batalha Espiritual, que é diferente em alguns aspectos à ideologia do Third Wave (Terceira Vaga) sobre Batalha Espiritual. Procuro, desta forma,  preparar o leitor para a leitura, advertindo de certos perigos.


I. Introdução ao assunto
A. Batalha Espiritual e Third Wave (Terceira Vaga)
B. Redefinindo a Batalha Espiritual
C. O perigo da paranoia
D. Manipulação e abuso espiritual 
E. Batalha Espiritual, louvor, exposição e pregação
E. Tendo dito isto vamos ao estudo

I I. Principados e potestades
A. Principados e potestades
B. As artimanhas dos principados e potestades
C. As duas grandes seduções
D. Familiarização com os espíritos
E. Não brinque com o diabo

I I I. O processo da possessão ou escravização (opressão)
A. A atração
B. A sedução
C. A aquisição

I V. Laços pecaminosos e diabólicos
A. Laços com idolatria
B. Laços com crimes de sangue.
C. Laços com a mentira e a vigarice.
D. Laços com o prazer e o egoísmo.
E. Laços com música e artes profanas
F. Laços com a prostituição
G. Laços com adições e perversões
H. Laços com más companhias
I. Laços com os mortos
J. Laços pervertidos dentro da familia
K. Laços negativos dentro das igrejas
L. Laços com o ressentimento e a falta de perdão.

V . Exorcismo, oração e combate espiritual
A. Dois tipos de exorcismo
B. A oração biblica
C. Casos para a oração

V I . Luta contra os falsos profetas
A. Cuidado com os falsos mestres e profetas
B. Mascaram-se em apóstolos de cristo
C. Eles são conhecidos pelos seus frutos
D. Eles enganam a muitos
E. Podem utilizar falsos sinais
F. Eles ensinam doutrinas falsas
G. As doutrinas deles são omo o vento
H. Eles devem ser condenados
I. Eles soferão repentina destruição
J. Ai deles!


I. Introdução ao assunto

A. Batalha Espiritual e Third Wave

Para evitar confusões, terei que dizer em primeiro lugar, que este estudo não tem influências das doutrinas do Third Wave movement (Movimento da Terceira Vaga) ou movimentos com as mesmas posições acerca deste assunto sobre a Batalha Espiritual.

A minha compreensão sobre a Batalha Espiritual tem uma ideologia diferente da deles, no que diz respeito à nossa compreensão de Deus, do universo e da humanidade.

Eu penso que em nenhum lugar na Biblia vemos que Deus está em guerra com satanás ou que criou um mundo onde os homens vivem num estado contínuo de conflito e de tormento por causa da luta contra os demónios.

Por essa razão, embora a intenção do meu estudo seja esclarecer e envolver-nos mais na Batalha Espiritual contra as forças das trevas, não quero que deixemos a Batalha Espiritual dominar completamente a nossa vida ficando completamente obcecados por isso, vendo demónios em todo o lado e em toda a gente.

Há Igrejas que tornaram os cultos numa Batalha Espiritual, mas os nossos cultos devem ter sempre como centro a adoração a Deus, onde exaltamos a Sua Soberania e a obra redentora de  Cristo, e a pregação da Palavra de Deus para nosso alimento e fortalecimento.

Por isso não devíamos deixar os nossos cultos tornarem-se em cultos de libertação, onde a Batalha Espiritual toma todo o lugar no culto.

A Igreja deve organizar momentos próprios para nos dedicarmos à Batalha Espíritual, que poderão ser realizados nos lares das pessoas que estejam debaixo de um laço diabólico, ou em reuniões e momentos especiais dentro da Igreja ou nos lares.

Claro é que não sou contra o facto de Igrejas guardarem um momento no final do culto, depois do louvor e da pregação, para fazerem um apelo para pessoas que necessitem oração. Se for o caso de alguém que esteja oprimido pelo diabo ou mesmo possesso, é melhor levar a pessoa para uma outra sala ao lado.

Eu penso que quando tiramos o louvor e a pregação do centro do culto, colocando a Batalha Espiritual nesse lugar, acabamos afinal por deificar satanás e começaremos a perder a Batalha Espiritual.  

Nota importante: nos movimentos da Terceira Vaga, também chamados de neo-carismáticos há muitos líderes que são bons servos de Deus, mas encontramos muitos outros que infelizmente deram um passo em frente e seguem os falsos movimentos de fé e prosperidade.

B. Redefinindo a guerra espiritual

Eu acredito que o Novo Testamento fala de Batalha Espiritual na maior parte para referir às tensões, conflitos e às opções morais e escolhas neste mundo que as pessoas devem enfrentar, mas ao mesmo tempo revela que o diabo utiliza essas tensões, conflitos e opções morais contra os seres humanos.  

Mas usar a noção de 'Batalha' como o único paradigma para definir a experiência cristã,  em particular quando entra em questão a interação entre a nossa esfera da existência e o mundo demoníaco, pode ir além do que os autores das Escrituras pretenderam dizer.

O melhor é compreender a Batalha Espiritual como simplesmente um de muitos usos das Escrituras ao caracterizarem os aspectos diferentes da vida cristã.

Cada uma das metáforas bíblicas tem sua utilidade mas igualmente suas limitações. A metáfora da Batalha Espiritual pode ser útil, mas pode conduzir a uma distorção bruta da nossa percepção da vida, transformando-a  como na única representação absoluta da vida cristã, e a pessoa acabará por ficar obececada por isso.

C. O perigo da paranoia 

Os defensores da Terceira Vaga, talvez inconscientemente, acabaram por transformar grande parte dos comportamentos humanos como resultados de possessão, opressão ou perseguição diabólica. 

Há que termos muito cuidado em fazer o diagnóstico, pois se vemos o diabo em tudo, acabamos por cair numa cosmovisão do mundo igual às cosmologias pagãs, antigas e místicas que viam por detrás de tudo a acção dos deuses, espíritos, ancestrais ou forças antagónicos em luta umas contras as outras.

E desta forma acabamos por cair na paranóia do medo e da Batalha Espiritual em todos os âmbitos da vida do universo e da humanidade.

Há especialistas da Terceira Vaga que acham que as pessoas estão sendo sempre atacadas, possuídas, endemoninhadas ou influenciadas por espírito maus.  Criaram assim uma cosmologia em que de facto estamos a viver sempre debaixo da tirania de satanás, que juntamente com os seus sequazes estão constantemente ativos na vida das pessoas.

Esta cosmovisão da vida pode  em determinados casos, criar quadros de enfermidade mental. Os jovens que estão atravessando mudanças físicas e psicológicas profundas podem ser particularmente vulneráveis e serem conduzidos a pensar que a sua vida é uma constante Batalha Espiritual contra os demónios que os atormentam com aquelas mudanças. 

Até há quem confunda o ciclo menstrual que causa dores de cabeça e enjoo, com ataques diabólicos. Conheci alguém que quando evangelizava, se um cão ladrasse dizia que era o diabo. Ouvi outra pessoa dizer a uma mãe que o filho gaguejava porque estava possesso.

Enfim, estas igrejas vêm o diabo atrás de tudo, criando a ideia de um universo completamente cheio de demónios, um lugar de constante conflito e tormento, dessapossando assim o homem da sua humanidade e responsabilidade e dizendo que Deus e o diabo estão em constante guerra um contra o outro.

Até já ouvi pregadores dizerem que nesta guerra Deus é o "looser" -  é o que está a perder. Por exemplo, dizem que Deus perdeu a guerra no jardim do Éden quando Adão e Eva cairam no pecado debaixo da tentação de satanás. E dizem outras coisas sobre Deus ser o "looser" que nem me sinto bem em deixar aqui por escrito.

D. Manipulação e abuso espiritual

Um outro aspecto de interesse é que as ideologias da Terceira Vaga, dão uma grande importância aos líderes que reivindicam ter um especial do discernimento a respeito da presença de espírito maus na vida das pessoas ou em alguma sitaução neste mundo. 

Claro que não sou contra alguém ter o discernmento dos espíritos, mas acho que consciente ou inconsciente estes líderes colocam-se numa posição de grande autoridade sobre pessoas que possam estar a passar por problemas psicológicos, emocionais e outros de carácter meramente humano e que por isso se encontram vulneráveis. 

Desta forma, por causa do exagero destas cosmologias e do abuso da autoridade dada aos lideres, estas pessoas acabam por ser manipuladas, ficando confusas quanto aos seus problemas e as soluções a buscar, que podem não ter nada a haver com problemas de possessão, opressão ou perseguição diabólica.

E. Batalha Espiritual, louvor, exposição e pregação

Eu não sou uma pessoa muito rígida, dando muita importância ao formato dos cultos, pois prefiro dar mais importância ao conteúdo.  Mas, eu penso que independentemente do formato, os nossos cultos devem ter sempre no centro:

O louvor, onde exaltamos a Soberania de Deus e a obra redentora de  Cristo.

A Exposição da Palavra de Deus para nosso alimento e fortalecimento.

A Pregação do Evangelho para a salvação dos perdidos.

Os cultos não devem portanto tornarem-se em cultos de libertação, em que a Batalha Espiritual toma  o centro - ou seja, toma quase todo o lugar no culto.

A Igreja deve organizar momentos próprios para nos dedicarmos à Batalha Espíritual, que poderão ser realizados nos lares das pessoas que tenham necessidades ou em momentos especiais dentro da Igreja ou nos lares.Os crentes individualmente devem também tirar momentos para a Batalha Espiritual, mas não tornar toda a vida deles como se fosse uma constante Batalha Espíritual contra os espíritos e demónios. 

Claro que eu acho que é bom haver um momento no final do culto, depois do louvor e da exposição da Palavra ou da pregação deo Evangelho, para fazer um apelo às pessoas que necessitem de oração por uma razão qualquer e até alguém que queira entregar a sua vida a Cristo. Caso seja alguém que se sinta oprimido pelo diabo ou mesmo possesso que se chegue à frente, é melhor levar essa pessoa para uma outra sala ao lado e lidar com o problema a sós com a pessoa.

E acho que também é bom haver um tempo no culto para alguém dar um testemunho ou deixar uma exortação, e até haver um outro culto mais aberto, em que mais crentes poderão partilhar as suas experiências e deixar as suas exortações à congregação.

Tudo isto é bom e necessário, desde que seja feito de uma forma ordeira e que isto não tire o lugar central do louvor, exposição da Palavra e pregação do Evangelho. 

Eu penso que quando tiramos o louvor e a exposição da Palavra de Deus e a Pregação do Evangelho do centro do culto e das nossas vidas, e colocamos a Batalha Espiritual nesse lugar, ou outra coisa qualquer, começaremos a perder a Batalha Espiritual.

Digo isto com todo o respeito pelos irmãos em Cristo (e há muitos) que seguem algumas ideologias do Third Wave. Já tenho estado em cultos, onde ouvi 30 vezes a palavra satanás, 20 vezes a palavra Batalha Espiritual e somente 5 vezes a palavra Cristo ou Deus!? 

Estará isto certo, acho que não, há que manter o equilíbrio das Escrituras.

Nota importante:  as Igrejas não devem resumir a sua actividade ao culto, mas além do culto devem estar envolvidas pelo menos nas três seguintes áreas:

Evangelismo e acompanhamento dos evangelizados.

Integração dos convertidos na Igreja, batismo e discipulado.

Acção social e missões.

F. Tendo dito isto passo para o meu estudo

Tendo dito isto sinto-me agora à vontade para falar sobre este assunto, acreditando que o leitor perceberá as diferenças entre a minha posição e a posição dos movimentos da terceira vaga.

Mas começo por dizer que apesar desta introdução nós não devemos ignorar que há uma Batalha Espiritual para combater e que para termos a vitória temos que vigiar e orar.                                   

“Alguém disse que a Igreja é a Ilha da Vida de Cristo rodeada pelo Mar de Morte de Satanás”. Isto é só uma imagem.

Aqueles que vivem na Ilha da Vida de Cristo, devem ter cuidado para não tocarem, nem que seja só com um dedo no Mar de Morte de Satanás”, pois se o fizerem, acabarão por sofrer sérias consequências, mais cedo ou mais tarde!

Há crentes que andam a brincar com as “coisas” do diabo, mesmo sem saberem, outros não gostam nada de ouvir falar do diabo. Dizem que o diabo foi vencido na cruz e, por isso, já não pode fazer nada contra os crentes.

Mas, embora a Bíblia revele que o Diabo foi completamente derrotado na cruz, a Bíblia também revela que a sua actividade continua, ele ainda pode tentar-nos, mas sempre debaixo do controle de Deus

Não brinquemos com o Diabo, nem o ignoremos, empurremos antes o Mar de Morte de Satanás para fora, para a Ilha da Vida de Cristo crescer cada vez mais neste mundo.

Mas como podemos fazer isto? É isto que vamos ver neste estudo?


I I. Principados e potestades

A. Principados e potestades

Em Gálatas 5:16 a Bíblia exorta os crentes a “andar no Espírito e não satisfazer a cobiça da carne", mas em Efésios 6:12 a Bíblia revela que a grande luta do crente “não é contra a carne e o sangue, mas, sim, contra os principados e potestades, contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes”.

Neste trabalho irei falar destas forças espirituais do mal que estão sob as ordens do diabo, designando-as de “espíritos”. Salientarei a actividade das mesmas, os cuidados que devemos ter e a maneira de as combater de uma forma eficiente.

Os crentes ocidentais manifestam uma grande ignorância acerca da actividade destas identidades maléficas e, por isso, estão sofrendo pela sua ignorância. As familias, as Igrejas e a sociedade ocidental em geral, está sofrendo resultados terríveis devido a uma grande penetração dos “espíritos” em todas as esferas da sociedade.

E, segundo a profecia, a situação vai tornar-se pior!

Apocalipse 18:2 ”Então, exclamou com potente voz, dizendo: Caiu! Caiu a grande Babilônia e se tornou morada de demônios, covil de toda espécie de espírito imundo e esconderijo de todo gênero de ave imunda e detestável”

A Profecia está muito ligado ao aviso (advertência). No texto em cima, a palavra profética adverte-nos para os finais dos tempos.

Mas devemos perguntar: “Esta sociedade babilónica, morada de demónios, é um produto de que sociedades? Das sociedades orientais, africanas, árabes ou das sociedades ocidentais?”

Em que sociedades a Grande Prostituta e as Bestas do Apocalipse vão ter o seu berço e actuar da forma que nos é revelada no Apocalipse?

Deixo por agora estas perguntas para a reflexão de cada um!

B. As artimanhas dos principados e potestades

A maior artimanha do diabo é fazer tudo para manter as pessoas na ignorância, pois pessoas ignorantes não sabem que estão a ser enganadas (seduzidas). Por isso, este trabalho tem o alvo de nos avisar e de nos ajudar a sair da nossa ignorância e envolver-nos na batalha espiritual em favor dos nossos filhos, Igrejas e sociedade em geral.

A vitória nesta batalha espiritual contra os “espíritos” só é conseguida através do “está escrito” Mateus 4:1-11, ou seja da Palavra de Deus que é a espada do Espírito.

Efésios 6:17 “Tomai a Palavra de Deus que é a espada do Espírito”.

Mas não devemos ignorar que o diabo também utiliza a Palavra de Deus. Não foi só o Senhor Jesus que utilizou o “está escrito”, o diabo, que é um sedutor, também o fez.

Mateus 4:5 “Então, o diabo o levou à Cidade Santa e colocou-o sobre o pináculo do templo e lhe disse: Se és Filho de Deus, atira-te abaixo, porque está escrito: Aos seus anjos ordenará a teu respeito que te guardem; e: Eles te susterão nas suas mãos, para não tropeçares nalguma pedra”.

O Diabo, através dos “espíritos” não só utiliza a Palavra de Deus para enganar, mas no que diz respeito aos crentes e às Igrejas ele é mestre em cegar os entendimentos e fazer com que os crentes e Igrejas “torçam a Palavra”, ou “interpretem mal a Palavra”, ou “aumentem palavras ” e cheguem mesmo ao ponto de “tirarem palavras”. Ap 22:19

C. As duas grandes seduções

Neste estudo iremos falar das duas grandes seduções, as seduções da carne e as seduções religiosas. Sobre as religiosas, as Igrejas cristãs, incluindo as evangélicas, são hoje o palco mais utilizado pelo diabo para levar a cabo as tais “seduções religiosas”, através dos métodos acima citados “torcendo, interpretando mal, aumentando e tirando palavras à Palavra de Deus”

Na nossa sociedade pré-apocalíptica (babilónica) em que o ministério da iniquidade está atingindo o seu auge, os “espíritos não se manifestam somente nos quartos escuros dos médiuns, através do horóscopo e de livros espiritualistas, mas manifestam-se em cultos e conferências reavivalistas e outras transmissões e eventos evangélicos.

Vemos então que em ambientes e palcos chamados cristãos, os “espíritos” podem utilizar a Palavra de Deus, e outros meios, para atrair, seduzir e adquirir as pessoas.

D. Familiarização com os espíritos

Alguns teólogos estão utilizando a designação “espirito familiar”, para falar de um tipo específico de “espírito” que procura “familiarizar-se” gradualmente com uma pessoa, até torná-la possessa, como era o caso daquela jovem que possuía um espírito adivinhador, a qual, adivinhando, dava grande lucro aos seus senhores. Atos 16:1.

Vemos outros casos de endemonhinhadas em Atos 8:7, 19:12-13

O que quero salientar nesta exposição é, que, embora não saiba se estou de acordo com a designação “espírito familiar”, concordo contudo que o processo da possessão inicia-se de uma forma gradual e subtil em que a pessoa começa a familiarizar-se aos poucos com uma identidade espiritual, e, senão quebrar este relacionamento, a pessoa sem estar consciente do facto, pode acabar por ficar possessa (endemoninhada), escravizada ou no mínimo influenciada e oprimida. 

E. Não brinque com o diabo

O ditado popular antigo“com o diabo não se brinca” tanto serve para descrentes como para crentes!!!

Se quiser saber como pode ser mais efectivo no domínio da luta contra os espíritos, protegendo a família, a Igreja e a sociedade em geral da actividade dos mesmos, utilizando a oração e a Palavra de Deus, que é a espada do Espírito, de uma forma mais eficiente nesta luta espiritual, continue a ler o artigo.

No entanto se sentir que Deus não o está a chamar para este combate espiritual directo contra os “espíritos”, visto cada um de nós ser equipado por Deus com diferentes * dons e ministérios, e o irmão (ã) sente que este não é o seu ministério, é melhor abandonar a leitura aqui. A não ser que queira ficar na posse desta informação.

Efésios 4:7-16, I Coríntios 12:27-31, Romanos 12:3-8 fala nos dons e ministéiros diferentes dentro do corpo, tendo cada um dos membros recebido a sua porção de Cristo.


I I I. Processo gradual da possessão ou escravização

Ao falar da forma que os “espíritos” utilizam para se familializarem gradualmente com os humanos, irei utilizar o termo “possessão” para os descrentes e o termo “opressão” para os crentes.

Isto para dizer que a “familiarização” de um descrente e de um crente com um “espírito”, atinge diferentes níveis de intimidade. Por isso, é muito possível que os teólogos que defendem que um crente não pode ficar possesso tenham razões bíblicas para defenter esta tese. Esta é a minha posição também.

Mas lá porque acreditamos que os crentes não podem ficar possessos, não vamos fazer nada?

Vamos deixar que os crentes, ou os seus filhos, ou os membros da sua Igreja sejam oprimidos pelos espíritos?

E nós ficamos impávidos e serenos a ver o “ladrão a matar e a destruir, a escravizar e a oprimir” S.João 10:10, e não fazemos nada?

A. Atracção

O processo de possessão ou de escravização tem três etapas: a atracção, a sedução e a aquisição.

O primeiro passo é a atracção. Aquilo que atrai a pessoa para o mundo do oculto ou sobrenatural e consciente ou inconscientemente entra em contacto com “o mundo dos espíritos”.

O que leva a pessoa a ficar atraída pelos “espíritos”?

O apelo pelo mundo oculto cria uma certa curiosidade, pois as pessoas gostam de conhecer aquilo que está escondido, que lhes é desconhecido.

O mesmo podemos dizer do fascíneo pelo mundo sobrenatural, pelo poder místico, que atrai as pessoas, às vezes mesmo crentes, mas que, infelizmente, às vezes não sabem diferenciar entre a esfera espiritual de Deus e a de Satanás.

Há ainda o facto das pessoas quererem conhecer o futuro, o que vai acontecer, e, por isso, é fácil familiarizarem-se com esquemas que reclamam ter o conhecimento do futuro. Pode ser a astrologia, o horóscopo e outras formas e até mesmo a profecia e as visualizações.

Há outros que querem comunicar com os familiares que morreram. E muitos dizem que receberam visitas de familiares já defuntos e conversam com eles, sem saber que estão a falar com um “espírito”.

Depois temos as pessoas que sofrem de problemas de rejeição, inferioridade, insegurança, depressão, doenças psicológicas e psiquiátricas, ou vivem escravas de certas adições (droga, álcool, sexo, jogo, etc) ou têm familiares nesta situação, e procuram uma resposta ou uma saída no contacto com o oculto.

Poderia falar de muitas pessoas que procuraram alívio, soluções ou cura através de meios ou pessoas duvidosas! Alguns levaram muito tempo a reconhecerem o seu erro e a libertarem-se da familiaridade com o “espírito”, mas outros ficaram mesmo pelo caminho e chegaram ao ponto da “possessão ou da opressão”.

Há muitos lares destruídos, casos de depressão e suicídio, por causa do envolvimento com os “espíritos”, na esperança de solucionarem determinados problemas.

Nas Igrejas cristãs existe fome pelo sobrenatural, os crentes buscam o reavivamento, a cura, a libertação, a restauração e os sinais e maravilhas!

Se os lideres forem ignorantes acerca da actividade dos “espíritos”, ou houver falsos obreiros no seio da Igreja, a busca pelo sobrenatural pode abrir uma porta ao “diabo que anda em derredor, bramando como um leão, buscando a quem possa tragar”. I Ped 5:8.

Satanás é apresentado como o “tentador”, mas também como o “sedutor”. Quando procuramos entrar na esfera espiritual, com más intenções, ou, mesmo, tendo boas intenções, devemos ter cuidado, vigiar, pois o diabo pode estar na próxima esquina à nossa espera, e, ao mínimo descuido pode ser a morte ... como diz o ditado ... do artista.

Devemos ter muito cuidado com a atracção pelo mundo desconhecido ou sobrenatural.

O ponto que estou a defender, é que a atracção é gradual e subtil e começa com uma familiarização muito leve com um “espírito ou espíritos”. Normalmente falando, ninguém fica logo possesso ou oprimido ao primeiro contacto com o espírito.

Primeiro o “espírito” cria um ambiente de atracção, depois, para aqueles que picarem o “isco”, ele cria um cenário propício à sedução.

A pessoa estabelece “familiaridade” com o espírito por causa das situações mencionadas em cima, utilizando um meio, método, doutrina ou pessoa errada, e, aos poucos, a atracção vai crescendo, a “familiaridade” com o espírito vai-se tornando mais íntima, a sedução começa a tomar lugar, e pode levar a pessoa ao ponto da possessão ou da escravização (opressão).

É muito mais fácil quebrar a familiaridade quando o processo só está no ponto da atracção. Depois, quando a pessoa já está seduzida e mais tarde endemonhinada ou oprimida, é muito difícil, às vezes, quase impossível de quebrar o laço.

Por essa razãoa o Senhor Jesus disse “Mas esta casta não se expele senão por meio de oração e jejum.” Mateus 17:21 Nós não adulteraríamos a Palavra de Deus se dissessemos “de muita oração, muito Jejum, e muito esclarecimento e perseverança também”.

B. A sedução

O segundo passo é a sedução. A sedução está logo presente no início da atracção, quando a pessoa começa a estabelecer a familiaridade com o espírito, ou espíritos.

É importante saber que especialmente no início, no casos de muitas pessoas que estão a familiarizar-se com um espírito, elas pensam que o “espírito” é um bom companheiro, e que algum benefício sairá deste companheirismo.

A pessoa, pensa erradamente, que o “espírito” providenciará uma boa informação e uma grande ajuda na resolução de um problema, ou na investigação ou estudo da esfera sobrenatural.

Além disso, muitas das pessoas nesta situação de “familiarização”, não sabem que estão em contacto com uma identidade espiritual. Eles pensam que são experiências que estão unicamente ligadas á esfera das suas fantasias, imaginações e desejos. Há crentes que envolvidos em determindadas experiências, podem pensar que estão fazendo experiências na esfera sobrenatural de Deus. E, destas experiências só pode sair alguma coisa de bom. Mas não são experiências de Deus.

E, assim, aos poucos, vão ficando debaixo da sedução do espírito. A sedução funciona como a “adição”, quanto maior, mais a pessoa fica agarrada, escrava. Mais cega!

C. A aquisição

Em primeiro lugar vimos as causas que levam as pessoas a serem “atraídas” pelo mundo oculto e sobrenatural, em segundo lugar vimos que mal a atracção começa, as pessoas vão ficando gradualmente “seduzidas”, em terceiro lugar irei falar dos “meios” através dos quais as pessoas começam a seu relacionamento com os “espíritos”.

O terceiro passo é a aquisição. Desta forma a pessoa “adquire” gradualmente (sem notar, podendo até ter ** boas intenções) um “espírito” que tem o alvo de se instalar definitivamente em sua vida. No fundo não é a pessoa que adquire, a pessoa não adquire nada, é o “espírito” que adquire a pessoa.

Se for um descrente – o alvo do “espírito” é possuir, se for um crente – o alvo do “espírito” é oprimir.

** Estou a falar de pessoas inocentes ou que por influência de outros entram em contacto com os espíritos, por exemplo, o filho ficou doente e procuram a cura para ele em lugares duvidosos.

Mas, é claro, há o caso de pessoas que entram voluntariamente em contacto com o mundo dos espíritos para ganharem dinheiro.

Continuando, vejamos os meios que podem ligar as pessoas “ao mundo dos espíritos”.

1. A adivinhação

a) Definição

A adivinhação é o ato de predizer coisas distantes no tempo e no espaço. A adivinhação busca determinar o significado ou as causas ocultas dos acontecimentos, predizendo às vezes o futuro, por meio de práticas variadas.

A Bíblia fala contra a adivinhação e os adivinhos. Vamos colocar só 3 textos. Mas pela internet pode fazer um estudo profundo sobre estas matéria.

Lv 19, 31: Não vos dirijais aos espíritas nem adivinhos: não os consulteis,...

Lv 20, 6: Se alguém se dirigir aos espíritas ou aos adivinhos para fornicar com eles,...

Lv 20, 27: Qualquer homem ou mulher que evocar os espíritos ou fizer adivinhações, será morto....

A adivinhação é vaga, confusa, mentirosa e tem o lucro como principal objectivo.

Vimos no início que a jovem de Atos 16 tinha um espiritto adivinhador e dava muitos lucros aos seus senhores. Balaão que era um falso profeta (um adivinho) que vivia para o lucro.

Ver a história de Balaão em Números 22, e ver que a epístola de Judas exorta a não deixar a sã doutrina e seguir o caminho de Balaão que se deixou seduzir pela ganância do dinheiro

b) Diferença entre a adivinhação e a profecia

Há muitas diferenças entre a divinhação e a profecia bíblica, mas a principal é que a adivinhação não é baseada na Bíblia e não tem o objectivo de glorificar a Deus, pois o principal objectivo é o lucro ou o orgulho.

A profecia é baseada na Bíblia e serve os propósitos do Reino de Deus. Eu falo disso no meu blogue no tema sobre o Espírito Santo.

No entanto, os lideres das Igrejas cristãs deviam fazer um estudo mais profundo do dom de profecia, e o ofício do profeta, e não deixarem que o exercício da profecia seja praticado dentro das suas Igrejas de uma forma superficial, leviana e fantasiosa.

Isto abrirá certamente a porta a problemas, conflitos e aos “espíritos”, e, por isso, cuidado com as profecias dentro das Igrejas, que não estão baseadas na Palavra de Deus, nem são dirigidas pelo Espírito Santo?

Se o que se ouve, muitas vezes, dentro das Igrejas não são profecias, pois não estão baseadas na Palavra de Deus, nem são dirigidas pelo Espírito Santo, o que são?

São prognósticos, adivinhações, imaginações ou invenções e pensamentos carnais?

2. A visualização

A visualização não é uma ferramenta bíblica válida. Não a encontramos nas escrituras.

As pessoas criam uma imagem na sua mente, de alguma coisa que querem atingir e depois utlizam a Fé como a força para tornar esta imagem numa realidade. A ideia é dar nascimento a uma imagem na esfera espiritual (um desejo, uma coisa, uma pessoa, um plano etc) e depois torná-la realidade na esfera natural.

A visualização é uma das principais ferramentas utilizadas pelos movimentos de fé, a cientologia cristã, o movimento da Nova Idade (New Age), e está directamente ligada ao pensamento positivo.
Infelizmente, a visualização, que é uma forma de relacionamento com o oculto, está sendo muito praticado por muitas Igrejas cristãs em todo o mundo.

E de que forma?

Há Igrejas cristãs que começam a permitir uma prática em que os crentes pretendem ter visto imagens, figuras que lhes foram comunicadas pelo Espírito Santo. Desta forma, os crentes, podem visualizar e decretar e adquirir conhecimento directo e revelações de Deus através destas imagens e figuras criadas em suas mentes, no fundo, da mesma forma que fazem os praticantes das religiões e ideologias espiritualistas e “new agers”.

E através destas formas de “visualização”, que não sendo tão bizarras/esquisitas/excêntricas como as práticas espiritualistas, a familiarização com mundo oculto dos espíritos pode ser iniciada mesmo dentro das Igrejas.

O que é triste é que os crentes e os pastores não sabem que esta prática é uma prática muito antiga do ocultismo e outras religiões e é praticada de uma forma muito comum no movimento da Nova Idade (New Age)

Os lideres deviam rever este assunto, e estudar a Bíblia para ver se encontram algum base bíblica para esta espécie de “visualização” (imagens, figuras) mesmo que não envolvam o pensamento positivo e seja feita com boas intenções.

Romanos 13:12 “Vai alta a noite, e vem chegando o dia. Deixemos, pois, as obras das trevas e revistamo-nos das armas da luz”.

Efésios 5:11 “Não sejais cúmplices nas obras infrutíferas das trevas; antes, reprovai-as”.
Contudo, não estou a afirmar que nunca ninguém pode receber de Deus um nome, convição, conhecimento, sabedoria, profecia, visão ou sonho ou mesmo uma imagem ou figura de alguma coisa que por qualquer razão

Deus colocou na mente/coração da pessoa com o intuito de lhe revelar algo, ou para a pessoa revelar algo da parte Deus à Igreja. É claro que isto pode acontecer.

Eu estou somente a alertar para que, seja que revelação for, não pode contradizer a Palavra de Deus e, em minha opinião, não é algo que acontece de uma forma tão regular e superficial como vemos nas Igreja aonde as pessoas estão constantemente pretendendo que Deus lhes revelou alguma coisas, muitas vezes imagens e figuras.

Infelizmente, em muitas Igrejas, estas constantes revelações compartilhadas por crentes durante os cultos, substituiram completamente o ensinamento da Palavra de Deus.

Acho muito mais proveitoso quando alguém pede aos lideres para dar um curto testemunho da fidelidade de Deus numa determinada situação da sua vida, para encorajar os crentes desanimados, ou deixar uma palavra uma exortação aos crentes para serem mais santos na sua vida e fiéis no trabalho de Deus.

3. Ideologias espiritualistas e espirítistas

Isaías 8:19 Quando vos disserem: Consultai os necromantes e os adivinhos, que chilreiam e murmuram, acaso, não consultará o povo ao seu Deus? A favor dos vivos se consultarão os mortos?

Levítico 19:31 “Não vos voltareis para os que consultam os mortos nem para os feiticeiros; não os busqueis para não ficardes contaminados por eles.”

Espiritualismo é um nome moderno para a feitiçaria, espiritismo, astrologia, tarologia, racionalismo cristão, necromancia, embora possa haver diferenças nestas diferentes práticas do ocultismo. Um espiritualista/espiritista é um místico que se torna num canal, agente receptor, para receber comunicações que veêm do mundo dos espíritos.

Através dos médiuns, bruxos, feiticeiros etc (os receptores), os “espíritos” tem acesso ao nosso mundo e procuram familiarizarem-se com as pessoas que entram em contacto com esses receptores até ao ponto de conseguirem mais um receptor.

Alguém que por qualquer razão entrou em contacto com o mundo dos “espíritos” através do relacionamento directo ou indrecto com estes receptores (médiuns) devia procurar logo a purificação pelo sangue de Jesus, junto de uma Igreja, porque o “espírito” nunca permitirá a quebra daquela familiarização por pequena que seja.

Esta pessoa vai ficar logo no bloco de apontamentos do “espírito”, e este continuará a atrai-la mais e mais até seduzi-la e mais tarde adquiri-la.

Não é assim que actuam os predadores!? Há alguém que escapa se entrar no sua área de acção? Isto tanto serve para os animais, como para os homens e os “espíritos”. Os predadores não perdoam mal alguém caia no seu campo visual, do olfacto ou do tacto. No caso dos “espíritos”, mal alguém caia no seu campo espiritual.

Às vezes, até a leitura de um livro, do horóscopo, uma consulta ao bruxo é suficiente para o “espírito”, predador, agarrar a pessoa para sempre.

4. Conversar com os espíritos

Este é um aviso solene para quem está envolvido na batalha espiritual directa com os espíritos. Ore a Deus e em nome de Jesus se for necessário e tiver o apoio suficiente de pessoas que estejam consigo, ordene ao “espírito” que se retire, mas não converse com um espírito durante a libertação de uma pessoa.

Não devemos esquecer que o espírito normalmente só deixará a pessoa se esta tiver vontade que isto aconteça e isto na maior parte dos casos precisa de tempo, esclarecimento e oração.

Por esta razão, da mesma forma gradual que a pessoa foi familiarizando-se com o espírito até ao ponto de levá-la à possessão, e, no caso de um crente à escravização e opressão, devemos gradualmente doutrinar a pessoa no conhecimento da verdade e elucidando-a acerca dos ardis do diabo.

Efésios 6:11 “Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para poderdes ficar firmes contra as ciladas do diabo”

Este processo de libertação (exorcismo) é um processo gradual, é necessário tempo, estudo, perseverança e muita oração até a pessoa ficar esclarecida e tenha vontade de libertar-se da identidade que a andou a enganá-la sem ela saber.

Esta forma de “exorcismo” gradual é o melhor “exorcismo” , o mais seguro e mais sólido que podemos praticar.

É claro que não devemos ser contra uma forma de “exorcismo” mais directo, confrontativo, em que não tivemos tempo para esclarecer a pessoa, talvez por ser um caso severo de possessão ou escarvização, e ordenamos a expulsão do espírito sem preparação prévia.

Mas isto deve ser feito debaixo da orientação e poder total de Deus e por homens e mulheres experimentados e com dons nesta área do combate espiritual.

Deixo o conselho: não converse com o espírito, nunca, em nenhum tipo de “exorcismo”, pois corre o risco de passar a acreditar, sem dar por ela, “na doutrina dos demónios”.

O que sai da boca dos espíritos não é nada mais, nem menos que “doutrina de demónios”. E desta nós não queremos saber nada.

I Timóteo 4:1 “Ora, o Espírito afirma expressamente que, nos últimos tempos, alguns apostatarão da fé, por obedecerem a espíritos enganadores e a ensinos de demônios”.

O irmão ao conversar com os espíritos pode não ligar nada para o que ele disser, mas poderá ficar perturbado e abrir uma porta para o espírito manifestar-se. É o que eles querem fazer, entrar pelas brechas que se vão abrindo e perturbar o ambiente e as pessoas à volta.

5. Expulsar publicamente os espíritos

Não devemos praticar a libertação durante os cultos de louvor e estudo da Palavra de Deus, para não a oportunidade aos os “espíritos” de se manifestarem publicamente

Se durante um culto um “espírito” se manifestar, devemos levar logo a pessoa para um lugar isolado dentro ou fora da Igreja com três ou quatro irmãos (ãs) corajosos e habituados à batalha espiritual e lidemos com a libertação fora da presença dos demais membros e pessoas da Igreja.

A pessoa em questão devia ser seguida em sua casa, estudando a Bíblia e procurando esclarecer-se gradualmente sobre a verdade e a mentira até estar preparada e desejar a libertação. O ideal, é a pessoa não voltar aos cultos durante alguma temporada até dar-se a libertação total.

Não esqueçamos que se o “espírito” manifestar-se publicamente dentro da Igreja, no meio das pessoas, nós estaremos a expô-las à actividade demoníaca destes espíritos. Especialmente os mais vulneráveis e nesta categoria podemos colocar as crianças e os jovens.

Os espíritos querem habitar ou relacionar-se com os humanos e mesmo com os animais. Eles querem viver num corpo e não no abismo.

Mateus 8:28 “Tendo ele chegado à outra margem, à terra dos gadarenos, vieram-lhe ao encontro dois endemoninhados, saindo dentre os sepulcros, e a tal ponto furiosos, que ninguém podia passar por aquele caminho. 29 E eis que gritaram: Que temos nós contigo, ó Filho de Deus! Vieste aqui atormentar-nos antes do tempo? 30 Ora, andava pastando, não longe deles, uma grande manada de porcos. 31 Então, os demônios lhe rogavam: Se nos expeles, manda-nos para a manada de porcos. 32 Pois ide, ordenou-lhes Jesus. E eles, saindo, passaram para os porcos; e eis que toda a manada se precipitou, despenhadeiro abaixo, para dentro do mar, e nas águas pereceram.

Pode haver pessoas, até jovens e crianças, que tenham problemas morais, pessoais, emocionais, físicos e psicológicos, e sejam mais vulneráveis à actividade dos espíritos. Podem até ser os nossos próprios familiares. Temos que os proteger.

O culto é para louvar a Deus e estudar a Bíblia. Há cultos de evangelização em que podemos fazer um apelo para a conversão. Nos cultos de consagração podemos fazer um apelo para a consagração. Mas a libertação devia ser praticada pelos líderes das igrejas àparte e se possível nos lares das pessoas que estejam a sofrer problemas de possessão ou escravização.

Ou então fazer reuniões para este fim, em que estejam presentes os crentes preparados para o combate espiritual e as pessoas que queremos libertar. De preferência é melhor estas reuniões serem feitas no lar das pessoas enão dentro das Igrejas.

6. Orar e invocar os anjos

Todd Bentley e muitos pastores dos movimentos de fé incitam as pessoas a buscarem conhecimento perto dos anjos. Dizem ter visualizações de anjos que os visitam, e, Todd disse que foi visitado pelo anjo “Emma”, uma mulher! Um anjo de prosperidade! Que levou a Igreja a dar donativos fabulosos para a sua organização.
(tirado da Net) God himself told Todd Bentley, in effect, 'Lay Jesus aside! Don't preach Jesus right now... preach about the angel (Emma) and the supernatural because that's what the church needs.'

Muitas igrejas de todas as partes do mundo estão indo visitar a Igreja do Todd nos E.U.A, para trazerem a benção ou o reavimento para as suas próprias Igrejas.

A busca do místico, recorrer à ajuda dos anjos está a tornar-se cada vez mais evidente em muitas Igrejas cristãs

Mas devemos perguntar, encontramos na Bíblia um servo de Deus orar ou invocar a um anjo? Podemos encontrar um anjo a dirigir-se e falar com um servo de Deus. Mas nunca um servo de Deus a pedir a ajuda de um anjo!

Não estou a falar mal dos anjos, nem dizer que eles não se manifestam. A Bíblia está repleta da maifestação de anjos para servirem ou ajudar servos de Deus. E eu acredito que os anjos ainda se manifestam hoje.

Acredito também que é diferente invocar a Deus, pedindo a protecção do Seu Espírito e dos anjos, do que invocar directamente os anjos ou procurá-los visualizá-los. Deus pode enviar os anjos para ajudarem em resposta às orações.

Hebreus 1:143 “não são todos eles espíritos ministradores, enviados para serviço a favor dos que hão de herdar a salvação?

Neste ponto, eu estou somente a prevenir para a prática não bíblica de orar e invocar os anjos, estar sempre a procurar “visualizá-los”.

É claro que a prática de Todd Bentley, não só toca no invocar os anjos, é uma aberração, porque ensina que temos que pregar os anjos.

Ele prega sobre “Emma”. Ele prega que a igreja já conhece Jesus, mas não conhece muito sobre o mundo sobrenatural. A Igreja precisa de conhecer os anjos.

II Coríntios 11:13 “Porque os tais são falsos apóstolos, obreiros fraudulentos, transformando-se em apóstolos de Cristo 14 E não é de admirar, porque o próprio Satanás se transforma em anjo de luz”

Quem será Emma? O anjo mulher que fala da prosperidade? E, os anjos, que muitos dizem que aparecem nas suas Igrejas ou quartos? Serão mesmo anjos de Deus ou “espíritos”?

I João 4:1 “Amados, não deis crédito a qualquer espírito; antes, provai os espíritos se procedem de Deus, porque muitos falsos profetas têm saído pelo mundo fora”.

7. Adição, vícios, comprimidos e fantasias.

Poderíamos dizer muita coisa sobre isto! Mas não quero ser exaustivo.

Se houver pessoas com quem estamos em contacto, podem até ser familiares, ou membros e visitantes das nossas Igrejas, que tenham um predisposição para uma adição, vicio ou uma perversão e fantasia sexual qualquer, procurem quebrar isto pelo poder da oração e do ensinamento da Palavra de Deus.

Pode ser a droga, o álcool, jogo, pornografia, homosexualismo etc

Todo o tipo de corrupação, perversão, enfermidade está directamente ligado à questão do pecado original.
Jesus levou sobre Ele todos os nossos pecados e, por isso, pela sua morte, sepultamento e ressureição ele tem poder sobre satanás, a morte e o pecado.

Ele pode quebrar qualquer adição, curar qualquer doença, perdoar qualquer pecado!
Isaías 53:4-5 “Ele tomou sobre si as nossas enfermidades e as nossas dores levou sobre si; e nós o reputávamos por aflito, ferido de Deus e oprimido. Mas ele foi traspassado pelas nossas transgressões e moído pelas nossas iniqüidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados”.

Se notarmos que a adição ou o vício está directamente ligada à actividade de um “espírito”, procuremos a sua libertação através da confrontação espiritual com o “espírito”.

Outra questão importante é salientar que, mesmo que uma adição/vício não tenha como causa directa a actividade de um “espírito”, qualquer adição abrirá gradualmente a porta aos “espíritos” se a pessoa não abandonar essa adição ou vício a tempo. E, nessa altura, “os espíritos” poderão acabar por possuir, escravizar e perturbrar as pessoas que vivem à volta dela.

Os espíritos nunca perdoarão uma pessoa, ou os familiares e amigos mais chegados, se esta pessoa deixar-se envolver por adições, paixões e perversões pecaminosas ou envolverem-se com o mundo oculto através de qualquer que seja o meio.

Há crentes e pode haver líderes que estejam lutando com uma área pecaminosa na sua vida que acabará por abrir a porta aos “espíritos” se não forem libertos e as pessoas mais chegadas poderão também ser afectadas. Quantos líderes não entreteram certas pecados e fantasias e acabaram por cair na corrupção e em certas perversões sexuais (roubo, adultério, prostituição e até homosexualismo).

Os espíritos não perdoam!

8. Meios tecnológicos

Há muitos anos atrás ouvi ensinamentos radicais que diziam que a televisão é a “janela do diabo”. Hoje, diriam o mesmo de outros meios tecnológicos!!!

Bem, podemos concordar ou não com esta afirmação, mas com certeza que estamos todos de acordo que os espíritos podem utilizar os meios tecnológicos: televisão, computador, internet, jogos, vídeos, filmes para se manifestarem nos lares, nas escola, nas Igrejas e fazer publicidade a falsas doutrinas, seduções e perversões.

Não devemos esquecer que os espíritos servem-se de homens e mulheres a quem poderíamos chamar “filhos do diabo”, que utilizam os meios tecnológicos para servirem os propósito do seu pai que é o diabo.

Atos 13:5 Havendo atravessado toda a ilha até Pafos, encontraram certo judeu, mágico, falso profeta, de nome Barjesus, 7 o qual estava com o procônsul Sérgio Paulo, que era homem inteligente. Este, tendo chamado Barnabé e Saulo, diligenciava para ouvir a palavra de Deus. 8 Mas opunha-se-lhes Elimas, o mágico (porque assim se interpreta o seu nome), procurando afastar da fé o procônsul.9 Todavia, Saulo, também chamado Paulo, cheio do Espírito Santo, fixando nele os olhos, disse: 10 Ó FILHO DO DIABO, cheio de todo o engano e de toda a malícia, inimigo de toda a justiça, não cessarás de perverter os retos caminhos do Senhor? 11 Pois, agora, eis aí está sobre ti a mão do Senhor, e ficarás cego, não vendo o sol por algum tempo. No mesmo instante, caiu sobre ele névoa e escuridade, e, andando à roda, procurava quem o guiasse pela mão 12 Então, o procônsul, vendo o que sucedera, creu, maravilhado com a doutrina do Senhor.

Elimas, o mágico um “filho do diabo”, não queria perder um cliente, e fazia tudo para Sérgio Paulo não crer na Palavra de Deus. Devo acrescentar que a magia e a bruxaria dominava aquela região.

E hoje, não vemos que a televisão e outras tecnologias que dominam o mundo, está nas mãos de muitas pessoas que são completamente contra Deus, “filhos do diabo”!?

Por exemplo, quantas pessoas não estão a ser enganadas pelos astrólgos e bruxos que propagam as suas heresias através de programas na Televisão, em revistas e na Internet? E a leitura do Tarote e o horóscopo que esta sendo cada vez mais propagados pelos meios tecnológicos!? E, quantas perversões de natureza sexual e religiosa propagadas pelos meios tecnológicos não estão a enganar tantas pessoas?

O próprio Satanismo está muito activo na Internet, onde encontramos muitos sites e grupos satânicos.

Nós devemos orar para a protecção dos nossos jovens e crianças, que lidam diariamente com a comunicação e informação vinda através dos meios tecnológicos.

Esses meios, podem ser utilizadas pelos “espíritos” como janelas entre as duas dimensões (sobrenatural e natural) pela qual fazem passar informação para o nosso mundo.

Tudo começa com uma familiarização subtil e aparentemente inocente com as pessoas que recebem a informação, até que a familiarização chegue ao ponto, que já não é só a informação que passa, mas os próprios “espíritos” penetram “corporalmente” pelas janelas, seduzindo e adquirindo ou oprimindo as pessoas.

9. Música, arte, ciência e filosofia.

Ninguém gosta mais do que eu destas quatro áreas, pois eu gosto muito de música e mesmo da música um pouco “roqueira”, gosto da arte, da ciência e tenho uma paixão muito grande pela filosofia. Quem der uma olhadela ao meu blogue notará isto.

Mas, acredito também que deveríamos ter cuidado com estas áreas, começando com o uso que damos à música dentro das Igrejas. A música tem de ser sempre um veículo para mensagem bíblica e não um fim em si mesmo. A música dentro da Igreja não deve ser em primeiro lugar para despertar a alma/emoção das pessoas, mas para despertar o espírito das pessoas, conduzindo-as a Deus.

É verdade que as pessoas também são seres emocionais, mas as suas emoções devem ficar sempre debaixo do controle do seu espírito, e isto só é possível se a pessoa tiver um encontro com o Espírito de Deus.

Uma emoção, sentimento ou pensamento exarcebado (exagerado, de grande volume) levará a pessoa a um desiquilibrio de personalidade, que poderá conduzi-la a comportamentos excêntricos e mesmo à possessão e escravização por um “espírito”.

É dificil compartimentar a alma e o espírito, dizer onde começam e acabam e perceber a sua interligação.

Mas uma música que não permita ouvir a voz do Espírito Santo a falar ao seu espírito, mas só enche a alma de emoções, por causa das batidelas, melodia, barulho, em nque ão existe mensagem, ou não se percebe a mensagem por causa do barulho, isto pode causar desiquilibrios e gradualmente abrir a porta aos espíritos. E como se dá isto na verdade?

É fácil. A alma da pessoa por causa da música fica emocionada e começa a buscar a esfera espiritual. Mas como o espírito não está esclarecido pela mensagem, nem está envolvido, a pessoa fica como que debaixo de uma “transe espiritual” causada pela música, como no fundo acontece nas religiões orientais e nas pessoas que estão em concertos musicais de “heavy metal” (toda a proporção guardada, a sensação e emoção é quase igual, não duvide) e pode facilmente ser seduzida pela actividade demoníaca dos espíritos.

Cuidado com todo o conhecimento que não envolva o espírito humano e o Espírito Santo, mas envolva somente a alma humana, seja conhecimento intelectual, científico, filosófico, literário, artístico, musical, tecnológico e religioso.

Este conhecimento, qualquer que seja o tipo, produzido e governado somente pela alma humana e para satisfazer a alma humana, desprovido de sentido espiritual, e da orientação do Espírito de Deus, pode ser fatal, e abrir a porta a identidades espirituais que estão a procurar todas as avenidas para relacionarem-se com as pessoas, com o objectivo de penetrar dentro do nosso mundo e possuir as pessoas, e se estas forem crentes, escravizá-las com alguma coisa, afastando-as de Deus e tornando-as infrutíferas para o engrandecimento do Reino de Deus.

Outra questão é que as bandas modernas que tocam nas Igreja, tomaram conta de todo o protagonismo e em nome da adoração a Deus, tomaram o lugar central dentro do culto, a pregação e o uso da Palavra de Deus passou a ter um lugar muito secundário.

A banda musical, juntamente com as profecias, as línguas e os sinais e as maravilhas, que em si mesmo podem não ter mal nenhum, são hoje o que atraem mais as pessoas às Igrejas, e não forçosamente um verdadeiro amor pela palavra de Deus que na ordem das prioridades já tomou talvez o 3º ou o 4º lugar. Cuidado, pois isto pode ser perigoso!!!

10. A idolatria e o culto aos santos

Idolatria, cultos aos santos, ancestrais, astros, à natureza, aos homens e o culto aos animais é muito parecido. Por isso eu vou colocar tudo dentro da Idolatria.

A Bíblia faz alguma ligação entre a Idolatria e o culto dos “espíritos” (demónios). Neste caso vamos apelar esta ligação também para o culto aos santos, ancestrais, astros, natureza, aos homens e o culto aos animais.

Podemos ver esta ligação nos textos em baixo, que fala dos sacrifícios antigos oferecidos aos ídolos, onde diz que ao oferecer sacrifícios aos ídolos, estamos a oferecer aos demónios que estão por detrás deles.

O ídolo então pode ser: estátua (ídolo), sol, lua, animal, rio, montanha, objecto, ancestre, santo, pessoa, animal ou outra coisa que o homem colocar no lugar de Deus.

Acho que poderemos também aqui incluir o dinheiro ou um outro bem material. Pode ser um Ídolo também que o homem adora.

Deuteronómio 32:17 “Sacrifícios ofereceram aos demônios, não a Deus; a deuses que não conheceram, novos deuses que vieram há pouco, dos quais não se estremeceram seus pais”.

Salmos 106:37 “pois imolaram seus filhos e suas filhas aos demônios”

No Novo Testamento perguntaram a Paulo, se os cristãos deviam comer a carne sacrificado aos ídolos, Paulo foi cuidadoso com a sua resposta, mas, a certa altura ele diz:

I Coríntios 10:19 “ Que digo, pois? Que o sacrificado ao ídolo é alguma coisa? Ou que o próprio ídolo tem algum valor? 20 Antes, digo que as coisas que eles sacrificam, é a demônios que as sacrificam e não a Deus; e eu não quero que vos torneis associados aos demônios.

A Idolatria associa as pessoas aos demónios “aos espíritos”. Porquê que é tão difícil fazer penetrar a Palavra de Deus numa região muito idólatra? Porque é uma região que vive associada ao culto dos demónios e estes reagem ao Evangelho.

Deve haver boa percentagem de pessoas que se encontram possuídas ou escravizadas por demónios em regiões muito idólatras. Isto é bíblico. Talvez não se note claramente esta associação. Mas se nos dermos ao trabalho de estudar alguns comportamentos e atitudes das pessoas dessa região iremos ver que alguns destes comportamentos podem nascer da familiarização que “os espíritos” têm com as pessoas da região.

É claro, não estou a dizer que são todos possessos ou escravos. Se calhar até há uma percentagem mínima de pessoas que deixaram a familiarização com “os espíritos” através da idolatria e do cultos aos Santos chegar ao ponto da “possessão”.

Mas o que podemos afirmar é que os praticam a idolatria, o culto aos santos, ancestrais, astros, à natureza, homens, animais, dinheiro ou outra coisa quaalquer que se adora no lugar de Deus, estão a cultuar os demónios e a exporem-se à sua actividade, e quanto mais forte for a idolatria e o culto a essas coisas numa determindada região maior será a percentagem de pessoas possessas e escravos e maior será a influência dos “espíritos” nessa região.

Desta prespectiva poderíamos perguntar: em que região os “espíritos” estão mais activos? Em Àfrica, no Oriente ou no mundo ocidental?

Eu estaria inclinado a dizer, baseando-me em tudo o que tenho vindo a escrever e na base da idolatria, que actualmente acho que é no mundo ocidental onde há mais “espíritos” a agir.

Por essa razão nota-se cada vez mais um grande desprezo pelo Evangelho e vemos que os crentes dentro das Igrejas perderam quase totalmente a consciência da sua missão no mundo e o verdadeiro sentido de santidade.

Qual é a missão do crente? O que é a verdadeira santidade?

Os crentes vão à Igreja, colocam ao louvor no centro do culto (como um ritual), gozam da comunhão com os outros, podem até viver a moral cristã, mais ou menos, mas não têm sentido de missão e de santidade, não fazem do cristianismo o seu verdadeiro estilo de vida, nem colocam Deus em primeiro lugar naquilo que fazem.

Hoje, vemos muitas Igrejas no Ocidente que não evangelizam os perdidos, não enviam missionários e não praticam a caridade. E as igrejas que estão crescendo, crescem na base das igrejas que vão morrendo.

Porquê? Porque os crentes no Ocidente seguem muitas coisas que podem não ser forçosamente estátuas, mas são um “idolo”, são idoltaria também, mas mais subtis.

Precisamos de despertamento espiritual.

Exôdo 20:3 “Não terás outros deuses diante de mim 4 Não farás para ti imagem de escultura, nem semelhança alguma do que há em cima nos céus, nem embaixo na terra, nem nas águas debaixo da terra”.

11. O legalismo e espírito de julgamento

Quando pensamos que Deus só pode ter um bom relacionamento com alguém que segue na íntegra as regras e doutrinas da nossa Igreja, e que nós só podemos ter bom relacionamento com os irmãos que seguem as regras e doutrinas da nossa Igreja, estamos a medir Deus e o nossos irmãos pelas nossas regras e caimos fatalmento no legalismo.

Aonde existe legalismo, impera o espírito de julgamento. Aonde impera o espírito de julgamento impera a morte. A lei de Deus, sem graça, sem o Espírito Santo é letra morta.

II Coríntios 3:6 “O qual nos habilitou para sermos ministros de uma nova aliança, não da letra, mas do espírito; porque a letra mata, mas o espírito vivifica”.

Não da letra (da lei, do legalismo, do espírito de julgamento)

I Coríntios 8:1 diz que “a ciência incha, mas o amor edifica”

A Bíblia é infalível, mas tem que ser utlizada com humildade. Quando pensamos que temos um conhecimento da Bíblia mais alto do que os outros irmãos, então pode acontecer-nos o que aconteceu a alguém que disse:

“Como eu fiz da Bíblia o meu Deus, eu deixei de ouvir o Deus da Bíblia”.

A Bíblia é a espada do Espírito e não uma bala de canhão para atirar contra os outros, muitas vezes contra os nossos irmãos em Cristo.

Quando os crentes começam a querer ser mestres da Bíblia (mais do que os outros) correm o perigo de entrar no caminho do legalismo que os conduzirá faltamente a um ritualismo religioso.

O conhecimento da Bíblia (ciência) conduze ao orgulho, se não estiver misturado com a humildade, o amor e a graça de Deus, e, como consequência conduzirá inevitavelmente ao espírito de julgamento.

E onde impera um espírito de julgamento abre-se as portas para a actividade dos “espíritos”.

Quando as Igrejas não vivem na unidade do Espírito, e não existe amor e tolerância, estamos a ouvir a voz de quem?

De Deus ou do diabo?

Efésios 4: 1 “Rogo-vos, pois, eu, o prisioneiro no Senhor, que andeis de modo digno da vocação a que fostes chamados, 2 com toda a humildade e mansidão, com longanimidade, suportando-vos uns aos outros em amor, 3 esforçando-vos diligentemente por preservar a unidade do Espírito no vínculo da paz; 4 há somente um corpo e um Espírito, como também fostes chamados numa só esperança da vossa vocação; 5 há um só Senhor, uma só fé, um só batismo; 6 um só Deus e Pai de todos, o qual é sobre todos, age por meio de todos e está em todos. E a graça foi concedida a cada um de nós segundo a proporção do dom de Cristo”.

Uma Igreja legalista aberta à actividade dos “espíritos”, por causa do espírito de julgamento, por muito sincera que seja, e não ponho em questão a sinceridade de nenhum irmão, extinguir-se-á mais cedo ou mais tarde.

Vemos nos versículos em baixo como o Diabo é o acusador e é quem divide o Corpo de Cristo com confusões e facciosismo.

Apocalipse 12:10 “Então, ouvi grande voz do céu, proclamando: Agora, veio a salvação, o poder, o reino do nosso Deus e a autoridade do seu Cristo, pois foi expulso o acusador de nossos irmãos, o mesmo que os acusa de dia e de noite, diante do nosso Deus”.

Tiago 3:16 “Pois, onde há inveja e sentimento faccioso, aí há confusão e toda espécie de coisas ruins”.

12. As emoções e as experiências

Eu não gosto de um culto frio e legalista, onde as pessoas não expressam nenhuma emoção, nem têm a liberdade para dar um testemunho ou falar de uma experiência pessoal. Já falei no ponto 11, sobre o perigo do legalismo e espírito de julgamento. As Igrejas frias que não permitem a expressão das emoções e a liberdade para os crentes falarem das suas experiências, são normalmente Igrejas onde impera o legalismo, o espírito de julgamento. Já vimos que este ambiente também abre a porta aos “espíritos”.

Acho que as pessoas devem ter a liberdade para expressar com respeito e reverência as suas emoções, levantando as mãos ao céu, se quiserem, cantando com alegria ou dar um curto testemunho sobre uma experiência que tiveram.

Mas, não sou a favor da manifestação de emoções e experiências que não estão baseadas na palavra de Deus ou que substituiram a pregação e o ensino da Palavra de Deus dentro da Igreja.

Há igrejas aonde os cultos são constituídos por um longo tempo de louvor, às vezes com barulho emoções e excitação a mais, testemunhos e profecias que às vezes não têm nada a haver com a Palavra de Deus, e não se ouve nunca uma sólida pregação da Bíblia.

A ênfase é dada ao louvor, à profecia, aos sinais e milagres, ao barulho, às emoções e às experiências, e não se dá à pregação e ao ensino da Palavra a prioridade que deve ter.

Como é que os crentes podem combater o diabo, conhecendo o que “está escrito” e utilizando o “está escrito”, como Jesus, que conhecia a Palavra de Deus e citou-a diante de Satanás Mateus 4:1-11.

Em não conhecendo o que está “está escrito”, os crentes ficam meninos inconstantes, e deixam-se levar por todo o vento de doutrina.

Efésios 4:14 “para que não mais sejamos como meninos, agitados de um lado para outro e levados ao redor por todo vento de doutrina, pela artimanha dos homens, pela astúcia com que induzem ao erro”.

Muitas Igrejas estão cegas, e não compreendem que a missão da Igreja não é dentro do Templo.

É verdade que aprendemos muita coisa dentro do Templo, através do louvor e do ensino da Palavra, mas a missão é vivida fora do Templo, pregando e testemunhando aos perdidos em primeiro lugar, e ajudando os órfãos e as viúvas, os pobres e os que passam pela tribulação, expandindo desta forma o Reino de Deus na terra.

Aliás, os crentes crescem mais a evangelizar do que propriamente no culto dentro do templo.

Um crente que não evangeliza “enferruga”, um crente enferrugado, fica bloqueado, não pode crescer!

Um crente que evangeliza vai ao culto encher-se mais, porque esvaziou o que tinha, e agrada a Deus.

Um crente que não esvazia o que tem – que não evangeliza - além de não agradar a Deus quando está no culto, como não esvazia, não tem nada para encher.

A sua vida torna-se numa fachada, num ritual religioso, num domingueiro.

Para piorar este cenário, os crentes não aprendem a viver em santidade segundo os ensinamentos da Palavra de Deus

As emoções e as experiências descontroladas e que muitas vezes não estão de acordo com a Palavra e o Espírito de Deus, são um dos melhores meios (janelas) que os “espíritos” utilizam hoje para familiarizarem-se com as pessoas e crentes dentros da Igrejas e enganá-los. E, quantos não vivem enganados!?


I V. Laços pecaminosos e diabólicos

Eu não vou desenvolver este tema em separado porque de certa forma já vem implícito nos capítulos precedentes. Eu vou simplesmente alistar 12 laços em baixo, mas há mais, que são utlizados pelos “espíritos” para enlaçar pessoas, crentes, e até familias, Igrejas e nações inteiras durante as etapas da “Atracção e Sedução”. No caso de descrentes os laços podem levar à última etapa - a “Aquisição” ou possessão da pessoa pelos espíritos.

Em qualquer das 3 etapas do processo – atracção, sedução e aquisição – os laços têm que ser quebrados pela oração e em caso de possessão pelo exorcismo directo ou gradual. Quando existe numa familia um destes laços, ou numa Igreja ou numa nação, quanto mais gerações se tiverem passado dentro do “laço”, mais difícil são de quebrar.

Nós não devemos esquecer que estes laços só podem ser quebrados se houver reconhecimento e confissão do pecados das pessoas enlaçadas. O problema é que se já tiverem passado 3 gerações, há pessoas que já morreram e que nunca reconheceram e confessaram o pecado. Logo, deixam às gerações posteriores uma herança mais pesada e mais dificil para estas quebrarem o laço, seja ele quel for.

Quando há somente uma geração, ou duas no máximo, geralmente as pessoas ainda estão vivas e podem reconhecer e confessar o pecado.

Contudo, mesmo nestes casos, se as gerações mais novas reconhecem um laço na família, ou na sua Nação ou Igreja, e fazem a confissão, mas a geração mais velha não quer reconhecer, isto dificultará também a quebra dos laços.

No entanto, Deus é poderoso, se um individuo, ou uma familia, ou uma Nação, reconhece um pecado que os envolveu num laço diabólico e confessam e deixam, Deus irá intervir certamente na sua misericórida, em favor desta pessoa, familia ou Nação e quebrar o laço de forma que as gerações futuras possam viver livres do mesmo. Em baixo seguem 12 dos laços mais comuns, mas há mais.

A. Laços com a Idolatria.

B. Laços com “crimes de sangue”

C. Laços com a mentira e vigarice.

D. Laços com a busca do prazer e o egoismo.

E. Laços com a música, e artes profanas.

F. Laços com prostituição.

G. Laços com adições e perversões.

H. Laços com companhias más

I. Laços com os mortos.

J. Laços pervertidos dentro da família.

K. Laços negativos dentro das igrejas.

L. Laços com ressentimento e falta de perdão.



V I. Exorcismo, oração e combate espiritual

 A. Dois tipos de exorcismo

1. O exorcismo directo

Já dissemos que acreditamos no exorcismo directo, mais confrontativo, espontâneo, que é praticado nos casos mais severos, em que as pessoas estão de tal maneira tomadas pelos “espíritos” que dificilmente terão capacidade para serem esclarecidas.

Estas pessoas perderam a consciência, estão doentes e debilitadas do ponto vista espiritual, psicológico e físico e precisam de um exorcismo directo.

No caso do exorcismo directo, temos que pura e simplesmente rebentar a “ligação da pessoa com o espírito” expulsando-o da pessoa, o que pode acontecer logo na primeira, segunda ou terceira visita.

Se não conseguir-se expulsar o “espírito” através desta confrontação mais directa, teremos que dar iniciar ao processo gradual de exorcismo.

2. O exorcismo gradual

A libertação mais certa e duradoura é aquela que se efectua gradualmente, visitando a pessoas em casa, estudando a Bíblia, orando, e procurando esclarecer sobre questões ligadas com a salvação e a ligação ao mundo dos “espíritos” até a pessoa compreender que “caiu numa cilada num laço”, mas Jesus pode libertá-la e desta forma a pessoa passar a desejar a cura.

Ao esclarecermos a pessoa sobre a verdade, a mentira vai vindo ao de cima, e no momento da libertação a pessoa fica firme pois foi colocada na rocha que é a Palavra de Deus.

Este exorcismo gradual deve ser operado por crentes que têm um chamado para este fim e estejam devidamente equipados.

Normalmente não deviam actuar sozinhos, deviam ter pelo menos uma ou duas pessoas a ajudá-los. Os “espíritos” são muito fortes e são muito manhosos.

B. A oração bíblica

1. Definição

A oração biblica refere-se à declaração da Bíblia. Declarar, pronunciar, proclamar versículos em voz alta durante as secções com as pessoas possessas ou escravizadas, ou nas orações que fazemos mesmo em privado com o objectivo de rebentar certas correntes, ligações espirituais e confrontar e expulsar os “espíritos”.

Não é a Bíblia uma profecia, acima de tudo!!! Quando oramos e citamos versículos da Bíblia na nossa batalha espiritual contra o diabo, estamos a fazer uma oração de certo modo profética, pois através dos versículos declaramos (ou a profetizamos se preferir) que o diabo vai ser vencido nesta ou naquela situação.

É por isso que podíamos chamar oração profética. Pois é uma oração firmada em promessas ou declarações bíblicas sobre a vitória de Cristo e a derrota de satanás. Estamos a profetizar a derrota de satanás na nossa vida e dos nossos.

Mas, não faz mal se o irmão e a irmã prefere chamar oração biblica e não profética. O importante é que oremos baseados nas promessas e nas declarações bíblicas.

Não há nada mais eficiente e poderoso do que citar a Palavra de Deus ao diabo: “Está escrito”.

Devemos proclamar em voz alta versículos ligado com a situação em questão, versículos que nos revelam a vitória de Cristo e a derrota de satanás, ou a vitória dos crentes sobre satanás em nome de Cristo.

Vemos que Jesus utilizou este processo durante a tentação, a Palavra profética de Deus.

Está escrito: Não só de pão viverá o homem, mas de toda palavra que procede da boca de Deus. Também está escrito: Não tentarás o Senhor, teu Deus. Então, Jesus lhe ordenou: Retira-te, Satanás, porque está escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás, e só a ele darás culto. Com isto, o deixou o diabo, e eis que vieram anjos e o serviram

Ao ouvir a Palavra está escrito duas vezes e à terceira vez com uma ordem para retirar-se, o diabo foi embora.

Se confrontarmos os “espíritos” com a Palavra de Deus nunca correremos o risco de ser enganados, cair nas suas ciladas e a percentagem de sucesso será muito maior.

A oração biblica devia ser feita todos os dias, em nosso momento a sós com Deus, em que citando as escrituras em voz alta confrontamos situações em que sabemos que há envolvimento de “espíritos” a criar ou a piorar uma situação, seja na família, na nossa Igreja ou no nosso mundo.

Podemos citar também os versículos procurando quebrar situações que já vêm de gerações atrás. Se consultarmos mais uma vez os meios ou os laços que os “espíritos” utilizam para se familiarizarem, seduzir, adqurir ou oprimir, poderemos concluir que há laços ou situações provocados pelo contacto com os “espíritos” através de um desses meios ou laços, que já duram a algumas gerações.

A pessoa em questão, que cometeu o pecado, criando familiaridade com um “espírito” através de um dos meios ou laços citados, deverá reconhecer o pecado, confessá-lo e depois juntos com outros irmãos confrontarmos os “espíritos” pela Palavra de Deus e através da oração profética, declarando a vitória de Cristo e a derrota do diabo.

Mas além destes há muitos outros versículos que poderá utilizar.

2. Textos bíblicos

Em baixo seguem alguns textos bíblicos que são autênticas ferramentas que poderemos utilizar no combate espiritual, pronunciando e proclamando estas verdades durante a nossa oração profética, ou como queira chamar.

Levitico 19:31 “Não vos voltareis para os necromantes, nem para os adivinhos; não os procureis para serdes contaminados por eles. Eu sou o SENHOR, vosso Deus.”

Salmos 91:1-12 “O que habita no esconderijo do Altíssimo à sombra do Onipotente descansará 2 direi do SENHOR: Ele é o meu refúgio e meu baluarte, Deus meu, em quem confio.3 Pois ele te livrará do laço do passarinheiro e da peste perniciosa.4 Cobrir-te-á com as suas penas, e, sob suas asas, estarás seguro; a sua verdade é um escudo. Cobrir-te-á com as suas penas, e, sob suas asas, estarás seguro; 5 Não te assustarás do terror noturno, nem da seta que voa de dia, 6 nem da peste que se propaga nas trevas, nem da mortandade que assola ao meio-dia. 10 Nenhum mal te sucederá, praga nenhuma chegará à tua tenda. 11 Porque aos seus anjos dará ordens a teu respeito, para que te guardem em todos os teus caminhos. Eles te sustentarão nas suas mãos, para não tropeçares nalguma pedra. 12 Pisarás o leão e a áspide, calcarás aos pés o leãozinho e a serpente”.

Isaías 8:19 “ Quando vos disserem: consultai os necromantes e os adivinhos, que childreiam e mumuram, acaso, não consultará o povo ao seu Deus? A favor dos vivos consultar-se-ão os mortos?”

Isaías 53:4-5 “Ele tomou sobre si as nossas enfermidades e as nossas dores levou sobre si; e nós o reputávamos por aflito, ferido de Deus e oprimido. Mas ele foi traspassado pelas nossas transgressões e moído pelas nossas iniqüidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados”.

Mateus 4:11 “Está escrito: Não só de pão viverá o homem, mas de toda palavra que procede da boca de Deus. Também está escrito: Não tentarás o Senhor, teu Deus. Então, Jesus lhe ordenou: Retira-te, Satanás, porque está escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás, e só a ele darás culto. Com isto, o deixou o diabo, e eis que vieram anjos e o serviram”.

Mateus 25:41 “Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o diabo e os seus anjos”.

Lucas 6:18 “Jerusalém, levando doentes e atormentados de espíritos imundos, e todos eram curados. Achava-se na sinagoga um homem possesso de um espírito de demónio imundo, bradou em alta voz”.

João 8:44 “Vós sois do diabo, que é o vosso pai, ele foi homicida desde o princípio e nele não ha verdade, ele é mentiroso e pai da mentira”

João 10 “O ladrão vem somente para roubar, matar e destruir; eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância”.

Atos 8:7 “Pois os espíritos imundos de muitos possessos saíam gritando em alta voz; e muitos paralíticos e coxos foram curados

Atos 16:18“Então, Paulo, já indignado, voltando-se, disse ao espírito: Em nome de Jesus Cristo, eu te mando: retira-te dela. E ele, na mesma hora, saiu”

Atos 19: 12 “a ponto de levarem aos enfermos lenços e aventais do seu uso pessoal, e os espíritos malignos se retiravam”.

I Coríntios 12:10 “e a outro o discernimento de espíritos”.

II Coríntios 2:11 “para que Satanás não alcance vantagem sobre nós, pois não lhe ignoramos os desígnios”

Efésios 1:19-22 “a suprema grandeza do seu poder, segundo a eficácia da força do seu poder o qual exerceu ele em Cristo, ressuscitando-o dentre os mortos e fazendo-o sentar à sua direita nos lugares celestiais, acima de todo principado, e potestade, e poder, e domínio, e de todo nome que se possa referir não só no presente século, mas também no vindouro. E pôs todas as coisas debaixo dos pés”

Efésios 4.27 “nem deis lugar ao diabo”

Efésios 6:11 “Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para poderdes ficar firmes contra as ciladas do diabo”.

Colossences 2:14 “tendo cancelado o escrito de dívida, que era contra nós e que constava de ordenanças, o qual nos era prejudicial, removeu-o inteiramente, encravando-o na cruz” 15 “e, despojando os principados e as potestades, publicamente os expôs ao desprezo, triunfando deles na cruz”.

I Timóteo 3:7 “tenha bom testemunho a fim de não cair no opóbrio e no laço do diabo”

Hebreus 2:14 “”ele participou (da carne e sangue) para que, por sua morte, destruísse aquele que tem o poder da morte, a saber, o diabo”

Tiago 4:7 “Sujeitai-vos, portanto, a Deus; mas resisti ao diabo, e ele fugirá de vós”.

I João 3:8 “Para isto se manifestou o Filho de Deus: para destruir as obras do diabo”.

I João 4:4 “Porque maior é aquele que está em vós do aquele que está no mundo”.

Apocalipse 18:2 ”Então, exclamou com potente voz, dizendo: Caiu! Caiu a grande Babilônia e se tornou morada de demônios, covil de toda espécie de espírito imundo e esconderijo de todo gênero de ave imunda e detestável”

Apocalipse 20:10 “O diabo foi lançado para dentro do lago de fogo e enxofre e será atormentado de dia e de noite pelos séculos dos séculos”.

C. Casos para a oração

Todos nós conhecemos casos entre irmãos em Cristo, homens e mulheres fiéis à obra de Deus, mas que, por qualquer razão, têm filhos ou familiares envolvidos com pecados grosseiros que poderão ter como causa a familiaração com “espíritos”, através de um dos 12 meios ou 12 laços citados em cima, ou outros não citados.

Apesar da fidelidade desses crentes e das suas orações intensas e diárias, isto não impediu que o filho, ou a filha, ou um familiar se tornasse familiar com um “espírito” que acabou por possuí-lo, escravizá-lo ou simplesmente influenciar.

Quantos filhos de crentes não estão hoje desviados e envolvidos na prostituição, homossexualismo, lesbianismo, droga, álcool, espiritualismo, espiritismo, ateismo e até envolvidos com grupos extremistas esotéricos e satânicos.

Porquê? Qual foi a causa? Porquê que as orações dos crentes e pais não funcionam? Será por serem mais infiéis do que crentes que não têm familiares nessa situações?

Claro que não podemos pôr em questão a fidelidades desses crentes, dentro dos quais qualqer de nós pode estar incluído!

Segundo a minha opinião, eu acho que uma das razões, além daquelas que são misteriosas e desconhecidas, é o que temos vindo a salientar,”não podemos brincar com o diabo nem ignorá-lo”, pois, ao mínimo descuido, abertura de uma pequena brecha, uma pequena ligação com uma coisa duvidosa, os “espíritos” aproveitam e dão início ao processo de familiarização que se desenvolve com as três etapas:

1. Atracção 2. Sedução 3. Aquisição até a pessoa estar possessa e escrava.

Se tocou numa coisa duvidosa, peça perdão, se o filho, filha ou familiar em questão, ou uma pessoa amiga, tocou numa coisa duvidosa, funcione como um sacerdote, vá e coloque-se entre Deus e a pessoa em questão, como um mediador e faça a confissão dos pecados da pessoa, não esquecendo-se dos seus próprios pecados. Estude o livro de Joel no meu blogue.

Leia sobre a atitude de Esdras que assumiu o pecado da Nação, como se fosse o seu próprio pecado.

Foi isto que Jesus fez na cruz. Substituiu para restituir!!!

Leve consigo diante de Deus o seu pecado e o pecado da pessoa em questão, assumindo a sua co-responsabilidade pelos mesmos, e lute junte de Deus, contra Satanás, proclamando as verdades do Evangelho e a vitória de Cristo sobre as “potestades”, na base de versículos da Bíblia.

E acredite nas promessas de Deus, como podemos ler nos textos em baixo:

Mateus 17:20 “ “se tiverdes fé como um grão de mostarda, direis a este monte (problema, espírito): Passa daqui para acolá, e ele passará, e nada vos será impossível”.

Esta verdade foi citada por Cristo durante um caso de possessão, em que os discipulos não conseguiram expulsar o demónio que atormentava o menino lunático. Jesus disse que uma fé mesmo pequena pode expulsar um demónio (mover um monte). Basta uma fé do tamanho de um grão de mostarda!

Marcos 10:27 “para os homens é impossível; contudo, não para Deus, porque para Deus tudo é poissível”

Colossences 2:14 “tendo cancelado o escrito de dívida, que era contra nós e que constava de ordenanças, o qual nos era prejudicial, removeu-o inteiramente, encravando-o na cruz” 15 “e, despojando os principados e as potestades, publicamente os expôs ao desprezo, triunfando deles na cruz”.

Ordenemos pela Palavra sem receio, mesmo que a nossa fé não seja grande como a dos grande servos de Deus, para que os montes (demónios e problemas) se retirem.

Se já fez tudo isto, e ainda não viu resultado, continue ... persevere ... ore cem cessar.

 
V I. Luta contra os falsos profetas

Um laço muito forte é a sedução vinda dos falsos profetas e mestres que entram nas Igrejas, vestido de ovelhas, mas interiormente são lobos devoradores, cujo o alvo é enriquecerem-se à custa das pessoas e muitos são crentes que os ouvem e caem nas suas seduções.

É por esta razão que a Bíblia está cheia de avisos acerca dos mesmos e diz claramente que além de não os seguirmos, nem aos seus ensinamentos, devemos condená-los e denunciar os seus ensinamentos.

Os falsos profetas têm muito um grande poder de mentira e engano, às vezes é simplemente um poder comercial, voltado para o lucro enganoso, mas, muitas vezes, este poder lhes é atribuido directamente dos espíritos que os utilizam para enganar e levar as pessoas para a perdição

A. Cuidado com os falsos profetas e mestres.

Mateus 7:14 “Acautelai-vos dos falsos profetas …”

Actos 20:28-29 “Olhai, pois, por vós, e por todo o rebanho, porque eu sei que ... entrarão no meio de vós lobos cruéis”

Romans 16:17-19 I urge you, brothers, to watch out for those who cause divisions and put obstacles in your way that are contrary to the teaching you have learned.Ver Romanos 16:17-19

B. Mascaram-se em apóstolos de Cristo.

Mateus 7:14 “… que vêm até vós vestidos como ovelhas, mas, interiormente são lobos

II Corintios 11:13 “... transfigurando-se em apóstolos de Cristo ...”

II Timoteo 4:5 “... tendo a aparência de piedade ...”

C. Eles são conhecidos pelos seus frutos.

Mateus 7:16 “Pelos seus frutos os conhecereis.”

D. Eles enganam a muitos.

Mateus 24:11 “ ... e surgirão muitos falsos profetas, e enganarão a muitos”

E. Podem utilizar sinais falsos.

Mateus 24:24 “... e farão tão grandes sinais e prodigios”

F. Eles ensinam doutrinas falsas.

I Timoteo 4:2 “... dando ouvidos a espiritos enganadores e a doutrina de demónios”

II Timoteo 4:3 “... porque virá tempo em que não sofrerão a sã doutrina ... mas amontoarão para si doutores ... voltando as fábulas”

Ver ainda Colossences 2:18

G. As doutrinas deles são como o vento.

Efésios 4:14 “... levados em roda por todo o vento de doutrina”.

H. Eles devem ser condenados.

Galatas 1:7-9 “... se alguém vos anuncie outro Evangelho ... seja anátema”.

I. Eles sofrerão repentina destruição.

II Pedro 2:1 “... trazendo sobre si mesmos repentina destruição ”

J. Ai deles!

Mateus 23:1-34 “Ai de vós”

Judas 11 “Ai deles”

Blog do viriato: http://www.religiao-filosofia.blogspot.com/

FINAL

Sem comentários: